Agenda 2030: A Próxima Crise do Ocidente

Tudo aquilo que diziam ser teoria da conspiração sobre elites globais que querem reduzir a humanidade à escravidão vai se confirmando realidade. A Agenda 2030, no papel, parece ser a coisa mais linda do mundo. Combate à desigualdade, luta contra a pobreza, acesso à educação, etc. O problema está nos detalhes, porém: com um projeto de reengenharia radical das sociedades humanas, as elites de Davos apostam no empobrecimento generalizado e na concentração de riqueza para “salvar o mundo”.

Supostamente, o “Objetivo 8” da Agenda 2030 visa combater a desigualdade e promover o crescimento econômico sustentado. A referência a este crescimento sustentável rapidamente se associa aos dogmas da agenda verde e de gênero.

Crescimento Social e Inclusivo

O crescimento deve ser inclusivo, ou seja, a discriminação positiva das mulheres (e os coletivos LGTB e a equipe do alfabeto que se segue) deve presidir a política econômica, porque o “Objetivo 5” declara como meta: “Adotar e fortalecer políticas sólidas e legislação aplicável para a promoção da igualdade de gênero e o empoderamento de todas as mulheres e meninas em todos os níveis”. Na Espanha, o novo Plano de Igualdade, idealizado por Irene Montero e sua trupe, receberá 20.319 milhões de euros do orçamento, que obviamente sai dos bolsos da classe média. Apesar da retórica se vangloriar de mais impostos para os ricos, a dura realidade é que o maior corpo de contribuintes pertence à classe média, que, segundo dados relativos à última década, contribuiu com 54,4% da renda total do Estado. Os ricos, aqueles que têm mais de 150.000 euros de renda declarada por ano, são apenas 0,24% da população, e são as empresas, juntamente com a classe média, que suportam a carga tributária na qual se baseia o gasto público.

A Espanha é o país que mais aumentou sua carga tributária em 2020. As reformas tributárias e o impacto da crise do coronavírus aumentaram o indicador em 1,9%. Temos agora uma carga tributária de 36,6% do Produto Interno Bruto (PIB), mais de três pontos acima da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que se mantém em 33,5%. Este aumento da carga tributária está intimamente ligado ao aumento dos gastos públicos, mas não se traduz em uma melhoria substancial dos serviços públicos. Os gastos ideológicos com políticas de gênero patrocinados pela Agenda 2030 significam o desperdício de 10% da receita tributária. Um 10% que empobrece a classe média e reduz a competitividade das empresas espanholas.

A trompe l’oeil do feminismo 2030, mascara a dura realidade de que hoje uma família comum precisa de dois salários para fazer parte da classe média, enquanto no passado era suficiente com apenas um salário. Esta é a verdadeira brecha salarial. Para sustentar este cenário que coloca a produção capitalista acima da família, e impede que cada família tenha uma fonte de renda confortável e estável, sob o rótulo de políticas inclusivas, são encorajados o aborto, as baixas taxas de natalidade e as famílias alternativas; o que, como na Suécia, leva a envelhecer em total solidão. E estas políticas, como o comunista Pasolini severamente criticava em sua época, são as defendidas pelos bons meninos da nova esquerda.

Desenvolvimento Climático Sustentável

Pior ainda são as políticas climáticas que a Agenda 2030 patrocina em seu Objetivo 13. O discurso apocalíptico da ONU visa intimidar a população a aceitar suas políticas de governança global sem reclamações: “A mudança climática é um dos maiores desafios de nosso tempo e seus impactos adversos minam a capacidade de todos os países de alcançar o desenvolvimento sustentável… A sobrevivência de muitas sociedades e dos sistemas de apoio biológico do planeta está em risco”.

A ONU ousou usar uma adolescente histérica como Greta Thunberg para difundir seus sofismas climáticos: “Precisamos de cortes anuais drásticos e imediatos nas emissões, como o mundo nunca viu antes… As pessoas no poder podem continuar vivendo em sua bolha cheia de fantasias, como o crescimento eterno”. A ideologia climática serve para justificar qualquer coisa, como vimos com a intervenção de Gustavo Petro perante a Assembleia Geral da ONU em setembro: “A cocaína causa o mínimo de mortes e o carvão e o petróleo podem extinguir a humanidade”. Isto não é a extravagância de um líder ibero-americano de ultraesquerda, ex-membro do grupo terrorista Movimento 19 de Abril, está apenas endossando os postulados da ONU, que, através de seu Secretário-Geral António Guterres, nos adverte: “Ou paramos com nosso vício em fósseis ou ele vai nos parar. Parem de brutalizar a biodiversidade, parem de cometer suicídio com carbono, parem de tratar a natureza como um vaso sanitário”.

Bem, sob este guarda-chuva de disparates, uma política de descarbonização foi imposta em toda a Europa que nos levou ao atual desastre energético.

