A Lógica Interna das Grandes Entidades Políticas: Império e Ordem Mundial

O Estado-Nação está em crise, mas não é a indistinção planetária em uma sociedade civil global que parece que o substituirá, como gostariam as elites liberais. No seu lugar, emerge o Estado-Civilização, os Impérios Regionais, grandes entidades políticas que organizam os seus espaços continentais.

Uma questão importante no âmbito do pensamento político atual é a enorme lacuna no discurso dominante entre a “expressão” teórica de uma nação soberana e a prática política universal dos impérios. Essa lacuna entre teoria e prática nos leva a refletir sobre o sistema conceitual do “Estado-nação” e, em seguida, a usar o conceito de “império” para chegar a uma nova compreensão da história e da vida política contemporânea.

Em contraste com o conceito de “império” no discurso ideológico tradicional, neste ensaio, estou usando “império” como um conceito sociológico descritivo para descrever sistemas políticos muito grandes que existiram universalmente ao longo da história. Esses sistemas possuem uma estabilidade interna que é ao mesmo tempo complexa e pluralista, bem como um impulso filosófico-intelectual e político para estabelecer um tipo de universalismo ou, em outras palavras, um desejo de universalizar sua própria forma e ocupar um espaço ainda maior. Nesse sentido, o “império” é uma técnica histórica por meio da qual a humanidade tem buscado administrar o universalismo e a particularidade, bem como uma força motriz por trás do desenvolvimento e da mudança.

De fato, a construção de impérios e a competição entre eles foram o que impulsionou a humanidade a se afastar das civilizações locais e dispersas em direção à civilização mundial de hoje, sob condições de globalização. A história do mundo é tanto uma história de impérios competindo pela hegemonia quanto uma história das formas mutáveis de império. No momento atual, o mundo se encontra em um momento histórico crucial no desenvolvimento e na evolução do “império mundial”. Somente começando pela perspectiva do império e compreendendo as diferentes formas que os impérios assumem à medida que evoluem na história, poderemos transcender a ideologia do Estado-nação soberano e compreender o papel que a China de hoje está desempenhando na evolução histórica do império mundial e, assim, traçar um curso para o futuro da China.

O paradoxo do discurso “soberano” e da “prática” imperial

A ideia de soberania está no centro da teoria política contemporânea. Dentro da ampla genealogia do pensamento político ocidental, todos os movimentos intelectuais na história do pensamento moderno, do Renascimento à Reforma, da revolução científica ao Iluminismo, avançaram na construção e no aprimoramento da teoria moderna da soberania, e os conceitos de ciências sociais que participaram da construção da teoria do Estado-nação soberano constituem, ainda hoje, nossas categorias acadêmicas e epistemológicas básicas.

Desde o final da era Qing, o mundo intelectual chinês também passou por uma transformação intelectual completa, por meio da qual começou a construir e imaginar a ordem política mundial com base no pensamento político ocidental moderno e contemporâneo. A visão ideal dessa ordem mundial é o que chamamos de “sistema vestfaliano”, no qual todas as “nações civilizadas” participam da construção da ordem mundial em igualdade de condições como Estados soberanos. A Liga das Nações, que surgiu após a Primeira Guerra Mundial, e as Nações Unidas, que se desenvolveram após a Segunda Guerra Mundial, têm sido vistas com frequência como modelos para essa ordem mundial. Com essa estrutura, sempre que pensamos em ordem política, inevitavelmente começamos com ideias como Estados-nações soberanos e sociedade internacional, “preocupações domésticas” e “países estrangeiros”, que criam o nacionalismo e o internacionalismo como ideologias políticas básicas.

No entanto, se analisarmos as coisas com sinceridade, será que essa ordem internacional que existe no abstrato e no papel é a verdadeira ordem internacional que encontramos na vida contemporânea? A ordem internacional é realmente construída por Estados-nações soberanos iguais? Se voltarmos ao verdadeiro domínio da prática política internacional, então quantos dos quase 200 países reconhecidos como Estados-nações soberanos atualmente possuem de fato soberania completa? A soberania de quantos Estados se transformou em uma poderosa influência “imperial”? E quantos Estados são meras “dependências” ou “fronteiras imperiais” ou “províncias” desses impérios?

