A Batalha por Taiwan

A China não pretende abrir mão de Taiwan. E os EUA não pretendem ceder neste ponto. Os dois lados, portanto, preparam as suas jogadas construindo estratégias de contenção dos interesses e forças do adversário a nível regional e global.

Como os Estados Unidos planejam defender seu “porta-aviões inafundável”

As relações entre os Estados Unidos e a China deterioraram-se significativamente nos últimos tempos. A retórica diplomática se agravou. Os políticos em Washington estão exigindo medidas duras. Os analistas e especialistas militares preveem vários cenários de conflito. A maioria deles ocorrerá alegadamente devido à decisão da China de incorporar Taiwan pela força em seu sistema político.

Entretanto, deve-se notar que apesar de a China estar na lista das principais ameaças aos Estados Unidos desde a época da administração Donald Trump, o desenvolvimento de soluções militares contra a China começou muito mais cedo. Sob o comando de Barack Obama, quando Henry Kissinger e Zbigniew Brzezinski fizeram campanha ativa pela amizade com o Reino do Meio sob o disfarce do G-2 ou Chimérica, o Pentágono já estava trabalhando em opções de guerra contra a China.

Estratégias para a contenção ativa da China

O mais antigo e mais específico conceito de guerra contra a China é chamado de Batalha Ar-Mar. Ele foi introduzido pelo Departamento de Defesa dos EUA há mais de uma década e foi baseado em doutrinas anteriores semelhantes que justificavam a superioridade aérea. Por exemplo, já em 1992, o Comandante Aliado da OTAN, Almirante James Stavridis, destacou a importância de criar uma força aérea combinada com outra força para garantir a vitória.

Este conceito é baseado na doutrina de “Batalha Ar-Terra”, desenvolvida para o teatro europeu de operações militares nos anos 70-80 para combater a União Soviética pelas forças da OTAN. Baseia-se em ataques profundos, mas ao contrário do conceito da Guerra Fria, a Batalha Ar-Mar descreve operações abrangentes em todas as cinco esferas (ar, terra, mar, espaço e ciberespaço) para criar uma vantagem. Ela também visa proteger a própria retaguarda nas mesmas áreas.

No final de 2011, o Secretário de Defesa dos EUA aprovou o conceito de Batalha Ar-Mar como um passo necessário na reforma das forças armadas americanas, para a qual foi criado um departamento especial. A introdução deste conceito como doutrina oficial permitiu o início das críticas a algumas disposições para levá-lo à perfeição. Alguns autores, em particular, sugeriram que o planejamento militar contra a China deveria ser conduzido com vistas à sociedade chinesa contemporânea, onde existem vários problemas internos: diversidade étnica (mais de 50 minorias, entre as quais uigures, tibetanos e mongóis se mostraram recentemente pouco amigáveis ao centro político), tendências de separatismo regional, desequilíbrio no desenvolvimento econômico, especialmente entre regiões costeiras e interiores. Ou seja, a ênfase já foi dada também à desestabilização interna da China.

Desde 2013, ela tem sido constantemente atualizada, o que foi criticado por Pequim.

Mais ou menos ao mesmo tempo, uma estratégia de Controle Extraterritorial também estava em desenvolvimento ativo. Ela se baseia no uso dos meios disponíveis e de maneiras limitadas para privar a China do uso do mar dentro da primeira cadeia de ilhas e proteger seu espaço marítimo e aéreo da primeira cadeia de ilhas. Isto estabelece seu próprio domínio no espaço aéreo e marítimo fora da cadeia de ilhas. Nenhuma operação para penetrar no espaço aéreo chinês deveria ser realizada. A proibição destas ações foi interpretada como a necessidade de reduzir a possibilidade de escalada nuclear, bem como de facilitar o início das negociações e o término da guerra. Em vez de uma escalada, esta estratégia utiliza o estrangulamento econômico para esgotar a China ao ponto de ela mesma procurar acabar com a guerra o mais rápido possível.

O elemento “proibição” desta campanha cria uma zona de exclusão marítima dentro da primeira cadeia de ilhas. Os Estados Unidos usarão sua força submarina dominante, minas e ativos aéreos limitados para assegurar a zona afundando os navios que chegam.

O elemento “defesa” engajará toda a gama de recursos militares dos EUA para proteger os aliados que optarem por ajudar ativamente os Estados Unidos. A frota de superfície e os ativos aéreos estariam longe do continente chinês, forçando a China a lutar a distâncias maiores, permitindo que forças norte-americanas e aliadas ataquem como parte de uma defesa integrada ar-mar de seus próprios territórios.

