Incels: Uma Minoria Incompreendida

Há um fascínio sombrio por incels em nossa cultura pós-moderna, mas as narrativas em torno desses jovens marginalizados oscilam entre o sensacionalismo e a pura estupidez.

Em 1881, o Presidente James Garfield foi assassinado por Charles Guiteau. De acordo com uma peça recente do New York Post, Guiteau, um homem que não encontrou o amor no mundo real, foi um dos primeiros incels da história. Pouco depois que esta interessante peça foi ao ar, o Post publicou outra história discutindo o Animaid Café em Manchester, Inglaterra, descrevendo o negócio como um “Hooters para incels”, um lugar para homens desesperados que são incapazes de atrair mulheres para se unirem e se solidarizarem.

Embora exista um fascínio sombrio pelos incels (celibatários involuntários) em nossa cultura, as narrativas em torno destes jovens homens socialmente alienados tendem a flutuar entre sensacionalismo e estupidez, com muito pouco no sentido de uma reportagem precisa. Os incels foram reduzidos a uma caricatura, um estereótipo grosseiro que nos distrai da verdade bastante complicada.

Nos Estados Unidos, o número de homens que se identificam como incels está aumentando. O mesmo acontece no Reino Unido. Este é um fenômeno desafiador de se entender. Alguns estão ansiosos para colocar a culpa aos pés de homens como Andrew Tate e Jordan Peterson, mas esta explicação ignora fatos importantes. Os incels são parte de uma subcultura virtual assexuada. Ao contrário da crença popular, eles não são um monólito ideológico. Estes homens são, por inúmeras razões, incapazes de cultivar a intimidade sexual ou romântica. Alguns destes homens estão zangados, e alguns deles até querem ferir as mulheres; no entanto, muito poucos põem em prática a sua raiva.

Naama Kates, uma jornalista chamada de “especialista em incels”, disse que há uma série de conceitos errôneos “perigosos e persistentes” sobre incels. Para começar, ela disse que “a ideia de que eles são um ‘movimento’ unido por uma ideologia prescritiva violenta” é completamente errada.

“Ao contrário de outros grupos extremistas”, ela enfatizou, “os incels não têm objetivos políticos ou culturais, e seus únicos objetivos pessoais são ‘ascender’ para fora do ‘incelato'”. A maioria dos incels não quer nada mais do que se livrar deste poço de desespero. Muitos estão dispostos a tomar medidas drásticas, como pagar para ter suas mandíbulas quebradas e remodeladas, tudo em nome da virilidade. “Eles não têm organização e nenhuma rede offline”. Na verdade, ela acrescentou, “quando você começa a examinar os criminosos que têm sido associados a eles, você muitas vezes descobre que a conexão é bastante frágil”.

Ela está certa.

Como tenho mostrado em outros lugares, desde 2014, os incels mataram apenas 60 pessoas no mundo inteiro. Um canadense de nome Alek Minassian é responsável por 11 dessas mortes. Embora Minassian seja identificado como um incel, é importante lembrar que ele dirigiu sua van contra um grupo de pedestres, um ato desprezível que matou uma série de homens e mulheres.

Mesmo que acreditemos na narrativa do “extremista violento”, como são esses supostos brutos? O incel é frequentemente pintado como um skinhead branco, ostentando uma regata branca, e tatuagens do Terceiro Reich. De acordo com o psicólogo Andrew G. Thomas, um pesquisador da cultura incel, a quantidade de variedade racial, étnica e política encontrada nas comunidades incel é, por falta de uma palavra melhor, imensa. Os homens brancos não têm o monopólio do ódio ou da solidão. Em um estudo conduzido por Thomas e seus colegas, mais de um terço dos incels entrevistados foram identificados como não brancos. Curiosamente, quando se trata de opiniões políticas, a maioria dos incels se inclinava para a esquerda, não para a direita: menos Alex Jones, mais AOC. Como Thomas observou, isto “sugere que alguns dos estereótipos sobre a composição dos incels são imprecisos”. Este é um eufemismo de proporções verdadeiramente épicas.

O Elo da Saúde Mental

Há uma ligação particularmente interessante entre o autismo e o incelato. A pesquisadora Anna Speckhard e seus colegas descobriram que os incels têm “uma prevalência muito maior de distúrbios do espectro do autismo (incluindo Asperger) do que a população em geral”. Em sua pesquisa abrangente, quase 20% dos entrevistados relataram um diagnóstico oficial, e cerca de 44% relataram ter sintomas de autismo. “Isso”, observou Speckhard, “se compara com uma taxa de apenas 1% na população em geral”.

Como as pessoas com autismo têm dificuldade para iniciar e manter relacionamentos, sejam eles românticos ou não, é inteiramente razoável ver o distúrbio como uma barreira significativa para o sucesso de relacionamentos românticos. Speckhard e sua equipe também descobriram que os incels parecem ter taxas de depressão e ansiedade consideravelmente maiores do que os homens que não se identificam como incels. Isto, é claro, nos apresenta o clássico enigma “galinha ou ovo”. Será que os homens deprimidos gravitam em direção ao incelato, ou será que o incelato cria homens deprimidos? Na verdade, provavelmente funciona nos dois sentidos. No entanto, são necessários dados mais concretos para responder a estas perguntas. O que sabemos é que a grande maioria das narrativas orientadas sobre os incel são falsas.

Fonte: The European Conservative

Imagem padrão
John Mac Ghlionn

Pesquisador e escritor no campo da psicologia e relações sociais.

Artigos: 49

Deixar uma resposta