A Luta pelo Ártico se Intensifica

Um dos cenários menos perceptíveis da escalada militar mundial é o Ártico. A supremacia russa na região está levando à aceleração da militarização dos arredores da região pelo Ocidente e o degelo da região torna o seu controle ainda mais estratégico.

A luta pelo Ártico pode não ser tão evidente quanto em outras esferas de influência geopolítica. Entretanto, ela está acontecendo e, com a operação especial militar na Ucrânia, o confronto da Rússia com outros Estados do litoral ártico está apenas aumentando. Na maioria dos casos, a posição soberana de Moscou leva os países ocidentais a militarizar a região e exige maior controle e acesso a recursos. Não menos importantes são as preocupações de segurança global, pois o lançamento de mísseis a partir da área do Polo Norte permitiria um ponto de impacto mais rápido e, portanto, uma maior chance de penetrar nas defesas aéreas inimigas. Durante a era da Guerra Fria, o Ártico foi usado tanto pela URSS quanto pelos EUA como uma área potencial de lançamento nuclear.

Assim, as ameaças convencionais contra os EUA e os países da OTAN no Ártico não estão sendo eliminadas, mas, pelo contrário, estão se tornando mais proeminentes. Recentemente, os analistas ocidentais têm estado particularmente preocupados com a melhoria da capacidade militar da Rússia. “O míssil submarino KH-101/102, amplamente utilizado na Ucrânia, tem um alcance de 2.500 km” …. Em sua avaliação de 2020 sobre esta ameaça, os generais Terrence J. O’Shaughnessy e Peter M. Fesler observaram que os últimos submarinos russos agora testam estes ataques com maior frequência e severidade. Em março de 2021, os russos enviaram abertamente uma mensagem ao liberar imagens de submarinos com mísseis balísticos armados nucleares que surgiam através do gelo ártico ao norte de Franz Josef Land…. Ainda mais incomum é o surgimento de novos atores estatais interessados no Ártico, especialmente na China. Embora a marinha chinesa nunca tenha enviado navios de guerra para o Oceano Ártico, sua rápida expansão e suas ambições globais levaram os EUA a extrapolar um interesse potencial no Norte. Estas preocupações foram expressas pelo então Secretário de Estado Mike Pompeo na reunião do Conselho Ártico de 2019 em Rovaniemi. Pence condenou o “comportamento agressivo” da China ao redor do mundo e sugeriu que Pequim poderia buscar uma presença militar no Ártico, destacando o perigo particular dos submarinos do ELP que operam sob a camada de gelo. Esta avaliação foi apoiada pelo Departamento de Defesa dos EUA, que advertiu que o Exército de Libertação Popular poderia começar a implantar submarinos de mísseis balísticos sob o gelo ártico, dentro do alcance da Europa e da América do Norte, como confirmado pela Estratégia Ártica 2021 da Marinha dos EUA”[1].

Fala-se de uma possível mudança de táticas de guerra híbrida e de zona cinza para a região ártica. Isto é atribuído em parte à luta potencial por recursos, tanto de hidrocarbonetos como de outros minerais marinhos e fontes biológicas.

