Sudão: Alinhamento de Forças e Jogadores

Com a violência entre facções se intensificando e estrangeiros fugindo do país, o Sudão está se tornando um verdadeiro inferno na Terra. Afetada por sectarismos tribais, o Sudão é também palco do conflito entre o hegemon unipolar e as potências que desafiam essa hegemonia.

O pior cenário possível está se concretizando, aparentemente, no Sudão. Essa é, de qualquer forma, a mensagem apocalíptica que sai de Cartum na mídia ocidental.

O presidente Biden deu crédito à percepção alarmista ao confirmar que, sob suas ordens, os militares dos EUA realizaram uma operação “para retirar o pessoal do governo de Cartum”.

De acordo com o Departamento de Estado dos EUA, cerca de 16.000 cidadãos americanos estão atualmente no Sudão. A embaixada dos EUA em Cartum tinha um número excessivo de funcionários – no mesmo nível da missão em Kiev – que era injustificado pela escala e pelo volume dos laços bilaterais entre os EUA e o Sudão, o que levou à especulação de que se tratava de um posto avançado de inteligência.

No Chifre da África, os países do Golfo tradicionalmente mergulharam fundo nas complexidades da projeção de poder, da rivalidade política e do conflito no Mar Vermelho, que recentemente ressurgiu como um espaço geoestratégico no qual os participantes globais e regionais concorrentes têm procurado projetar influência.

A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, por um lado, e o Catar e a Turquia, por outro, competiram intensamente para neutralizar a influência um do outro e projetar suas rivalidades na política do Chifre, mas, após anos de competição acirrada, surgiram recentemente sinais de que eles começaram a recalibrar cautelosamente seus respectivos papéis.

A pressão pós-Covid sobre seus recursos financeiros, a redução no Iêmen e a ânsia dos países do Golfo de aparecerem como parceiros construtivos e confiáveis, adotando uma abordagem mais pragmática sobre as questões regionais – tudo isso contribuiu para os sinais notáveis de distensão, substituindo a intensa competição entre os países do Golfo no Chifre da África.

No Sudão, os esforços sauditas e dos Emirados para moldar a transição política após a destituição de Omar al-Bashir em abril de 2019 resultaram em sucessos parciais, mas também em dificuldades significativas, pois tiveram um alto custo de reputação sob o escrutínio da população sudanesa e da comunidade internacional.

Os EUA e a UE viam os países do CCG como parceiros úteis no Chifre em termos de seu capital excedente para investir que as potências ocidentais não tinham, bem como suas boas redes pessoais. O acordo faustiano entre o governo Trump, Israel e os países do Golfo para atrair a liderança militar sudanesa para o Acordo de Abraham em 2020 foi um momento decisivo.

No entanto, essa aliança teve vida curta e o plano de jogo das potências ocidentais de se apoiarem nos Estados do Golfo para combater a crescente influência da Rússia e da China no Mar Vermelho também teve uma morte súbita, pois o terreno sob os pés da aliança entre os EUA e a Arábia Saudita mudou drasticamente durante a presidência de Biden e Riad começou a fortalecer seus laços com Moscou e Pequim.

Isso, por sua vez, obrigou as potências ocidentais a explorar a oportunidade de pressionar por uma maior coordenação e engajamento construtivo diretamente com os generais em Cartum, apostando em seus próprios esforços e recursos paralelamente à recalibração do envolvimento dos países do Golfo no Chifre.

Em suma, o cerne da questão é que a compreensão ocidental da estabilidade e do desenvolvimento sustentável no Sudão pelo prisma da ideologia neocon que permeia o governo Biden está no centro do agravamento da lenta crise política interna no Sudão que vem se formando desde 2019 entre o exército liderado pelo líder de fato Abdel Fattah al-Burhan e as formações armadas lideradas por Mohammed Hamdan Dagalo.

Os acordos políticos imaturos e irrealistas promovidos pelas democracias liberais ocidentais alimentaram significativamente as lutas internas dos militares. As negociações anglo-americanas limitaram-se, em grande parte, ao Conselho Militar de Transição e às Forças para a Liberdade e Mudança, uma coalizão incipiente de grupos civis e rebeldes sudaneses escolhidos a dedo (reg., Sudanese Professional Association, No to Oppression Against Women Initiative, etc.) que de forma alguma representavam as forças nacionais no Sudão. Não é de surpreender que essas tentativas neocon de impor assentamentos exóticos em uma civilização antiga estivessem fadadas ao fracasso.