Em termos de normas jurídicas e na opinião de muitas pessoas, a ordem mundial é sustentada por leis internacionais, que, por sua vez, são determinadas por Estados-nações soberanos, mas, na prática política, a ordem mundial sempre funcionou de acordo com a lógica do império. Alguns países (como a Alemanha e o Japão do pós-guerra) não foram construídos como Estados-nações totalmente soberanos, mesmo no sentido legal, porque suas constituições não foram estabelecidas com base em princípios de soberania, mas sim em princípios de paz internacional e direito internacional. A origem dessa categoria de “Estado-nação semi-soberano” está no status da Alemanha e do Japão como países perdedores na competição hegemônica dos impérios. Além disso, há outros países que, embora possuam soberania plena e independente em um sentido legal, na prática, viram sua soberania ser absorvida por um sistema imperial maior. Alguns desses sistemas imperiais suprassoberanos foram construídos com base no direito internacional, como a Commonwealth, a Aliança do Norte ou a União Europeia.

E há alguns países que, embora sejam totalmente soberanos, também podem anular o direito internacional com seu direito nacional ou estender seu direito interno a outros países soberanos, como no caso dos Estados Unidos, quando combatem a corrupção no exterior com sua “jurisdição de longo alcance” e suas sanções econômicas, sem falar nas “revoluções coloridas” que sancionaram e organizaram abertamente. Na verdade, as discussões de conceitos como “hegemonia”, “terceiro mundo”, “relações Norte-Sul”, “multipolaridade” e a “nova ordem política e econômica internacional” no campo das relações internacionais são todas sobre questões de império.

Sob essa perspectiva, a história da humanidade é certamente a história da competição pela hegemonia imperial, a história da competição incansável entre impérios que gradualmente impulsionou a forma dos impérios de sua natureza local original para a tendência atual de impérios globais e, finalmente, para um único império mundial. A globalização de hoje é tanto o produto da competição imperial quanto uma forma particular de império.

Quando analisamos a história da humanidade, o império sempre foi o principal ator em termos políticos, enquanto o Estado-nação soberano é algo novo, um produto da modernidade. Além disso, as atividades políticas dos Estados-nação soberanos são frequentemente garantidas pela ordem imperial, e pode-se dizer que a ordem dos Estados-nação soberanos é uma expressão especial da ordem imperial. Se deixarmos de lado as noções de competição imperial e a construção da nova ordem imperial, não poderemos sequer entender o conceito de Estado-nação soberano. Por esse motivo, devemos reexaminar a história sob a perspectiva do império e repensar a construção de Estados-nação soberanos sob a perspectiva da construção da ordem imperial.

A Era Axial na Civilização Humana: A formação de impérios civilizacionais regionais

O império é, antes de tudo, um conceito intelectual universal que se estende ao mundo inteiro e, em segundo lugar, uma forma de prática política que busca impor harmonia ao mundo. Sempre houve uma grande tensão interna entre a ideia e a prática: os conceitos imperiais são universais, mas a prática imperial geralmente está confinada a um tempo e espaço específicos. Essa tensão explica a ascensão e a queda dos impérios, a substituição de um por outro.

As origens da civilização humana estão espalhadas pelo globo em regiões que melhor atendiam às necessidades dos primeiros seres humanos. As regiões montanhosas não eram adequadas para a sobrevivência humana, e a vida nos trópicos era muito fácil, minando a força do desenvolvimento civilizacional, portanto, foram as regiões temperadas que ensinaram as pessoas a sustentar a vida por meio do trabalho contínuo e da inovação. Por esse motivo, a civilização humana passou a se difundir nas vastas regiões temperadas do planeta.

Essas várias civilizações continuaram a avançar, acabando por sair de suas fronteiras geográficas naturais, o que resultou em trocas, competição e até mesmo lutas pela sobrevivência entre as civilizações. A história do desenvolvimento da civilização humana seguiu continuamente esse processo de desenvolvimento de pequenas comunidades locais em direção a grupos cada vez maiores. Esse processo foi aquele em que diferentes civilizações aprenderam constantemente umas com as outras e se misturaram, mas foi ao mesmo tempo um processo de conflito e conquista, desafio e resposta e anexação.

Se considerarmos “países homogêneos” e “países plurais” como dois tipos ideais de ordem política na evolução da história da civilização, então a história da humanidade é o processo de interação constante e dialética entre “estado” e “império”, o que significa que encontramos tanto a formação de impérios plurais por meio da conquista militar de uma nação homogênea por outra, quanto ordens imperiais que se tornaram Estados-nações homogêneos por meio de um longo processo de assimilação e integração de uma ordem imperial plural, após o qual esse estado homogêneo iniciará o caminho para a construção de um novo império.

Por esse motivo, as distinções entre Estado-nação e império na prática política real sempre foram relativas, dinâmicas e contínuas. Nesse sentido, o império não é apenas um substantivo usado para descrever uma ordem plural na prática, mas também sempre funcionou como um verbo que descreve um processo dinâmico de “unificação”[2].

