A Polônia se prepara para a guerra: se tornará a maior potência militar da Europa?

A Polônia se prepara para a guerra: diante da derrota previsível do Ocidente e da OTAN na Ucrânia, Varsóvia quer expandir massivamente seu exército.

Um enorme acordo de armas entre Varsóvia e Seul tem o potencial de tornar a Polônia um dos países mais poderosos da OTAN depois dos Estados Unidos e da Turquia. Varsóvia assinou um contrato para comprar 1.000 tanques Black Panther K2 da Coréia do Sul, um tapa na cara da Alemanha, que até agora fornece tanques Leopard 2 à Polônia. No entanto, essa compra de tanques é apenas mais um passo na militarização geral da Polônia e da escalada da guerra na Ucrânia.

Berlim aos olhos de Varsóvia: muito hesitante e não confiável

Varsóvia argumenta sua decisão contra Berlim, dizendo que os prazos de entrega do país vizinho são muito longos e que está decepcionado com a relutância da Alemanha em entregar tanques para a Ucrânia. A Polônia, por outro lado, está por trás do estabelecimento de uma «coalizão de tanques», para fornecer à Ucrânia tanques americanos, britânicos, franceses e alemães, bem como elementos do próprio exército polonês.

O contrato, avaliado em mais de 15 bilhões de euros, prevê a entrega de 150 tanques K2 até 2025 e 212 obuses blindados K9 para substituir os obuses entregues na Ucrânia. No total, até 650 obuses blindados serão entregues na Polônia. A Polônia também forneceu à Ucrânia inúmeros exemplares de tais armas de seus arsenais militares. Finalmente, a partir de 2026, está previsto que se fabrique na Polônia uma variante do tanque K2 adaptada aos desejos da Polônia, chamado K2PL, embora a maior parte dos tanques tenha que ser construída primeiro e não esteja disponível imediatamente.

Escalada em Varsóvia: novos aviões para a Polônia, aviões soviéticos para a Ucrânia

Da mesma forma, a Polônia adicionou 48 caças à sua força aérea, tendo prometido à Ucrânia todas as suas aeronaves fabricadas na União Soviética, exceto os antigos aviões da República Democrática da Alemanha e já tendo entregue uma primeira seção. Embora a Eslováquia também tenha entregue aeronaves à Ucrânia, a iniciativa de uma troca circular de aeronaves de combate ou a entrega de aeronaves de combate F-16 para a Ucrânia ainda não passou da fase de discussão. No entanto, é inegável que a Polônia tem um papel fundamental a desempenhar não apenas no fortalecimento da OTAN na Europa, mas também na militarização da Ucrânia. Varsóvia continua cobrando essa ajuda com dinheiro ocidental e logo com o território ucraniano? Talvez seja por isso que Varsóvia está tão ansiosa para entrar em guerra?

Intermarium e Commonwealth: o velho sonho da grande potência

Como muitas grandes potências antigas, a Polônia parece tomada com uma dor fantasmagórica que cozinha a fogo baixo sob o partido conservador e transatlântico PiS (Prawo i Sprawiedliwość, Lei e Justiça): o sonho de voltar a ser a antiga grande potência polonesa, consolidada por uma união de 400 anos com a vizinha Lituânia, e que manteve as ambições expansionistas alemãs e russas afastadas desde o século XIV até o XVIII. No auge do poder polonês, a influência da nobreza polonesa chegava até Moscou.

Somente quando a república aristocrática se tornou cada vez mais instável e adotou uma constituição liberticida e revolucionária de acordo com o modelo francês e americano, a Polônia-Lituânia foi percebida pela Prússia, Rússia e a Áustria como uma ameaça às monarquias cristãs tradicionais, levando a partições sucessivas da Polônia, que foi gradualmente varrida do mapa. Embora a Polônia tenha obtido os territórios da Alemanha Oriental após 1945, a Polônia não parece ser grande o suficiente para o governo da PiS. A iniciativa Intermarium apoiada por Washington e Varsóvia, que visa promover uma aliança entre os países do Báltico, Mar Negro e Adriático, pode ser vista como uma tentativa de reviver esse bloco geopolítico e mantê-lo como um aríete contra a Rússia ou articulá-lo em um cenário de ameaça contra a Alemanha.

A nova colônia de Varsóvia? Controle da Polônia sobre a Galitzia e aumento do investimento na Ucrânia

Desde a nova fase do conflito ucraniano, iniciada em fevereiro de 2022, não apenas as ambições polonesas estão surgindo para recuperar o oeste da Ucrânia, mas a própria Polônia está expandindo sua influência sobre Kiev com a ajuda dos Estados Unidos. Por exemplo, o presidente Zelensky aprovou uma lei em julho de 2022 que concede direitos especiais à Polônia na Ucrânia, como a possibilidade de um cidadão polonês poder ser eleito presidente. Mas o investimento polonês na Ucrânia também é maior do que nunca: de acordo com o instituto econômico da PIE, o investimento econômico polonês na Ucrânia deverá chegar a US$ 30 bilhões até 2028.

Durante sua visita a Varsóvia, no início de abril, o presidente ucraniano Zelensky chegou a dizer que após a vitória da Ucrânia não haveria fronteiras com a Polônia. Quanto mais a guerra dura, mais a Ucrânia depende da Polônia e do Ocidente, e observadores políticos continuam dizendo que Kiev se tornou uma colônia de Varsóvia. Mas isso tem um preço: as armas polonesas já estão na Ucrânia, os poloneses «morrem por Bandera», como denunciado pelos patriotas poloneses em uma manifestação em Varsóvia.

Até a guerra nuclear? Até onde Varsóvia quer ir por causa de suas ambições de ser uma grande potência?

No entanto, o auge da política de escalada é o desejo da Polônia de participar das implantações nucleares da OTAN. O consultor de segurança do presidente polonês Duda, Jacek Siewiera, declarou que a Polônia está pronta para implantar armas nucleares em seu território.

Se isso acontecer, a imprudência e a arrogância da Polônia poderiam mergulhar o mundo em um apocalipse nuclear. Portanto, é ainda mais importante apoiar patriotas amantes da paz tentando fazer suas vozes serem ouvidas por lá.

Fonte: Euro Synergies

Imagem padrão
Alexander Markovics

.

Artigos: 53

Deixar uma resposta