Srebrenica: Novas Descobertas Enfraquecem a Narrativa Hegemônica

A história das Guerras Iugoslavas segue sendo examinada, com novas descobertas constantes, pondo em cheque a narrativa atlantista da culpabilidade sérvia.

Este ano, as cerimônias anuais de 11 de julho em memória de Srebrenica serão mais moderadas do que o habitual. Há boas razões para isso. O “cansaço da Ucrânia”, que está se espalhando por muitos países, agora foi aumentado pelo cansaço de Srebrenica. Ambos os fenômenos são uma reação natural ao engano cínico, especialmente quando as mentiras foram camufladas com ideais elevados e frases sonoras. Quando a verdade se torna conhecida, o jogo acaba e, então, ai dos enganadores.

Na genealogia das principais fraudes políticas, Srebrenica, há pouco mais de um quarto de século, foi um precursor remoto de Bucha. Mas, ao contrário de Bucha, um massacre fraudulento que foi rapidamente desconstruído, Srebrenica permaneceu por muito tempo para o Ocidente coletivo como um presente de propaganda que continua sendo oferecido.

Poucas pessoas estão cientes de um dos principais benefícios de Srebrenica, se é que essa é a palavra apropriada. É a doutrina nefasta do R2P, ou “direito de proteger”. A OTAN e as agências subversivas ocidentais a invocaram impiedosamente em várias ocasiões para destruir países desobedientes e arrasar suas sociedades sob o pretexto mentiroso de evitar genocídio. Srebrenica é a raiz de tudo isso. Uma narrativa foi logo moldada e transformada em arma depois do que aconteceu em Srebrenica, em julho de 1995, sobre o fracasso dos “mocinhos” (o Ocidente) em agir de forma decisiva e em tempo hábil para impedir que os “vilões” (os sérvios) cometessem genocídio (assassinando arbitrariamente os memificados “8.000 homens e meninos”). Isso foi apresentado como uma lição objetiva e uma futura diretriz política. O suposto fracasso em proteger os “8.000 homens e meninos de Srebrenica” posteriormente se transformou em uma obrigação moral de entrar em uma onda de intervenção humanitária em todo o mundo. Isso impôs aos “mocinhos” o dever de agir sempre que julgassem que um evento genocida semelhante estava prestes a ocorrer. Enquanto bombardeavam, eles podiam usar seu poderio militar para saquear e obter vantagens geopolíticas, ao mesmo tempo em que se autojustificavam com o grito de “nunca mais”.

Kosovo, Iraque, Líbia e Síria são alguns exemplos de como essa suposta lição foi absorvida com sucesso e teve efeito prático na forma de ataques não provocados e ilegais a países soberanos (no caso de Kosovo, foi a Iugoslávia). Pode ser discutível se o objetivo real dessas intervenções era resgatar populações supostamente ameaçadas por genocídio ou assumir o controle de Estados insubordinados e saquear seus recursos naturais. Mas, de qualquer forma, essa era a história oficial.

Como se vê, o custo humano das atividades de prevenção de genocídio pelo “direito de proteger”, em última análise, originadas em Srebrenica, tem sido terrível. Somente no Iraque, estimativas confiáveis apontam para cerca de um milhão (e tudo “valeu a pena”, na famosa frase de Madeleine Albright), na Síria talvez a metade, na Líbia, muitos milhares, além do completo colapso social e governamental, sem mencionar a reinstituição da escravidão em algumas partes do país desintegrado como um bônus extra. Em Kosovo, atualmente ocupado por tropas da OTAN e que finge ser “independente”, após ferozes bombardeios em 1999, incluindo o uso generoso de munições de urânio empobrecido (uma repetição disso está em andamento na Ucrânia, resgatada de forma semelhante), a mortalidade por câncer é enorme e sem precedentes em comparação com a situação anterior aos bombardeios da OTAN. Bebês humanos e animais com deformações horríveis estão nascendo em grande número. Por último, mas não menos importante, é irônico que, assim como os “8.000 homens e meninos de Srebrenica” cuja memória essas guerras humanitárias da OTAN foram conduzidas para consagrar, a esmagadora maioria das vítimas em Kosovo, Iraque, Síria, Líbia e outros lugares obviamente também são muçulmanos.