As águas quentes estão atraindo novos peixes para o norte, ao mesmo tempo em que vários estoques de peixes já estão esgotados. O monitoramento e a regulamentação de embarcações pesqueiras envolvidas na coleta ilegal de frutos do mar é um desafio tanto legal quanto prático. Há uma prática de inúmeras embarcações sem transponders passando pela zona econômica exclusiva de vários Estados costeiros. E este padrão de comportamento assume um significado geopolítico. Curiosamente, o Canadá travou este tipo de guerra híbrida contra a Espanha por causa dos estoques de pregado entre 1994 e 1996, que se transformou em uma rivalidade amarga apesar do fato de o Canadá e a Espanha serem amigos e aliados na OTAN. Um cenário semelhante no Ártico não pode ser descartado. E o Ocidente está preocupado que a China, que embora tenha assinado o Acordo sobre a Prevenção da Pesca Desregulada em Alto Mar no Oceano Ártico Central, que proíbe a pesca comercial até 2034, entenda claramente que este acordo é um caminho para a pesca no Ártico, e não uma proibição total, como muitos observadores ocidentais percebem. O Ocidente também está preocupado com a pesquisa científica em outros países, como a China, por exemplo. Ao longo dos últimos 20 anos, a China realizou uma extensa pesquisa científica marinha no Oceano Ártico e nos mares adjacentes. A China classifica este trabalho como pesquisa ambiental com intenções puramente científicas. Apesar disso, o acompanhamento AIS dos quebra-gelos chineses Xue Long e Xue Long 2 demonstra um grande interesse no mapeamento dos recursos e na mineração do fundo do mar, com ênfase especial na Cordilheira Northwind e no Platô Chukchi na plataforma continental dos EUA. Os Estados árticos já começaram a prestar atenção a estas atividades. Em 2021, a Rússia emendou suas reivindicações para uma plataforma continental estendida para incluir o cume Gakkel, logo após a China ter identificado a área como um alvo para sua expedição ao Ártico naquele ano. Os EUA também mudaram suas regras sobre a passagem de navios. É evidente que tanto Moscou quanto Washington percebem estas operações chinesas de quebra-gelo como mais do que apenas pesquisa. Entretanto, o Ocidente está constantemente coordenando suas ações sobre a questão do Extremo Norte e construindo novas coalizões.

No outono de 2020, os Estados Unidos, Canadá, Dinamarca, Finlândia, Nova Zelândia, Noruega e Suécia assinaram um acordo pioneiro de defesa: o Programa de Pesquisa Polar Cooperativa Internacional. O ICE-PPR é o primeiro esforço multilateral especificamente destinado à cooperação em regiões de alta latitude e clima frio em todo o mundo, e é uma resposta direta à crescente concorrência das principais potências nas regiões polares. O ICE-PPR fornece o espectro completo de pesquisa, desenvolvimento, testes, avaliação, experimentação, aquisição, implantação e intercâmbio de pessoal. Acredita-se que, se os EUA tirarem o máximo proveito do acordo, isso criará as bases para fechar lacunas de capacidade de longo prazo em áreas críticas. Outros países do ICE-PPR estão continuamente trabalhando nas regiões polares e investindo em capacidades relevantes. A Finlândia projetou e está construindo um novo navio de superfície naval com capacidade para o gelo, a Nova Zelândia está lançando um navio de abastecimento com capacidade para o gelo, o Canadá está construindo um navio patrulha marítima do Ártico, aeronaves C-130 canadenses e dinamarquesas transportaram carga científica para o norte do Ártico e o Canadá realizou um exercício de teste de “Logística do Ártico”. O interesse renovado pela guerra submarina também intensificou silenciosamente numerosos esforços no Canadá, Dinamarca, Noruega, Suécia e Finlândia. O ICE-PPR também inclui disposições para que as organizações de defesa de cada país aproveitem o talento e a experiência de suas comunidades científicas nacionais, de defesa da pátria, de segurança fronteiriça e de vigilância ambiental[2].

A mudança climática também está relacionada com o Ártico. E o derretimento do gelo ártico está sendo refletido em todo o mundo. Os ambientalistas acreditam que para reduzir os riscos para o ambiente marinho ártico é necessário limitar o uso de óleo petróleo pesado como combustível. A Rússia considerou a proibição do uso de óleo combustível pesado no Ártico como uma “medida de último recurso”. Entretanto, a companhia de navegação estatal Sovcomflot declarou abertamente a necessidade de abandonar o combustível à base de petróleo, enquanto o fornecedor de combustível naval Gazpromneft planeja deixar de usar óleo combustível pesado a partir de 2025. Notadamente, em agosto de 2018, o presidente russo Vladimir Putin e o presidente finlandês Sauli Niiniste fizeram uma declaração conjunta sobre a necessidade de mudar para combustível mais limpo para navios no Ártico[3].

