A Influência das ONGs nas Relações Internacionais

Classicamente se tem considerado que os principais atores das Relações Internacionais são os Estados. Mas na pós-modernidade, os atores não-estatais têm assumido relevância cada vez maior. E, entre esses, nenhum tem se fortalecido mais, nas sombras, do que a ONG.

ONGs modernas como atores nas relações internacionais

Sabe-se agora que muitas organizações não-governamentais (ONGs) desempenham um papel importante na coleta e divulgação de fatos sobre supostas violações dos direitos humanos. Instituições e organizações financeiras como as Nações Unidas confiam fortemente nos dados sobre violações de direitos humanos fornecidos pelas ONGs. Também é bem conhecido que um grande número de ONGs desempenham muitas funções em nome dos direitos humanos e das liberdades fundamentais. O fato de que as ONGs também contribuem – e muitas vezes de forma muito significativa – para o desenvolvimento de normas de direitos humanos é um aspecto da atividade das ONGs que geralmente é negligenciado.

As relações internacionais, e em particular o processo de elaboração de tratados, têm sido tradicionalmente o domínio privilegiado dos governos como representantes dos Estados-nações. Os governos são os principais atores. O termo “organizações não-governamentais” implica que elas são apenas organizações secundárias ou auxiliares. Entretanto, essas organizações frequentemente expressam valores e interesses comuns à humanidade como um todo. Embora os Estados continuem sendo os principais atores legislativos, eles devem levar em conta a vontade de vários movimentos democráticos, antiguerra e antinucleares.

Principais métodos e mecanismos de atividade

O envolvimento de ONGs no processo de definição de normas de direitos humanos é geralmente um fenômeno recente. No entanto, existem ONGs que há muito tempo estão ativamente envolvidas em campanhas internacionais contra a escravidão, o tráfico de mulheres e crianças. As ONGs têm criado um clima favorável para a conclusão de convenções internacionais nestas áreas.

Por exemplo, uma organização não-governamental respeitada, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, tem desempenhado um papel importante no desenvolvimento de normas no direito humanitário internacional. Exemplos incluem a Convenção de Genebra para a Proteção das Vítimas de Guerra de 1864, os Protocolos de 1977, além das Convenções de Genebra de 1949. A Associação Internacional do Direito do Trabalho iniciou as Convenções Internacionais do Trabalho de Berna em 1905, 1906 e 1913, que foram as precursoras de muitas convenções adotadas em anos posteriores pela Organização Internacional do Trabalho.

As Nações Unidas cunharam pela primeira vez o termo “ONG” após a Segunda Guerra Mundial. As ONGs foram reconhecidas formalmente no direito internacional pela primeira vez em 1945 com a aprovação da Carta das Nações Unidas, que se refere às “organizações não-governamentais” no Artigo 71. Este acordo introduziu uma forma padronizada e atualizada de cooperação entre os atores da sociedade internacional. Entretanto, “o reconhecimento de sua existência tem apenas um efeito limitado e não pode de forma alguma ser considerado equivalente a um status legal”. Em geral, apesar da imprecisão do termo, as Nações Unidas criaram um termo para seus assessores públicos, que posteriormente encontrou ampla utilização.

Em termos do desenvolvimento real dos padrões internacionais, as ONGs optam por seguir práticas e procedimentos diferentes, dependendo das regras aplicadas pelos fóruns internacionais, da receptividade desses fóruns às contribuições das ONGs, e do tipo de relacionamento e proximidade das ONGs com as secretarias internacionais e delegados governamentais.

Há também muitos casos em que as ONGs produzem textos completos de instrumentos internacionais sobre questões de particular interesse para elas. Um exemplo são os Princípios de Ética Médica, originalmente desenvolvidos pelo Conselho de Organizações Internacionais de Ciências Médicas (CIOMS) e eventualmente endossados pela Assembleia Geral das Nações Unidas.

Status legal das ONGs

As ONGs estão se tornando mais ativas e eficazes em seu trabalho para estabelecer padrões no campo da proteção dos direitos humanos. No contexto das Nações Unidas e de outras organizações internacionais, certas habilidades e qualidades são muito importantes, se não indispensáveis, para influenciar as ONGs que também procuram influenciar governos e parlamentos a obter aceitação dos tratados internacionais de direitos humanos através da ratificação ou adesão. Estas atividades são importantes como um contrapeso à imobilidade e letargia que caracteriza muitas burocracias nacionais e internacionais.

Do ponto de vista jurídico das relações internacionais, as ONGs parecem continuar a ser “terra desconhecida”. Uma análise histórica da percepção das ONGs no direito internacional mostra que a questão da personalidade jurídica internacional das ONGs ainda não foi adequadamente respondida. Paradoxalmente, enquanto os Estados incluem cada vez mais as ONGs nas estruturas e procedimentos de governança global, ainda não está claro o que as caracteriza e que status elas têm oficialmente sob o direito internacional. Embora os Estados acolham favoravelmente a contribuição das ONGs no campo dos direitos humanos e tenham dado reconhecimento específico às “associações privadas” em nível nacional, eles ainda não chegaram a um acordo sobre uma norma para as ONGs que trabalham no campo transnacional.

Uma análise das regras e regulamentos ao longo do século passado mostrou que o direito internacional relativo ao status das ONGs continua significativamente subdesenvolvido. Os direitos e obrigações das ONGs sob a Carta das Nações Unidas não estão suficientemente definidos. Foram feitos mais esforços para regular a relação entre as ONGs e outras entidades, como as Nações Unidas, do que para estabelecer normas para as ONGs.

Assim, embora as ONGs estejam cada vez mais envolvidas na promoção de normas jurídicas internacionais em uma série de questões, o status das ONGs no direito internacional ainda não melhorou. Dado o número crescente de ONGs envolvidas em assuntos internacionais e o papel variável que desempenham nos processos de negociação, é surpreendente que ainda não esteja claro como caracterizar as ONGs em termos legais. As ONGs são frequentemente convidadas a participar no campo da proteção dos direitos humanos porque são vistas como organizações representativas da sociedade civil e, portanto, sua participação é interpretada como legitimando ou democratizando todo o processo. Entretanto, como alguns Estados aproveitam esta situação e selecionam, nomeiam ou apoiam ONGs específicas pró-governamentais, a necessidade de uma regulamentação jurídica mais completa dessas organizações em padrões internacionais está se tornando cada vez mais importante. Além disso, é do interesse das ONGs manter sua imagem “limpa”, caso contrário, a representatividade das ONGs – e, portanto, sua razão de ser – pode ser posta em questão.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Victoria Slyaktina

Escritora russa.

Artigos: 52

Deixar uma resposta