A Última Batalha Russa: Seis Posições Principais

O confronto entre a Rússia e o Ocidente é muito mais amplo do que a maioria das pessoas entende à primeira vista. Ele precisa ser lido em uma multiplicidade de contextos distintos.

A OME como um evento importante na história mundial

Muitos estão começando a perceber que o que está acontecendo não pode, de forma alguma, ser explicado pela análise de interesses nacionais, tendências econômicas ou política energética, disputas territoriais ou tensões étnicas. Quase todos os especialistas que tentam descrever o que está acontecendo com os termos e conceitos usuais do pré-guerra parecem, no mínimo, pouco convincentes e, muitas vezes, simplesmente estúpidos.

Para entender, mesmo que superficialmente, a situação, é preciso recorrer a categorias muito mais profundas e fundamentais, a análises cotidianas que quase nunca são questionadas.

A necessidade de um contexto global

O que ainda é chamado na Rússia de “Operação Militar Especial”, e que na realidade é uma verdadeira guerra com o Ocidente coletivo, só pode ser entendido no contexto de abordagens de grande escala, como:

  • geopolítica, baseada na consideração do duelo mortal entre a civilização do mar e a civilização da terra, que identifica o agravamento final da grande guerra continental;
  • análise civilizacional – o choque de civilizações (a civilização ocidental moderna reivindicando a hegemonia sobre as civilizações alternativas não ocidentais emergentes); e
  • definição da futura arquitetura da ordem mundial – a contradição entre um mundo unipolar e um mundo multipolar;
  • o ponto culminante da história mundial – a fase final do surgimento de um modelo ocidental de dominação mundial que está enfrentando uma crise fundamental;
  • uma macroanálise da economia política construída sobre a fixação do colapso do capitalismo mundial;
  • finalmente, a escatologia religiosa que descreve o “fim dos tempos” e seus conflitos, choques e desastres inerentes, bem como a fenomenologia da vinda do Anticristo.

Todos os outros fatores – políticos, nacionais, energéticos, de recursos, étnicos, jurídicos, diplomáticos, etc. – embora importantes, são secundários e subordinados. No mínimo, eles não explicam ou esclarecem nada substancial.

Situamos a OME em seis estruturas teóricas, cada uma delas representando disciplinas inteiras. Essas disciplinas receberam pouca atenção no passado, com uma preferência por campos de estudo mais “positivos” e “rigorosos”, por isso podem parecer “exóticas” ou “irrelevantes” para muitos, mas a compreensão de processos verdadeiramente globais exige uma distância considerável do particular, do local e do detalhado.

A OME no contexto da geopolítica

Toda geopolítica se baseia na consideração da eterna oposição entre a civilização do mar (talassocracia) e a civilização da terra (telurocracia). Uma expressão vívida desses primórdios na antiguidade foram os confrontos entre a Esparta terrestre e a Atenas portuária, a Roma terrestre e a Cartago marítima.

As duas civilizações diferem não apenas estratégica e geograficamente, mas também em sua orientação principal: o império terrestre baseia-se na tradição sagrada, no dever e na verticalidade hierárquica liderada por um imperador sagrado. É uma civilização do espírito.

As potências marítimas são oligarquias, um sistema comercial dominado pelo desenvolvimento material e técnico, são essencialmente Estados piratas, seus valores e tradições são contingentes e mutáveis, como o próprio mar. Daí seu progresso intrínseco, especialmente na esfera material, e, por outro lado, a constância de seu modo de vida e a continuidade da civilização de terra firme, a Roma eterna.

Quando a política se globalizou e conquistou o globo inteiro, as duas civilizações se encarnaram espacialmente. A Rússia e a Eurásia tornaram-se o núcleo da civilização terrestre, enquanto o polo da civilização marítima foi ancorado na zona de influência anglo-saxônica – do Império Britânico aos Estados Unidos e ao bloco da OTAN.

É assim que a geopolítica vê a história dos últimos séculos. O Império Russo, a URSS e a Rússia moderna herdaram o bastão da civilização terrestre. No contexto da geopolítica, a Rússia é a Roma eterna, a Terceira Roma. E o Ocidente moderno é a Cartago clássica.

O colapso da URSS foi a vitória mais importante para a civilização do mar (OTAN, os anglo-saxões) e um desastre terrível para a civilização da terra (Rússia, a Terceira Roma).