Entretanto, a ecologia também pode ser usada como ferramenta de pressão política ou provocação, como foi o caso do ataque à plataforma Prirazlomnaya pelo Greenpeace. Voltando à avaliação global do papel do Ártico, o Centro para uma Nova Segurança Americana, em sua análise das possíveis ações da Rússia nesta região, vincula diretamente os eventos na Ucrânia e a resposta do Ocidente a eles. Com base nisto, os autores sugerem que: – Ao contrário das afirmações de Putin de que a adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN não representa nenhuma ameaça à Rússia, sua adesão à aliança alteraria profundamente a dinâmica de segurança regional, a relação de Moscou com cada país e, em última instância, a percepção da ameaça russa na região. – O senso de segurança do Kremlin provavelmente será afetado pela relocalização de qualquer infraestrutura da OTAN para a Finlândia e a Suécia, o aumento da escala e complexidade dos exercícios da OTAN na região, a concentração do poder aéreo na península nórdica, os exercícios aéreos transfronteiriços, o aumento da coleta de informações e a dinâmica em mudança no Mar Báltico, que agora será cercado por Estados membros da OTAN. Esta sensação de insegurança russa pode aumentar a probabilidade de erro de cálculo e escalada. – A guerra da Rússia na Ucrânia e o enfraquecimento de suas forças armadas convencionais provavelmente farão com que os líderes políticos e militares russos vejam a crescente utilidade das armas nucleares na gestão da escalada e do conflito, o que aumentará a importância da Península de Kola. – A crescente sensação de vulnerabilidade da Rússia, aliada à redução dos canais de comunicação com o Ocidente, provavelmente diminuirá o limiar para o que o Kremlin responde no Ártico e provavelmente aumentará a imprevisibilidade das ações russas lá. Putin também deve ver o Ártico como um lugar para demonstrar que a Rússia ainda é uma potência a ser temida, aumentando o risco de provocações russas e erros de cálculo/escalonamento no Ártico[4].

Ao mesmo tempo, um cenário possível aponta para uma aproximação entre a Rússia e a China, que já está em andamento. Ao mesmo tempo, há apelos para que a UE siga uma política mais independente na região do Ártico. “A guerra da Rússia contra a Ucrânia também dá à UE razões regionais para fortalecer ainda mais seus laços econômicos com os países e regiões do Atlântico Norte, desde a Noruega e as Ilhas Faroé até a Islândia e a Groenlândia, e até mesmo os EUA e o Canadá. Questões imediatas de segurança onde a UE pode desempenhar um papel são, por exemplo, a importação (crítica) de minerais ou o uso de sistemas de satélites da UE. Desta forma, o Ártico poderia tornar-se mais um exemplo da transformação da UE de um regulador tecnocrático para um ator geopolítico disposto a usar ativamente suas interdependências econômicas, para tratar de suas dependências estratégicas – como discutido no contexto da atualização da Estratégia Industrial – ou para proteger seus estados membros de coerção por terceiros”.[5]

A Estratégia Ártica da UE de 13 de outubro de 2021[6] afirma que “Como força geopolítica, a UE tem interesses estratégicos e cotidianos tanto no Ártico Europeu quanto na região mais ampla do Ártico. A UE também tem um interesse fundamental em apoiar a cooperação multilateral no Ártico e em trabalhar para garantir que ele permaneça seguro, estável, sustentável, pacífico e próspero. Como importante agente econômico, compartilha a responsabilidade pelo desenvolvimento sustentável em geral, inclusive nas regiões árticas, e pela subsistência dos residentes, inclusive dos povos indígenas. A UE tem um impacto significativo sobre o Ártico através de seu impacto sobre o meio ambiente e a demanda por recursos e produtos originários do Ártico”. Entretanto, argumenta que “o crescente interesse nos recursos e rotas de transporte do Ártico pode transformar a região em uma arena de competição local e geopolítica e tensões potenciais, possivelmente ameaçando os interesses da UE”.

