A Vingança de Djokovic contra o Cancelamento

Os denuncistas e apologistas da tirania sanitária tiveram que engolir a vitória de Novak Djokovic no Aberto da Austrália. Ele foi uma das mais recentes vítimas da cultura do cancelamento ao recusar as narrativas da tirania sanitária.

É a vingança de Novak Djokovic. Vingança esmagadora, a do tenista sérvio que triunfa no Aberto da Austrália, contra a horda de cancelamentos do ano passado. Um homem definido em termos inequívocos, com o maniqueísmo habitual típico daqueles que se sentem superiores sem ter mostrado a mínima razão para isso.

A vingança de Djokovic, uma bofetada na cara daqueles que estão destruindo o mundo

Agora, vamos ser claros sobre uma coisa: Djokovic certamente não é revolucionário. Seria tipicamente progressista liberal e globalista defini-lo de forma tal tola. E nós não somos tão tolos: Nole é simplesmente um tenista que expressou sua própria visão de mundo mesmo no triste caso Covid. Isso é tudo. Isto não diminui o fato de que, por pouco que seja, deve ser enfatizado. Porque os macambúzios, tristes, hipócritas que o condenaram na época, fazem todos parte do mesmo barco muito triste: o de uma ideologia – tal é, apesar do descaramento de se proclamar asséptico – que obedece a uma única visão e que não se preocupa absolutamente nada com a liberdade. Uma infinidade de pessoas pobres que clamam por antinacionalismo, mas que estão sempre prontas a aceitá-lo quando é proclamado pelos indiscutíveis senhores do Ocidente (os EUA in primis), que clamam por liberdade, exceto para dobrar-se como soldados de brinquedo quando ordenados a fazê-lo, por uma doença que colocou em perigo uma cota extremamente minoritária da população, uma coleção de autômatos que é o exemplo perfeito de escravidão em relação ao seu próprio tempo, seja ele qual for. Alguém entre eles, como Roberto Burioni, até mesmo “aplaude” pela vitória de Nole, no Twitter, com estas palavras: “Um cretino novax que vence as Olimpíadas não se torna uma pessoa inteligente, mas um cretino olímpico”.

A vitória de Nole pertence a todos

Não é apenas um triunfo, mas uma bofetada na cara. A vingança não apenas de Djokovic, mas de qualquer um que se expresse contrariamente aos diktats do que é para todos os efeitos um pensamento autoritário, vulgar e até mesmo arrogante (especialmente porque se proclama com um nervo verdadeiramente invejável como tolerante, livre e “democrático”). Um pensamento “automático” do qual a vacina Covid é apenas a expressão mais recente. Um pensamento que já decidiu como devemos ser, como povos e como culturas. Uma imposição violenta que cola cartazes em dias de lembrança e depois rasga suas roupas se alguém ousa falar de contrações de liberdade e civilização (que, na verdade, é a melhor tática para subjugar os outros e subjugar a si mesmo: esqueçamos o “nunca mais vai acontecer”, a suposta memória de tragédias passadas é um excelente sistema psicológico para ignorar as presentes, todas “indignas”, se os mestres assim o dizem). Aqueles que apontaram o dedo para Nole não o fizeram apenas por causa do caso do coronavírus. Ele o fez no passado por seu orgulho patriótico na Sérvia, por suas ideias sobre a família, por uma visão de mundo que não pode ser aceita por aqueles que querem esmagá-la impiedosamente, entre o financiamento de uma ONG transbordante de escravos e um falso “pray for”, entre o sonho de “cidadãos do mundo” em toda parte e o esmagamento impiedoso dos direitos e identidades dos povos indígenas. Aqueles que rasgaram suas vestes quase sempre pertencem a esse mundo de autômatos caracterizado por pouca ou nenhuma inclinação para querer pensar por si mesmos (no caso dos súditos) ou pela tendência perturbadora e viscosa de dominar os homens das piores formas (no dos mestres).

Fonte: Il Primato Nazionale

Imagem padrão
Stelio Fergola

Jornalista italiano, bacharel em Ciência Política e Relações Internacionais.

Artigos: 49

Deixar uma resposta