Quem foi o General Qassem Soleimani?

Há 3 anos era assassinado, em um atentado terrorista, o general Qassem Soleimani, herói do Eixo da Resistência. Imagem do aristocrata-guerreiro, Soleimani dedicou sua vida à pátria e à religião, tendo sido um dos responsáveis por impedir que o Oriente Médio fosse destruído no turbilhão de caos promovido pelos EUA.

Na longa história da intervenção iraniana na Síria e no Iraque em oposição ao avanço dos grupos jihadistas, Estado islâmico in primis, a figura do General Qasem Soleimani tem se tornado cada vez mais importante. Sessenta e um anos de idade, originário da província pobre de Kerman, Soleimani viveu como soldado e homem de armas desde 1980, quando o Irã revolucionário teve que enfrentar o desafio mortal lançado pelo Iraque de Saddam Hussein e o atual general, que se alistou nos Guardiões da Revolução no ano anterior, provou seu valor primeiro como comandante de companhia e, mais tarde, como líder de unidades cada vez mais consistentes, a última e mais importante das quais foi a lendária 41ª Divisão Tharallah (Sarallah).

Protagonista nos anos 90 de uma dura campanha de repressão contra o tráfico de drogas nas fronteiras com o Afeganistão e perto da área política mais conservadora, tanto que foi um dos oficiais Pasdaran que em 1999 assinou uma carta enviada ao Presidente Mohammad Khatami, pedindo-lhe que reprimisse a revolução estudantil, ameaçando derrubar seu governo se não o fizesse, Soleimani foi nomeado em 1998 chefe da Força Quds, a unidade de elite Pasdaran destinada a operações especiais, que ele atualmente dirige. E à cabeça do qual ele construiu seu mito.

Soleimani e a Força Quds entre o Iraque e a Síria

A ascensão do então general dos Guardiões à liderança da Força Quds antecipou ligeiramente o início da tempestade geopolítica que abalou o Oriente Médio no início do milênio. Para as estratégias iranianas, Soleimani era o homem certo no lugar certo: numa fase crucial para os interesses do país, pode-se dizer que o general foi o homem que mais do que qualquer outro determinou as políticas concretas de Teerã no terreno.

Em 2013, Dexter Filkins revelou no The New Yorker que logo após os ataques de 11 de setembro de 2001, Ryan Crocker, do Departamento de Estado dos EUA, havia viajado a Genebra para negociar com um grupo de oficiais iranianos liderados por Soleimani uma colaboração instrumental da inteligência com o objetivo de acelerar o fim do regime talibã no Afeganistão, contra o qual Teerã havia se posicionado por causa de sua perseguição à minoria xiita local. Esta colaboração foi de curta duração e foi interrompida pela reviravolta neoconservadora do governo Bush em 2002, o que levou a hostilidade iraniano-americana a um recorde histórico.

Após a invasão americana do Iraque em 2003, Soleimani forneceu apoio logístico à insurgência xiita e moldou o crescimento da influência do Irã sobre o Iraque, como testemunha seu apoio garantido à eleição de Nuri al Maliki como primeiro-ministro. O compromisso direto mais importante de Soleimani no terreno, entretanto, viria em 2012, quando ele foi chamado para garantir o apoio decisivo do Irã ao legítimo governo sírio envolvido na guerra civil.

De Al Qusayr a Aleppo, a contribuição de Soleimani na Síria

No segundo semestre de 2012, o regime de Assad está nas cordas: atingido pelo isolamento internacional e sitiado pelas hordas de rebeldes e jihadistas, ele se prepara para defender a capital Damasco de um assalto em grande escala. O Irã, aliado geopolítico da Síria, intervém junto com as milícias xiitas libanesas do Hezbollah para apoiar as forças governamentais, e Soleimani desempenha um papel decisivo nesta operação.

O general iraniano estabelece seu comando em Damasco e leva o Pasdaran a treinar, motivar e equipar as forças sírias regulares, a organizar um sistema de monitoramento contínuo das comunicações inimigas e a formar um corpo de apoio às milícias chamado Força de Defesa Nacional. Bret Stephens do Wall Street Journal comparou os resultados da intervenção da Força Quds de Soleimani na Síria à investida avassaladora que se seguiu à chegada de Erwin Rommel à África em 1942: em 2013, a batalha de Al Qusayr, organizada por Soleimani e marcada pela intervenção do Hezbollah no campo, marcou o início da redenção para o legítimo governo sírio.

Após a intervenção russa em 2015, a contraofensiva ampliou seu alcance. Em setembro de 2015, Soleimani foi várias vezes convidada pela liderança militar russa em Moscou para acordar uma ação conjunta ar-terra entre os aliados pró-Assad. A partir de 2016, o foco foi a região de Aleppo: entre fevereiro e dezembro de 2016, os iranianos desempenharam um papel fundamental nas batalhas contra os jihadistas que abriram caminho para o ataque direto à cidade, cuja libertação foi o evento mais importante na segunda fase do conflito sírio.

Soleimani luta contra o ISIS no Iraque

Em dezembro de 2016, fotografias parecem retratá-lo na cidadela de Aleppo, recentemente liberada. As fotos são contestadas, pois Soleimani é praticamente indetectável. Como escreveu o Intellettuale Dissidente, “numerosas testemunhas ficam impressionadas com sua presença calma, emoldurada por seu uniforme militar e barba cinza. Ao mesmo tempo, ele é esquivo, fugaz: ele aparece e desaparece, como se estivesse em um jogo de crianças. A lenda diz que ele se permitiu andar sem guarda-costas em Bagdá durante a ocupação americana do país”.

