A Guerra de Informação dirigida pelos EUA: Tendências e Características Principais

O aparato de desinformação ocidental é poderosíssimo e se apoia em oligopólios com vínculos com o Deep State. É importante examinar os principais eixos da propaganda ocidental no que concerne a guerra entre OTAN e Rússia.

O tempo transcorrido desde o início da operação militar especial da Federação Russa na Ucrânia demonstrou que o principal adversário da Rússia não é a Ucrânia, mas o Ocidente coletivo – os Estados Unidos e seus aliados da OTAN. Esta guerra tem características híbridas e tem vários componentes. A parte militar consiste na resistência feroz das forças armadas ucranianas e das formações armadas neonazistas ao exército russo. Além disso, os Estados Unidos e seus aliados estão fornecendo grandes quantidades de armas para prolongar o conflito o máximo possível e para tornar o exército russo sem sangue. O componente econômico envolve a imposição de sanções sem precedentes destinadas a destruir ou pelo menos enfraquecer consideravelmente a economia russa, causando uma queda no padrão de vida dos russos e um descontentamento na sociedade russa. Finalmente, a guerra da informação visa demonizar a Rússia, para apresentá-la como um agressor, um império quase nazista que procura subjugar os povos ao seu redor. O objetivo é transformá-lo em um “Estado vilão”, como o Iraque de Saddam Hussein nos anos 90 e o que os americanos vêm tentando fazer há quarenta anos, reconhecidamente sem muito sucesso, com a República Islâmica do Irã. Se os estrategistas americanos alcançassem seu objetivo, a Rússia perderia seu prestígio e se encontraria tão isolada na cena internacional quanto desacreditada pela opinião pública mundial.

Este ensaio visa destacar aspectos da guerra informacional e psicológica, que está sendo travada em várias linhas: bloquear o acesso à informação objetiva e livre para a sociedade ocidental em particular, de acordo com os objetivos dos EUA; adotar um viés sistemático na apresentação da informação, demonizando um lado do conflito e branqueando o outro; disseminar informações falsas e rumores; e estender a guerra ao ciberespaço.

Bloqueio do acesso à informação e falta de mídia objetiva

Os líderes dos EUA e da UE proibiram a Russia Today (RT) e a Radio Sputnik de transmitir nos EUA e na Europa em inglês, francês, alemão e espanhol. Em 27 de fevereiro de 2022, a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, explicou a proibição das transmissões de RT e Sputnik pelo desejo de impedir a disseminação de “desinformação tóxica e prejudicial” na Europa. “Outro passo sem precedentes é que vamos proibir a máquina de mídia Kremlin na UE. As empresas estatais Russia Today e Sputnik, assim como suas subsidiárias, não poderão mais espalhar suas mentiras”, disse von der Leyen. [1]

Mas isto era muito pouco para a elite política ocidental. O sexto pacote de sanções contra a Rússia inclui a proibição de todos os canais de televisão e rádio russos na UE, incluindo os dedicados à música e entretenimento. Como a maioria dos europeus não fala russo, a proibição provavelmente se destina a privar a diáspora que fala russo de informações. Em 3 de junho de 2022, a UE suspendeu a transmissão em seu território de três canais de televisão russos sob jurisdição estatal: Rossiya RTR / RTR Planeta, Rossiya 24 / Russia 24 e TV Center International. A União Europeia descreve o uso desses canais pelo governo russo como “ferramentas para manipular informações e divulgar desinformações sobre a operação militar na Ucrânia, incluindo propaganda, com o objetivo de desestabilizar os países vizinhos da Rússia, bem como a UE e seus Estados Membros”. Alguns Estados da UE foram além das exigências do sexto pacote de sanções: por exemplo, o governo letão proibiu a transmissão de 80 canais de televisão russos em seu território. [2] Ao mesmo tempo, os países bálticos facilitaram a disseminação de ideias da oposição liberal russa, que propagou a retórica derrotista. Notadamente, o canal de TV de oposição Dojd, que suspendeu suas transmissões em março deste ano, foi autorizado a transmitir a partir da Letônia. [3]

Assim, a única fonte de informação sobre a situação na Ucrânia disponível para o público ocidental é sua própria mídia, a mídia livre do mundo livre. No entanto, eles são tão livres quanto eles dizem? A professora Heidi Legg, do Departamento de Jornalismo da Universidade de Harvard, realizou um estudo no qual constatou que 20 a 25 famílias eram proprietárias de 150 grandes veículos de comunicação dos EUA. Seu relatório é intitulado “Um Projeto de Pesquisa de Mídia de Massa Mostra Quem Exatamente É Dono das Notícias nos Estados Unidos” [4]. O estudo foi motivado pela descoberta de pesquisas sociológicas de que a maioria dos americanos desconfia do conteúdo de programas noticiosos de televisão e rádio. Em pesquisas recentes, 72% dos cidadãos americanos classificaram as agências noticiosas e outros meios de comunicação como insatisfatórios em sua cobertura jornalística. Ao mesmo tempo, o número de agências e serviços de notícias nos EUA vem crescendo constantemente. Somente nos últimos três anos, 230 serviços de notícias não-comerciais surgiram no país. Entretanto, após verificar suas fontes de financiamento, acontece que todos eles são financiados pelo Google (bilionário Sergey Brin), Facebook (bilionário Mark Zuckerberg), ou magnatas da mídia como Rupert Murdoch. Em tal situação, o enviesamento de notícias é inevitável.