Para começar, não há consenso científico sobre as causas e consequências da mudança climática. Em contraste com o IPCC, o Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática da ONU, que aponta os seres humanos e sua atividade econômica como diretamente responsáveis pela mudança climática, há outra plataforma de cientistas (ICSC, a Coalizão Internacional da Ciência Climática) que nega que haja qualquer evidência empírica para provar esta hipótese. E se não há consenso sobre as causas, há ainda menos consenso sobre as consequências. O próprio IPCC mudou suas previsões ao longo dos últimos anos. A verdade é que prever qual será a variação climática daqui a 50 anos e seus efeitos na vida na Terra é mais um exercício de adivinhação do que uma certeza científica, não importa o quanto a ONU, as grandes corporações e os meios de comunicação de massa vendem o oposto a nós.

O que é indiscutível é que as medidas econômicas e ambientais muito caras, destinadas a limitar as emissões de CO2 na Europa, são absurdas. A União Europeia como um todo emite 2,724 milhões de toneladas de CO2 por ano, enquanto a China emite 10,065 milhões de toneladas, a Índia 2,654 milhões de toneladas e a Rússia 1,711 milhões de toneladas. Nenhum destes três países vai sacrificar suas economias para reduzir suas emissões. Portanto, nós europeus somos, em linguagem coloquial, os cabides em todo este barulho do aquecimento global. Chegar a 2050 com um corte de emissões de cerca de 85 ou 95% nos custaria a nós europeus como um todo cerca de 9.699 euros de renda anual per capita. Naturalmente, a distribuição desta queda no nível de vida não afetaria a todos igualmente. Mais uma vez, a classe média seria a mais duramente atingida.

É evidente que o aumento dos custos energéticos está colocando muitos pequenos e médios empresários à beira da impossibilidade de manter seus negócios. Mas longe de dar prioridade à crise real que estamos sofrendo hoje, (em 22 de agosto passado, o preço de mercado do gás natural comercializado na Alemanha THE (Trading Hub Europe) foi cotado 1000% mais alto do que há um ano) – a ONU continua insistindo na campanha Race to Zero para eliminar os combustíveis fósseis, justificando estas medidas na suposta crise climática de amanhã. Ursula von der Leyen acaba de anunciar que a União Europeia não corrigirá o erro e continuará teimosa em seguir os objetivos da Agenda 2030, porque o que devemos fazer é “lutar para acelerar a transição para longe de todos os combustíveis importados e desenvolver sistemas tecnológicos verdes autossuficientes”. Pouco importa que o corte no fornecimento de gás devido às sanções impostas à Rússia tenha colocado a verdade sobre a mesa e mostrado que o desenvolvimento tecnológico das energias renováveis ainda está longe de ser capaz de produzir energia barata e suficiente para cobrir todas as necessidades dos lares e das empresas.

Não vamos analisar o relatório da Corporação Rand, o mais poderoso think tank dos Estados Unidos, sobre o duplo propósito de prejudicar a Rússia e os próprios europeus com as sanções econômicas impostas pela União Europeia como resultado do conflito com a Ucrânia. O que é claro é que mesmo a pessoa mais torpe é capaz de entender que quando o custo da energia dispara devido ao seu alto custo, produzir mais ao preço mais barato possível ajuda a reduzir este aumento de preço. Mas a receita que a União Europeia está tentando nos dar não é recuperar a produção de energia de carvão devido às circunstâncias extraordinárias pelas quais estamos passando (é verdade que na Espanha nunca poderíamos fazê-lo porque o “inteligente” Sánchez explodiu as usinas térmicas), ou pelo menos dar prioridade à energia nuclear com a mesma ênfase das energias renováveis, em vez de coletar “mais de 140.000 milhões de euros” em fundos extras para os governos repassarem aos consumidores com problemas financeiros. Na Alemanha, no entanto, eles tiveram que investir 8 bilhões de euros para resgatar a empresa de energia Uniper. Ou seja, a posição teimosa da União Europeia em matéria de energia significa tarifas mais altas para os consumidores e mais impostos, que, naturalmente, acabarão sendo pagos pelas pessoas comuns, pela classe média e pelos pequenos e médios empresários. Também não parece muito aventureiro dizer que a famosa transição ecológica da Agenda 2030 impulsionou uma política energética que só pode ser descrita como uma “verdadeira praga” para a Europa.

Decrescimento econômico

Em vista da situação que expõe o golpe da transição verde, que apesar do fato de que entre 2009 e 2019, como reconhecido pela própria ONU, investiu um total de 2,6 trilhões de dólares em energias renováveis, sem ter tido a mínima capacidade de aliviar a atual crise energética, uma nova doutrina está surgindo para defraudar a opinião pública e avançar no estabelecimento da nova governança mundial.