A talassocracia e a telurocracia são como dois vasos comunicantes, de modo que esses territórios, uma vez que deixaram o controle de Moscou, começaram a ficar sob o controle de Washington e Bruxelas. Primeiro, isso afetou a Europa Oriental e as repúblicas secessionistas do Báltico. Depois, foi a vez dos Estados pós-soviéticos. A civilização do mar continuou a grande guerra continental com seu principal inimigo, a civilização da terra, que sofreu um duro golpe, mas não entrou em colapso total.

Ao mesmo tempo, a derrota de Moscou levou à criação de um sistema colonial na própria Rússia na década de 1990: os atlantistas inundaram o Estado com seus agentes colocados nos cargos mais altos. Assim, a moderna elite russa foi formada: uma extensão da oligarquia, um sistema de controle externo pela civilização do mar. Algumas ex-repúblicas soviéticas começaram a se preparar para a integração total à civilização do mar.

Outras seguiram uma estratégia mais cautelosa e não tinham pressa em romper seus laços geopolíticos historicamente estabelecidos com Moscou. Assim, dois campos foram formados: o campo eurasiano (Rússia, Belarus, Cazaquistão, Quirguistão, Tajiquistão, Uzbequistão e Armênia) e o campo atlântico (Ucrânia, Geórgia, Moldávia e Azerbaijão). O Azerbaijão, no entanto, se afastou dessa posição extrema e se aproximou de Moscou.

Isso levou aos eventos de 2008 na Geórgia e depois, após o golpe pró-OTAN na Ucrânia em 2014, à secessão da Crimeia e à revolta em Donbass. Partes dos territórios das unidades recém-formadas não queriam se juntar à Civilização do Mar e se rebelaram contra essas políticas, buscando apoio de Moscou.

Isso levou ao início da OME em 2022. Moscou, como uma Civilização da Terra, tornou-se forte o suficiente para entrar em confronto direto com a Civilização do Mar na Ucrânia e reverter a tendência de fortalecer a Talassocracia e a OTAN às custas da Telurocracia e da Terceira Roma. Isso nos leva à geopolítica do conflito atual. A Rússia, assim como Roma, está lutando contra Cartago e seus satélites coloniais.

O que há de novo na geopolítica é que a Rússia-Eurásia hoje não pode atuar como a única representante da civilização na Terra. Daí o conceito de um Heartland distribuído. Sob as novas condições, não apenas a Rússia, mas também a China, a Índia, o mundo islâmico, a África e a América Latina emergem como polos de civilização da Terra.

Além disso, assumindo o colapso da civilização do mar, os “grandes espaços” ocidentais – a Europa e a própria América – poderiam se tornar “Heartlands” correspondentes. Nos Estados Unidos, isso é quase abertamente desejado por Trump e pelos republicanos, que têm como alvo precisamente os estados vermelhos e do interior do continente. Na Europa, os populistas e os defensores do conceito de “Fortaleza Europa” gravitam intuitivamente em torno desse cenário.

A operação no contexto de um choque de civilizações

A abordagem puramente geopolítica corresponde à abordagem civilizacional. Mas, como vimos, uma compreensão adequada da geopolítica em si já inclui uma dimensão civilizacional.

No nível da civilização, dois vetores principais se chocam na OME:

  • O individualismo liberal-democrático, o atomismo, o domínio da abordagem tecnomaterial do homem e da sociedade, a abolição do Estado, a política de gênero, em essência a abolição da família e do próprio gênero e, no limite, uma transição para o domínio da Inteligência Artificial (tudo isso chamado de “progressismo” ou “fim da história”);
  • a fidelidade aos valores tradicionais, a integridade da cultura, a superioridade do espírito sobre a matéria, a preservação da família, o poder, o patriotismo, a preservação da diversidade cultural e, finalmente, a salvação do próprio homem.

Após a derrota da URSS, a civilização ocidental tornou-se particularmente radical em sua estratégia, insistindo em refinar – e agora! – suas atitudes. Daí a imposição forçada de múltiplos gêneros, a desumanização (IA, engenharia genética, ecologia profunda), as “revoluções coloridas” destruidoras do Estado etc. Além disso, a civilização ocidental se identificou abertamente com toda a humanidade, convidando todas as culturas e povos a segui-la imediatamente. Além disso, isso não é uma sugestão, mas um comando, uma espécie de imperativo categórico da globalização.

Até certo ponto, todas as sociedades foram influenciadas pela civilização ocidental moderna. Isso inclui a nossa, onde, desde a década de 1990, prevalece uma abordagem liberal ocidentalizada. Adotamos o liberalismo e o pós-modernismo como uma espécie de sistema operacional e não conseguimos nos livrar dele, apesar dos 23 anos de curso soberano de Putin.