E isto, de acordo com o estudo de Heidi Legg, é o que parece o cenário da maior mídia de massa dos Estados Unidos. A famosa publicação de Internet Wikipedia, que é a principal fonte de referência para a comunidade educacional americana e europeia, é propriedade do Google. A propósito, o artigo sobre a operação especial na Ucrânia na edição russa da Wikipédia se intitula “A invasão russa da Ucrânia”. O Fox Group, que inclui o famoso canal Fox News, que fornece a maior parte das notícias, é controlado pelo magnata de mídia australiano Rupert Murdoch, de 90 anos. O mesmo Murdoch é proprietário do New York Post e do Wall Street Journal (WSJ), que é uma autoridade no mundo dos negócios. A agência de notícias CNN é dirigida por uma subsidiária conjunta da Discovery Media e Warner Media (a famosa Warner Brothers, com sede em Hollywood). A ABC News é propriedade da Disney, da qual Robert Iger é o acionista majoritário. Sua rival NBC News é propriedade da Comcast, que é propriedade de Brian Roberts. Por sua vez, a CBS News é controlada pela Viacom CBS (família Redstone). A Comcast é proprietária da EW Scripps Local TV em parceria com o conhecido especulador financeiro Warren Buffett. A agência de notícias empresariais Bloomberg é propriedade do ex-prefeito de Nova Iorque, bilionário Michael Bloomberg.

Vários jornais populares, revistas e portais de Internet são propriedade da Hearst Communications. A família Hearst controla 18 jornais diários e as revistas de moda Esquire e Harper’s Bazaar. O famoso jornal Washington Post, que já dominou o mundo dos jornais, caiu sob o controle de uma das pessoas mais ricas dos EUA, o proprietário da Amazon Jeff Bezos. O segundo jornal americano mais popular, o New York Times, é de propriedade da família Ochs Sulzberger. Advance Publications é de propriedade da família Newhouse. Ela publica as revistas New Yorker, Vogue e Vanity Fair. A revista Insider é de propriedade da editora alemã Axel Springer. Desde a morte em 1984 de seu fundador, um famoso magnata da mídia e aventureiro, a empresa pertence a seus sócios Roberts, Kravis e Kohlberg. [5] A Tribune Publishing Company (proprietária do Chicago Tribune, um dos maiores jornais americanos, e outros 10 jornais diários) é o segundo maior grupo de mídia dos EUA e é de propriedade do Alden Global Capital hedge fund. A Capitol Hill Publishing é controlada pelos amigos do ex-presidente Donald Trump Rudy Giuliani, Jimmy Finkelstein e John Solomon. Foi este grupo de mídia, de acordo com Heidi Legg, que difundiu teorias conspiratórias sobre a guerra na Ucrânia através da mídia controlada. O Daily Beast é propriedade da IAC/Interactive Corp, uma empresa de mídia dirigida por Barry Diller. O Los Angeles Times, o jornal mais lido na costa oeste dos Estados Unidos, é propriedade do casal bilionário Patrick e Michele Soon-Shiong, de origem chinesa. A Boston Globe Media Company, que controla o famoso jornal americano The Boston Globe, é propriedade da família dos magnatas John e Linda Henry, que também são proprietários do Liverpool Football Club. A revista Time é controlada pelos proprietários do Sales Force Marc e Lynne Benioff. US News and World Report é controlado pelo bilionário canadense-americano Mortimer Zuckerman, que financia tanto os democratas quanto os republicanos.

O quadro não é muito melhor no Reino Unido, onde os principais veículos de comunicação não estão mais nas mãos de vinte, mas de quatro a cinco famílias. Por exemplo, a Reuters, que foi fundada em meados do século XIX pelo Barão Julius Reuter e há muito fornece informações precisas e imparciais, é propriedade da Thompson Corporation (encabeçada pelo bilionário canadense David Thomson). O jornal de negócios Financial Times é propriedade do gigante japonês da mídia Nikkei[6]. O mesmo Rupert Murdock controla os jornais mais famosos do London Times, o Sunday Times e o Sun. No século XIX e primeira metade do século XX, todo cavalheiro britânico que se respeitasse começava sua manhã lendo The Times. Quanto ao jornal The Sun, esta mídia outrora séria foi transformada nas mãos de Murdoch em um tabloide dedicado aos escândalos da família real e aos divórcios de celebridades e escapadas sexuais. É neste tabloide que, desde dezembro de 2021, avisos de uma iminente invasão russa da Ucrânia têm sido publicados regularmente. Com base na circulação impressa desses jornais e seus visitantes da Internet (38 milhões por mês), a Associação de Jornalistas Independentes da Grã-Bretanha estimou que Murdoch controlava 25% da imprensa britânica.