O crescimento econômico é incompatível com o já excessivo consumo de recursos, energia e geração de resíduos, que, especialmente nos países de maior renda, ou seja, no Ocidente, está causando os problemas de insustentabilidade ecológica. Este é o novo movimento para justificar o empobrecimento das sociedades ocidentais que está causando a política climática da Agenda 2030. Em outra virada do parafuso, a cada dia mais e mais vozes são ouvidas dos “progressistas” em favor do que já é conhecido como “pós-crescimento”, a teoria que nos diz que o mundo deve abandonar a ideia de que as economias devem continuar a crescer, porque o crescimento em si mesmo é prejudicial.

Esta teoria utiliza dois argumentos para nos convencer de que sermos mais pobres nos tornará mais felizes. “Vocês não terão nada e serão felizes”, anunciou o Fórum de Davos em sua reunião anual em 2020. É claro, como você pode bem imaginar, aqueles que pregam isto não têm a intenção de ficar mais pobres ou ver seu padrão de vida diminuir. Assim como os comunistas quando se trata de distribuição, são os outros que devem decrescer ou não ter nada para serem felizes.

O Primeiro Argumento é Ecológico

O crescimento econômico ilimitado é responsável pelo planeta se tornar inabitável. “O esgotamento dos recursos e a poluição estão começando a estabelecer limites e precisamos falar sobre isso”, anunciou Richard Heinberg, ecologista e professor universitário americano (como não poderia deixar de ser). “Os suprimentos estão se esgotando, e mesmo que não tivéssemos que enfrentar o problema da guerra, isso ainda aconteceria”. Mais uma vez, a ameaça apocalíptica. Não é nova; desde o século XVIII, várias variantes e versões do malthusianismo nos dizem que os recursos da Terra não serão suficientes para sustentar a crescente população. Nos anos 70, usando a teoria dos picos de Hubbert, foi-nos dito que as reservas de petróleo estariam esgotadas no início do século XXI. Hoje, quando esse futuro chegou, o que é esgotante é a batida do tambor para deixar de usar combustíveis fósseis.

Agora se descobre que o que é incompatível é viver “dentro dos limites ambientais” e manter o estado de bem-estar das sociedades avançadas. A receita dos ideólogos do decrescimento é que os países mais ricos devem aplicar os Objetivos da Agenda 2030 até o fim e cobrar mais impostos para investir em uma economia mais verde, avançar sem cansaço na transição energética para deixar de usar petróleo e carvão, acabar com as emissões de carbono e embarcar em uma operação de engenharia social para mudar o “software” de uma população excessivamente consumista para convencê-los de que o empobrecimento é necessário para ser feliz. “Decrescer para sobreviver”, porque para manter nossas economias crescendo estaríamos esgotando recursos e destruindo a natureza.

É claro que é mentira que há um risco de esgotamento de nossas reservas de recursos. Existem matérias-primas, fontes de energia e culturas que, juntamente com os avanços tecnológicos, são suficientes para manter a humanidade crescendo. A crise que estamos atravessando, a escassez de energia que estamos sofrendo, a inflação que estamos experimentando, têm causas políticas, não ecoplanetárias. Também não é verdade que o crescimento econômico seja inimigo do meio ambiente. É precisamente nessas economias avançadas do Ocidente onde há mais respeito pelo meio ambiente e mais medidas para o cuidado da natureza. O Ocidente é culpado, mas se olharmos para a lista dos 10 países mais poluidores do mundo, a China aparece como o mais proeminente, seguida por muito atrás dos Estados Unidos, Índia e Rússia. Entre estes 10 países, apenas um país europeu aparece, a Alemanha, na sétima posição.

A realidade é que o crescimento econômico estimula a preocupação com o meio ambiente; e, graças a este crescimento, as sociedades avançadas estão exigindo cada vez mais de seus líderes políticas favoráveis ao meio ambiente. O fato de que Bangladesh, Paquistão, Mongólia e Afeganistão estão entre os países mais poluídos do mundo indica que nos países em desenvolvimento, onde o crescimento econômico é deficitário, não existe tal preocupação com o meio ambiente. Certamente não vamos esconder o fato de que a extração de matérias-primas no terceiro mundo para alimentar o crescimento das economias mais avançadas deixa muito a desejar em termos de direitos trabalhistas e cuidados com o meio ambiente, mas a solução não está no decrescimento das sociedades avançadas, mas no crescimento das sociedades atrasadas, até que se estabeleça nelas uma forte classe média, que, como aconteceu no Ocidente, exige e promove políticas de estabilidade, que primeiro conseguem melhorias sociais e depois restauram e cuidam do meio ambiente em seus processos de produção.