A campanha de “domínio” seria conduzida além do alcance da maioria dos ativos chineses, proibindo a navegação nos estreitos ao longo da cadeia de ilhas indonésias e da costa oeste das Américas. A campanha envolve o uso de uma combinação de plataformas comerciais aéreas, marítimas, terrestres e alugadas para interceptar e desviar superpetroleiros e navios porta-contêineres necessários para a economia da China.

Estas duas estratégias são básicas para as abordagens americanas de guerra contra a China, que estão sendo adaptadas à medida que as condições têm mudado.

Possíveis cenários futuros

Para entender o curso do pensamento dos militares dos EUA, é interessante recorrer a um recente documento coletivo intitulado “Cruzando o Estreito: As Forças Armadas da China se preparam para a guerra com Taiwan”, publicado pela Universidade de Defesa Nacional dos Estados Unidos. Nele, vários autores descrevem a modernização do ELP que “enquanto as perspectivas de unificação pacífica se estreitam, o menu de intimidação militar e opções de guerra da China está se expandindo. A agitação de armas em tempos de paz, que é mais útil para dissuadir Taiwan de buscar a independência de jure, tornou-se mais rotineira e variada”.

Eles acreditam que Taiwan será a meta de Pequim como uma prioridade de longo prazo, mas as metas específicas de curto prazo irão flutuar de acordo com as mudanças das condições. O cálculo da RPC no que diz respeito a forçar a ilha será determinado pela forma como Pequim pesa os custos, benefícios e riscos em relação a metas específicas de curto prazo. Estas estimativas mudarão de acordo nas próximas décadas, dependendo da trajetória futura da República Popular da China.

Os autores sugerem duas opções principais para uma solução, como por exemplo:

  • um esforço concertado para melhorar as capacidades de defesa de Taiwan e focalizá-las no aumento dos custos e riscos associados às opções militares da RPC. Esses esforços devem se concentrar em ações específicas para melhorar as capacidades militares, em vez de medidas simbólicas de apoio dos EUA a Taiwan;
  • influenciar a liderança do PCCh para apoiar a possibilidade de unificação pacífica.

O paradoxo é que a própria China está interessada na unificação pacífica. Entretanto, Washington dificilmente pode confiar que este processo esteja de acordo com seu objetivo. Caso contrário, eles não provocariam a China continuando a militarização de Taiwan e dos países da região.

Quando se trata de estratégias militares, os Estados Unidos estão considerando várias opções para as ações da China contra Taiwan:

  • aplicar contenção;
  • estabelecer gradualmente uma posição de superioridade militar;
  • estender o controle administrativo da China dentro da defesa aérea de Taiwan e possivelmente sobre algumas das ilhas periféricas de Taiwan;
  • assegurar ganhos políticos internos;
  • testar a determinação dos Estados Unidos.

Assumindo que o ELP utilizará toda a gama de capacidades, desde ataques de mísseis/ar, bloqueio naval e ataques anfíbios até operações de informação e ataques cibernéticos, os EUA estão pensando em uma possível resposta adequada.

Guerra semiguerrilheira em um ambiente urbano

O exército dos EUA está prestando atenção especial à chamada guerra urbana, pois a China tem seu próprio sinônimo – Chengshi Zozozhan (城市作战). Este método também é referido pelos líderes militares chineses como nada mais do que “bater em ratos numa loja de porcelana” (瓷器店里打老鼠), ou seja, realizar algo muito difícil que pode ter sérias consequências, por isso é preciso ter muito cuidado.

Tendo estudado cuidadosamente os textos doutrinários relevantes do ELP sobre guerra urbana, os especialistas americanos concluíram que existem certos significados hierárquicos que se ligam a uma compreensão sistêmica da guerra urbana. A experiência das forças armadas americanas no Iraque e na Síria foi estudada.

Como resposta à guerra urbana na China, os Estados Unidos propõem repensar o grau de preparação da população militar e civil da ilha para a defesa nacional. Eles apresentam o chamado projeto militar Conformal, um conceito de integração da funcionalidade de sensores e armas nos contornos naturais dos navios de guerra e das aeronaves, que poderia ser estendido ao projeto da paisagem urbana.

A experiência das unidades antiterroristas dos EUA, que estão estacionadas em torno do Capitólio em Washington, poderia ser usada para este fim.