Além disso, “o pleno envolvimento da UE nos assuntos árticos é uma necessidade geopolítica. A ação da UE deve ser baseada em seus valores e princípios, incluindo o Estado de direito, direitos humanos, desenvolvimento sustentável, igualdade de gênero, diversidade e inclusão, apoio ao multilateralismo baseado em regras e respeito ao direito internacional, em particular a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar”. Também expressa cautela sobre o fortalecimento da Rússia em sua infraestrutura militar no Ártico e sua dupla utilização. Também se fala do aumento da atividade de outros atores, incluindo a China, em infraestrutura crítica, cabos marítimos, questões marítimas e informação e desinformação cibernética (esta última não é totalmente clara ao que a UE está se referindo).

A UE também criou um representante para os assuntos árticos, indicando que a UE está se tornando cada vez mais diplomática nesta área. Também anunciou a abertura de um escritório da Comissão Europeia na Groenlândia para fortalecer a cooperação. Além do uso da infraestrutura marítima dos países da UE, também é mencionado o potencial de conexão com a Rota do Mar do Norte da Rússia.

“Uma extensão do corredor foi adotada como parte do programa Connecting Europe 2021-2027 para transportar mercadorias das regiões árticas por terra e possivelmente através da Rota do Mar do Norte”, diz o documento. De modo geral, a estratégia da UE é equilibrada. Deixando de lado os imperativos dos valores da UE, a compreensão específica das questões de igualdade, assim como as regras vagas do multilateralismo, a abordagem geral deixa uma estrutura para uma ampla cooperação com as partes interessadas, incluindo principalmente a Rússia. Embora seja lamentável que a cooperação da UE com a Rússia na região ártica tenha sido suspensa, espera-se que os países nórdicos europeus sejam capazes de alcançar seus objetivos em uma série de questões. Estes incluem a redução das emissões de dióxido de carbono, a agenda ambiental e a segurança energética.

A Estratégia Ártica dos Estados Unidos publicada em outubro de 2022 é muito mais agressiva e inequívoca. [7] Reconhece a crescente competição estratégica no Ártico desde 2013, exacerbada pelo conflito russo na Ucrânia, e declara seu desejo de posicionar os EUA como um ator confiável tanto para a competição efetiva quanto para a gestão de tensão. Para conseguir isso, Washington propõe quatro pilares:

  • Pilar 1 – Segurança: dissuadiremos ameaças aos Estados Unidos e nossos aliados, construindo as capacidades necessárias para proteger nossos interesses no Ártico, enquanto coordenamos abordagens comuns com aliados e parceiros e reduzimos os riscos de uma escalada não intencional. Implementaremos uma presença do governo dos EUA na região do Ártico, conforme necessário, para proteger o povo americano e nosso território soberano;
  • Pilar 2 – Mudança Climática e Proteção Ambiental: O Governo dos Estados Unidos trabalhará com as comunidades do Alasca e o Estado do Alasca para aumentar a resistência aos impactos da mudança climática, trabalhando para reduzir as emissões do Ártico como parte de um esforço global mais amplo de mitigação, para melhorar o entendimento científico e para preservar o ecossistema ártico;
  • Pilar 3 – Desenvolvimento econômico sustentável: nos esforçaremos pelo desenvolvimento sustentável e pela melhoria das condições de vida no Alasca, inclusive para as comunidades nativas, investindo em infraestrutura, melhorando o acesso aos serviços e apoiando setores econômicos em crescimento. Também trabalharemos com aliados e parceiros para expandir investimentos de alta qualidade e desenvolvimento sustentável em toda a região do Ártico;
  • Pilar 4 – Cooperação Internacional e Governança: Apesar dos desafios colocados à cooperação ártica pela agressão russa na Ucrânia, os Estados Unidos trabalharão para apoiar as instituições cooperativas árticas, incluindo o Conselho Ártico, e posicionar essas instituições para administrar os impactos do aumento da atividade na região. Também pretendemos manter o direito internacional, regras, normas e padrões no Ártico. Aqui novamente vemos as famosas “regras” estabelecidas pelos próprios Estados Unidos.

