Oswald Spengler e a Esterilidade do Civilizado

Existe tal coisa como “excesso de civilização”? Ou seja, um estado de desenvolvimento excessivo culminando na alienação e na esterilidade? É assim que Oswald Spengler analisa o ocaso das civilizações.

Vamos falar sobre Spengler, mas eu gostaria de fazer algumas observações preliminares e essenciais para explicar por que os europeus certamente morreram como seres há muito tempo.

Em minha coleção sobre pensadores alemães, enfatizei esse ódio e medo do mundo moderno e da catástrofe que ele traz; ele pode ser encontrado em todos os grandes pensadores alemães e austríacos, incluindo os judeus.

Em seu pequeno texto sobre a guerra, eis o que Freud escreveu sobre cultura:

“E aqui está o que eu acrescentaria: desde tempos imemoriais, a humanidade tem passado pelo fenômeno do desenvolvimento da cultura (alguns preferem, eu sei, usar o termo civilização aqui). É a esse fenômeno que devemos o melhor do que somos feitos e muito do que sofremos. Suas causas e origens são obscuras, seu resultado é incerto e algumas de suas características são facilmente discerníveis”.

Aqui estão as consequências desse desenvolvimento cultural, que é tão prejudicial em certos aspectos, e ao qual nossas elites atuais são muito dedicadas:

“Ele pode muito bem levar à extinção da raça humana, pois é prejudicial em mais de um aspecto à função sexual, e as raças incultas e os estratos atrasados da população já estão aumentando em proporções maiores do que as categorias refinadas”.

Goethe já estava sonhando com o camponês, ainda não muito poluído pela civilização:

“A nossa população rural”, respondeu Goethe, “sempre se manteve vigorosa, e é de se esperar que, por muito tempo, ela esteja em condições não apenas de nos fornecer cavaleiros, mas também de nos salvar da decadência absoluta; ela é como um depósito onde as forças lânguidas da humanidade são constantemente reabastecidas e se renovam. Mas vá para nossas grandes cidades e você terá uma impressão diferente…”.

E no início do segundo volume de suas conversas com Eckermann (veja meus textos), ele insiste no enfraquecimento do homem moderno:

“Converse com um novo Diabo coxo, ou faça amizade com um médico com uma clientela considerável – ele lhe contará histórias suaves que o farão estremecer, mostrando-lhe as misérias, as enfermidades de que sofrem a natureza humana e a sociedade…”

Vamos nos voltar agora para o declínio do Ocidente de Spengler. No Volume II e no capítulo sobre cidades, nosso autor escreve linhas admiráveis sobre o fim do tato cósmico. Ouça o que diz o mestre:

“O que torna o citadino da cidade mundial incapaz de viver em qualquer outro lugar que não seja nesse terreno artificial é a regressão do tato cósmico de seu ser, enquanto as tensões de seu ser desperto se tornam mais perigosas a cada dia. Não nos esqueçamos de que o lado animal do microcosmo, o ser desperto, é adicionado ao ser vegetal, mas não vice-versa. O tato e a tensão, o sangue e o espírito, o destino e a causalidade são como o campo florido e a cidade petrificada, como o ser e o que depende dele. A tensão sem o tato cósmico que a anima é a passagem para o nada.”

Como Mirbeau, Spengler percebe que nas grandes cidades “todas as cabeças são iguais”:

“A inteligência é o substituto da experiência inconsciente da vida, o exercício magistral de um pensamento esquelético e emaciado. Os rostos inteligentes são iguais em todos os povos. É a própria raça que se afasta deles. Quanto menos uma pessoa sente o que é necessário e óbvio, quanto mais ela se acostuma a querer ‘iluminar’ tudo, mais a pessoa desperta acalma sua fobia de causalidade. Daí a identificação do homem com o conhecimento e a demonstração; daí também a substituição do mito causal ou da teoria científica pelo mito religioso; daí, finalmente, a noção de dinheiro abstrato, considerado como a pura causalidade da vida econômica, em oposição ao comércio rural, que é tato e não um sistema de tensões”.

E como citei Mirbeau:

“…Tenho notado, com poucas exceções, que as cidades, especialmente as cidades de trabalho e riqueza, que, como Antuérpia, são saídas para todas as humanidades, rapidamente unificam, em um único tipo, o caráter dos rostos… Agora parece que, em grandes aglomerações, todos os ricos se parecem, e também todos os pobres”.

Isso está em La 628-E8, um livro prodigioso cuja heroína é… um carro.

Pouco entretenimento urbano (Spengler novamente):

“A única forma de recreação, específica da cidade mundial, que a tensão intelectual conhece é o relaxamento, a ‘distração'”.

E tudo leva logicamente à esterilidade que aflige todas as raças e povos do mundo neste século XXI, apaixonado por grandes substituições e pela falta de inteligência artificial. Spengler:

“E desse crescente desenraizamento do ser, dessa crescente tensão do ser desperto, resulta, como consequência suprema, um fenômeno preparado por muito tempo, abafado, que de repente se manifesta à luz clara da história para pôr fim a todo o espetáculo: a esterilidade do civilizado”.

Não é a cultura da morte do papa polonês, é “a virada metafísica em direção à morte” que Spengler incrimina com mais razão (isso explica por que todos os renascimentos cristãos previstos nos últimos dois séculos fracassaram):

“Esse fenômeno é impossível de ser entendido pela causalidade fisiológica, como a ciência moderna, por exemplo, tem tentado fazer diariamente. Pois ele implica absolutamente em uma virada metafísica em direção à morte. Sim, como indivíduo, mas como um tipo, como um coletivo, o último homem nas cidades do mundo não quer mais viver: a fobia da morte está extinta nesse organismo coletivo. O medo profundo e sombrio que domina o camponês, a ideia da morte de sua família e de seu nome, perdeu seu significado. Na continuidade do sangue, um parente próximo do mundo interior visível, não se sente mais o dever do sangue, a condição final do ser, uma fatalidade”.

Spengler seria acompanhado por Freud nesse ponto exato:

“As crianças estão desaparecidas não apenas porque seu nascimento se torna impossível, mas porque a inteligência extremamente avançada não encontra mais razões para sua própria existência.”

Esse é um problema ao qual os gregos e os romanos já estavam expostos (veja minha coleção sobre a decadência deles) e sobre o qual Ibn Khaldun escreveu longamente. A impossibilidade de repovoamento – na Rússia de hoje e em qualquer outro lugar – é evidente. As pessoas não estão mais dispostas ou aptas a fazer isso. O despovoamento da civilização niilista ocidental não é a necessidade de que falava Hitler a Rauschning: tornou-se um destino.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Nicolas Bonnal

Historiador e ensaísta francês.

Artigos: 49

Deixar uma resposta