A interpretação propagada pela mídia ocidental reduz a atual crise no Sudão – que se manifesta como um conflito dentro do establishment militar – é uma simplificação grotesca e uma tentativa de encobrimento. Em termos simples, essa crise não pode ser reduzida a uma disputa pessoal entre os dois generais – Burhan e Hemedti – que eram amigos há muito tempo.

A crise só pode ser resolvida por meio de uma “solução de segurança”, o que significa um processo de integração que envolva as Forças de Apoio Rápido de maneira apropriada como um parceiro político na governança, e não apenas uma força militar afiliada ao exército.

Para que não seja esquecido, o Sudão é um país vasto de grande diversidade étnica e regional, habitado por cerca de 400 a 500 tribos. A estabilidade do país depende fundamentalmente de um modelo ideal de interação entre as elites e os clãs.

Basicamente, o que impulsiona as forças especiais no conflito atual é a expectativa de aumentar sua importância no processo político interno do país. É preciso entender que o conflito atual não é sobre o acesso a algum recurso militar, mas sobre o controle da economia e a distribuição do poder.

Enquanto isso, a forma desajeitada e inepta com que o representante da ONU, Volker Perthes, lidou com a formação do novo governo contribuiu significativamente para a crise atual. Perthes, um membro do establishment alemão, entusiasmado com a ideologia neocon, era o homem errado para lidar com uma missão tão sensível.

Esse é mais um exemplo edificante do legado do secretário-geral da ONU, Guterres, de preferir ocidentais como enviados para os pontos críticos em que os interesses geopolíticos do Ocidente estão em jogo. A reunião da ONU em 15 de março expôs que o excessivamente zeloso Perthes estava desligado da realidade ao apressar a transferência de poder da administração militar para a civil – em vez de se concentrar em ajudar a formar um governo e criar um comitê para redigir uma nova constituição – o que, infelizmente, provocou a intensificação do confronto entre as partes em conflito.

A parte boa é que ainda não há sinais de radicalização nesse conflito por motivos religiosos. Tampouco há qualquer vácuo de poder que possa ser explorado por um grupo terrorista. Ao mesmo tempo, é necessária a mediação de potências externas.

Os países da região podem ajudar a resolver o conflito. Um acordo abrangente pode não acontecer em breve, pois as contradições internas que se acumularam ao longo do tempo exigem compromissos e, pelo menos até agora, as partes não estão prontas para isso.

No atual clima de resolução de conflitos que envolve a política regional na região da Ásia Ocidental e no Golfo, em particular, não há pré-requisitos objetivos para que o conflito passe para o estágio regional. Os principais países associados às facções em conflito apresentaram iniciativas de manutenção da paz: Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Egito.

Além disso, outros parceiros externos, especialmente a Rússia e a China, farão esforços para evitar um conflito aberto e prolongado. A propósito, o Sudão tem uma dívida externa de menos de US$ 60 bilhões, e a maior parte dela recai sobre a China – e a Rússia, por outro lado, está bem posicionada para promover a reaproximação entre al-Burhan e Dagalo.

A Rússia assume uma posição equilibrada. Durante sua visita ao Sudão em fevereiro, o Ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, reuniu-se com os líderes de ambos os lados opostos. A Rússia é uma das partes interessadas na estabilidade do Sudão.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse em um comunicado: “Os eventos dramáticos que estão ocorrendo no Sudão causam grande preocupação em Moscou. Apelamos às partes envolvidas no conflito para que demonstrem vontade política e moderação e tomem medidas urgentes para um cessar-fogo. Partimos do fato de que quaisquer diferenças podem ser resolvidas por meio de negociações.”

Entretanto, a agenda anglo-americana continua duvidosa. Seu foco é internacionalizar a crise, injetar rivalidades entre grandes potências na situação sudanesa e criar pretextos para a intervenção ocidental. No entanto, qualquer tentativa de reacender as brasas da Primavera Árabe terá enormes consequências para a segurança e a estabilidade regionais. Os países do Golfo e o Egito precisarão estar particularmente atentos.

O Sudão teria sido mencionado na conversa telefônica entre o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman e o presidente russo Vladimir Putin na sexta-feira.

Fonte: Oriental Review

Imagem padrão
M.K. Bhadrakumar

Ex-embaixador, jornalista e escritor.

Artigos: 49

Deixar uma resposta