Se estudarmos o documento com mais detalhes, percebemos que as questões de interesses econômicos e de dissuasão estratégica estão entrelaçadas nele. Afirma que “um Ártico mais acessível também criaria novas oportunidades econômicas…. A crescente importância estratégica do Ártico intensificou a concorrência para moldar seu futuro à medida que os países buscam novos interesses econômicos e se preparam para o aumento da atividade”.

De fato, as oportunidades estão crescendo, mas a Rússia controla grande parte do Ártico devido a suas longas fronteiras e ao fato de que a Rota do Mar do Norte atravessa as águas soberanas russas. A produção de petróleo e gás também está ativa na zona ártica da Rússia. Também estão sendo construídos terminais para GNL, que é exportado para outros países. Novos quebra-gelos e navios de pesquisa estão sendo construídos, e a infraestrutura militar da Rússia está sendo fortalecida. A estratégia dos Estados Unidos não esqueceu isto: “Durante a última década, a Rússia aumentou significativamente sua presença militar no Ártico. Está modernizando suas bases militares e aeródromos; implantando novos sistemas de defesa contra mísseis aéreos e costeiros e modernizando submarinos; e intensificando os exercícios militares e as operações de treinamento com um novo comando de batalha. A Rússia também está desenvolvendo nova infraestrutura econômica em seus territórios árticos para explorar hidrocarbonetos, minerais e pesca, e está tentando limitar a liberdade de navegação através de suas pretensões marítimas excessivas ao longo da Rota do Mar do Norte”.

Diz também da China: “A República Popular da China (RPC) pretende fortalecer sua influência no Ártico através de uma lista ampliada de atividades econômicas, diplomáticas, científicas e militares. A China também sublinhou sua intenção de desempenhar um papel mais ativo na formação da governança regional. Durante a última década, a RPC duplicou seus investimentos, concentrando-se na extração de minerais críticos; expandindo suas atividades científicas; e usando esses compromissos científicos para conduzir pesquisas de duplo uso com inteligência ou aplicações militares no Ártico. A RPC expandiu sua frota de quebra-gelo e enviou navios de guerra para o Ártico pela primeira vez. Outros países não árticos também aumentaram sua presença, seus investimentos e suas atividades no Ártico”.

Também é de interesse a Meta Estratégica 4.2: Proteger a liberdade de navegação e os limites da plataforma continental. Ela afirma que “os Estados Unidos protegerão os direitos e liberdades de navegação e sobrevoo do Ártico e delinearão os limites externos da plataforma continental dos Estados Unidos de acordo com o direito internacional, conforme refletido na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. Também continuaremos a apoiar a adesão à Convenção e a defender vigorosamente os interesses dos Estados Unidos, que são mais bem servidos pelo respeito universal ao Estado de direito internacional”.

O paradoxo é que, de acordo com esta Convenção, a Rota do Mar do Norte está inteiramente sob jurisdição russa. É entendida como uma rota de transporte nacional historicamente unificada da Federação Russa.

A navegação é realizada de acordo com as regras especiais estabelecidas pela Rússia nos termos do artigo 234 da Convenção. É claro que os navios estrangeiros podem passar pelos mares territoriais da Rússia, mas eles devem ser pacíficos. E como os EUA e todo o bloco da OTAN são oficialmente considerados Estados hostis, a passagem não é mais possível. Isto está provocando comentários histéricos do lado americano. Anteriormente, em janeiro de 2021, o Departamento de Defesa dos EUA publicou sua própria estratégia militar para a região do Ártico, intitulada simplesmente: “Restore Dominance in the Arctic” (Restaurar o Domínio no Ártico). [8] Para este fim, os militares americanos desenvolveram alguns objetivos e planos que lhe permitirão “recuperar” o domínio no Ártico:

  • Estabelecer um QG com brigadas de combate especialmente treinadas e equipadas;
  • Melhorar a prontidão material das unidades capazes de operar no Ártico;
  • Melhorar o treinamento individual e coletivo em ambientes de montanha e alta montanha;
  • Melhorar a qualidade de vida dos soldados, civis e famílias que vivem e trabalham na região do Ártico.