O primeiro lugar é ocupado pelo proprietário dos jornais Daily Mail e Metro Jonathan Harmsworth, Visconde Rothermer. A família Rothermer há muito tempo ocupa posições de destaque tanto na aristocracia quanto na mídia britânica. Tem uma participação de 35,5% na circulação de impressos e atrai 54 milhões de visitantes online. Em terceiro lugar está Evgeny Lebedev, o filho do ex-oligarca russo Alexander Lebedev, que emigrou para Londres em 2010. Ele é proprietário dos jornais London Evening Standard e The Independent (8% da produção impressa e 25 milhões de visitantes on-line). É irônico que um jornal chamado The Independent seja agora propriedade de um russo recém-rico que fugiu para o Reino Unido devido a problemas legais em seu país de origem. O quarto lugar é ocupado pelas próprias publicações de Frederick Barclay: The Telegraph com 5% da produção impressa e 25 milhões de visitantes online. [7] O único jornal verdadeiramente independente na Grã-Bretanha é o The Guardian.

Segundo a organização europeia de jornalismo Media News Monitor, o risco de concentração nas mesmas mãos dos meios de comunicação britânicos é muito alto, chegando a 70%. O mesmo fenômeno infeliz pode ser observado na Espanha, Finlândia e em vários países da Europa Oriental. [8] Já em março de 1931, o então primeiro-ministro britânico Stanley Baldwin acusava a mídia, concentrada nas mãos de oligarcas locais, de orquestrar campanhas sistemáticas de mentiras e sabotagem do governo. Ele chamou a mídia de “motores de propaganda, servindo à política inconstante, atitudes e vindicação dos vícios pessoais de seus proprietários – Rothermer e Beaverbrook”. Como podemos ver, desde então, a situação só piorou. Testemunhe o fato de que desde julho de 2019 – quando Boris Johnson tomou posse – até o final de setembro de 2020, representantes dos três maiores conglomerados de mídia – a News Corp de Rupert Murdoch, a DMGT do Visconde Rothermer e a empresa de Frederick Barclay – reuniram-se quarenta vezes com o Primeiro Ministro e ministros do governo, mais do que representantes de todos os outros meios de comunicação juntos.

Em 2016, a mídia de propriedade da Rothermer, Murdoch e Barclay desempenhou um papel decisivo na escolha de 52% dos britânicos para deixar a União Europeia (Brexit) [9]. Esta decisão política e econômica provou ser extremamente dolorosa para a maioria dos cidadãos ingleses, mas serviu aos interesses a longo prazo dos grandes magnatas financeiros da cidade de Londres. Ao mesmo tempo, deu um poderoso impulso para uma nova aproximação entre a Grã-Bretanha e seus “primos” americanos. Uma vez libertados dos “grilhões europeus”, Londres se apressou para uma maior integração com os estados anglo-saxões do bloco AUCUS (Austrália, Grã-Bretanha, Canadá, EUA). O relevante jornalista britânico Peter Oborne escreveu: “Os grandes proprietários da mídia (Rothermer, Murdoch e Barclay) formam o núcleo da base de apoio de Johnson. Eles o ajudaram a tornar-se um líder Tory, o apoiaram em sua ascensão ao poder e o protegeram dos escândalos políticos que assolaram Johnson durante seu tempo como Primeiro Ministro. A classe bilionária colocou seu homem, Boris Johnson, em residência em Downing Street três anos atrás. Ele os serve porque sabe o que eles querem. Johnson é o ápice de um sistema de governança que lhes dá contratos lucrativos, garante seus privilégios, destrói a regulamentação, ataca o Estado de Direito, restringe os direitos dos trabalhadores e coloca o mercado acima do Estado. O gênio de Boris Johnson é que ele faz isso enquanto finge estar do lado das pessoas comuns que trabalham. É por isso que os superricos amam Boris, o idiota útil dos bilionários. [10] A prioridade desses barões da mídia não é a objetividade, mas a rentabilidade e a sustentabilidade de seus próprios negócios. Assim, não se deve esperar objetividade ou mesmo neutralidade das publicações anglo-saxônicas quando se trata de cobrir o conflito militar na Ucrânia.

Os objetivos profundamente enraizados dos EUA no conflito ucraniano

A elite norte-americana não quer uma vitória militar ucraniana em nenhuma circunstância. A tarefa de Washington é, antes de tudo, enfraquecer o máximo possível a Federação Russa. Os americanos (ou seja, a classe política americana, não os cidadãos americanos comuns) querem destruir a Rússia como concorrente, atrasá-la vinte anos em seu desenvolvimento econômico, difamá-la aos olhos da opinião pública mundial, tornando-a um Estado-pária. O segundo objetivo dos EUA é conter a China. Desde 2013, o governo da RPC vem implementando o programa “Cinturão & Rota”, que provavelmente levará à hegemonia econômica chinesa na Eurásia. Um elemento do programa é o estabelecimento de rotas rápidas de comunicação da região Ásia-Pacífico (APR) para a Europa Ocidental, o que aumentará muito o comércio entre essas regiões do mundo. Depois disso, é provável que os EUA tenham que esquecer a Parceria Comercial Transatlântica. As empresas chinesas já compraram os portos do Pireu na Grécia e de Trieste na Itália. Em 2017, o comércio entre a China e a Alemanha atingiu 187 bilhões de euros, enquanto o comércio entre a China e a França e o Reino Unido atingiu 70 bilhões de euros, respectivamente. Um papel importante na implementação do programa “Cinturão & Rota” foi desempenhado pela Rússia e pela Ucrânia. Uma das ramificações da Nova Rota da Seda era percorrer o território russo até São Petersburgo com uma saída posterior para a Polônia e Alemanha. Em 2013, a RPC concluiu uma série de acordos com o governo ucraniano de Viktor Yanukovych sobre investimentos em larga escala na Crimeia. A península deveria se tornar um centro comercial na bacia do Mar Negro [11].