Não são exatamente as mesmas pessoas que causaram em grande parte a atual crise energética por sua obsessiva luta contra as emissões de carbono, que agora deveriam estar dando lições, que, no final, nada mais são do que uma fuga para frente em suas precipitadas e irresponsáveis políticas de transição de energia verde.

O Segundo Argumento é Social

O consumismo no qual se baseia o modelo de crescimento ocidental aliena o indivíduo e agrava as desigualdades. O aumento da riqueza econômica não garantiria por si só uma melhoria nos objetivos sociais, uma afirmação categoricamente falsa que se encontra com frequência entre os autores pós-marxistas. A geração de riqueza resulta em um padrão de vida mais elevado para todos os estratos sociais, como mostra o valor da renda per capita, que aumentou dez vezes entre 1750 e 2000. Entretanto, as desigualdades também diminuíram, pois se olharmos para o índice de Gini, que calcula a distribuição da renda entre toda a população e varia de zero (perfeita igualdade de renda entre indivíduos) a cem (desigualdade máxima, na qual toda a renda é mantida por um indivíduo), ela caiu oito pontos em todo o mundo. Isto claramente não é um avanço espetacular; as desigualdades continuam a ser particularmente gritantes no Terceiro Mundo; mas também em todo o Ocidente e em muitos países emergentes, o declínio é evidente. Além disso, a taxa de pobreza no mundo caiu 80% de 1970 até os dias de hoje. Ninguém negará aqui que as grandes corporações capitalistas se beneficiam do crescimento, aumentando ostensivamente seus resultados; mas ninguém com um mínimo de honestidade intelectual pode negar que a geração de riqueza contribui significativamente para o alargamento da classe média, incorporando progressivamente os mais pobres em suas fileiras. O autêntico crescimento sustentável deve garantir esta mobilidade social e promover políticas econômicas, fiscais e trabalhistas que procurem expandir as classes médias.

Do Grande Reset ao Grande Empobrecimento

A famosa teoria da Pirâmide de Maslow define uma hierarquia de necessidades humanas e argumenta que à medida que as pessoas satisfazem suas necessidades mais básicas, elas desenvolvem necessidades e desejos mais elevados. Em resumo, quando o crescimento é gerado, quando mais riqueza é disponibilizada às pessoas e suas necessidades mais baixas de subsistência são satisfeitas, o progresso social é impulsionado. Pelo contrário, o decrescimento é uma força regressiva que impede o desenvolvimento da pessoa e a satisfação de suas necessidades mais elevadas, levando-o a concentrar-se na satisfação de suas necessidades mais básicas.

Este é o Grande Reset que eles têm reservado para nós. O pilar da prosperidade nas sociedades ocidentais é a classe média. Seu crescimento estagnou na Europa após a crise financeira de 2008; e a pandemia aliada à atual crise inflacionária está reduzindo-a a passos largos. Os gastos dos consumidores da classe média, especialmente em energia, aumentaram muito mais rapidamente do que suas rendas. Ao mesmo tempo, seus impostos e contribuições sociais, longe de diminuir, estão aumentando a cada dia, porque as políticas da Agenda 2030 não afrouxam os gastos, especialmente na transição verde, e exigem mais recursos em ajuda social para cobrir os enormes danos que estão causando às classes mais baixas.

Os partidários do decrescimento estão com sorte – o poder de compra da classe média ocidental, segundo vários analistas econômicos, diminuirá em 25% devido às consequências da pandemia, da inflação e da crise energética. Será esta redução na demanda que conseguirá conter a inflação nos próximos anos. O resultado será uma sociedade com mais desigualdade e menos classe média – as elites globalistas conseguirão seu desejado decrescimento e a dependência de grandes massas de população do Estado. Um Estado desconectado da comunidade nacional e dominado por grandes corporações capitalistas e uma burocracia de estilo socialista. Além disso, os avanços tecnológicos logo tornarão possível um controle social que Orwell ou Huxley só vagamente ousaram imaginar.

O Ministério dos Direitos Sociais e da Agenda 2030 acaba de lançar uma campanha publicitária institucional para a Agenda 2030 sob o slogan “Basta de distopias. Vamos reimaginar um futuro melhor”. Esse futuro melhor, graças à eliminação da classe média com seu espírito crítico, sua iniciativa e sua liberdade, não será apenas uma sociedade de massa, saturada de mensagens midiáticas que constroem uma narrativa artificial de cima, como denunciou Jean Baudrillard, mas graças à realidade virtual que logo nos alcançará, permitirá uma vida diária desconectada da verdadeira realidade, que apagará qualquer ameaça de dissidência. Um futuro melhor está certamente no horizonte… para as elites que aspiram à governança mundial.

Fonte: Posmodernia

Imagem padrão
Mateo Requesens

Escritor, jornalista e juiz espanhol.

Artigos: 24

Deixar uma resposta