O Eixo Que Não Oscila

Na tradição chinesa a ideia de eixo ou centro possui grande importância, sendo um conceito intrínseco à estatalidade nacional. Cada vez mais, a China recupera esse papel histórico axial do qual ela foi despojada por séculos de instabilidade, decadência e subjugação.

“Governando em toda parte, o imperialismo americano tornou-se inimigo dos povos do mundo e está cada vez mais isolado. (…) A onda de raiva dos povos do mundo contra os agressores americanos é irresistível. Sua luta contra o imperialismo americano e seus lacaios certamente alcançará vitórias cada vez maiores”. (Mao Tse-tung, Declaração em apoio à justa guerra patriótica do povo panamenho contra o imperialismo norte-americano, 12 de janeiro de 1964)

O interesse de Ezra Pound pelos ensinamentos confucianos[1] deu origem, entre outras coisas, a uma versão italiana do Chung Yung[2], o texto canônico atribuído a Tzu-ssu[3], um neto de Confúcio que viveu no século V a.C. Nele, “a moralidade assume uma função cósmica, na medida em que o homem realiza a transformação do mundo e, assim, continua, na sociedade, a tarefa criativa do Céu”[4]; em suma, o Chung Yung “ensina como desenvolver a capacidade de aperfeiçoar a si mesmo e ao mundo por meio da compreensão das coisas e da consciência da própria ação”[5]. O comentário que tradicionalmente acompanha esse texto explica que chung é “aquilo que não se desloca nem para um lado nem para o outro” e que yung significa “invariável”, de modo que Pound optou por traduzir o título da obra como O Eixo Que Não Oscila[6], enquanto tradutores posteriores optaram por soluções como O Constante Meio[7] ou O Justo Meio[8].

O mesmo significado “axial” ressoa no nome mandarim da China, que é Chung Kuo[9], “o País do Centro”, “o Império do Meio”. Se é verdade, como aponta Carl Schmitt, que até a época das grandes descobertas geográficas, “todos os povos poderosos se consideravam o centro da terra e viam seus domínios territoriais como o lar da paz, fora do qual reinavam a guerra, a barbárie e o caos”[10], em grande parte isso também parece ser verdade no caso da China atual, cuja centralidade geográfica e geopolítica objetiva é descrita com eficiência por Heinrich Jordis von Lohausen (1907-2002) em Mut zur Macht. “De todos os subcontinentes da Eurásia”, escreve o general austríaco, “a China ocupa a posição estratégica mais forte: a cobertura tripla das montanhas e desertos da Ásia interior, a coroa de ilhas periféricas e a barreira intransponível de raça, idioma e escrita que se opõe a toda guerra psicológica das nações brancas (…) a natureza a colocou perto do oceano, dando-lhe uma posição decisiva entre a Índia e o Japão, entre a Sibéria e o Pacífico. Na costa oeste do Pacífico, a China se apresenta como o centro de gravidade natural, o centro fixo desde tempos imemoriais. Todas as questões de equilíbrio mundial são respondidas em Pequim. (…) As tentativas de tomada de poder econômico ou militar nada podem fazer contra ela, pois sua extensão é muito grande. É de uma raça diferente e de uma cultura mais antiga, muito mais antiga. Ela acumulou em si mesma toda a experiência da história mundial e resiste a toda transformação. É inatacável”[11].

O fato de a China estar prestes a recuperar o papel axial ao qual sua posição geográfica central e seus 5.000 anos de experiência histórica parecem estar destinados há muito tempo obceca os estrategistas e ideólogos do imperialismo norte-americano, que agora veem na República Popular uma “ameaça pior do que o Eixo [Roma-Berlim-Tóquio] no século XX”[12] e veem na solidariedade sino-russa-iraniana um novo “Eixo do Mal”.

Richard Nixon, que ficou na China de 21 a 29 de fevereiro de 1972 durante uma visita oficial que sancionou o degelo das relações entre os Estados Unidos da América e a República Popular da China, é creditado com a seguinte frase: “Pare por um momento e pense no que aconteceria se alguém capaz de garantir um bom sistema de governo conseguisse obter o controle desse território. Santo Deus, nenhuma potência no mundo poderia… Quero dizer, coloque 800 milhões de chineses para trabalhar com um bom sistema de governo e eles se tornariam os líderes do mundo”.[13]

Um quarto de século depois, o pesadelo da “Esfera de Coprosperidade do Grande Leste Asiático” (japonês: Dai Tōa Kyōeiken) voltou a agitar o sono dos ianques, pois o teórico americano do “choque de civilizações” atribuiu à República Popular da China o legado do projeto imperial japonês, cujo objetivo era criar uma união econômica e política com os países do Pacífico, do Leste Asiático, da Ásia Central e do Oceano Índico. “A ‘Grande China'”, escreveu Samuel P. Huntington em 1996 em A Grande China e sua ‘Esfera de Coprosperidade’, “não é simplesmente um conceito abstrato, mas, ao contrário, uma realidade econômica e cultural em rápida expansão, que também começou a se tornar uma realidade política”.