Mas hoje, o conflito geopolítico direto com a OTAN e o Ocidente coletivo agravou ainda mais esse confronto civil. Daí o apelo de Putin aos valores tradicionais, a rejeição do liberalismo, a política de gênero e assim por diante.

Embora nossa sociedade e a elite governante ainda não o compreendam totalmente, a Operação é um confronto direto entre duas civilizações:

o Ocidente pós-moderno liberal e globalista e a sociedade tradicional
sociedade tradicional, representada pela Rússia e por aqueles que mantêm pelo menos alguma distância do Ocidente.

Assim, a guerra passa para o nível da identidade cultural e assume um caráter ideológico profundo. Ela se torna uma guerra cultural, um confronto feroz da tradição contra o moderno e o pós-moderno.

A OMS no contexto do confronto entre unipolarismo e multipolarismo

Em termos da arquitetura da política mundial, a OMS é o ponto em que se determina se o mundo será unipolar ou se tornará multipolar. A vitória do Ocidente sobre a URSS encerrou a era da organização bipolar da política mundial. Um dos dois campos opostos se desintegrou e saiu de cena, enquanto o outro permaneceu e se declarou o principal e único. Naquele momento, Fukuyama proclamou “o fim da história”.

Em nível geopolítico, como vimos, isso correspondeu a uma vitória decisiva da civilização do mar sobre a civilização da terra. Especialistas mais cautelosos em relações internacionais (C. Krauthammer) chamaram a situação de “momento unipolar”, apontando que o sistema resultante tinha uma chance de se estabilizar, ou seja, um verdadeiro “mundo unipolar”, mas poderia não se manter e dar lugar a outra configuração.

Isso é exatamente o que está sendo decidido hoje na Ucrânia: uma vitória russa significaria que o “momento unipolar” está irreversivelmente acabado e que a multipolaridade chegou como irreversível. Caso contrário, os defensores de um mundo unipolar terão a oportunidade de adiar seu fim, pelo menos a todo custo.

Mais uma vez, devemos nos referir aqui ao conceito geopolítico do “Heartland distribuído”, que faz uma correção importante à geopolítica clássica: se a civilização do Mar está agora consolidada e representa algo unitário, um sistema planetário de globalismo liberal sob a liderança estratégica de Washington e o comando da OTAN, então, embora a civilização diretamente oposta da Terra seja representada apenas pela Rússia (o que remete à geopolítica clássica), a Rússia luta não apenas por si mesma, mas pelo princípio do Heartland, reconhecendo a legitimidade da Terra.

Assim, a Rússia incorpora uma ordem mundial multipolar, na qual o Ocidente é encarregado do papel de uma única região, um dos polos, sem razão para impor seus próprios critérios e valores como universais.

A operação militar especial no contexto da história mundial

Entretanto, a civilização ocidental moderna é o resultado do vetor histórico que se desenvolveu na Europa Ocidental desde o início da Idade Moderna. Ela não é um desvio nem um excesso. É a conclusão lógica de uma sociedade que tomou o caminho da dessacralização, descristianização, rejeição da vertical espiritual, o caminho do homem ateu e da prosperidade material. Isso é o que se chama de “progresso” e esse “progresso” inclui a total rejeição e destruição dos valores, fundamentos e princípios da sociedade tradicional.

Os últimos cinco séculos da civilização ocidental são a história da luta da modernidade contra a tradição, do homem contra Deus, do atomismo contra a totalidade. Em certo sentido, é uma história de luta entre o Ocidente e o Oriente, pois o Ocidente moderno tornou-se a personificação do “progresso”, enquanto o resto do mundo, especialmente o Oriente, foi percebido como um território da Tradição, o modo de vida sagrado preservado.

A modernização no estilo ocidental era inseparável da colonização, porque aqueles que impuseram suas regras do jogo se certificaram de que elas só funcionassem a seu favor. Assim, pouco a pouco, o mundo inteiro ficou sob a influência da modernidade ocidental e, a partir de certo ponto, ninguém podia se dar ao luxo de questionar a validade dessa imagem “progressista” e profundamente ocidental do mundo.

O globalismo liberal ocidental moderno, a própria civilização atlantista, sua plataforma geopolítica e geoestratégica na forma da OTAN e, em última análise, a própria ordem mundial unipolar são o ponto culminante do “progresso” histórico decodificado pela própria civilização ocidental. É exatamente esse tipo de “progresso” que está sendo desafiado pela conduta da OME.

