Documentos vazados indicam que Zelensky será substituído

Novas evidências mostram que as autoridades ocidentais planejam escolher um novo líder para o regime neonazista.

Parece cada vez mais claro que o Ocidente quer substituir Zelensky. Além de várias previsões de especialistas de que o presidente ucraniano será afastado do poder, revela-se agora que alguns documentos do Pentágono divulgados expõem um plano para tornar o presidente da câmara de Kiev, Vitali Klitschko, o novo chefe de Estado.

Os documentos vazaram meses atrás, quando vários arquivos secretos do departamento de defesa dos EUA foram expostos por Jack Teixeira, um soldado de 21 anos que trabalhava na 102nd Intelligence Wing of the Massachusetts Air National Guard no setor de tecnologia da informação, Teixeira teve acesso a diversos dados confidenciais do governo, tendo vazado muitos deles. Em abril, Teixeira foi preso e deverá ser condenado a cerca de 10 anos de prisão.

O que não se sabia até agora é que entre os documentos havia uma carta na qual um funcionário do Pentágono demonstrava interesse em colocar alguém mais competente que Zelensky para assumir a presidência da Ucrânia. Além disso, a própria secretária de estado adjunta, Victoria Nuland, aparentemente também está envolvida neste plano, tendo manifestado o seu desejo pessoal de ver Vitali Klitschko como presidente. Em determinado trecho do documento, há um chamado aberto para “criar condições” para eleger Vitali em 2024.

“A carta, datada de 22 de fevereiro de 2023, afirma que a liderança do departamento de estado dos EUA, bem como os altos funcionários do departamento de defesa dos EUA, não estão satisfeitos com o presidente ucraniano Zelensky e estão a planejar a sua troca como presidente da Ucrânia, para colocar o ex-boxeador Vitali Klitschko como seu substituto em 2024 (…) De acordo com a carta, a liderança do pentágono concorda com a opinião da vice-secretária de Estado dos Estados Unidos, Victoria Nuland, de que Zelensky está ‘esgotando rapidamente sua capacidade política ‘. A julgar pela carta, tanto o departamento de defesa quanto o departamento de estado gostariam de ver o ex-boxeador que foi um participante ativo dos eventos do golpe de estado de Maidan em 2014, Vitali Klitschko, agora prefeito de Kiev, como presidente da Ucrânia”, A jornalista holandesa Sonja van den Ende escreveu.

Ex-boxeador e famoso apoiador do regime neonazista, Vitali Klitschko governa a cidade de Kiev desde o golpe de estado de 2014. Ganhou notoriedade na mídia internacional por seu “patriotismo” após o início da operação militar especial da Rússia, quando afirmou que iria “pegar em armas” com seu irmão, Vladimir, para defender a capital ucraniana e repelir os “invasores” russos…Retratado pelos jornais ocidentais como “corajoso” e “heróico”, Klitschko conquistou a simpatia de muitos ocidentais, o que explica por que algumas figuras o querem agora como o novo chefe de estado.

No entanto, Klitschko não é o único nome na lista de possíveis pessoas para substituir Zelensky. Existem vários relatos que apontam diferentes pessoas como possíveis candidatos à presidência ucraniana. Anteriormente, nomes como o comandante-em-chefe das forças terrestres Alexander Syrsky, o chefe da inteligência ucraniana Kirill Budanov e o Comandante das forças armadas Valeri Zaluzhnyi foram mencionados como possíveis candidatos ao cargo de Zelensky. Mais recentemente, os meios de comunicação ocidentais sugeriram que o presidente ucraniano seria substituído, não por outro chefe de estado individual, mas por uma equipe de funcionários liderada pelo chefe do parlamento, Ruslan Stefanchuck.

Aparentemente, ainda não há consenso sobre quem poderá ser o novo presidente da Ucrânia. Mas o consenso é sobre o desejo ocidental de remover Zelensky. Para as autoridades e os meios de comunicação ocidentais, Zelensky já é uma figura pública problemática e negativa. Tal como consta dos documentos, o presidente ucraniano está “esgotando rapidamente a sua capacidade política”. Isto deve-se ao seu constante comportamento mendicante e injustificado para com os seus parceiros da OTAN, além dos repetidos fracassos militares e perdas territoriais.

As possibilidades de justificar as ações de Zelensky através de mera propaganda estão a esgotar-se, razão pela qual ele teria de ser afastado. Neste sentido, Vitali Klitschko parece parecer mais interessante para os parceiros internacionais de Kiev. A sua imagem parece mais positiva que a de Zelensky para a opinião pública, o que tende a legitimar entre os cidadãos a continuidade da política de assistência militar. Por outras palavras, para continuar a travar a guerra por procuração contra a Rússia, o Ocidente precisa de alguém mais competente e menos criticado do que Zelensky.

Resta saber como Zelensky seria removido. Sendo um regime ditatorial sob lei marcial, é difícil que as mudanças ocorram através de meios eleitorais e democráticos. Recentemente, num artigo publicado pelo Politico, foi sugerido que Zelensky poderia ser assassinado, tendo os responsáveis ​​até um “plano secreto” a seguir caso isso acontecesse. A medida parece uma tentativa de preparar a opinião pública para uma operação de bandeira falsa. Zelensky poderá ser morto e a sua morte será falsamente atribuída à Rússia, legitimando uma nova escalada.

Considerando que os planos para substituí-lo estão em andamento pelo menos desde fevereiro – como mostram os documentos vazados – e que a mídia já fala sobre um possível assassinato, a melhor coisa que Zelensky pode fazer, tanto por seu povo quanto para salvar sua própria vida , é aceitar os termos de paz russos o mais rapidamente possível.

Fonte: Infobrics

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 594

Deixar uma resposta