Todos estes planos foram frustrados pelas sanções sem precedentes impostas à Rússia pela União Europeia e explodidas por Washington. Outro objetivo provável dos estrategistas americanos era causar danos irreparáveis à economia europeia, a fim de derrubar seu principal concorrente. O diplomata italiano Marco Carnelos, ex-embaixador italiano no Líbano e na ONU, escreveu: “A Europa fez duas tentativas de suicídio bem executadas. Estas foram a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais. Os anais futuros da história podem se lembrar de 24 de fevereiro de 2022 como a terceira tentativa de apagar-se da história. A União Europeia, como um sonâmbulo, caminha em direção ao abismo, agarrada pela cegueira e por instintos gregários. Ela já impôs uma cascata de sanções à Rússia ditada por Washington. Estas sanções atingirão inevitavelmente a economia europeia e reduzirão sua competitividade. Tanto por sua política quanto por sua segurança, a UE está se tornando um apêndice institucional da OTAN”[12].

Infelizmente, vozes como a de Marco Cornelos raramente chegam ao público ocidental porque estão fora do discurso dominante. Entretanto, seu discurso é compartilhado por alguns de seus pares. Por exemplo, no jornal Asia Times de 24 de fevereiro deste ano, apareceu o artigo de David Goldman “Biden empurra Putin para os braços de Xi” [13]. Neste documento, Goldman argumenta que o curso anti-russo de política externa do governo democrata Biden levou a Federação Russa a lançar uma operação militar na Ucrânia. O especialista americano pergunta: “Por que nós americanos estamos tão preocupados com a segurança da Ucrânia e da Geórgia e ignoramos as preocupações de Moscou com a segurança nacional russa”? Goldman observa que ele queria originalmente publicar este artigo no New York Times, mas seu artigo foi rejeitado como “muito pró-russo”. Isto é tanto mais surpreendente quanto David Goldman não é um forasteiro, mas um representante da elite americana. Em 1981-1988, ele foi consultor econômico na administração de Ronald Reagan e um dos autores de suas reformas econômicas liberais.

Viés de mídia

Os fatos e realidades do conflito na Ucrânia são apresentados na mídia ocidental de uma forma extremamente parcial e tendenciosa. Isto diz respeito, antes de mais nada, às causas da guerra. A Ucrânia é apresentada como uma vítima inocente da agressão gratuita da Rússia. Isto ignora o fato de que durante oito anos (2014-2022) o lado ucraniano realizou bombardeios sistemáticos ao Donbass, que resultaram na morte de 14.000 civis e no êxodo de uma parte significativa da República Popular de Donbass e da República Popular de Lugansk para a Rússia. A mídia ocidental finge ignorar que os governos de Petro Poroshenko e Volodymyr Zelensky sabotaram a implementação dos acordos de Minsk e chantagearam continuamente a Rússia, ameaçando aderir à OTAN e adquirir armas nucleares.

O viés da mídia no tratamento das principais questões políticas e sociais é ilustrado nos artigos do colunista David Ignatius, do Washington Post. Deve-se notar no início que David Ignatius não é apenas um jornalista qualquer. No passado, ele foi funcionário da CIA e manteve vínculos com as elites políticas dos EUA e os chefes do Pentágono e das agências de inteligência. Por sua própria admissão, ele já visitou a Rússia 6-7 vezes, inclusive durante a era soviética. Consequentemente, seu nível de análise deve ser mais alto do que o de outros jornalistas americanos. Entretanto, Ignatius, ao discutir aspectos do conflito na Ucrânia a partir de uma perspectiva anti-russa, ou trivializar os fatos ou os manipula deliberadamente.

Sobre sanções contra indivíduos

Em 24 de maio de 2022, o Washington Post publicou um artigo de Ignatius intitulado “Por que me entristece que meu nome esteja na lista de retaliação russa” [14]. Nele, ele enumera em detalhes os políticos, congressistas, oficiais da justiça e ministros norte-americanos que estão proibidos de entrar na Federação Russa. Ao fazer isso, David Ignatus nega claramente a evidência de que a lista de sanções russas era apenas uma resposta às sanções dos EUA contra indivíduos e entidades russas. Vamos voltar à linha do tempo por um momento.