Se estivermos enfrentando o ponto culminante do movimento histórico do Ocidente em direção à meta que foi delineada há 500 anos e que agora está quase alcançada, então nossa vitória na OME significará – nem mais nem menos – uma mudança dramática em todo o curso da história mundial. O Ocidente estava a caminho de seu objetivo e, na última etapa, a Rússia obstruiu essa missão histórica, transformou o universalismo do “progresso”, como o Ocidente o entendia, em um fenômeno regional privado local, privou o Ocidente de seu direito de representar a humanidade e seu destino.

Isso é o que está em jogo e o que está sendo decidido hoje nas trincheiras da OME.

A operação militar especial no contexto da crise global do capitalismo

A civilização ocidental moderna é capitalista. Ela se baseia na onipotência do capital, no domínio das finanças e dos interesses bancários. O capitalismo tornou-se o destino da sociedade ocidental moderna a partir do momento em que ela rompeu com a tradição, que rejeitava a obsessão com os aspectos materiais do ser e, às vezes, restringia severamente certas práticas econômicas (como o crescimento dos juros) por considerá-las profundamente ímpias, injustas e imorais.

Somente com o abandono dos tabus religiosos é que o Ocidente pôde abraçar totalmente o capitalismo. O capitalismo não é histórica nem doutrinariamente inseparável do ateísmo, do materialismo e do individualismo, que em uma tradição totalmente espiritual e religiosa não são tolerados de forma alguma.

Foi justamente o desenvolvimento desenfreado do capitalismo que levou a civilização ocidental à atomização, à atomização, à transformação de todos os valores em mercadorias e, por fim, à equiparação do próprio homem a uma coisa.

Os filósofos críticos do Ocidente moderno identificaram unanimemente o niilismo nessa explosão capitalista da civilização. Primeiro houve a “morte de Deus” e depois, logicamente, a “morte do homem”, que perdeu todo o conteúdo fixo sem Deus; daí o pós-humanismo, a IA e os experimentos de fusão homem-máquina. Esse é o ponto culminante do “progresso” em sua interpretação liberal-capitalista.

O Ocidente moderno é o triunfo do capitalismo em seu apogeu histórico. Mais uma vez, a referência à geopolítica esclarece todo o quadro: a civilização do mar, Cartago, o sistema oligárquico e a onipotência do dinheiro. Se Roma não tivesse vencido as Guerras Púnicas, o capitalismo teria chegado alguns milênios antes: somente a coragem, a honra, a hierarquia, o serviço, o espírito e a sacralidade de Roma poderiam ter impedido a tentativa da oligarquia cartaginesa de impor sua própria ordem mundial.

Os sucessores de Cartago (os anglo-saxões) tiveram mais sorte e, nos últimos cinco séculos, finalmente conseguiram o que seus ancestrais espirituais não conseguiram: impor o capitalismo à humanidade.

É claro que a Rússia de hoje nem de longe imagina que a OME seja uma revolta contra o capital global e sua onipotência.

E é exatamente isso que ela é.

A OME no contexto do fim dos tempos

Normalmente, vemos a história como progresso. No entanto, essa visão da essência do tempo histórico só criou raízes recentemente, a partir do Iluminismo. Sem dúvida, a primeira teoria abrangente do progresso foi formulada em meados do século XVIII pelo liberal francês Ann Robert Jacques Turgot (1727-1781). Desde então, ela se tornou um dogma, embora originalmente fosse apenas parte da ideologia liberal, não compartilhada por todos.

Do ponto de vista da teoria do progresso, a civilização ocidental moderna representa seu ponto alto. É uma sociedade na qual o indivíduo é praticamente livre de qualquer forma de identidade coletiva, ou seja, o mais livre possível. Livre de religião, etnia, estado, raça, propriedade, até mesmo gênero, e amanhã da raça humana. Essa é a fronteira final que o progresso pretende alcançar.

Então, de acordo com os futurólogos liberais, chegará o momento da singularidade, quando os humanos cederão a iniciativa do desenvolvimento à inteligência artificial. Era uma vez (de acordo com a mesma teoria do progresso), os macacos passaram o bastão para a espécie humana. Hoje, a humanidade, tendo ascendido ao próximo estágio da evolução, está pronta para ceder a iniciativa às redes neurais. É a isso que o Ocidente globalista moderno está conduzindo diretamente.

Entretanto, se nos abstrairmos da ideologia liberal do progresso e nos voltarmos para a visão religiosa do mundo, teremos um quadro completamente diferente. O cristianismo, assim como outras religiões, vê a história mundial como uma regressão, um afastamento do paraíso. Mesmo após a vinda de Cristo e o triunfo da Igreja universal, deve haver um tempo de apostasia, um tempo de grande sofrimento e a vinda do Anticristo, o filho da perdição.