Do ponto de vista do “império”, o primeiro estágio da história da civilização humana foi o processo pelo qual as civilizações de todo o planeta evoluíram por meio da interação dialética das duas formas políticas de estado e império, finalmente se unindo para formar impérios locais com fronteiras geográficas estáveis. A consciência imperial universalista amadureceu exatamente nesses impérios geograficamente expansivos, razoavelmente completos e estáveis. O que chamamos de “era axial” da história humana foi caracterizado exatamente por essa consciência imperial: o império não era mais uma simples questão de conquista econômica ou construção política, mas se tornou uma ordem civilizacional universal. Podemos chamar essa forma de império, com seu espaço geográfico relativamente estável e sua homogeneidade civilizacional relativamente contínua, de “império civilizacional regional”.

Tomando a China como exemplo, no período inicial da civilização, as comunidades surgiram e cresceram até se tornarem como “estrelas que enchem o céu”[3] e, tendo passado por interações e integrações intermináveis, finalmente se uniram para formar tribos separadas ou federações tribais, que podemos chamar de impérios locais. Por meio de constante competição, esses impérios locais instáveis finalmente se tornaram o império regional dos Xia, Shang e Zhou, os nove estados estabelecidos de forma estável nas planícies centrais. Esse império Xia-Shang-Zhou só se tornou um sistema político, ritual e civilizacional estável depois que o pensamento confucionista lhe deu uma expressão filosófica universal. As construções imperiais posteriores dos períodos Qin-Han, Sui-Tang e Ming-Qing foram renovações civilizacionais desse padrão básico de fundação.

Halford Mackinder (1861-1947),[4] o estudioso da geopolítica, tinha plena consciência dos fundamentos geográficos e civilizacionais dos impérios civilizacionais regionais. De uma perspectiva macroespacial, ele dividiu todo o continente eurasiano em um núcleo central [historicamente representado pelo Império Russo], caracterizado por campos e pastagens, e áreas periféricas, caracterizadas por rios, planícies e agricultura.

Nas áreas centrais, o estilo de vida nômade e atrasado era a principal forma de civilização, enquanto as áreas periféricas eram divididas em quatro áreas civilizacionais relativamente avançadas, com predominância da agricultura e do comércio: as regiões da civilização confucionista chinesa, a civilização hindu do sul da Ásia, a civilização islâmica árabe e a civilização cristã europeia. Podemos ver essas cinco civilizações regionais da Eurásia como cinco impérios civilizacionais regionais relativamente estáveis. Esses impérios basearam sua coerência nos elementos naturais de seus ambientes geográficos, bem como em certos elementos espirituais de natureza filosófica ou teocrática. Em um período muito longo da história, enquanto encarnações específicas de impérios locais surgiam e caíam, esses cinco impérios civilizacionais regionais alcançaram relativa estabilidade em sua área local. Mesmo hoje, milhares de anos após sua fundação, esses cinco impérios civilizacionais regionais continuam a manter uma estabilidade relativa em termos de espaço geográfico e caráter, o que é um testemunho da tenacidade dos impérios civilizacionais regionais.

A Ascensão dos Impérios Coloniais Mundiais: Competição mundial entre impérios continentais e impérios marítimos

Na primeira fase da história dos impérios, todos os cinco impérios civilizacionais regionais estavam localizados na massa de terra eurasiática e todos eram impérios continentais. Em termos das respectivas localizações dos cinco, os quatro encontrados nas periferias possuíam importantes vantagens civilizacionais, enquanto o império das estepes, localizado nas regiões montanhosas, tinha um nível mais baixo de civilização associado ao nomadismo. Mas o império das estepes também possuía certas vantagens geograficamente estratégicas e sempre constituiu uma ameaça aos quatro grandes impérios civilizacionais periféricos. Esse era especialmente o caso da civilização cristã ocidental, que era continuamente pressionada pela civilização islâmica oriental e pela civilização das estepes.

O motivo pelo qual o império islâmico podia representar uma ameaça ao império cristão não se devia apenas à sua superioridade em termos de religião e poderio militar, mas também, e mais importante, ao fato de monopolizar o comércio marítimo com a civilização hindu e a civilização chinesa a leste, o que lhe garantia grandes quantidades de recursos e riquezas. Foi nesse cenário de competição entre impérios que o império cristão foi finalmente forçado a navegar no Oceano Atlântico, tentando localizar uma rota marítima que abriria o comércio com o império chinês a leste. Colombo estava procurando uma Rota da Seda marítima para substituir a Rota da Seda terrestre que havia sido destruída pelo império das estepes, o que desafiaria o monopólio da civilização islâmica no comércio com o leste.