Diz-se que “na nova era de grande rivalidade de poder, os Estados Unidos devem ser capazes desta demonstração de poder pela força aérea, marinha e blindados garante que a Rússia e a China não interferirão na navegação, nos direitos soberanos ou na capacidade dos EUA de defender a pátria ou projetar o poder da região ártica. O exército americano tem um papel importante a desempenhar nesta região. A nova estratégia do Exército no Ártico permitirá que ele restabeleça sua capacidade de defender os interesses dos EUA na região”.

Observe que este documento foi precedido por estratégias similares da Força Aérea dos EUA (junho de 2020)[9] e da Guarda Costeira (abril de 2019)[10]. E em junho de 2019, o Pentágono enviou ao Congresso um relatório justificando o aumento dos gastos com as necessidades do Ártico e os interesses geopolíticos dos EUA[11].

O Conceito Estratégico da OTAN adotado na Cúpula de Madri em 29 de junho de 2022 afirma que “no Alto Norte, sua capacidade (da Rússia) de interferir no reforço aliado e na liberdade de navegação através do Atlântico Norte constitui um desafio estratégico para a Aliança do Atlântico Norte”.[12]

A OTAN também vê a região ártica como um centro de informação global emergente, já que os cabos de comunicação também passam por ela. O Wall Street Journal escreve que “os países do norte estão procurando colocar cabos de comunicação submarinos através das águas do Ártico à medida que a redução da cobertura de gelo abre novas oportunidades de negócios na região e reforça a rivalidade geopolítica entre a Rússia e o Ocidente. Cabos planejados por um grupo de empresas do Alasca, Finlândia e Japão, assim como o governo russo, estão competindo para construir uma melhor infraestrutura digital em uma área frágil, mas cada vez mais importante para a defesa e a pesquisa científica. Os cabos submarinos via pacotes de linhas de fibra ótica transportam cerca de 95% do tráfego intercontinental de voz e dados. Existem atualmente mais de 400 cabos desse tipo, com atraso de sinal aproximadamente proporcional ao comprimento de cada cabo. Como a distância geográfica entre continentes no Ártico se torna menor quanto mais ao sul, um cabo através da região promete comunicações mais rápidas, dizem os especialistas. A possibilidade de uma rota se tornou mais viável à medida que o aquecimento acelerado abriu a área para o desenvolvimento. [13]

Por exemplo, espera-se que o cabo de fibra do Extremo Norte esteja operacional a partir de 2026. Em novembro de 2022, uma publicação afirmou que “a maior estação terrestre de satélites do mundo, localizada no arquipélago de Spitzbergen, ao largo da costa da Noruega, está sendo usada pelas agências espaciais ocidentais para coletar sinais vitais de satélites de órbita polar. Em janeiro deste ano, um dos dois cabos de fibra ótica no fundo do mar Ártico que ligam Svalbard ao continente foi cortado. A Noruega foi forçada a recorrer a comunicações de apoio”[15]. No artigo havia alusões evidentes às capacidades da Rússia. Ainda que não existissem precedentes para qualificar as ações russas como essas ameaças.

Finalmente, a batalha pelo Ártico também ocorre em nível discursivo e ideológico. Não é coincidência que o termo Euroártico tenha surgido apenas recentemente[16]. Assim como os geopolíticos da República Federal da Alemanha após a Segunda Guerra Mundial propuseram o conceito de uma Euráfrica (porque uma possível expansão para o leste, Drang nach Osten, foi descartada, pois a própria Alemanha estava dividida) para realizar uma expansão sistemática naquela região, os dois termos, Europa e Ártico, foram fundidos para denotar algum tipo de unidade no nível conceitual. Deve-se acrescentar que, no Ocidente, é dada considerável atenção acadêmica às questões árticas, desde as identidades culturais dos povos indígenas até as preocupações políticas contemporâneas[17], permitindo que uma narrativa estratégica surja e seja utilizada para fins políticos.

