A Elite e a Democracia Soberana

A equação entre democracia, elite e soberania ainda é algo a ser resolvido. Uma saída possível é a do conceito de “democracia soberana”, que remete ao cesarismo, onde a vontade popular é concentrada em uma liderança que a encarna, a qual permanece vinculada às massas, ao mesmo tempo que institui uma nova elite.

A autoproclamada superioridade “moral” com a qual se pode justificar o governo de uma pequena elite sobre as massas é garantida por doutrinas e crenças socialmente aprovadas, tais como “despertar é iluminar-se” ou “diversidade é força”. Estes axiomas fazem com que o governo dos que atualmente estão no poder pareça razoável para quase todos os membros da sociedade e satisfaçam o desejo instintivo das massas por uma dominação alfa legítima, em oposição a uma dominação emocionalmente “forçada”. Nenhuma classe política, independentemente do sistema político ao qual professa fidelidade, admitirá que governa porque é a mais adequada para fazê-lo. Portanto, nunca proferiria estas palavras em voz alta “Somos mais sábios e queremos transferir nossas visões visionárias para a consciência coletiva do povo”. Ao contrário, ela sempre tentará justificar seu poder com uma abstração, por exemplo, “A vontade dos cidadãos nos elegeu para o cargo”.

Como em um sistema representativo os eleitores não podem votar em nenhum candidato que desejam, mas só podem escolher entre os candidatos propostos pela minoria governante real, a democracia no sentido de “governo pelo povo” se torna uma farsa. Existe um perigo particular na democracia representativa, pois a competição por votos significa que os candidatos sempre tentam satisfazer os desejos dos eleitores, evitando assim medidas impopulares, mas necessárias. Raramente a maioria dos eleitores sabe o que é benéfico para a política do corpo político. As massas inclinadas aos sentimentos democráticos podem ser melhor neutralizadas por uma entidade que lhes dá a ilusão de participar do poder estatal. A criação de um partido político leva inevitavelmente a uma divisão interna da organização e a uma alienação da elite organizacional dos membros da base. Não é a abolição completa do parlamento que torna o Estado forte, mas a transferência velada do poder de decisão do parlamento para o círculo interno das elites, que não aparecem em público mas permanecem na sombra por trás das faces sorridentes da televisão (o círculo externo).

A frase chave é a democracia soberana, na qual o poder de arbitragem cabe ao governo para o benefício do povo, especialmente sua saúde mental e higiene. As tendências antissociais de decadência e depravação no mundo exterior são afastadas pela estrita limitação do consumo cultural. A democracia soberana restabelece o equilíbrio de poder entre a mais alta autoridade e sua representação: o soberano. O soberano torna-se o constituinte e, em vez de ser eleito apenas a cada quatro ou cinco anos, recebe direitos soberanos com os quais pode contribuir para moldar a política democrática de acordo com seus valores e prioridades.

O termo “elite” vem do francês, onde no século XVII era usado para descrever aqueles que, como resultado da segregação social durante muitas gerações, alcançaram uma alta posição na sociedade. Na realidade, os poderes anônimos fazem girar as rodas da história. Essencialmente, o processo histórico é determinado pela competição implacável entre elites públicas e secretas pertencentes a diferentes facções (nacionais, econômicas ou culturais).

Imagem padrão
Constantin von Hoffmeister

Cientista político e tradutor alemão.

Artigos: 52

Deixar uma resposta