A Morte da Lógica e Algumas de Suas Consequências

A virtualização da educação e das relações sociais no lugar de viabilizar a formação de uma humanidade mais educada, levou a uma crise do pensamento.

O computador como expressão materializada da lógica formalizada, especialmente com o desenvolvimento das redes sociais e sua penetração em todos os aspectos de nossas vidas no processo de formação da “Internet de Tudo”, torna as pessoas iguais no acesso a ele. Devido à impossibilidade objetiva de competir por um recurso igualmente acessível a todos, as pessoas e as organizações que tradicionalmente competiam entre si precisamente com base nas construções lógicas que são a base do pensamento tradicional, transferem a competição entre si para formas incomuns e não tradicionais de pensamento não lógico.

Enquanto isso, a pedagogia moderna não demonstra a capacidade de educar as crianças nas habilidades do pensamento intuitivo, semelhante à educação do pensamento lógico que ela domina completamente. Não há dúvida de que, com o tempo, ela dominará os resultados da pedagogia experimental soviética da década de 1960 e será capaz de resolver esse problema, garantindo o desenvolvimento generalizado da criatividade nas crianças, com base na intuição. Mas, para isso, ela deve interromper sua degradação sistêmica, condicionada taticamente pela primitivização, por meio de sistemas de controle, de sociedades que se tornaram complicadas demais para suas capacidades e, estrategicamente, pela formação de uma sociedade de plataforma que precisa apenas de um círculo interno de especialistas capazes de pensar criticamente e até mesmo de educar como tal.

Até que esses fatores de degradação da pedagogia sejam eliminados (e eles não serão eliminados, pois são objetivos), a incapacidade de educar massivamente as crianças com as habilidades de pensamento intuitivo de que elas precisam cada vez mais urgentemente garante um aprofundamento contínuo da crise de toda a sociedade, que é incapaz de proporcionar a seus membros a adaptação necessária às condições de suas vidas.

A incapacidade dos sistemas de controle de lidar com pessoas que pensam intuitivamente também é importante. Esse problema está claro desde o final da década de 1930 – não há solução.

Isso gera uma crise de gerenciabilidade “em todos os pontos” da sociedade.

A reação natural dos sistemas de controle é a remoção da participação real na tomada de decisões de uma parte da sociedade que não pode ser controlada, ou seja, em primeiro lugar, as pessoas criativas que pensam intuitivamente.

Como resultado, a concorrência é cada vez mais implementada precisamente por meio dessas novas formas de pensamento em massa – por meio de intuições e previsões ou por meio de esquemas lógicos originais e complexos que ainda não foram fixados em algoritmos de computador.

A concorrência baseada nesse último é uma “batalha de retaguarda” da lógica formal tradicional e da sociedade baseada nela, fadada à derrota, pois com a formação da inteligência artificial e à medida que ela se desenvolve, mais e mais esquemas lógicos originais se tornam disponíveis para o computador (que são mais complexos do que aqueles acessíveis à percepção da maioria das pessoas).

Como resultado, a concorrência entre as pessoas e as organizações que elas formam passou para o campo do pensamento não lógico, principalmente para o campo da intuição.

Mas apenas “principalmente”! – Porque as pessoas que pensam de forma não lógica deixam de sucumbir à gerência e, devido à morte da lógica, há cada vez mais pessoas assim (aquelas que não pensam de forma produtiva com base na intuição e não são capazes de usar a lógica e, portanto, em princípio, são pessoas não produtivas).

Como resultado, elas se afastam da tomada de decisões não apenas por causa da falta de controle, mas também por causa da justiça: aqueles que não são capazes de contribuir positivamente para o desenvolvimento da sociedade não devem influenciá-la.

A exclusão da participação na gestão de uma maioria arbitrariamente imperfeita da sociedade significa a morte da democracia, o que agrava ainda mais a crise de governança.

Nesse sentido, a estrutura da sociedade de plataforma social é uma resposta não apenas à mudança nas tecnologias dominantes, mas também à crise social e gerencial gerada por essa mudança.

A inviabilidade desse sistema aumenta a ameaça da provável autodestruição da civilização.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Mikhail Delyagin

Economista e deputado russo.

Artigos: 53

Deixar uma resposta