A Manobra Turca de Erdogan

A Turquia possui uma posição geográfica privilegiada que lhe permite jogar com a Rússia, a UE, os EUA, Israel e o Irã com certas vantagens, com o objetivo de longo prazo de restaurar o Império Otomano. Mas a última manobra de Erdogan pode levar a uma piora significativa nas relações entre seu país e a Rússia.

Como o território da Rússia se tornou parte do futuro império da “Grande Turânia”?

A diplomacia do Bazar Oriental

No início de julho, vários líderes da organização terrorista “Azov” (doravante, organização terrorista proibida no território da Federação Russa) foram transferidos da Turquia para a Ucrânia e homenageados como heróis ao voltarem para casa. Esse gesto ocorreu imediatamente após a visita de Vladimir Zelensky a Ancara. Além desse incidente, os novos acordos da Turquia com a Ucrânia foram amplamente divulgados, incluindo a confirmação da construção de uma fábrica para a produção de veículos aéreos de combate não tripulados Bayraktar.

Sabe-se que a troca de prisioneiros de guerra entre a Rússia e a Ucrânia incluía anteriormente condições para que os combatentes do batalhão Azov permanecessem em território turco até o final do conflito. Sua transferência para o lado ucraniano é, portanto, uma denúncia grosseira do acordo, que o presidente turco, que facilmente renegou suas promessas, fez sem qualquer vergonha.

Embora tenha havido várias versões do que aconteceu, até mesmo hipóteses conspiratórias de que isso foi feito quase a pedido de Moscou para, de alguma forma, desacreditar a Ucrânia na véspera da cúpula da OTAN, o mais provável é a suposição de que foi um ato demonstrativo da humilhação da Rússia.

Naturalmente, muitos se perguntam por que a liderança turca fez isso. Afinal de contas, temos cooperação bilateral em várias áreas, Ancara não impõe sanções à Rússia e frequentemente ouvimos falar de nossas relações de parceria com a Rússia. Mas será que esse é realmente o caso?

Em busca de uma resposta, é necessário analisar as ações passadas e a lógica das ações do presidente turco Recep Erdogan. Mesmo uma avaliação superficial de suas ações mostrará que, para o líder turco, os interesses nacionais, em seu próprio sentido, estão no centro da questão.

Para garanti-los, ele está pronto para esquecer suas promessas e voltar atrás em sua palavra se algumas preferências do outro lado superarem os benefícios atuais.

E aqui podemos falar não apenas de interesses, mas até mesmo de valores. Erdogan frequentemente se posiciona como um defensor do mundo muçulmano e um campeão das tradições islâmicas. Após a queima do Alcorão em Estocolmo, os líderes turcos novamente atacaram com raiva a Suécia, alegando que tais ações só atrasariam a possível adesão do país à OTAN, pela qual a Turquia faria todo o possível.

No entanto, em 10 de julho, na véspera da cúpula da OTAN em Vilnius, Erdogan quase abraçou o primeiro-ministro sueco Ulf Kristersson. E o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, declarou que a Turquia havia se “comprometido claramente” a enviar os documentos de ratificação da Suécia ao parlamento turco.

Essa mudança abrupta de humor está relacionada ao fato de que os líderes da UE prometeram à Turquia preferências comerciais adicionais em troca da admissão da Suécia na OTAN. Essa é a lógica do bazar oriental: você para mim, eu para você.

Um empréstimo de Biden em troca de S-400s?

Em vista do estado desanimador da economia turca, Erdogan está se agarrando a qualquer oportunidade de melhorá-la. E essa é uma questão bastante ampla e específica, diretamente relacionada a decisões políticas. Primeiro, o país precisa de grandes investimentos para reconstruir e reerguer as cidades danificadas pelos terremotos. Em segundo lugar, a política inadequada do Banco Central da Turquia levou recentemente à queda da lira turca, que se tornou a moeda mais desvalorizada do mundo, afetando imediatamente os preços internos.

Os preços dos alimentos na Turquia aumentaram em mais de 50% nos últimos seis meses. E não se trata apenas de remendar buracos econômicos, mas de um programa sério para reabilitar a economia turca, que não será capaz de fazer isso sem injeções externas.

Dos principais doadores árabes, somente o Catar, que já concedeu empréstimos e investiu em vários projetos de infraestrutura no país, pode ajudar parcialmente a Turquia. Mas há também o Fundo Monetário Internacional com seus programas. No entanto, as condicionalidades do FMI são sempre de cunho político. Se não for a reforma dos programas sociais e dos subsídios (que atingirá imediatamente a imagem de Erdogan), o que poderia estar por trás da solução do problema econômico da Turquia? Considerando que os EUA têm uma “participação majoritária” no Banco Mundial e no FMI, poderia ser alguma condicionalidade especial. Por exemplo, o jornalista Seymour Hersch relatou que Joe Biden prometeu a Erdogan uma linha de crédito de 11 a 13 bilhões de dólares em troca do apoio à adesão da Suécia à OTAN, bem como a venda de caças americanos para a Turquia.