E é precisamente com o Iraque que Soleimani se deslocou várias vezes nos últimos anos, apoiando a ação das milícias xiitas com a intenção de combater o ISIS. Primeiro em 2014, para romper o cerco de Amirli, depois, em 2015, para completar a libertação de Tikrit, em ambos os casos à frente das tenazes e, não raro, brutais milícias xiitas conhecidas como as Forças de Mobilização Popular. A guerra no Iraque e na Síria é um conflito brutal, sem piedade: a memória dos 1.500 cadetes aéreos iraquianos massacrados pelas bandeiras negras no Campo Sepicher está viva nos libertadores da cidade natal de Saddam Hussein, pois eles, ao final de uma amarga luta que viu o apoio sem precedentes dos ataques aéreos ocidentais contra os xiitas, expulsaram o ISIS de seus subúrbios. Fala-se de crimes de guerra, e não será o único momento depois da expulsão do ISIS das cidades iraquianas.

Soleimani contra Trump: o general pronto para um futuro na política?

Qassem Soleimani nunca escondeu sua proximidade com o Aiatolá Khamenei e a ala mais conservadora da política iraniana. Como um soldado completo, ele aplicou as diretrizes políticas da presidência Rouhani o melhor que pôde, mas também foi capaz de se adaptar plasticamente a elas. Na verdade, Soleimani forjou toda a estratégia regional do Irã e fortaleceu o sistema de alianças de Teerã no país.

A questão é frequentemente colocada se o general, que liderou outras grandes ofensivas na região Hama da Síria em 2017, poderia ter usado sua popularidade para um futuro na política. Os conservadores o viam como o candidato presidencial ideal capaz de aproveitar a imensa popularidade, mas Soleimani sempre fez do campo de batalha seu mundo ideal e raramente proferiu palavras de peso puramente político.

Entretanto, enquanto a nova administração republicana nos EUA reforçou sua hostilidade para com Teerã, Soleimani fez dois gestos importantes que sinalizaram posturas claras: em dezembro de 2017, ele se recusou despreocupadamente a responder a uma carta ameaçadora do diretor da CIA Mike Pompeo e, meses depois, ele atacou diretamente Donald Trump. “Estamos chegando até você, estamos indo onde você nem pode imaginar. Estamos prontos. Se você começar a guerra, nós a terminaremos”, disse o general em Hamedan em resposta às provocações dos EUA após o repúdio do acordo nuclear. Palavras que marcam uma mudança de registro na abordagem pública do silencioso e enigmático Soleimani. Mas certamente soaram como música para aqueles que viam nele o futuro líder de um Irã conservador e ferozmente antiamericano.

Os últimos anos e a morte

Apesar dos rumores de um possível futuro político, Soleimani continuou a liderar unidades no campo no Iraque após 2017, com a Força Quds destacada ao lado das Forças de Mobilização Popular de matriz xiita com a intenção de eliminar os últimos remanescentes do ISIS e se posicionar para a contenda política para o futuro do país.

Um pensador estratégico de amplo alcance, Soleimani acreditava ser necessário que o Irã se consolidasse na região de influência uma vez passada a fase de conflito aberto, preservando os laços com os procuradores regionais de Teerã. De fato, no auge do ressurgimento da fissura EUA-Irã, Soleimani parecia quase se eclipsar, exceto por algumas brigas através das mídias sociais e da imprensa com os principais meios de comunicação de Washington, como se quisesse dar a impressão de que estava absolutamente concentrado nos assuntos geopolíticos da República Islâmica. Soleimani nunca quis realmente um confronto face a face com os EUA, o que ele considerava cansativo e ruinoso.

Entre 2018 e 2019, Soleimani se deslocou para frente e para trás através da fronteira irano-iraquiana, na qual sua carreira militar teve seu batismo de fogo em sua juventude. Em meio a problemas políticos e instabilidade interna, o Iraque se contorce entre eleições disputadas, influências externas e o surgimento de uma polaridade cruzada de xiitas e sunitas contra a interferência externa iraniana e iraquiana. Soleimani atuou como conselheiro do governo iraquiano quando os protestos contra os altos custos de vida, a corrupção e a instabilidade aumentaram na capital e no resto do país na segunda metade de 2019, quando as tropas leais a ele mostraram sinais crescentes de inquietude.

Suspeitas não confirmadas identificam o Kata’ib Hezbollah e outros das FMPs como os principais culpados na repressão dos protestos ocorridos entre setembro e outubro de 2019. Os EUA se inseriram no caos iraquiano, atacando o Kata’ib Hezbollah em sua sede perto da Al Qa’im em 29 de dezembro, em resposta a um ataque a uma base militar em Kirkuk. Soleimani chegou ao Iraque na virada de 2019, enquanto em Bagdá os iraquianos invadiam a embaixada dos EUA, mas foi no aeroporto da capital iraquiana que ele foi pego em um ataque americano no qual perdeu a vida em 3 de janeiro de 2020.

Fonte: InsideOver

Imagem padrão
Andrea Muratore

Analista geopolítico e econômico italiano. Bacharel em Ciências Políticas, Econômicas e Sociais pela Universidade de Milão. Mestre em Economia e Ciência Política.

Artigos: 24

Deixar uma resposta