Quando o império cristão foi forçado a ir para os oceanos, isso virou a primeira página da história dos impérios do mundo. Por um lado, o império cristão “descobriu” e conquistou a América, bem como territórios e civilizações até então desconhecidos, como o sul da África e até mesmo a Oceania, no processo de apreensão de recursos até então desconhecidos. Por outro lado, essas grandes descobertas geográficas levaram ao surgimento de “impérios coloniais mundiais” como uma nova forma de império, o que significa que o império cristão, antes unido, começou a se dividir em novos impérios coloniais baseados em Estados-nações soberanos recém-formados.

A competição entre esses impérios coloniais levou a civilização cristã a ser a primeira a realizar a transição para a civilização moderna e, por sua vez, deu aos impérios coloniais ocidentais uma superioridade esmagadora sobre os impérios civilizacionais tradicionais do Oriente. Depois disso, a história mundial entrou no estágio de dominação imperial ocidental. As grandes descobertas geográficas levaram a civilização cristã ocidental a aprender com as civilizações orientais e absorveram não apenas as práticas avançadas da astronomia, matemática, geografia, navegação e construção naval orientais, mas também foram influenciadas pelo humanismo e racionalismo da civilização chinesa. No entanto, a própria descoberta de diferentes povos e civilizações no processo de globalização minou a visão singular do mundo encontrada na Bíblia cristã. Isso, por sua vez, levou à ascensão do racionalismo, do humanismo e da ciência ocidentais e, portanto, à desintegração do império cristão tradicional.

A era das descobertas levou à competição interna dentro do império cristão, pois cada reino ou nação lutava contra o outro. Essa competição interna também estimulou o processo geral de racionalização da civilização ocidental, pois cada reino buscava deixar o império cristão para trás e fazer a transição para um estado-nação soberano moderno. Esse processo resultou na criação de um novo modelo político, entendido em termos da teoria política ocidental moderna como um modelo baseado no cidadão individual e em seus direitos, com um contrato social que vinculava os direitos do cidadão à construção de um Estado-nação soberano homogêneo. O mesmo processo também resultou na ordem vestefaliana que regulava as relações entre os Estados-nações soberanos individuais.

A partir daí, surgiu a comparação na teoria política entre os Estados-nações soberanos e os impérios como tipos políticos, segundo a qual os antigos impérios regionais (como o império chinês, o império indiano, o império otomano, o império russo etc.) passaram a ser vistos como representantes de uma forma política tradicional e ultrapassada, enquanto somente os Estados-nações soberanos europeus representavam a forma política moderna do futuro.

No entanto, enquanto os recém-formados Estados-nações soberanos europeus se dedicavam à colonização ultramarina e construíam seus impérios coloniais, eles também criaram um novo sistema imperial. Em contraste com os impérios tradicionais das civilizações regionais, que administravam territórios recém-conquistados como parte de seu império, os impérios coloniais criaram um novo modelo imperial colonial, no qual os Estados-nações soberanos eram diferenciados das colônias e as distinções de status eram aplicadas a cada um deles. A colônia era apenas parte do império no sentido de que servia como fonte de recursos naturais e lucros para o Estado-nação soberano. O Estado-nação no centro do império praticava a política republicana, enquanto na periferia colonial do império a política era nitidamente autoritária; essas eram as duas faces do império colonial. Portanto, a competição entre os impérios europeus não era apenas uma luta pelo território europeu, mas, mais importante, era também uma luta para obter ou redistribuir colônias no exterior.

Do Tratado de Vestfália ao Tratado de Utrecht, o sistema de direito internacional entre os modernos Estados-nações soberanos foi, na verdade, o produto da competição – e da conquista de equilíbrios temporários – entre os impérios coloniais, que dependiam, em grande parte, da competição por colônias e da redistribuição das mesmas.

Se perguntarmos “como os impérios europeus passaram a governar o mundo?”, uma parte importante da resposta é o sistema moderno de Estado-nação que está no centro dessas civilizações imperiais. Foi precisamente a decisão dos vários povos europeus de abandonar a forma do império tradicional da civilização cristã, bem como as restrições que a religião e a moralidade representavam, e se concentrar na liberdade individual e na construção do sistema moderno de Estado-nação, que criou nesses países um novo estilo de vida, bem como grandes forças econômicas, políticas e culturais, que, por sua vez, fundaram continuamente colônias em todo o mundo, criando uma nova forma de império.