Outra sugestão é o uso de munições convencionais e tecnologia comercial. Como demonstraram as forças de coalizão no Iraque de 2004 a 2011, as munições militares convencionais dispersas nos primeiros dias do conflito, combinadas com a moderna eletrônica de varejo e a engenhosidade, ajudaram a resistência iraquiana a montar uma campanha mortal e eficaz contra os Estados Unidos e seus aliados. Dispositivos explosivos improvisados foram usados para atacar veículos da coalizão e emboscadas de palco. Assim, as oficinas de reparação de motocicletas e scooters nas ruas de Taipei puderam ser rapidamente reequipadas para uso militar.

É provável que os EUA já estejam treinando instrutores em Taiwan para conduzir operações de insurgência. Pelo menos tais métodos são consistentes com a Guerra Especial das Forças de Operações Especiais dos Estados Unidos. E Taiwan faz parte da área de responsabilidade Indo-Pacífico do Comando de Operações Especiais dos Estados Unidos (SOCPAC).

Além disso, especialistas militares dos EUA recomendam um reconhecimento adequado para identificar unidades que poderiam ser potencialmente usadas para assumir o controle da China. Deve ser dada atenção especial aos grupos de desembarque e se eles incluem forças especiais para a guerra urbana. Isto ajudará a prever se as operações na ilha serão prolongadas, impedindo um rápido reconhecimento da soberania da RPC sobre Taiwan.

Os EUA também vigiam de perto a mobilização e as capacidades logísticas da China, acreditando que elas sejam bastante eficazes. A este respeito, os militares taiwaneses são aconselhados a promover várias contramedidas de uma só vez. Primeiro, é melhorar a capacidade de transição do tempo de paz para operações em tempo de guerra. Em segundo lugar, é fortalecer a capacidade de coleta e análise de inteligência, expandindo assim a lacuna de tempo para alerta precoce, obtendo informações vitais sobre material do ELP e mobilização de transporte. Terceiro, é a integração de sistemas de armas de ataque de precisão de longo alcance para melhorar as capacidades da “guerra de supressão unificada” de Taiwan (lianhe zhia zuojian, 联合制压作战), com base no conceito geral de defesa.

Estes sistemas de ataque devem ser combinados com a guerra cibernética e de informação para lançar ataques aos nós logísticos de mobilização do ELP para interromper seu ritmo de batalha e aproveitar espaço e tempo estratégicos. Estas medidas poderiam explorar as deficiências existentes no suporte logístico e na mobilização do ELP. Os americanos acreditam que se o ELP quer uma vitória rápida na invasão de Taiwan, deve contar com o bom funcionamento de seu apoio logístico e plano de mobilização. Consequentemente, será crítico para os militares de Taiwan sabotar os sistemas logísticos e de mobilização do ELP no início da guerra. Ou talvez na fase de preparação, que incluiria a sabotagem do território chinês e ataques cibernéticos.

Conceito geral de defesa

Em 2017, o então chefe de pessoal geral de Taiwan, Almirante Li Ximin, propôs uma nova abordagem para a defesa de Taiwan, chamada de Conceito de Defesa Global.

Trata-se essencialmente de uma estratégia assimétrica que utiliza mobilidade, camuflagem, táticas de enxame e abordagens inovadoras para complicar a capacidade do ELP de encontrar e destruir plataformas (alvos) taiwanesas, especialmente nos estágios iniciais do conflito. Como todos esses conceitos, ela se baseia em maximizar a vantagem da defesa e visa derrotar o inimigo no momento da vulnerabilidade, ou seja, quando ele se encontra na zona costeira. Assim, a primeira fase da ação militar sob o Conceito de Defesa Global consiste em manter as próprias forças armadas durante o ataque inicial do ELP à ilha e seu bloqueio. As forças armadas de Taiwan devem representar um grande número de pequenas unidades móveis que podem deixar as bases, ocultar suas posições e dificultar a sua detecção. Depois vem a batalha decisiva na zona costeira, que se estende por uma centena de quilômetros. Os elementos-chave para ela são os campos minados e os mísseis de cruzeiro antinavio. Drones submarinos, aeronaves ou navios podem ser usados para criar campos de minas ao redor da ilha. Os especialistas militares americanos chamam esta parte da “estratégia do porco-espinho”. Taiwan já solicitou aos Estados Unidos a entrega de minas marítimas Quickstrike MK-64 para reabastecê-lo e permitir uma rápida implantação no início de um conflito. Taiwan também tem minas MK-6 da Segunda Guerra Mundial que comprou dos Estados Unidos e periodicamente testa sua confiabilidade. Além disso, a Chung Shan National Defense Company tem produzido minas desde 2002.

