Metaverso, Multiverso e Pluriverso: Três Conceitos que não devem ser confundidos

O conceito de metaverso, apesar dos fracassos de Zuckerberg, permanece sendo difundido como o futuro da conectividade. Mas além do metaverso, a cultura pop foi inundada de referências à ideia de multiverso, enquanto certos pensadores interessantes trabalham com a ideia de pluriverso. Entender esses conceitos é fundamental.

Um ano após a empresa holding do Facebook ter sido renomeada Meta, estamos ouvindo cada vez mais sobre o metaverso.

Vemos até mesmo anúncios pagos pela empresa de Mark Zuckerberg em vários canais de TV explicando esta ambiciosa conquista digital, na qual os estudantes de filosofia assistirão a uma disputa verbal entre Sócrates e Platão. A realidade é menos otimista, pois o entusiasmo gerado em torno deste projeto está minguando devido às dificuldades técnicas e financeiras encontradas. O metaverso não é para amanhã. Ao mesmo tempo, os adolescentes estão observando os blockbusters americanos ambientados no multiverso. E finalmente, os círculos esquerdistas estão se apoderando do pluriverso. Tenha cuidado para não confundir estes três termos.

Inspirado na obra do escritor americano de ficção científica Philip K. Dick, autor do romance Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?, adaptado para o cinema em 1982 por Ridley Scott sob o mítico nome de Blade Runner, o metaverso é um conjunto de universos virtuais conectados à internet que oferece ao usuário a percepção de uma pseudorrealidade aumentada. Na década de 1970, o escritor francês Philippe Curval evocou em sua trilogia antecipada, A Europa depois da Chuva, um continente europeu fechado ao mundo cujos habitantes saciados se refugiaram em caixas que diminuíam o tempo, depois em cabanas que expandiam o espaço, transformando suas casas em verdadeiros continentes interiores.

O início do metaverso começou em 2003 com o Second Life, um mundo virtual tridimensional. O programa permitiu aos usuários criar ambientes originais e encarnar personagens através de avatares, representações virtuais na forma humanoide de sua escolha. Esses avatares fizeram parte de um mundo aventureiro dividido em cinco regiões e numerosas ilhas, porque o Second Life, cujo sucesso de mídia durou de cerca de 2004 a 2008, foi originalmente concebido como um enorme e permanente jogo online, configurado como uma rede de computadores multiplayer, quer você estivesse online ou não! O Second Life preparou assim a mente das pessoas para os esportes eletrônicos. A Frente Nacional Francesa foi o primeiro partido a investir neste campo, que então estava em sua infância.

Uma ideia mais precisa do metaverso pode ser obtida assistindo ao filme de Steven Spielberg lançado em 2018 e adaptado do romance de Ernest Cline publicado em 2011 sob o título Ready Player One. O filme faz numerosas referências musicais, cinematográficas e pictóricas à cultura pop ocidental americanomórfica. Os personagens deste filme vivem num mundo onde tudo é permitido e onde a encenação se torna uma segunda natureza, tanto mais que as condições de vida no mundo real são deploráveis (poluição massiva, pobreza generalizada, moradias apertadas e dilapidadas).

A aceitação do metaverso pode ser alcançada acostumando o público às séries de TV como A Casa do Dragão, Os Anéis do Poder, O Mandaloriano, etc., produzidas pela Netflix, Prime Video e Disney. Além da inegável influência politicamente correto, estas séries preparam a entrada na virtualidade com, a longo prazo, a possibilidade dada aos espectadores mais assíduos de participar nos filmes seguintes como grandes atores amadores.

O metaverso é concebido como uma estrutura global aberta e ordenada, que requer um enorme gasto de energia. Ainda é desejável em tempos de possíveis cortes de energia? Sem eletricidade, este voo industrial rumo às quimeras, miragens e outras ilusões poderia permanecer um sonho vão. Entretanto, este empreendimento de alta tecnologia poderia constituir um condicionamento das massas, oferecendo-lhes diversões psicológicas. Os cenáculos de pensamento da hiperclasse global (Trilateral, Bilderberg, etc.) assumem que a desmaterialização das atividades econômicas levará ao desemprego vitalício de 80 a 90% da população. O uso de metaversos em combinação com a legalização de drogas, especialmente a maconha, ou mesmo seu uso obrigatório, o “soma” do Admirável Novo Mundo, seria um excelente e indolor método recreativo para quebrar qualquer risco de tensões sociais.

O multiverso não é o metaverso. Popularizado pelo Universo Cinematográfico Marvel (MCU) com, por exemplo, o recente filme de Sam Raimi, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, ou, fora do MCU, Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo, de Daniel Kwan e Daniel Scheinert, ou mesmo O Confronto de James Wong, o multiverso é definido como um feixe de universos presentes ao mesmo tempo, consistindo de mundos paralelos, realidades alternativas ou ucrônicas e intervalos espaço-temporais que servem como possíveis pontes entre esses universos. Já nos anos 60, o escritor britânico de ficção científica Michael Moorcock desenvolveu um multiverso com um “eterno campeão” que aparecia em várias sagas como cativante anti-heróis (Elric o Necromante, o Supremo Imperador de Melniboné, o Duque de Colônia Dorian Hawkmoon, Corum e Erekosë).

