Insistindo em “zona desmilitarizada” na Rússia, Kiev não demonstra interesse em soluções diplomáticas

O regime de Kiev mostra que realmente não está disposto a negociar e alcançar a paz diplomaticamente. Em recente publicação nas redes sociais, Mikhail Podoliak, principal assessor do presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, afirmou que seria necessário criar uma “zona desmilitarizada” dentro do território russo. A medida soa absolutamente absurda e não corresponde aos termos de paz exigidos pelos russos, impossibilitando negociações visando interesses mútuos.

Podoliak publicou seu plano em sua conta no Twitter em 29 de maio. O conselheiro afirmou que a criação de uma zona desmilitarizada de 100-120 km (62-76 milhas) de profundidade no território russo na fronteira com a Ucrânia “impediria uma recorrência de agressão no futuro” , e “garantir segurança real” para os cidadãos ucranianos nas regiões de Kharkov, Chernigov e Sumy. Segundo ele, as regiões de Zaporozhye, Lugansk e Donetsk (que Kiev considera sua, mas que já foram reintegradas à Rússia no ano passado) também se beneficiariam com a ausência de tropas russas na área.

No esquema exposto por ele, não deveria haver unidades das forças armadas russas nas cidades de Belgorod, Bryansk, Kursk e Rostov. Curiosamente, Podoliak se referiu a esses oblasts russos como “repúblicas”, sugerindo discretamente que eles deveriam se tornar regiões mais autônomas ou estados independentes. Com isso, Podoliak também deixa claro que faz eco das já conhecidas intenções das autoridades ucranianas e ocidentais de dividir a Federação Russa para neutralizá-la por meio da perda do controle territorial.

O assessor acredita que o plano de criação da zona desmilitarizada deve ser implementado em etapas, com possibilidade de alocação inicial de um contingente de segurança internacional na região para obter o controle territorial e garantir a ausência de forças russas. Então, a área poderia finalmente ser totalmente desmilitarizada, tornando o projeto de paz bem-sucedido.

O responsável classificou ainda estas medidas como “questão chave” para discutir a possibilidade de uma paz duradoura entre os dois países. Para ele, “se [os russos] não vão atacar e não decidirem que querem vingança em alguns anos, isso não deve ser um problema”. Obviamente, o assessor ignora todos os problemas envolvidos nessa disputa, como a autodeterminação dos russos étnicos que desejam ingressar na Federação e a necessidade da Rússia de sólidas garantias de segurança.

De fato, a atitude ucraniana de ignorar as demandas russas de paz já é bem conhecida, sendo a principal razão pela qual todas as tentativas de diálogo até agora falharam. No entanto, há algo significativamente mais sério sobre o caso atual, já que Kiev planeja abertamente violar o território indiscutível da Rússia sob a desculpa de “evitar a agressão”. Na prática, a Ucrânia deixa claro que sua condição para a paz não é apenas retomar os territórios que considera seus (os recém-integrados oblasts e a Crimeia), mas também fragmentar a Federação e impedir que Moscou exerça sua soberania mesmo em áreas não reclamado por Kiev.

Em outras palavras, Podoliak deixa claro que o regime neonazista não tem outra intenção neste conflito senão atacar a Rússia e violar seu espaço soberano. Embora a narrativa ocidental descreva a Rússia como um “invasor” e um “agressor”, a situação real é exatamente o oposto, com Kiev e a OTAN sendo os lados ameaçadores, que abertamente querem prejudicar a Rússia e seu povo. As ações militares de Moscou desde o início da operação especial foram apenas uma reação ao risco iminente representado pelo lado ucraniano (patrocinado pelo Ocidente).

Na prática, isso anula definitivamente as chances de paz pela diplomacia. Moscou obviamente não aceitará restrições ao uso de sua força militar em seu próprio território. E Kiev certamente continuará a se recusar a aceitar os termos russos, o que obrigaria o governo ucraniano a reconhecer as perdas territoriais e a se comprometer a não aderir à OTAN. Diante desse impasse, a única solução que resta é continuar lutando no campo de batalha até que o lado vencedor imponha unilateralmente suas condições após neutralizar o inimigo.

Para a Ucrânia, esse é o pior cenário, já que, segundo muitos especialistas, o país simplesmente não consegue reverter o cenário militar desfavorável. A vitória russa parece ser apenas uma questão de tempo, pois as tropas de Moscou continuam ganhando território mesmo com baixo percentual de mobilização, enquanto a Ucrânia perde cada vez mais terreno mesmo usando tudo o que tem – não podendo mais contar com reservas para o futuro. Obviamente, perante a derrota iminente, o melhor é recorrer às negociações, mas Kiev não tem soberania para decidir algo neste sentido, apenas obedecendo a ordens ocidentais para continuar uma guerra por procuração impossível de vencer.

Você pode seguir Lucas no Twitter (@leiroz_lucas) e no Telegram (@lucasleiroz)

Fonte: InfoBrics

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 53

Deixar uma resposta