Ou talvez existam outros acordos secretos entre os EUA e a Turquia? Em particular, foi relatado recentemente que Washington quer o sistema de mísseis terra-ar S-400 de fabricação russa. Isso foi declarado pelo ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, em maio de 2023. De acordo com Cavusoglu, a Turquia respondeu com uma recusa. Mas ela pode mudar sua posição sobre essa questão no futuro?

Teoricamente, sim, se isso for favorável a Ancara. Afinal, não é de todo necessário entregar todas as divisões fornecidas pela Rússia aos EUA; apenas uma seria suficiente para arriscar abrir o recheio eletrônico e procurar vulnerabilidades. E praticamente não há alavancas para Moscou exercer pressão sobre Ancara nessa questão. Mesmo que a Turquia pague a multa estipulada contratualmente, Washington pode facilmente compensá-la.

Isso nos leva a perguntar: há alguma chance de apaziguar um pouco Erdogan, como aconteceu em novembro de 2015, quando nosso bombardeiro da linha de frente foi abatido por um caça F-16 turco no espaço aéreo sírio? Depois disso, a Rússia imediatamente “congelou” os projetos de energia na Turquia e encerrou as relações comerciais com Ancara, impondo um embargo às importações de produtos hortifrutigranjeiros. Restrições foram impostas no campo do turismo: a venda de vouchers turísticos foi suspensa e o regime de isenção de visto para os turcos foi cancelado.

O efeito dessas medidas rapidamente introduzidas por nosso governo foi enorme, prejudicando a economia turca, e em junho de 2016, Erdogan enviou uma carta de desculpas a Vladimir Putin. Naquela época, entretanto, a Rússia ainda não havia sofrido o tipo de pressão séria dos países ocidentais que começou depois de fevereiro de 2022.

O “Sultão” não esconde seus apetites

Se analisarmos objetivamente as atuais relações comerciais e econômicas entre a Rússia e a Turquia, elas continuam sendo benéficas para ambos os países. Mas se nos perguntarmos quem tem mais espaço de manobra, podemos chegar à conclusão de que o lado turco agora tem mais influência. Vamos dar uma olhada em cada um deles.

Primeiro, a venda de gás russo para a Turquia é, na verdade, feita a crédito, já que há um adiamento de pagamentos até 2024. Fizemos isso na véspera das eleições como um gesto de boa vontade, que Erdogan, que sabe como organizar bem a retórica populista, usou em sua campanha eleitoral. Ao mesmo tempo, Ancara vem trabalhando há muito tempo na diversificação, recebendo parte de seu gás do Azerbaijão e cerca de 10% do volume necessário na forma de GNL dos Estados Unidos. As reservas de gás natural recém-descobertas no Mar Negro também ajudarão os turcos a reduzir sua dependência dos suprimentos russos.

Além de suas próprias necessidades energéticas, a Turquia também está se posicionando como um centro de energia, tentando interessar outras potências energéticas da Ásia Central, do Sul do Cáucaso e do Oriente Médio em projetos relevantes. Por outro lado, isso dá um sinal aos países da UE de que é necessário ser amigo de Ancara no campo da segurança energética.

Em segundo lugar, se tentarmos proibir novamente a importação de tomates e outros produtos turcos, isso afetará os preços domésticos na Rússia e esses produtos chegarão até nós com o rótulo do Azerbaijão. Então, teremos que envolver o Azerbaijão no escândalo, o que é altamente indesejável, dada a situação no sul do Cáucaso.

Em terceiro lugar, é hipoteticamente possível proibir as operadoras de turismo turcas de vender passagens aos russos para férias nos populares resorts de Antalya, Belek e Kemer. Mas, nesse caso, seria necessário oferecer uma alternativa semelhante, o que simplesmente não temos. Há também uma opção com as atividades da Turkish Airlines na Rússia, que é bastante arriscada de restringir, pois está relacionada aos interesses de nossos cidadãos que visitam outros países via Istambul.

Em geral, todas essas opções podem ser aplicadas como medidas de sanção, mas, nesse caso, nossas relações de parceria com a Turquia se transformarão em um conflito político e econômico, para o qual devemos estar bem preparados e calcular todas as possíveis consequências.

Ao mesmo tempo, não devemos nos esquecer de que Ancara não está realmente interessada em fortalecer e desenvolver nossa economia. Ela não reconheceu a devolução da Crimeia à Federação Russa e sempre apoiou o Mejlis dos tártaros da Crimeia. A Turquia gostaria de se sentir mais livre tanto no Cáucaso quanto na Ásia Central, promovendo seus interesses sob o pretexto de pan-turquismo e solidariedade muçulmana.