Em 27 de fevereiro de 2022, a União Europeia havia imposto sanções contra os 351 deputados da Duma que haviam votado em 15 de fevereiro a favor de um apelo ao Presidente Putin com um pedido de reconhecimento das Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk (o chefe diplomático da UE, Josep Borrell, anunciou na época que pretendia privar os deputados da Duma de “fazer compras em Milão, noites em Saint-Tropez e diamantes em Antuérpia”). Também foram aplicadas sanções a 27 indivíduos e entidades que haviam “ameaçado ou prejudicado a integridade territorial, a soberania e a independência da Ucrânia”, incluindo o Ministro da Defesa russo Sergei Shoigu, o Presidente do Banco VTB Andrei Kostin, o apresentador de TV Vladimir Soloviov, a CEO do RT Margarita Simonian e o Presidente do Banco VEB Igor Shuvalov. Em 3 de março, os EUA impuseram sanções contra o secretário de imprensa presidencial Dmitry Peskov, o chefe do Grupo MetalloInvest Alisher Usmanov e outros. As sanções incluem exclusão do sistema financeiro dos EUA, congelamento de bens e bens, possível processo criminal e confisco de seus bens. Os EUA também impuseram restrições de visto a 19 oligarcas russos e 47 membros de suas famílias e associados. Deve-se notar que uma proporção significativa desses indivíduos não só faz parte do círculo interno do Presidente Vladimir Putin, mas muitos deles tornaram-se “generais” da economia russa antes de tomar posse. Em 9 de março, a UE e os EUA adicionaram mais 160 pessoas à lista de sanções, incluindo 146 membros do Conselho da Federação. Em contraste, as sanções de retaliação russas só foram introduzidas no final de maio. Foram os americanos e seus parceiros europeus, não o governo russo, que fizeram tudo para garantir que o Ocidente não tivesse mais nenhum interlocutor na Federação Russa.

Sobre o papel político da Igreja Ortodoxa

David Ignatius mostra um viés semelhante quando se trata de assuntos da igreja na Ucrânia. Em 5 de maio, o mesmo Washington Post publicou um artigo “Ataque russo à Ucrânia dobra como uma guerra religiosa”. Ignatius observa: “O presidente russo Vladimir Putin reacendeu a rivalidade religiosa em seu famoso ensaio de julho de 2021, no qual lançou as bases emocionais para uma futura invasão. Alegando que russos e ucranianos estão ligados por uma herança ortodoxa comum, ele condenou os ucranianos que criticamente argumentaram que a Rússia havia interferido impiedosamente na vida da igreja e a levou ao cisma. A versão de Putin é apoiada pelo Patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, Cirilo, mas é fortemente rejeitada pelos líderes de outras comunidades ortodoxas, sobretudo pelo mais velho do cristianismo oriental, o Patriarca Ecumênico da Igreja de Constantinopla, Bartolomeu, que representa 1.500 anos de tradição bizantina”[15]. O jornalista americano comenta ainda o aspecto “religioso” da operação especial russa na Ucrânia: “Nós vemos Putin como um líder secular e autoritário. Mas ele é também um crente ortodoxo, a quem sua mãe deu um pendente de cruz nos dias sem Deus dos comunistas. Cirilo se tornou seu aliado, convencendo o povo russo da necessidade de atacar e conquistar o país vizinho eslavo e de restaurar a ordem entre os crentes rebeldes”. Ignatius afirma ainda: “O Patriarca Bartolomeu tentou uma reconciliação no ‘Santo e Grande Conselho’ de 2016 em Creta, mas Cirilo adotou a política da cadeira vazia. Em 2018, Bartolomeu reconheceu oficialmente a independência da Igreja ucraniana de Moscou. Em resposta, Cirilo quebrou todos os laços com ele e negou sua superioridade (?! – ed.). Foi assim que o Patriarca de Moscou provocou o cisma da Igreja”. [16].

Aqui, cada palavra é uma mentira ou uma omissão. Em primeiro lugar, não pode haver nenhuma questão de superioridade do Patriarca de Constantinopla sobre as outras cabeças das Igrejas Orientais. Já no século V da era cristã, os patriarcas de Antioquia, Jerusalém, Alexandria, Constantinopla e Roma foram reconhecidos como perfeitamente iguais em direitos. Em segundo lugar, a cisão da Igreja na Ucrânia não começou em 2 de março de 2022, quando os cismáticos da Igreja Ortodoxa Ucraniana pararam de comemorar o nome do Patriarca Cirilo em suas orações, nem mesmo em 2018, mas em 1990-1992.

Em 1990-1991, após a legalização da Igreja Greco-Católica Ucraniana na Ucrânia Ocidental, os uniatas assumiram as paróquias da Igreja Ortodoxa Russa em três regiões da República Socialista Soviética Ucraniana. Isto era frequentemente acompanhado de espancamentos ou mesmo assassinatos de padres ortodoxos. Filareto Denissenko, que foi por muitos anos a legítima metropolitana e chefe do exarcado ucraniano da Igreja Ortodoxa Russa, denunciou veementemente estas ações. Entretanto, em 1990, o Patriarca Pemeno da Igreja Ortodoxa Russa morreu e foram realizadas eleições. Filareto estava entre os candidatos para sucedê-lo e esperava vencer com a ajuda dos comunistas, mas ele chegou em terceiro lugar. O Metropolita de Leningrado e Novgorod Aleixo II (Ridiger) tornou-se o novo Patriarca da Igreja Ortodoxa Russa. Posteriormente, Filareto solicitou o status de autocefalia completa para a Igreja Ortodoxa Ucraniana, esperando liderar, se não a Igreja Russa, pelo menos a Igreja Ucraniana, que em 1990 havia assinado um alvará com a Igreja Ortodoxa Russa, estipulando que doravante gozaria de ampla autonomia e completa independência administrativa. Em novembro de 1991, Filareto quis pressionar sua vantagem e convocou um conselho da Igreja Ortodoxa Ucraniana, onde exigiu que todos os bispos assinassem uma convocação para a autocefalia. Entretanto, os ortodoxos ucranianos não estavam prontos para romper seu vínculo de oração com a Igreja russa e não aceitaram a ideia da autocefalia total. Quatro meses depois, no Concílio de Bispos da Igreja Ortodoxa Russa no Mosteiro Danilov, a maioria dos bispos ucranianos expressou sua desconfiança em relação a Filareto. Ele foi censurado por sua gestão tirânica e seu modo de vida imoral, dada a proibição de monges terem esposas e filhos. Filareto jurou perante a cruz se demitir. No entanto, o outrora leal pastor de Moscou e agente da KGB tornado cismático e independente não cumpriu sua palavra. Com a ajuda do Presidente Leonid Kravchuk e dos deputados da Rada, ele decidiu formar uma aliança com seus antigos inimigos, ou seja, os nacionalistas e os autocefalistas. Assim nasceu a Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Kiev. Deve-se notar que de toda a Igreja Ortodoxa Ucraniana, apenas dois bispos seguiram o cisma filaretino. Em contraste, quando o Metropolita Vladimir, que se tornou Primaz da Igreja Ortodoxa Ucraniana no lugar de Filareto, chegou à estação ferroviária de Kiev, dezenas de milhares de fiéis estavam presentes para recebê-lo [17].