Assim como a justificativa humanitária desprezível para as guerras saqueadoras do Ocidente coletivo fundadas no “direito de proteger”, o número original de 8.000 vítimas de Srebrenica é totalmente fraudulento. Como George Pumphrey demonstrou conclusivamente, ele não se baseou em uma contagem real de corpos, mas em um amálgama enganoso de dois números separados de pessoas desaparecidas que circularam em meados de julho de 1995 no caos que se seguiu à queda do enclave para as forças sérvias. As evidências reunidas posteriormente não dão nenhum apoio a essa improvisação matemática.

Entre 1996 e 2001, equipes forenses contratadas pela Promotoria do Tribunal de Haia realizaram exumações de valas comuns suspeitas de conterem vítimas das execuções de Srebrenica. Uma análise cuidadosa dos 3.568 relatórios de autópsia que as exumações geraram produziu descobertas incompatíveis com as suposições iniciais. Ao contrário da expectativa de que seriam mais ou menos uniformes, se as vítimas tivessem sido executadas de maneira semelhante, os padrões de lesão eram muito heterogêneos. Ainda mais importante, descobriu-se que um número estatisticamente significativo das vítimas não sucumbiu a balas, como seria esperado em execuções, mas a ferimentos causados por minas, projéteis de artilharia e munições de alta velocidade que causaram ferimentos por explosão. Esses ferimentos são compatíveis com combate, mas atípicos em execuções. Também foi determinado que a causa e a forma da morte, conforme registradas nos relatórios de autópsia, poderiam apoiar um cenário de execução para, no máximo, cerca de 800 a 900 dos casos. Por acaso, isso corresponde aproximadamente ao número de civis nas aldeias sérvias ao redor de Srebrenica que foram mortos por formações militares bósnias em ataques realizados de dentro do enclave nos três anos anteriores à sua queda. Por fim, quando os ossos emparelhados do fêmur das vítimas de Srebrenica foram contados para fixar com relativa precisão o número de indivíduos exumados, descobriu-se que as valas comuns continham cerca de 1.920 pessoas que morreram de diversas causas, das quais apenas uma foi execução. Esse número ficou muito aquém da meta de 8000.

Isso provavelmente explica por que, em 2001, as exumações forenses foram encerradas abruptamente e sem nenhuma razão convincente. A partir de então, as exumações foram substituídas pela comparação de DNA, um método muito mais suscetível a erros e, previsivelmente, produziu o número desejado de cerca de 8.000 vítimas de Srebrenica.

Os relatórios das autópsias e a interpretação de seus resultados foram publicados e estão ao alcance de qualquer pessoa que possa se interessar. Eles estão disponíveis, mas são ignorados. Em casos de assassinato, essa prova forense diretamente da cena do crime é considerada a principal evidência. No entanto, a Promotoria do Tribunal de Haia nunca apresentou os relatórios das autópsias de Srebrenica, com suas implicações inconvenientes, como prova. Mas, felizmente, eles estão disponíveis para especialistas forenses e acadêmicos independentes.

Além das evidências forenses desfavoráveis, os outros dados que mudaram o jogo e que surgiram após Srebrenica são as declarações contemporâneas de sobreviventes do enclave que conseguiram chegar ao território controlado pelas autoridades de Sarajevo depois de uma fuga armada do território controlado pelos sérvios. Ao chegarem em segurança a Tuzla, na segunda metade de julho de 1995, os sobreviventes foram interrogados pela Cruz Vermelha, pelo pessoal de campo da ONU e por representantes das autoridades de Sarajevo, enquanto as impressões ainda estavam frescas em suas mentes. Seus depoimentos mostram que, por volta de 11 de julho de 1995, de 12 a 15 mil homens de Srebrenica saíram em uma caminhada de 60 quilômetros para fora do enclave quando ficou claro que ele cairia nas mãos das forças sérvias, que a coluna era mista, composta por militares armados e civis, e que, no combate feroz que se seguiu com as forças sérvias, a coluna sofreu baixas horríveis. Como a coluna era mista e continha elementos armados que entraram em combate, do ponto de vista das leis e costumes da guerra, todas as baixas resultantes foram legítimas. Essa é a razão pela qual os oficiais e soldados sérvios que dispararam contra a coluna e causaram mortes em suas fileiras nunca foram acusados pelo Tribunal de Haia. O enorme número de mortes em combate da coluna também explica as baixas causadas por outras munições além de balas, como minas e projéteis de artilharia, das quais foram encontradas amplas evidências nos relatórios de autópsia.