O quadro pintado por Huntington foi ainda mais enriquecido pelo ex-conselheiro de segurança nacional Zbigniew Brzezinski, que insistiu no tema da centralidade da China e da expansão natural da influência chinesa nas áreas vizinhas. “A história”, escreveu Brzezinski, “predispôs a elite chinesa a pensar na China como o centro natural do mundo [the natural center of the world]. De fato, a palavra chinesa para China – Chung-kuo, ou ‘Reino do Meio’ – transmite a noção da centralidade da China [China’s centrality] nos assuntos mundiais e reafirma a importância da unidade nacional. Essa perspectiva também implica uma irradiação hierárquica de influência do centro para as periferias, de modo que a China, como centro, espera a deferência dos outros (…) É quase certo que a história e a geografia tornarão os chineses cada vez mais insistentes – e até mesmo emocionalmente ‘carregados’ – sobre a necessidade da eventual reunificação de Taiwan com o continente (…). A geografia também é um fator importante que impulsiona o interesse chinês em formar uma aliança com o Paquistão e estabelecer uma presença militar na Birmânia (…) E se a China controlasse o Estreito de Malaca e o gargalo geoestratégico em Cingapura, ela controlaria o acesso do Japão ao petróleo do Oriente Médio e aos mercados europeus”.[15]

Em um debate de 2011 que contou com Henry Kissinger entre seus participantes, um professor de história econômica da Universidade de Harvard que era o biógrafo oficial de Kissinger, Niall Ferguson, disse: “Acredito que o século XXI pertencerá à China, porque quase todos os séculos anteriores da história pertenceram à China. Os séculos XIX e XX são exceções. Durante nada menos que dezoito dos últimos vinte séculos, a China foi, em graus variados, a maior economia do mundo”[16]. O ex-secretário de Estado norte-americano respondeu ao seu biógrafo: “A questão não é se o século XXI pertencerá à China, mas se, neste século, conseguiremos integrar a China em uma visão mais universal”[17] – onde “visão universal” deve ser obviamente entendida como “visão de mundo ocidental”. O que consistia a tarefa proposta por Kissinger fica claro em uma resposta que ele deu em uma entrevista no mesmo ano: “Ainda temos que ver o que a Primavera Árabe produzirá. É possível que ocorram tumultos e manifestações na China (…) Mas não espero que ocorram revoltas na mesma escala da Primavera Árabe. 18] Na verdade, Kissinger descartou a ideia de aplicar à China a estratégia que o Ocidente adotou na época contra o bloco liderado pela URSS, considerando-a um fracasso: “Um plano americano que propusesse explicitamente dar à Ásia uma organização capaz de conter a China ou criar um bloco de Estados democráticos a serem alistados em uma cruzada ideológica não teria sucesso”.[19]

A tese americana sobre a translatio imperii do Japão para a China sob a bandeira da “co-prosperidade” surgiu novamente no ensaio de Graham Allison, “Destinados à Guerra: Os Estados Unidos e a China Podem Escapar da Armadilha de Tucídides?” O autor, professor emérito de Harvard e ex-conselheiro e secretário adjunto de defesa em sucessivas administrações, de Reagan a Obama, faz um alerta que é um verdadeiro grito de guerra: “Quando o mercado econômico dominante da China, bem como sua infraestrutura física, conseguir integrar todos os seus vizinhos à área mais ampla de prosperidade da China, será impossível para os Estados Unidos manter seu papel pós-Segunda Guerra Mundial na Ásia”. Solicitado a transmitir uma mensagem da China para os EUA, a resposta de um colega chinês foi: afastem-se. Um colega deste último, no entanto, sugeriu um resumo ainda mais contundente: saiam do caminho. (…) Recentemente, a tentativa de persuadir os EUA a aceitar a nova realidade tornou-se mais resoluta no Mar do Sul da China. (…) À medida que continua a empurrar lentamente os EUA para fora dessas águas, a China também está envolvendo nações do Sudeste Asiático em sua órbita econômica, até mesmo atraindo o Japão e a Austrália para o seu lado. Até o momento, ela conseguiu fazer isso sem nenhum conflito. No entanto, caso seja necessário lutar, a intenção de Xi é vencer”[20].