Por trás das tentativas de apoiar Filareto parecem estar não apenas as ambições da elite política ucraniana de então, ex-comunistas que de repente se tinham tornado nacionalistas, mas também os desenhos de certos círculos ocidentais. Em primeiro lugar, elas prejudicaram a posição da Igreja Ortodoxa Russa na Ucrânia, cortando assim um canal importante para a futura integração dos dois países. Em segundo lugar, enfraqueceu-se as posições da própria ortodoxia ucraniana. Três igrejas ortodoxas apareceram simultaneamente no país: a Igreja Ortodoxa Russa do Patriarcado de Moscou (incluindo a maioria dos crentes), a Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Kiev e a Igreja Ortodoxa Autocefálica Ucraniana.

Por desobedecer à Igreja em 1992, Filareto foi excluído da Igreja. Em 1997 ele foi excomungado da Igreja e anatemizado por atividades cismáticas. A condenação de Filareto foi reconhecida por todas as Igrejas locais, a começar pela Igreja de Constantinopla, na pessoa do Patriarca Bartolomeu. Entretanto, em 2018, sua posição mudou radicalmente, encorajada pelo Presidente Petro Poroshenko. Seus funcionários do governo não fizeram segredo de suas intenções, admitindo que o projeto de uma nova estrutura religiosa era uma tecnologia política pré-eleitoral. Como diz o estrategista político de sua equipe, Taras Berezovets: “Você pode dizer que esta é uma tecnologia pré-eleitoral comum. E será verdade, porque 36% da população apoia uma igreja limpa e única na Ucrânia. Em abril de 2018, após uma viagem ao Fanar (residência do Patriarca Bartolomeu em Istambul), Poroshenko anunciou que havia concordado com o Patriarca Bartolomeu em criar uma nova igreja.

De onde veio essa virada por parte do Patriarca? O fato é que, apesar de seu alto título, o Patriarcado de Constantinopla praticamente não tem paroquianos em território turco. Após a expulsão dos gregos da Anatólia (1922), a população ortodoxa da Ásia Menor desapareceu. Após os pogroms de 1955 em Istambul por nacionalistas turcos, os últimos remanescentes da outrora florescente comunidade grega em Istambul deixaram a Turquia. O número de crentes ortodoxos na Turquia caiu para duas ou três mil pessoas. [18] Por outro lado, a Igreja em Constantinopla começou a interessar-se por seus exilados gregos da Turquia que encontraram refúgio no exterior. Assim, é a diáspora grega nos Estados Unidos e no Canadá que forma a base paroquial do Patriarcado de Constantinopla. Consequentemente, o orçamento da Igreja também depende de suas doações. Uma das pessoas mais influentes no Patriarcado de Constantinopla é o padre Alex Karloutsos, o Oficial de Relações Públicas da Arquidiocese Ortodoxa Grega da América. Além disso, Padre Alex é o Conselheiro Executivo da Fundação Faith: Uma Dotação para a Ortodoxia e o Helenismo, que financia as instituições da Arquidiocese Ortodoxa Grega dos Estados Unidos. O fundo se tornou assim um dos instrumentos de influência americana na Grécia. Padre Alex Karloutsos tem laços de amizade com bilionários americanos de origem grega. Graças a isso, ele se tornou o mais importante lobista da Arquidiocese Ortodoxa Grega da América. Karloutsos é amigo do ex-presidente americano George W. Bush, do atual presidente Joe Biden e, através de seu amigo íntimo, o multimilionário John Catsimatidis, de Hillary Clinton. Este eclesiástico e sua comitiva têm assim fortes argumentos para persuadir o Patriarca Bartolomeu a tomar decisões que lhes sejam favoráveis. [19] David Ignatius faria bem em levar tudo isso em consideração antes de escrever um artigo sobre a Ortodoxia na Ucrânia.