Isso deve acontecer, mas os fiéis são chamados a defender sua verdade, a permanecer fiéis à Igreja e a Deus, e a resistir ao Anticristo mesmo nessas condições extremamente difíceis. O que para um liberal é “progresso”, para um cristão não é apenas “retrocesso”, mas uma paródia ímpia.

A última fase do progresso – digitalização total, migração para o metauniverso, abolição do gênero e superação do homem com a transferência da iniciativa para a inteligência artificial – aos olhos do crente de qualquer confissão tradicional é a confirmação direta de que o Anticristo veio ao mundo e esta é a sua civilização.

Assim, temos outra dimensão da Operação, mencionada cada vez mais diretamente pelo Presidente da Rússia, pelo Ministro das Relações Exteriores, pelo Secretário do Conselho de Segurança, pelo chefe do SVR e por outras autoridades russas de alto escalão, aparentemente distantes de qualquer misticismo ou profanação. Mas é exatamente isso que elas são: estão declarando a verdade pura e simples, que é consistente com a visão tradicional da sociedade no mundo ocidental moderno.

Desta vez, não se trata de uma metáfora, de que os lados opostos do conflito às vezes recompensam um ao outro. Agora se trata de outra coisa. A civilização ocidental, mesmo nos tempos modernos, nunca esteve tão próxima de uma encarnação direta e manifesta do reinado do Anticristo. Há muito tempo, o Ocidente abandonou a religião e suas verdades em favor de um secularismo agressivo e de uma visão de mundo ateísta e materialista, tida como verdade absoluta.

No entanto, ele ainda não havia invadido a própria natureza do homem, despojando-o de seu sexo, de sua família e, em breve, de sua própria natureza humana. A Europa Ocidental começou há 500 anos a construir uma sociedade sem Deus e contra Deus, mas esse processo só agora atingiu seu clímax. Essa é a essência religiosa e escatológica da tese do “fim da história”.

Ela é essencialmente uma declaração, na linguagem da filosofia liberal, de que a vinda do Anticristo já aconteceu. Pelo menos, é assim que ela aparece aos olhos das pessoas de denominações religiosas pertencentes à sociedade dominante.

A OME é o início da batalha escatológica entre a Tradição sagrada e o mundo moderno, que precisamente na forma de ideologia liberal e política globalista alcançou sua expressão mais sinistra, tóxica e radical. É por isso que cada vez mais se fala do Armagedom, a última batalha decisiva entre os exércitos de Deus e de Satanás.

O papel da Ucrânia

Em todos os níveis de nossa análise, verifica-se que o próprio papel da Ucrânia nesse confronto crucial, seja qual for sua interpretação, é, por um lado, fundamental (é o campo do Armagedom). Por outro lado, o regime de Kiev não é nem de longe uma entidade independente. É apenas um espaço, um território para onde convergem duas forças cósmicas globais absolutas. O que pode parecer um conflito local baseado em reivindicações territoriais é, na realidade, tudo menos isso.

Nenhum dos lados se preocupa com a Ucrânia em si. Os riscos são muito maiores. Acontece que a Rússia tem uma missão especial na história mundial: interromper uma civilização de pura maldade em um momento crítico da história mundial e, ao lançar a Operação Militar, a liderança russa assumiu essa missão, e a fronteira entre dois exércitos ontológicos, entre dois vetores fundamentais da história humana, está precisamente no território da Ucrânia.

Suas autoridades se aliaram ao demônio: daí todo o horror, o terror, a violência, o ódio, a repressão implacável à Igreja, a degeneração e o sadismo em Kiev. Mas o mal é mais profundo do que os excessos do nacionalismo ucraniano: seu centro está fora da Ucrânia, e as forças do Anticristo não fazem nada além de usar os ucranianos para atingir seus objetivos.

O povo ucraniano está dividido não apenas em linhas políticas, mas também em espírito. Alguns estão do lado da civilização da Terra, da Santa Rússia, do lado de Cristo. Outros – do lado oposto. Assim, a sociedade está dividida ao longo da fronteira mais fundamental: a escatológica, a civilizacional e, simultaneamente, a geopolítica. Assim, a própria terra que foi o berço da Rússia antiga, de nossa nação, tornou-se a zona da grande batalha, ainda mais significativa e extensa do que a mítica Kurukshetra, tema da tradição hindu.

Entretanto, as forças que convergiram nesse campo do destino são tão fundamentais que muitas vezes transcendem quaisquer contradições interétnicas. Não se trata apenas de uma divisão dos ucranianos em russófilos e russófobos, mas de uma divisão da humanidade em uma base muito mais fundamental.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 49

Deixar uma resposta