Pode-se dizer que os Estados-nações ocidentais construíram novos impérios ao mesmo tempo em que abandonaram os antigos, e que esses novos impérios continham não apenas colônias, mas também um sistema de direito internacional. A forma imperial completamente nova, portanto, combinava o direito colonial, o direito nacional e o direito internacional, um composto de duas faces formado pelos Estados-nações e pelas colônias. A condição prévia para a construção do sistema vestefaliano de Estados-nações soberanos sempre foi o sistema colonial globalizado. Somente os Estados que obtiveram poder por meio da luta pelos impérios coloniais tinham o direito de entrar no sistema de Estados-nações soberanos. Foi somente pelo fato de as potências europeias poderem desenvolver impérios coloniais à vontade nos “novos territórios” disponibilizados pelas descobertas que o frágil equilíbrio de poder do sistema de Vestefália pôde ser mantido. No entanto, no final do século XIX, com o fim do período de grandes descobertas, a luta entre as potências coloniais europeias pela hegemonia mundial levou à eclosão da Primeira Guerra Mundial, que acelerou o fim do sistema imperial colonial, bem como a desintegração do sistema vestefaliano eurocêntrico.

Se compararmos o império civilizacional regional tradicional com o império colonial global moderno, descobriremos enormes diferenças em termos de forma:

Primeiro, enquanto os impérios civilizacionais regionais tiveram ascensões e quedas, expansões e contrações semelhantes a ondas, eles mantiveram uma presença regional mais ou menos estável; em contraste, os tentáculos dos impérios coloniais recém-surgidos foram muito além do espaço geográfico da Europa e se estenderam a todos os continentes do mundo. Seu poder não encontrou nada que pudesse resistir a ele nas Américas, na África, na Oceania ou mesmo na Ásia antiga, dando origem a um império mundial em termos de espaço geográfico.

Em segundo lugar, quando os impérios civilizacionais regionais conquistavam outros, eles geralmente buscavam o desenvolvimento civilizacional, criando “unidade” e “paz” na região; em comparação, os impérios coloniais globais, desde o início, fizeram do comércio e da troca seu principal objetivo e, como resultado, as regiões conquistadas não eram territórios a serem governados, mas colônias destinadas a fornecer matérias-primas, escravos e mercados de exportação para a mãe-pátria. É por isso que as colônias e o sistema escravista constituíam as duas características básicas dos impérios coloniais. De fato, uma razão importante pela qual o império cristão pôde se transformar prontamente em impérios coloniais foi o fato de que, já na era dos impérios grego e romano, o comércio deu origem a um sistema escravagista duradouro.

Em terceiro lugar, os impérios civilizacionais regionais desenvolveram sistemas de governança que eram razoavelmente uniformes internamente e empregavam sistemas diferentes de governança apenas em áreas locais nas periferias; em contrapartida, os impérios coloniais globais, desde o início, viam as colônias como meras fontes de lucro econômico, o que levou ao sistema imperialista moderno, no qual há uma separação rigorosa entre o Estado-nação soberano central e as colônias periféricas. Em termos de regimes constitucionais, os Estados-nações soberanos europeus e os impérios colonizados existiam em dois mundos jurídicos completamente diferentes.

Em quarto lugar, as características específicas dos impérios civilizacionais regionais promoviam a harmonia étnica dentro da região e da civilização, de modo que, embora houvesse problemas étnicos nesse tipo de império civilizacional, a etnia não se tornava um obstáculo para a construção de impérios. Em contrapartida, embora os impérios coloniais globais tenham expandido em nome da civilização (vs. barbárie), como os impérios coloniais mantiveram, desde o início, divisões rígidas entre o Estado-nação metropolitano e a colônia periférica, bem como diferenças correspondentes no status de cidadania, os padrões civilizacionais dos impérios coloniais sempre continham elementos de racismo. Por esse motivo, os impérios coloniais não só não conseguiram promover a harmonia racial, como também criaram ódio racial e massacres sem precedentes. O legado criado pelos impérios coloniais continua sendo difícil de erradicar até hoje.

A ascensão dos impérios coloniais europeus foi, sem dúvida, a segunda transformação na história do império da humanidade, e esse processo esteve, desde o início, ligado às descobertas marítimas, o que significa que os primeiros países a se aventurarem no mar foram também os primeiros a estabelecer colônias no exterior e a construir impérios coloniais. Portanto, a história da ascensão e queda dos impérios coloniais europeus assumiu a forma da história da conquista dos mares, do domínio da navegação, do estabelecimento de colônias e da competição por colônias. Espanha e Portugal lideraram o desenvolvimento de explorações marítimas e o estabelecimento de impérios coloniais ultramarinos, e esses países se basearam na ortodoxia do império europeu para estabelecer a legitimidade dos impérios coloniais globais construídos nesses territórios recém-descobertos.