Sobre as acusações de fome organizada

Um outro exemplo de informação tendenciosa pode ser visto em acusações de que a Rússia está organizando uma fome global ao impedir que os cereais russos e ucranianos cheguem aos mercados internacionais. Por exemplo, em 5 de junho de 2022, o New York Times publicou um artigo de Declan Walsh e Valerie Hopkins, “A Rússia procura compradores de grãos saqueados da Ucrânia”. Os autores da nota do artigo: “A Rússia tem bombardeado, bloqueado e saqueado as reservas de grãos da Ucrânia. A capacidade de produção da cultura de grãos da Ucrânia é um décimo das exportações de grãos do mundo. Os Estados Unidos agora advertem que o Kremlin está se preparando para lucrar com este saque, vendendo este trigo para os Estados africanos afetados pela seca que enfrentam a fome. [20]” Que provas os jornalistas fornecem? Eles escrevem: “O Vice Ministro da Agricultura Vyssotski e outros ministros ucranianos têm acusado a Rússia de roubar grãos dos territórios ocupados do sul durante meses. A maior parte vem de silos nas regiões ocupadas de Zaporozhie, Kherson, Donetsk e Lugansk”. Em 2014-2016, apesar das hostilidades, as Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk exportaram suas mercadorias, grãos e produtos metálicos através do território ucraniano e como produção ucraniana. Isto foi vantajoso tanto para Donetsk quanto para Kiev. Entretanto, em 2016, o presidente ucraniano Petro Poroshenko anunciou um bloqueio econômico de Donbass, cortando todos os vínculos existentes com esta região. Quanto às regiões Zaporozhie e Kherson, os agricultores dessas regiões precisam ganhar a vida com seu trabalho apesar do conflito militar, e é por isso que eles não têm outra escolha senão vender seus produtos através dos canais russos. Eles continuam a mencionar o aviso do Departamento de Estado americano aos Estados africanos para não comprarem “grãos roubados” da Rússia.

No entanto, em nenhum momento os repórteres do New York Times ou seus colegas fizeram uma tentativa séria de entender o problema do aumento dos preços dos alimentos no mercado mundial. Eis como a conhecida economista russa e insuspeita simpatizante pró-governamental Nikita Kritchevki comentou sobre o assunto: “Em 2021, a Rússia e a Ucrânia forneceram 75% do óleo de girassol, 29% da cevada, 28% do trigo e 15% do milho vendido no mercado mundial. Cerca de 50 países dependem da Rússia e da Ucrânia para pelo menos 30% de suas necessidades de trigo, com 26 países dependendo deles para mais da metade. A colheita de grãos do ano passado na Ucrânia foi sem precedentes (…) A propósito, sobre os maiores silos de grãos. Nenhum deles está localizado na zona de operação especial, todos eles estão localizados no centro, no oeste ou no sul do país. Assim, os russos, mesmo que quisessem, não poderiam tirar os grãos desses silos (ou, como você diz, roubá-los). Até 1 de julho deste ano, levando em conta a operação especial e o bloqueio mineiro dos portos, a Ucrânia espera ter vendido, na melhor das hipóteses, 47 milhões de toneladas de grãos. Poderia ter vendido mais? E a razão não são os ‘maus’ russos, mas a capacidade de produção dos portos locais, que não ultrapassa 1,2 a 1,5 milhões de toneladas por mês. E estes não são meus cálculos, mas a opinião do chefe da Associação Ucraniana de Grãos, Nikolai Gorbachev”. [21]

Mais adiante, Kritchevsky observa que, segundo especialistas da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), os preços dos alimentos atingiram um recorde mesmo antes do início da operação militar especial na Ucrânia. Assim, em fevereiro de 2022, o índice de preços de alimentos da FAO atingiu uma nova alta, superando o pico de fevereiro de 2011 em 2,2% e subindo em 21% em comparação com 2021. Isso não aconteceu por causa da Rússia, mas por causa da questão monetária durante a pandemia, dos altos preços da energia, dos fertilizantes e de outros recursos agrícolas. [22]

Além disso, a liderança ucraniana abandonou sistematicamente qualquer tentativa de resolver o problema da exportação de grãos. No início da operação especial, o exército ucraniano minou o porto de Odessa e uma série de outros portos do Mar Negro, “atirando no próprio pé”. Em maio deste ano, o governo ucraniano rejeitou uma proposta do presidente bielorrusso Alexander Lukashenko de exportar grãos através de seu território, alegando que Belarus era um Estado hostil. A exportação de grandes volumes de grãos (estamos falando de 4-5 milhões de toneladas por mês) por via ferroviária através da Polônia é impossível devido a problemas de infraestrutura, como é o caso do transporte fluvial através da Romênia. A questão ainda não foi resolvida: mais recentemente, em 29 de outubro, a Rússia anunciou que estava suspendendo sua participação no acordo que garantia continuidade do grão ucraniano após um ataque com drone a seus navios na Crimeia, pelo qual Moscou culpou a Ucrânia e a Grã-Bretanha [23].

Divulgação de notícias falsas e de rumores

As principais parcelas da guerra de informação ocidental devem ser distinguidas. Primeiro, existe o mito da agressão gratuita russa contra um pequeno Estado amante da paz que quer aderir à União Europeia. Em segundo lugar, a mídia ocidental serve à narrativa da luta entre uma “boa democracia” (Ucrânia) e uma “autocracia do mal” (Rússia). Terceiro, existe o mito da “crueldade do exército de ocupação russo”, acusado de massacres e estupros. Em quarto lugar, a imprensa desdobra uma narrativa sobre a ineficiência do sistema político e econômico russo, que se diz ser incapaz de resistir às sanções da “comunidade mundial”. O quinto tema diz respeito à suposta fraqueza das forças armadas russas, sua falta de preparação para uma longa campanha militar na Ucrânia. Esta falta de preparação, segundo os propagandistas ocidentais, se reflete em uma superestimação das capacidades do lado russo (“eles queriam tomar a Ucrânia rapidamente”), um comando pobre e um número baixo e insuficiente de pessoal nas forças terrestres russas para conquistar a Ucrânia.

