Sem Mais Ameaças! É Hora de Responder!

O filósofo russo Alexander Dugin aponta para a necessidade da Rússia elevar o nível de seriedade e comprometimento da operação militar especial, para que o Ocidente respeite as suas linhas vermelhas.

As autoridades russas estão ansiosas para demonstrar o cumprimento de certas regras na guerra na Ucrânia. O Ocidente acredita, desde o início do OME e, de fato, desde 2014, com a anexação da Crimeia, que a Rússia violou as regras (benéficas para o Ocidente). E mesmo que não tivesse quebrado, isso não significaria nada. Portanto, o Ocidente está jogando sem regras contra a Rússia.

É importante para o Ocidente derrotar e “descolonizar” a Rússia – no mínimo, enfraquecê-la e subjugá-la, ou seja, trazê-la de volta à década de 1990. Que preço pode ser pago por isso? Qualquer coisa, menos um confronto nuclear direto. Qualquer outra coisa poderia ser usada.

Em vez disso, a Rússia está construindo seu próprio sistema autônomo de regras, que o Ocidente não leva em consideração de forma alguma. E ele nem mesmo finge levá-las em conta. O Ocidente interpreta qualquer autocontrole por parte de Moscou na guerra como fraqueza. E continua insistindo.

Há muito tempo a Ucrânia tem agido de forma irracional. Quanto mais ela perde, mais ela morde. É uma forma de raiva animal, tão letal quanto os guaxinins e esquilos que escaparam da floresta e são perseguidos por um frenesi negro. Não há regras aqui. É por isso que, para os governantes ucranianos, provocar um conflito nuclear não é apenas permitido, mas também desejável. O que dizer de um esquilo raivoso e venenoso?

Para proceder adequadamente, precisamos criar um sistema de chamada e resposta mais realista. Antes de usar as armas nucleares táticas e estratégicas, ainda há um amplo espectro de possibilidades de escalar o conflito com armas convencionais. E muitos registros ainda não foram explorados. Isso decorre das regras. As regras não permitem isso. Mas se as regras só existem para um lado, e simplesmente não existem para o Ocidente, muito menos para os obcecados de Kiev, então não se trata mais de regras.

Uma linguagem que apenas um participante do diálogo entende não serve para nada. Afinal de contas, ninguém dentro do país precisa ou entende essas regras.

A simples ameaça de que responderemos, se necessário, e que temos o que precisamos, claramente não é suficiente. Temos que responder. Se tivermos o que precisamos, agora é a hora. Mas se não tivermos nada, podemos fazer isso – fazer isso ou encontrar algo. De preferência, algo difícil, direcionado e muito assustador. Não há cura para a raiva. Devemos agir a partir disso.

A Crimeia será atacada, assim como nossos antigos territórios. Eles já estão atacando.

Ainda não chegaremos ao Ocidente. Ainda há a questão das armas nucleares táticas e estratégicas. Esse é o último tópico. Não é o penúltimo.

Mas há algo que podemos fazer contra os loucos. Acho que este é um caso em que, se pudermos fazer, faremos.

Caso contrário, nossas ameaças estão se tornando muito leves.

Estamos segurando a frente e, graças aos esforços heroicos de nossos homens, é difícil, mas estamos segurando, e as perdas do inimigo são enormes, mas é preciso algo mais aqui. Seria melhor se fosse incisivo, inesperado, difícil e fatal para o inimigo. A vitória está acima de qualquer regra, o que, em nossa situação, não faz sentido. E nada menos que a vitória nos satisfará.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 53

Deixar uma resposta