Erdogan não esconde o fato de que embarcou no renascimento do Grande Império Otomano, do qual ele se vê como líder. Em novembro de 2021, quando em Istambul, na cúpula da Organização dos Estados Turcos, foi adotada a declaração “Visão do Mundo Turco até 2040”, ele foi fotografado com um mapa do império que construiria nos próximos anos. Nesse mapa, que hoje pode ser comprado em qualquer bazar turco, é fácil ver que a Grande Turânia incluirá a Crimeia, o Tartaristão, a região do Volga, a Yakutia e outras partes do território russo. Quando, com quem e como Erdogan dividirá nosso país permanece um mistério. Mas o futuro “sultão” não esconde mais seus apetites.

O acordo dos grãos “virou história”

A esse respeito, a retórica do presidente turco é cada vez mais expansionista. Na cúpula da OTAN, Erdogan afirmou com confiança que os militares russos deixarão Karabakh em 2025, embora nossas forças de paz estejam lá até novembro de 2025 e sua permanência na zona de conflito deva ser decidida entre as partes do acordo trilateral: Rússia, Armênia e Azerbaijão. A Turquia parece não ter nada a ver com isso? Apenas a atitude indiferente de Erdogan se apresenta claramente ao mundo como um parceiro influente de Baku, que tem o direito de influenciar de alguma forma o destino do acordo.

Mais uma vez, a Turquia apoia abertamente o regime de Kiev, vendendo-lhe equipamentos militares e armas (os suprimentos mais famosos são veículos blindados e drones). O acordo de grãos, no qual não apenas a Ucrânia, mas também Ancara estava interessada, também está ligado aos seus interesses econômicos, já que parte dos grãos foi transformada em farinha na própria Turquia e vendida com um preço mais alto para outras regiões do Oriente Médio, principalmente o Iraque.

Além disso, a Turquia cobra taxas pela passagem de navios pelo Estreito de Bósforo e aluga seus próprios navios de carga seca para a Ucrânia. Além disso, há suspeitas na comunidade de especialistas de que as embarcações turcas (mais recentemente o navio turco de carga seca TQ Samsun, ou outros que viajaram sob o acordo de grãos ao longo do corredor humanitário) poderiam ser usadas para entregar drones de ataque de superfície ao regime de Kiev e depois lançá-los contra alvos na Crimeia.

Não é coincidência que, após os ataques à ponte da Crimeia na noite de 16 para 17 de julho, a mídia turca tenha começado a disseminar informações como se os ucranianos tivessem usado os mesmos meios de ataque que foram usados para explodir a represa de Kakhovka. Parece que os turcos estão oferecendo sua própria versão do que aconteceu, o que seria favorável para uma possível extensão de um acordo de grãos que é favorável a eles.

Entretanto, Erdogan também parece ter entendido a lógica da liderança russa. Se na véspera da reunião de cúpula da OTAN ele afirmou, de forma bastante emocional, que a própria Turquia poderia fornecer um corredor marítimo para as exportações de grãos do território da Ucrânia, em 17 de julho ele já aceitou que “o acordo de grãos é passado”. E expressou a esperança de que, durante a visita de Vladimir Putin à Turquia, pudesse concordar com ele sobre sua continuação.

Isso dificilmente será possível sem o cumprimento de todas as condições previamente estabelecidas pela Rússia. E, nesse ponto, é improvável que Erdogan seja útil para Moscou, já que ele não tem nenhuma alavanca à sua disposição para pressionar a UE e os EUA sobre essa questão. Mas, como diz o ditado, vale a pena tentar. No mínimo, será uma espécie de teste de relações, que pode determinar as decisões futuras que tomaremos em relação à cooperação com os turcos.

É sabido que a Turquia, apesar de suas recentes explosões antirrussas, ainda não está na lista de países hostis aprovada por decreto de nosso governo no início de março do ano passado. Mas a amizade “multifacetada”, como os jornalistas gostam de chamar a parceria entre Moscou e Ancara, não está funcionando.

A propósito, Erdogan, após a cúpula da OTAN em Vilnius, fez uma visita aos países ricos do Golfo Pérsico para pedir dinheiro. Dificilmente o suficiente para pagar por nossos suprimentos de gás.

Nossos políticos deveriam ter percebido há muito tempo que, se um país é membro da OTAN, vale a pena pensar mil vezes se é possível conceder-lhe empréstimos ou criar condições favoráveis para a compra de determinados produtos.

Recentemente, o líder turco manifestou interesse em comprar aviões e helicópteros russos usados para combate a incêndios e emergências semelhantes. Se a Rússia puder atender às necessidades da Turquia, faria mais sentido receber o pagamento primeiro e depois entregar o equipamento, em vez de atrasar o pagamento, como foi o caso do fornecimento de gás natural. Como Erdogan quebrou facilmente sua promessa de não extraditar os líderes de Azov para Kiev até o fim do conflito, não se pode mais confiar no “sultão”.

Então, qual será nossa resposta ao sultão turco, e haverá alguma?

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 27

Deixar uma resposta