Quando a próxima onda de potências, representada pela Holanda, Inglaterra e França, começou a competir pelas colônias, elas encontraram desafios à sua legitimidade vindos do império europeu. De fato, a Reforma promovida pela Holanda, Inglaterra e França[5] foi, na realidade, dirigida contra a Espanha, Portugal e o contexto europeu medieval que os sustentava. Isso resultou em uma divisão no império cristão entre o grupo católico tradicional e o grupo protestante recém-surgido, no qual o grupo protestante recém-surgido acabou vencendo.

Devido às diferenças entre as condições continentais e marítimas, os países europeus, no processo de competição pela hegemonia em sua construção de impérios coloniais, desenvolveram gradualmente dois tipos de governança estatal e colonial: o império marítimo e o império continental. Países protestantes como a Holanda e a Inglaterra desenvolveram impérios marítimos baseados no comércio global. Em casa, eles praticavam o republicanismo e, em termos de governança colonial, faziam o máximo para praticar o livre comércio e o comércio sob condições de governo soberano. Por outro lado, os primeiros colonizadores, como Portugal e Espanha, bem como os que chegaram mais tarde, como França, Alemanha e Rússia, herdaram principalmente o estilo de governo imperial continental associado aos impérios grego e romano e ao império cristão. Em casa, eles praticavam a autocracia e, em termos de governança colonial, praticavam uma forma autocrática de extrativismo.

Isso nos diz que as dicotomias ideológicas no pensamento europeu moderno entre republicanismo e autocracia, comércio e território, liberdade e despotismo, de fato se originaram em dicotomias nos estilos de governo empregados pelos impérios marítimos e continentais. Esses dois estilos diferentes de governo, que surgiram a partir dos diferentes problemas enfrentados pelos impérios continentais e marítimos, influenciaram profundamente a situação mundial durante a Guerra Fria e mesmo depois dela.

O surgimento dos impérios coloniais acelerou a competição entre os impérios, e a intensificação dos conflitos imperiais também acelerou a chegada das revoluções modernas na tecnologia e no pensamento, levando assim à transição da tradição para a modernidade. Até certo ponto, essa competição colonial que se desenrolava no cenário mundial era uma competição entre os impérios coloniais europeus, mas, ao mesmo tempo, com a disseminação da cultura europeia moderna pelo mundo, outros impérios tradicionais foram estimulados a estudar o Ocidente e, à medida que passavam por suas próprias reformas, também passaram a participar da competição.

Os impérios alemão e czarista começaram a desenvolver seus impérios coloniais nesse contexto e acabaram sendo envolvidos na luta mundial. De maneira semelhante, o Japão, situado à margem do império chinês, foi o primeiro a “deixar a Ásia pela Europa”[6] e abraçar o mundo marítimo, tornando-se uma potência colonial e entrando na competição mundial. As duas guerras mundiais foram a luta sangrenta entre todos os impérios coloniais globais para construir o que eles chamavam de “império mundial hegemônico único”.

“Império Mundial” 1.0: Da Inglaterra aos EUA

Na virada do século XX, após a competição cada vez mais intensa entre os impérios, a forma do império também mudou. Primeiro, na competição entre muitos impérios mundiais, surgiu um “império mundial”, com colônias em todo o planeta, capaz de dirigir o comércio mundial e regular o equilíbrio de poder entre os muitos impérios europeus. Esse foi o império britânico da era de Vestfália, no qual o “sol nunca se punha”. Além disso, o modelo de governança imperial dentro desse império mundial evoluiu constantemente; não mais satisfeitos com a simples pilhagem colonial, os impérios mundiais se concentraram em controlar o pulso das economias coloniais por meio do domínio da ciência, da tecnologia e das finanças.

No entanto, foi exatamente esse novo modelo de governança imperial que levou os impérios a conceder às suas colônias níveis cada vez maiores de autonomia e soberania, criando uma tendência à integração colonial com os países-mãe. Esse foi o contexto em que a Comunidade Britânica se desenvolveu. O surgimento desse novo tipo de governança imperial provocou muitos debates entre colônias e impérios sobre “velhos impérios” versus “novos”, “impérios coloniais” versus “impérios livres” e “colonialismo” versus “imperialismo”.

Assim como na crítica política de Hobson e Lênin ao “imperialismo”, os impérios coloniais tradicionais passaram a ser rotulados como “colonialismo”, enquanto a noção de “imperialismo” passou a ser usada apenas para se referir à nova forma de império mundial da Grã-Bretanha, o que poderíamos chamar de colonialismo sem colônias. O surgimento dessa nova forma de império significava que a expansão imperial não dependeria mais da ocupação de território, mas sim da dominação científica e tecnológica, do controle financeiro e do direito internacional. Isso era particularmente verdadeiro porque o direito internacional não era mais o direito internacional compartilhado da era imperial, mas sim leis privadas que haviam penetrado nos territórios empresariais, comerciais e financeiros de todos os países. Nesse sentido, um Estado-nação soberano poderia erguer um “império mundial” simplesmente por meio do controle global da ciência e da tecnologia, da moeda e do comércio. Esse foi o modelo de império mundial construído pela Inglaterra e pelos Estados Unidos.

