30 Anos de Trainspotting

Em 1993 era lançado Trainspotting, obra que inspirou um filme famoso de mesmo nome, e que se passa numa Escócia em crise econômica graças ao neoliberalismo. A obra é uma expressão de um niilismo urbano pós-punk que exemplifica um momento anterior da decadência do Ocidente, cujos desdobramentos ainda estamos acompanhando.

Era 1993 e um livro mudaria a literatura contemporânea para sempre: estamos falando de Trainspotting e hoje tentaremos analisar o que está por trás desse verdadeiro fenômeno social e de estilo de vida.

Um romance intolerável

O futuro escritor Irvine Welsh passou grande parte da década de 1980 viciado em heroína em sua cidade natal, Leith, um subúrbio de Edimburgo. Apaixonado por punk e pelo time do Hibernian, ele se sustentava com biscates e pequenos golpes quando não estava muito chapado. Nesse meio tempo, começou a escrever uma série de contos e pensamentos, em parte inspirados por suas experiências e pelas pessoas que conheceu. Depois de se recuperar do vício, ele reuniu esses escritos em um romance com uma estrutura não linear: dividido em sete seções, ele nos apresenta alguns personagens principais alternados com outros não estritamente relacionados à história. Algumas histórias são contadas em primeira pessoa, enquanto outras em terceira, e o tom da narração também muda dependendo do personagem. Estamos em Edimburgo, no final dos anos 1980, e as drogas estão na ordem do dia em uma cidade em meio a uma crise econômica, tanto que um personagem pronuncia a frase “A Escócia usa drogas como defesa psíquica”. A vida desses anti-heróis flui freneticamente entre heroína, futebol, bares e sexo em um vórtice que parece não ter esperança ou redenção, tudo escrito em uma gíria escocesa que parece explodir a cada página.

Não é preciso dizer que o romance foi rejeitado por quase todas as editoras do Reino Unido até que finalmente encontrou uma editora. E, incrivelmente, foi um sucesso instantâneo. O boca a boca fez com que todos quisessem ler as histórias de Renton, Begbie, Spud, Sick Boy e Tommy. Aventuras picarescas que beiravam o grotesco, mas que, mesmo assim, imediatamente tocaram o ouvinte: Renton, o alter ego do autor, Begbie, o hooligan implacável, Spud, o drogado terno e sem esperança, Sick Boy, o cínico sem coração, e Tommy, o amante infeliz. E, ao redor deles, uma série de figuras que não teriam se desfigurado em uma história de piratas como A Ilha do Tesouro, de Robert Louis Stevenson. Não é preciso dizer que o romance mudou a vida de Welsh, dando-lhe fama e riqueza e transformando-o na nova voz mais poderosa da Grã-Bretanha, onde o livro vendeu mais de um milhão de exemplares, e em todo o mundo foi traduzido para mais de trinta idiomas.

Trainspotting, tudo defasado, portanto perfeito

O final, então, todos nós conhecemos: a grande traição de Mark Renton. Aquele “Choose Life” que parece uma zombaria, quando ele foge para Amsterdã com o dinheiro da venda de uma remessa de heroína. Tudo em Trainspotting é tão defasado e, ao mesmo tempo, tão inovador que é absolutamente perfeito. Assim, tornou-se uma peça teatral de sucesso e, depois, é claro, só poderia chegar ao cinema. Em 1996, o diretor britânico Danny Boyle levou o filme para as telas (o que não foi fácil, dada a natureza não uniforme do texto), mas a simplificação de algumas histórias e o foco em apenas alguns personagens surtiram o efeito desejado: o filme foi um triunfo mundial e até ganhou uma indicação ao Oscar de melhor roteiro não original, tornando Ewan McGregor e Robert Carlyle estrelas, nos papéis de Renton e Begbie, respectivamente.

Desde então, é claro, a carreira de Irvine Welsh tem sido uma sucessão de sucessos, mas ele nunca abandonou seus amados personagens. Na verdade, todo o seu trabalho se passa no universo de Trainspotting, mesmo quando nossos heróis são apenas sugeridos. A história principal, no entanto, foi tão procurada que Welsh não resistiu a dedicar novos trabalhos a ela. Assim, temos nada menos que três continuações: Porn, que foi levada à tela grande novamente por Danny Boyle sob o título T2: Trainspotting, The Knife Artist, que nos mostra como Begbie fez fortuna como escultor, e Dead Man Walking, que mostra a morte do pobre Spud. Por fim, temos também a prequela Skagboys, que nos mostra os personagens ainda sendo garotos.

Envelhecido como um grande vinho

A coisa mais extraordinária de reler o primeiro romance depois de trinta anos é como ele envelheceu bem, como um grande vinho, tornando-o candidato a se tornar um clássico imortal da literatura mundial nos tempos vindouros. Welsh tem o inestimável mérito de não julgar, mas de nos fazer amar seus personagens mesmo com suas fraquezas, tanto que, como Oliver Twist pedindo mais sopa, nós também estamos sempre pedindo mais Trainspotting.

Concluímos com duas curiosidades. O título deriva do capítulo “Observando os trens na estação central de Leith”, quando um vagabundo, que mais tarde se revela ser o pai de Begbie, pergunta aos protagonistas se eles estão trainspotting, ou seja, se são pessoas desempregadas que passam o tempo observando trens. O romance foi indicado para o prestigioso Booker Prize e era praticamente uma conclusão inevitável, mas acabou sendo rejeitado por ofender a sensibilidade feminina de duas das juradas. Tememos que hoje, na era do Me Too e da cultura do cancelamento, talvez nem tenhamos tido a chance de ler o livro.

Fonte: Il Primato Nazionale

Imagem padrão
Roberto Johnny Bresso

Escritor italiano.

Artigos: 49

Deixar uma resposta