Uma quantidade suficiente desses depoimentos de testemunhas sobreviventes também é facilmente acessível, mas, assim como os relatórios de autópsia, não foram disponibilizados prontamente para o público em geral, nem nunca foram apresentados em um tribunal. A evidência de que, em julho de 1995, a maioria das mortes relacionadas a Srebrenica era de combate e não de execução teria prejudicado gravemente a coerência da narrativa oficial de Srebrenica. Portanto, julgou-se, talvez com razão, que essa prova também deveria ser discretamente mantida fora da arena pública.

em março deste ano, um novo detalhe surgiu no catálogo aparentemente interminável de tergiversações sobre Srebrenica. O ex-promotor do ICTY, Geoffrey Nice, que foi responsável por vários casos de Srebrenica e ganhou a maior parte de sua fama ao processar Milošević, revelou a um jornalista da televisão bósnia que os documentos do Departamento de Estado que ele analisou mostram que, em 28 de maio de 1995, os EUA, a Grã-Bretanha e a França tomaram a decisão e, presumivelmente, comunicaram aos sérvios que, no caso de um ataque sérvio a Srebrenica, essas potências não responderiam com meios militares.

À luz da crença humanitária do “nunca mais” desses mesmos países, essa é uma informação extremamente comprometedora. A posição adotada pelos principais países da coalizão ocidental e telegrafada aos sérvios seis semanas antes de eles começarem a considerar um ataque a Srebrenica lembra alguma coisa? Sim, ela lembra um subterfúgio semelhante usado com sucesso contra Saddam Hussein, assegurando-lhe que as potências ocidentais não tomariam nenhuma atitude caso ele decidisse invadir o Kuwait. A situação descrita por Nice é surpreendentemente análoga. Em ambos os casos, as expressões simuladas de contenção serviram para prender seu alvo. A interpretação mais lógica seria a de que um convite virtual estava sendo enviado aos sérvios para que eles tomassem Srebrenica e, em seguida, esperassem se vingar maciçamente da morte de seus próprios civis nos três anos anteriores.

Em sua maioria, os sérvios não morderam a isca, mas alguns elementos desonestos de suas fileiras acabaram agindo de acordo com o plano. A execução de várias centenas de prisioneiros, inflada dez vezes em termos propagandísticos, estabeleceu as bases para o acordo de paz de Dayton no final daquele ano, permitindo um protetorado ocidental aparentemente permanente sobre a Bósnia e Herzegovina, que era estrategicamente importante. Também forneceu cobertura de propaganda para a “Operação Tempestade” no mês seguinte, o ataque croata apoiado e auxiliado pelo Ocidente à região sérvia de Krajina. Isso resultou na expulsão de um quarto de milhão de sérvios de sua terra natal ancestral, mas esse ato flagrante de limpeza étnica foi convenientemente ofuscado por Srebrenica. O embaixador dos EUA em Zagreb, Peter Galbright, tinha razão quando declarou mais tarde que “sem Srebrenica, não teria havido a Operação Tempestade”.

Tampouco poderia ter havido a justificativa “humanitária” da R2P para Kosovo, Iraque, Síria ou Líbia ou a destruição e o caos que foram desencadeados lá sob o slogan duplicado “Srebrenica nunca mais”.

Fonte: Strategic Culture

Imagem padrão
Stephen Karganovic

Historiador e ativista sérvio.

Artigos: 52

Deixar uma resposta