As duas guerras mundiais levaram a construção do império mundial a uma nova fase histórica. Nós as chamamos de “guerras mundiais” não apenas porque as potências do mundo inteiro se envolveram, mas também porque muitos impérios coloniais mundiais estavam lutando pela construção do “império mundial” e, de fato, os dois campos da Guerra Fria que se desenvolveram após a Segunda Guerra Mundial refletiam a competição entre dois modelos de “império mundial”: “Um era o modelo americano, que havia herdado o novo modelo “imperialista” desenvolvido pelo império britânico do final do período; e o outro era o modelo soviético, uma aliança política estável que se baseava em uma crença comum no comunismo e na liderança do Partido Comunista entre as repúblicas aliadas. Em termos ideológicos, esses dois tipos de império mundial foram rotulados de “liberalismo/imperialismo” e “comunismo”, que em termos de valores passaram a ser traduzidos como “liberdade” versus “igualdade”, mas em termos de tradição imperial, eles ainda refletiam a distinção entre impérios marítimos e continentais, o império marítimo exercendo o controle por meio do comércio e da troca, e o império continental por meio da moralidade comunitária.

Limitamos nossa compreensão da ideia de “império” ao que imaginamos que o império civilizacional regional clássico poderia ter sido ou à nossa crítica aos impérios coloniais mundiais modernos, incluindo o surgimento da nova forma de “império mundial” e, por essa razão, demos pouca atenção à natureza particular dessa forma imperial. O império soviético foi muitas vezes criticado como um império tradicional, ávido por território e hegemonia, o que ignorou as diferenças entre o modelo soviético e as ideias tradicionais de império, principalmente as fortes crenças na revolução e na libertação contidas na ideologia comunista, o que levou ao desejo de estabelecer um único império mundial.

E como o império mundial construído pelos britânicos e americanos se baseava na moeda e em um sistema comercial, bem como em um sistema de tratados internacionais, as pessoas frequentemente ignoravam a novidade dessa forma imperial. Era fácil ver esse império como um império em que Estados-nações soberanos em igualdade de condições entraram no sistema internacional após os movimentos de libertação nacional que ocorreram com o eclipse dos antigos impérios coloniais. Vemos as Nações Unidas apenas como representante desse sistema internacional de Estados-nações iguais e ignoramos o fato de que as próprias Nações Unidas foram o resultado da construção do império mundial, um local de luta na construção de impérios mundiais. No final da Guerra Fria, o abandono americano das Nações Unidas e a adoção do unilateralismo demonstram plenamente que a construção do “império mundial” liderado pelos EUA está completa; no mundo de hoje, a China e a Rússia estão situadas dentro do sistema de “império mundial” liderado pelos americanos. A razão pela qual as sanções econômicas dos Estados Unidos, com base na legislação nacional, podem alcançar os resultados que alcançam é porque o mundo foi organizado de forma a atender a esse único “império mundial”.

Por esse motivo, em vez de entender o fim da Guerra Fria como o “fim da história” de um ponto de vista ideológico, é mais correto vê-lo da perspectiva do “império mundial”. A “globalização” liderada pelos americanos na era pós-Guerra Fria, seja em termos de ideias ou de estratégia militar, está promovendo a “imperialização” americana e construindo um único império mundial. No contexto ocidental, isso é frequentemente chamado de “novo Império Romano”.

De agora em diante, nenhum país poderá existir fora desse sistema de comércio global com sua liberdade, estado de direito e democracia. Todo país, quer queira ou não, estará necessariamente envolvido na construção desse império mundial. O historiador chinês Tong Tekong 唐德刚 (1920-2009) falava com frequência sobre os “três desfiladeiros da história 历史三峡”, que, em essência, também aborda o processo do “fim da história” e do “império mundial”.[7] Podemos dizer que a globalização com a qual vivemos hoje é o “império mundial único” 1.0, o modelo de império mundial estabelecido pela Inglaterra e pelos Estados Unidos. No futuro, cada país deve buscar seu próprio modelo de desenvolvimento saindo dessa ordem imperial mundial de liberdade, estado de direito e democracia.