Portanto, a necessidade fundamental sentida pelos analistas norte-americanos é a expressa por John J. Mearsheimer, segundo o qual é imperativo conter a ascensão da China[21]. O teórico do chamado “realismo ofensivo”, portanto, pede que o atual governo “trabalhe assiduamente para melhorar as relações com os aliados asiáticos dos Estados Unidos e crie uma aliança eficaz que possa manter Pequim à distância”. Mas para atingir esse objetivo, argumenta Mearsheimer, é imperativo atrair a Federação Russa para uma coalizão antichinesa: “Hoje é Pequim, e não Moscou, que representa a maior ameaça aos interesses dos EUA, e a Rússia poderia ser um aliado valioso para lidar com essa ameaça. Essa é, como é evidente, a mesma tática sugerida a Donald Trump na época por seus estrategistas e teóricos conservadores e populistas e compartilhada pelos círculos “soberanistas” ocidentais. Mas essa solução “exigiria o abandono da tradicional russofobia dos democratas norte-americanos, da qual o próprio Biden (…) tem sido frequentemente um porta-voz”[24].

E assim, no final, a Casa Branca e o Pentágono optaram por conter a China por meio da “contenção” da Federação Russa: a abordagem ameaçadora da OTAN às fronteiras russas, que o Kremlin foi obrigado a combater lançando uma Operação Militar Especial, é, na verdade, parte de uma estratégia norte-americana mais ampla de “contenção” antichinesa e antirrussa. Ciente do objetivo das manobras norte-americanas na Europa, a China “se viu obrigada a consolidar sua parceria estratégica com a Rússia a ponto de transformá-la em uma aliança; daí a viagem do Presidente Xi”[25] a Moscou e as conversas de cúpula com o Presidente Putin para definir os detalhes.

A visita de Xi Jinping à capital russa inevitavelmente traz à mente a visita feita há setenta anos por outro presidente chinês: em 15 de fevereiro de 1950, Mao Tse-tung assinou um Tratado de Aliança e Assistência Mútua com Stalin em Moscou que sancionou o nascimento de um grande bloco eurasiático, que se estendia de Pankow a Moscou, Pequim e Pyongyang. A aliança russo-chinesa enfrentou seu primeiro teste apenas quatro meses depois, quando a República Popular Democrática da Coreia embarcou na “Guerra de Libertação da Pátria”[26], que os chineses chamaram de “Guerra de Resistência à América e em Ajuda à Coreia”[27]. Graças à intervenção direta da República Popular da China, que enviou 100 mil combatentes, e graças ao apoio material fornecido pela URSS, o conflito militar terminou em 1953, quando as forças dos EUA e as tropas auxiliares de dezessete outros países foram expulsas para o sul do paralelo 38.