Quanto aos mísseis, Taiwan tem atualmente mísseis Hsiung Feng antinavio montados em caminhões que podem ser escondidos em um local isolado para evitar os ataques iniciais e depois atacá-los quando os navios do ELP começarem a cruzar o Estreito. A fim de evitar ataques de retaliação, eles devem mudar imediatamente de local.

A terceira fase do Conceito de Defesa Global visa destruir o inimigo na “zona da praia”, que se estende a cerca de 40 quilômetros dos locais de desembarque propostos. Nesta fase, a marinha de Taiwan deve colocar minas tanto em águas profundas quanto em águas rasas perto de possíveis zonas de desembarque. Já está em construção uma nova frota de navios automáticos de colocação de minas de alta velocidade para esta missão, com o primeiro navio desta classe lançado em agosto de 2020. Guias de bombeamento de minas poderiam ser instalados em várias classes de navios de superfície. Sabe-se também que elas serão incluídas no projeto das corvetas que deverão entrar no Exército taiwanês. Por causa dos campos minados, os primeiros navios de invasão serão forçados a desacelerar e depois enxames de pequenos barcos de ataque rápido e mísseis de cruzeiro antinavio lançados de caminhões os atingirão. Em particular, é importante atingir navios-chave do ELP, especialmente navios de assalto anfíbios que transportam mão-de-obra (fuzileiros navais) e navios de reação rápida que transportam veículos e blindados.

Para ter sucesso nesta campanha, Taiwan deve ter um estoque significativo de munições, pois depender de suprimentos dos aliados durante o conflito será difícil por causa do possível bloqueio da ilha pelo ELP. Também é necessário ter um número suficiente de pessoal. Esta é provavelmente a razão pela qual Taiwan decidiu, no final do ano passado, aumentar o período de serviço militar obrigatório para um ano. O serviço militar será obrigatório a partir de 1º de janeiro de 2024.

No momento, o principal problema não resolvido para a implementação deste modelo é o orçamento estagnado da defesa de Taiwan, que é incapaz de manter investimentos suficientes tanto na defesa costeira assimétrica quanto nas capacidades convencionais de ataque de longo alcance.

Experiência ucraniana e abordagens mais amplas

Os especialistas americanos também observam o papel dos drones no conflito na Ucrânia, sugerindo que tais ativos seriam fortemente utilizados em uma guerra potencial em Taiwan. Eles acreditam que é necessária uma combinação de capacidades da Força Aérea, onde serão utilizados aviões e drones tripulados que possam alcançar a gama de sistemas de armas chinesas para destruí-los rapidamente. Somente ao contrário daqueles usados na Ucrânia, os drones da Força Aérea dos EUA precisarão de maior alcance, capacidade de sobrevivência, autonomia e sensores sofisticados e cargas úteis para usar uma verdadeira alavanca coerciva.

Isto requer um equilíbrio entre a criação de um grande número de aeronaves de baixo custo e os requisitos estratégicos e operacionais enfrentados pela Força Aérea Americana na região Indo-Pacífico.

Finalmente, há um entendimento geral nos EUA de que a China usará uma estratégia combinada com relação a Taiwan, que se enquadra no conceito de zona cinza. Portanto, a oposição a Pequim não pode ser conduzida exclusivamente por meios políticos ou militares.

A este respeito, especialistas do American Enterprise Institute sugerem que os EUA tirem proveito das vulnerabilidades da China em quatro áreas.

Econômico: forte redução da dependência dos EUA em relação à China e a busca de mercados alternativos;
Diplomático: contrariar as ações de fiscalização da China através do fortalecimento de alianças;
Militar: estabilizar o equilíbrio militar na Ásia através de investimentos em capacidades críticas de defesa. Minar os esforços da China para pressionar o governo taiwanês e impedir o Partido Comunista Chinês de atacar Taiwan;
Democrático: combater a erosão dos direitos humanos pela China com a ajuda de amigos em Xinjiang, Tibete, Hong Kong e outros lugares.

Aqui vemos um novo desenvolvimento da estratégia “Batalha Ar-Mar”. Portanto, é necessário ficar de olho não apenas no complexo militar-industrial de Taiwan, nas entregas de armas dos EUA e nas reformas em andamento em Taipei, mas também em outras dimensões que podem ser usadas para aplicar ferramentas de guerra híbridas contra a China.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 52

Deixar uma resposta