Atualmente, os Estados Unidos estão sob grande pressão, pois buscam manter seu império mundial, pressão essa que vem especialmente da resistência russa e da concorrência chinesa. Mas devemos reconhecer que essa competição é uma competição que ocorre dentro do sistema do império mundial, uma luta para assumir a liderança econômica e política após a realização do “império mundial”. De fato, podemos entendê-la como uma luta para se tornar o coração do império mundial. Essa luta pode levar ao colapso e à desintegração do sistema imperial mundial, ou a uma mudança em quem detém o poder supremo no império mundial, ou até mesmo à reconstrução do sistema do império mundial, mas o que absolutamente não acontecerá é um retorno ao período histórico marcado pela existência de impérios civilizacionais regionais.

Mesmo que Huntington tenha visto a situação mundial pós-Guerra Fria como um “choque de civilizações”, e mesmo que esses conflitos civilizacionais se sobreponham, até certo ponto, à distribuição geográfica dos impérios civilizacionais regionais, não podemos confundir os dois. O que Huntington chamou de “choque de civilizações” é, na verdade, apenas uma revolta interna contra o império mundial, que necessariamente se desenvolverá dentro do sistema do atual “império mundial”, assim como deve necessariamente se desenvolver dentro da narrativa filosófica universalista do “fim da história” da tecnologia, do comércio, da liberdade e do estado de direito. Por esse motivo, o mundo futuro só poderá avançar e ser reconstruído com base nesse alicerce, que não poderá ser totalmente derrubado, a menos que o mundo inteiro retorne ao império mundial construído pelo fundamentalismo islâmico.

Conclusão

Desde o século XX, o destino inevitável da humanidade tem sido entrar no império mundial. Não importa se o vemos como uma fonte de “paz eterna” ou se mantemos nossas expectativas comunistas, e não importa o quanto criticamos ou deploramos a hegemonia tecnológica, econômica e política, não podemos escapar da chegada da era do império mundial. Se dissermos que as origens do império mundial podem ser atribuídas à competição entre impérios civilizacionais regionais, então o império mundial 1.0 de hoje é o modelo de império mundial moldado pela civilização cristã ocidental.

Esse modelo enfrenta três grandes problemas insolúveis: a desigualdade cada vez maior criada pela economia liberal; o fracasso do Estado, o declínio político e a governança ineficaz causados pelo liberalismo político; e a decadência e o niilismo criados pelo liberalismo cultural. Diante dessas dificuldades, até mesmo os Estados Unidos recuaram em termos de estratégia militar mundial, o que significa que o império mundial 1.0 está enfrentando atualmente uma grande crise e que as revoltas, a resistência e a revolução de dentro do império estão desestruturando o sistema.

A ascensão do império mundial mudou completamente as distinções políticas e ideológicas tradicionais entre esquerda e direita, tradicionalmente baseadas na política interna, como pode ser visto claramente nas eleições competitivas nos Estados Unidos e na Europa. A ala direita, que tradicionalmente defendia os mercados livres, agora está se voltando para o populismo, enquanto a ala esquerda mudou de tom e agora defende os interesses da globalização. Essa inversão ideológica é um excelente reflexo da crise que o império mundial enfrenta hoje, pois não há programas políticos que possam resolver os três grandes problemas que o império mundial está enfrentando.

Podemos concluir que estamos vivendo em uma era de caos, conflito e mudanças maciças, na qual o império mundial 1.0 está em declínio e tendendo ao colapso, enquanto ainda não conseguimos imaginar o império mundial 2.0. No entanto, devemos reconhecer que a mudança na forma de império é um longo processo histórico. Os vários milhares de anos da história da humanidade testemunharam apenas três grandes mudanças na forma imperial, e cada uma dessas mudanças foi acompanhada de grandes conflitos e caos. Ao mesmo tempo, não podemos negar que essas eras de transição histórica também criaram a oportunidade para que cada civilização construísse o império mundial 2.0. A civilização que for capaz de fornecer soluções genuínas para os três grandes problemas enfrentados pelo império mundial 1.0 também fornecerá o modelo para o império mundial 2.0. Como uma grande potência mundial que deve olhar para além de suas próprias fronteiras, a China deve refletir sobre seu próprio futuro, pois sua importante missão não é apenas reviver sua cultura tradicional. A China também deve absorver pacientemente as habilidades e conquistas da humanidade como um todo, especialmente aquelas empregadas pela civilização ocidental para construir o império mundial. Somente com base nisso poderemos ver a reconstrução da civilização chinesa e a reconstrução da ordem mundial como um todo que se reforça mutuamente.

Fonte: Reading the China Dream

Imagem padrão
Jiang Shigong

Professor, teórico político e jurista chinês.

Artigos: 53

Deixar uma resposta