Mas o conceito do multiverso não é apenas uma ficção literária. Ela se baseia em considerações cosmológicas, físicas quânticas e astrofísicas. Simplificando, o multiverso é baseado nas escalas macroscópica, molecular, atômica, subatômica e de “cordas”, referindo-se às complexas teorias do mesmo nome.

A abordagem científica (não filosófica) do multiverso surgiu nos anos 50, quando o físico americano Hugh Everett assumiu a existência de bilhões de universos diferentes, que competem entre si e se entrelaçam sem contato devido à separação dimensional e/ou variação do comprimento de onda. Em seu ensaio Antes do Big Bang: A Origem de Nosso Universo do Multiverso, a cosmóloga quântica da Universidade da Carolina do Norte Laura Mersini-Houghton examina estas teorias espantosas. Além disso, em sua edição de julho de 2022 a New Scientist apresentou a pesquisa conjunta de Venkatesh Vilasini do Instituto Federal de Tecnologia da Suíça em Zurique e Roger Colbeck da Universidade de York (Reino Unido).

Estes dois pesquisadores modelam séries de universos teóricos, estudam possíveis ciclos de tempo e analisam o fluxo de certas informações entre dois agentes ligados entre si no mesmo continuum espaço-tempo (isto é, localizados no passado, presente ou futuro) apesar da distância material que os separa, se houver. Ao concluir suas observações, Venkatesh Vilasini afirma que estas “voltas causais não levariam sistematicamente a paradoxos consideráveis, mas é uma prova teórica de que passado e futuro podem ser contraintuitivamente ligados”. O trabalho de Mersini-Houghton, Vilasini e Colbeck confirma as intuições visionárias de Giorgio Locchi sobre a interpretação dinâmica da história. Aqui nos aproximamos das fronteiras da metafísica e da especulação ontológica.

O multiverso não tem nada a ver com o metaverso, a menos que este último seja reavivado como entretenimento de massa. Em Libération de 14 de outubro de 2022, Céline Minard não hesitou em contrastar o metaverso com o pluriverso, definido como a “construção caleidoscópica de um mundo compartilhado sustentável”. No final dos anos 90, os zapatistas mexicanos do infame Subcomandante Marcos já o viam como uma possibilidade de formar um mundo em que coexistissem mundos diferentes. A recente publicação da obra coletiva Pluriverso: Um Dicionário do Pós-Desenvolvimento não é irrelevante.

Entretanto, é lamentável que a extrema-esquerda e a ultraesquerda adotem este conceito estimulante já apresentado por Carl Schmitt em 1932. Para o grande jurista alemão, “o caráter específico da política implica um pluralismo de Estados. Cada unidade política implica a possível existência de um inimigo e, portanto, a coexistência de outra unidade política. Portanto, enquanto o Estado como tal existir nesta Terra, haverá vários Estados e não poderá haver um Estado universal que englobe toda a humanidade e toda a Terra. O mundo político não é um universo, mas, se assim se pode dizer, um pluriversum”.

A visão de mundo pluriversal corresponde em termos diplomáticos ao “mundo multipolar” ou uma organização “mosaica” de relações internacionais. O condomínio EUA-URSS durante a Guerra Fria e a hegemonia global dos Estados Unidos desde 1991 deve ser substituído por formas radicais e às vezes até contraditórias de pensar em um espaço global finito comum povoado por humanidades diferentes ou, se se preferir, por várias civilizações, porque Carl Schmitt sempre sublinha em seu livro O Mundo dos Estados Unidos que “o mundo da União Soviética é o mundo dos Estados Unidos”, das diferentes civilizações porque Carl Schmitt sempre aponta em O Conceito do Político que “o conceito de humanidade é um instrumento ideológico particularmente útil para as expansões imperialistas, e em sua forma ética e humanitária é o veículo específico do imperialismo econômico”. Em suma, o nomos da futura Terra será organizado em torno de grandes espaços civilizacionais e/ou continentais caracterizados pela divergência intrínseca de seus respectivos princípios fundadores.

Se o metaverso é a última invenção da tecnologia mental e visa a formação sociológica do imaginário numa perspectiva de dominação do mercado, o multiverso e o pluriverso reintroduzem abordagens ousadas das chamadas ciências duras e geopolíticas sob a epígrafe de politeísmos de valores. Expulso do reino espiritual e excluído das cerimônias públicas, o paganismo volta com força em formas inovadoras e relevantes. Trabalhemos, portanto, pela pluralidade inerente à Vida e atuemos em favor das cosmovisões multiversais que emergem do terreno fértil do etnodiferencialismo!

Imagem padrão
Georges Feltin-Tracol

Jornalista francês com formação em ciência política, história e geopolítica.

Artigos: 53

Deixar uma resposta