Em resumo, as estratégias de muitos países do Ártico estão em desacordo, o Ocidente coletivo está tentando forjar sua própria aliança, e a Rússia e a China são vistas como ameaças potenciais. Ao mesmo tempo, a oportunidade de cooperação permanece, mas a cooperação requer soluções políticas, que não estão sendo consideradas no momento devido aos eventos na Ucrânia. Resta à Rússia fortalecer ainda mais sua capacidade militar, técnica e logística no Alto Norte, que serve aos interesses geopolíticos soberanos da Rússia.

Notas

[1] Adam Lajeunesse. Arctic Perils: Emerging Threats in the Arctic Maritime Environment. November 2022. https://www.cgai.ca/arctic_perils_emerging_threats_in_the_arctic_maritime_environment
[2] Chris Bassler. Multi-National Cooperation Will Accelerate U.S. Defense Capabilities in the Polar Regions. December 15, 2020. https://csbaonline.org/about/news/multi-national-cooperation-will-accelerate-u.s-defense-capabilities-in-the-polar-regions
[3] Dave Walsh. Ridding the Arctic of the World’s Dirtiest Fuel. February 19, 2019. https://www.pacificenvironment.org/ridding-the-arctic-of-the-worlds-dirtiest-fuel/
[4] Andrea Kendall-Taylor, Jim Townsend, Nicholas Lokker, Heli Hautala, Col James Frey, with contributions from Jim Danoy, Rebecca Pincus and Katarzyna Zysk. Russia in the Arctic: Gauging How Russia’s Invasion of Ukraine Will Alter Regional Dynamics. SEPTEMBER 15, 2022. https://www.cnas.org/publications/reports/russia-in-the-arctic-gauging-how-russias-invasion-of-ukraine-will-alter-regional-dynamics
[5] Andreas Raspotnik and Andreas Østhagen. The End of an Exceptional History: Re-Thinking the EU-Russia Arctic Relationship. Mar 23 2022. https://www.e-ir.info/2022/03/23/the-end-of-an-exceptional-history-re-thinking-the-eu-russia-arctic-relationship/
[6] https://www.eeas.europa.eu/sites/default/files/2_en_act_part1_v7.pdf
[7] https://www.whitehouse.gov/wp-content/uploads/2022/10/National-Strategy-for-the-Arctic-Region.pdf
[8] https://sof.news/defense/army-arctic-strategy-2021/
[9] https://www.af.mil/Portals/1/documents/2020SAF/July/ArcticStrategy.pdf
[10] https://www.uscg.mil/Portals/0/Images/arctic/Arctic_Strategic_Outlook_APR_2019.pdf
[11] https://media.defense.gov/2019/Jun/06/2002141657/-1/-1/1/2019-DOD-ARCTIC-STRATEGY.PDF
[12] https://www.nato.int/nato_static_fl2014/assets/pdf/2022/6/pdf/290622-strategic-concept.pdf
[13] Isabelle Bousquette. A Warming Arctic Emerges as a Route for Subsea Cables. WSJ/CIO Journal, June 15, 2022. https://www.wsj.com/articles/a-warming-arctic-emerges-as-a-route-for-subsea-cables-11655323903
[14] Nima Khorrami. A Looming Cable Race in the Arctic: What Role for NATO? September 21, 2022 https://www.wilsoncenter.org/article/looming-cable-race-arctic-what-role-nato; Colin Wall, Pierre Morcos. Invisible and Vital: Undersea Cables and Transatlantic Security. June 11, 2021. https://www.csis.org/analysis/invisible-and-vital-undersea-cables-and-transatlantic-security
[15] Jacob Gronholt-pedersen, Gwladys Fouche. NATO allies wake up to Russian supremacy in the Arctic. November 16, 2022. https://www.reuters.com/world/europe/nato-allies-wake-up-russian-supremacy-arctic-2022-11-16/
[16] Iris Thatcher. The EU and the Future of Arctic Cooperation in the Northern Dimension. September 7, 2022. https://www.wilsoncenter.org/blog-post/no-14-eu-and-future-arctic-cooperation-northern-dimension
[17] https://thenorthernreview.ca/nr/index.php/nr/index

Fonte: Russtrat

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 49

Deixar uma resposta