Notas

[1] Cfr. C. Mutti, Pound contra Huntington, “Eurasia. Rivista di Studi Geopolitici”, a. III, n. 1, Genn.-Marzo 2006, pp. 17-25.
[2] Pinyin: zhōngyōng.
[3] Pinyin: Zǐsī.
[4] Pio Filippani – Ronconi, Storia del pensiero cinese, Paolo Boringhieri, Torino 1964, p. 52.
[5] Pio Filippani – Ronconi, op. cit., p. 204.
[6] Ezra Pound, Ciung Iung. L’asse che non vacilla, Casa Editrice delle Edizioni Popolari, Veneza 1945. Nova edição: Chung Yung, em Ezra Pound, Opere scelte, Mondadori, Milano 1970, pp. 503-601. “Depois de 25 de abril, praticamente todas as cópias [da primeira edição] foram queimadas porque o título poderia sugerir que se tratava de um texto propagandístico a favor do Eixo… Roma-Berlim” (Gianfranco de Turris, “L’asse che non vacilla”. Ezra Pound durante la RSI, em Autori vari, Ezra Pound 1972/1992, Greco & Greco, Milano 1992, pp. 333-334). A versão em espanhol desse tratado foi traduzida como El eje firme. Confúcio (versão de Ezra Pound): Os Analectos; O Grande Compêndio; O Eixo Firme. Editorial Labor, Barcelona, 1975.
[7] I colloqui; Gli studi superiori; Il costante mezzo, traduzione di Rosanna Pilone, Rizzoli, Milano 1968. Il costante mezzo e altre massime. Perle di un’antica saggezza, versione e presentazione di Francesco Franconeri, Demetra, Sommacampagna 1993.
[8] La grande dottrina; Il giusto mezzo, a cura di Leonardo Vittorio Arena, Rizzoli, Milano 1996. I dialoghi; La grande dottrina; Il giusto mezzo, Fabbri, Milano 1998.
[9] Pinyin: Zhōngguó.
[10] Carl Schmitt: “El nuevo “Nomos” de la tierra”. Revista Hespérides N°8, novembro de 1995, Madri, p. 250. A história das religiões confirma que “o homem nas sociedades pré-modernas aspira a viver o mais próximo possível do centro do mundo. Ele sabe que seu país está de fato no meio da Terra; que sua cidade é o umbigo do universo e, acima de tudo, que o templo ou o palácio são verdadeiros centros do mundo” (Mircea Eliade, Lo sagrado y lo profano, Espasa Libros, S.L.U., Barcelona, 1998, p. 37). Quanto à China em particular, “Na capital do soberano chinês perfeito, o gnômon não deve fazer sombra no dia do solstício de inverno, ao meio-dia. Tal capital está de fato no centro do universo, perto da árvore milagrosa ‘floresta elevada’ (Kien-mou), onde as três zonas cósmicas, céu, terra e inferno, se cruzam” (Mircea Eliade, Tratado de historia de las religiones, Ediciones Era, S. A., México, 1972, p. 336 e 337).
[11] Jordis von Lohausen, Les Empires et la Puissance, La géopolitique aujourd’hui, Le Labyrinthe, Paris 1996, pp. 127-128.
[12] Clyde Prestowitz, The World Turned Upside Down: America, China and the Struggle for Global Leadership, Yale University Press, 2021.
[13] AA. VV, Il XXI secolo appartiene alla Cina?, Mondadori, Milano 2012, p. 12.
[14] Samuel P. Huntington, The Clash of Civilisations and the Reconfiguration of the World Order [O choque de civilizações e a reconfiguração da ordem mundial]. Ediciones Paidós Ibérica, S. A., Barcelona, 1997, p. 202.
[15] Zbigniew Brzezinski, The Great World Chessboard. La supremacía estadounidense y sus imperativos geoestratégicos. Ediciones Paidós Ibérica, S. A., Barcelona, 1998, pp. 163, 169-170.
[16] AA. VV, Il XXI secolo appartiene alla Cina?, Mondadori, Milano 2012, p. 12.
[17] AA. VV, Il XXI secolo appartiene alla Cina, cit. p. 23.
[18] Conversazione di John Geiger con Henry Kissinger, em: AA. VV, Il XXI secolo appartiene alla Cina?, cit., p. 74.
[19] Henry Kissinger, China, Random House Mondadori, Medellín, Colômbia, 2012, p. 539.
[20] Graham Allison, Destinati alla guerra. Possono l’America e la Cina sfuggire alla trappola di Tucidide?, Fazi Editore, Roma 2018, pp. 208-211.
[21] Textualmente: “a questão dominante é como conter uma China em ascensão”” (John J. Mearsheimer, Joe Biden Must Embrace Liberal Nationalism to Lead America Forward, “The National Interest”, 29 de dezembro de 2020).
[22] “O governo Biden deve trabalhar assiduamente para melhorar as relações com os aliados asiáticos dos Estados Unidos e criar uma aliança eficaz que possa manter Pequim à distância” (Ibidem).
[23] “É Pequim, e não Moscou, que representa a principal ameaça aos interesses dos EUA atualmente, e a Rússia poderia ser um aliado valioso para enfrentar essa ameaça” (Ibidem).
[24] Daniele Perra, Stato e Impero da Berlino a Pechino. L’influenza del pensiero di Carl Schmitt nella Cina contemporanea, Anteo, Cavriago 2022, p. 141.
[25] “Em resposta, a China sentiu-se compelida a consolidar sua parceria estratégica com a Rússia a ponto de transformá-la em uma entente, daí o propósito da viagem do presidente Xi para resolver os detalhes mais sutis disso” (Andrew Korybko, President Xi’s Trip To Moscow Solidifies The Sino-Russo Entente, https://korybko.substack.com/, 20 marzo 2023.
[26] Em coreano: Choguk haebang chŏnjaeng.
[27] Pinyin: kàng Měiyuán Cháo.

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Claudio Mutti

Filólogo, estudioso do tradicionalismo e diretor da revista Eurasia, Rivista di Studi Geopolitici.

Artigos: 49

Deixar uma resposta