Violações imputadas ao Exército Russo

Um dos temas favoritos na mídia ocidental é a descrição das atrocidades alegadamente cometidas pelo Exército Russo no território da Ucrânia, das quais uma parte considerável é dedicada ao tema do estupro. Mesmo alguns Chefes de Estado podem, às vezes, ser associados a ela. Por exemplo, em 27 de abril de 2022, a presidente eslovaca Zuzanna Chaputova dirigiu-se em russo às forças militares russas estacionadas na Ucrânia, convidando-as a “pôr fim a esta terrível guerra”. Sendo ela própria uma mulher jovem e atraente, ela chamou a atenção deles para o sofrimento das mulheres na Ucrânia. [24]

De forma semelhante, em 8 de junho de 2022, o Washington Post publicou um artigo de Loveday Morris: “Ela foi estuprada na Ucrânia. Quantas outras mulheres passaram pela mesma história de amor”[25] O artigo descreve a terrível história de uma residente de Mariupol de 19 anos chamada Katerina, que foi estuprada por soldados chechenos e afirma que existem “centenas, se não milhares, de casos assim”. Os mesmos números foram ecoados pelo embaixador dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield. Um exame atento revela a fonte desta “informação”: a comissária ucraniana Verkhovna Rada para os Direitos Humanos, Liudmila Denissova. Ela foi nomeada para este cargo em 2018, sob a presidência de Petro Poroshenko. Mas ela também trabalhou com a equipe de Zelensky. Eis o que Pavel Frolov, vice-presidente do comitê de procedimentos da Rada, culpou Denissova:

“A quantidade esmagadora de intervenções da mídia por parte da porta-voz sobre os detalhes de ‘crimes sexuais’ e ‘estupros de crianças’ nos territórios ocupados, quando eles não são apoiados por nenhuma evidência, só prejudicou a Ucrânia e desviou a atenção da mídia mundial das necessidades reais da Ucrânia”. Assim, os próprios parlamentares ucranianos reconheceram que as informações de Denissova são falsas. [26] De fato, parece que a porta-voz está um pouco obcecada com o tema do estupro. Como se apanhada em seu próprio jogo, ela começou a falar da violência sexual dos “invasores russos” não só contra mulheres jovens, mas também contra pensionistas, jovens rapazes e até mesmo homens adultos. Por exemplo, em uma entrevista em maio passado com o jornal suíço Blick, ela revelou: “Eles (os russos) violam para que as mulheres não possam mais ter filhos. Isto é claramente um genocídio. Os soldados estão seguindo a ordem pessoal de Putin para destruir o país… Homens e meninos também são violados”. [27]

As fantasias de Denissova não funcionaram para ela, pois os deputados da Rada a desqualificaram ao decidir demiti-la do cargo de ouvidoria em 31 de maio por 245 votos a favor. Despedida por suas falsas acusações, Denissova tentou mais tarde se justificar, alegando que havia inventado histórias de estupro para o bem de seu país. Denissova também disse que durante seu discurso no parlamento italiano ela havia notado um cansaço sobre a Ucrânia. Por esta razão, ela decidiu inventar histórias horríveis sobre estupros cometidos pelo exército russo, esperando provocar decisões no Ocidente em favor da Ucrânia. “Talvez eu tenha feito demais. Mas eu estava tentando convencer o mundo a nos dar armas e fazer pressão sobre a Rússia”, admitiu Denissova. [28] Este exemplo mostra como os meios de comunicação e os círculos políticos ocidentais aceitam com facilidade informações falsas de primeira.

Sobre a maternidade de Marioupol

Casos semelhantes de desinformação surgiram em março a respeito das imagens do bombardeio de uma maternidade em Mariupol, onde mulheres que estavam prestes a dar à luz quase perderam suas vidas. No dia 9 de março, a mídia ucraniana noticiou que a artilharia russa havia bombardeado uma maternidade. Entretanto, as circunstâncias do relatório, como relatado pela população local, indicam claramente que o tiroteio tinha sido deliberadamente encenado; de fato, segundo um dos habitantes de Mariupol, nos dias anteriores ao atentado, a maternidade municipal número 3 ainda estava cheia de mulheres grávidas, que tinham sido evacuadas na véspera. No entanto, de acordo com este mesmo homem e os moradores locais que estavam varrendo o vidro quebrado após a onda de choque, “literalmente em cinco minutos após o bombardeio, um grupo de jornalistas e carros da polícia chegaram ao local e começaram a bater fotos”. [29] Uma imagem particularmente chocou os espectadores ocidentais: a de uma jovem mãe emergindo do porão da maternidade após o bombardeio. Mais tarde, descobriu-se que esta mulher era uma blogueira conhecida, Marianna Vishemirskaya (Podgurskaya), que não estava nem um pouco grávida.

Sobre a fraqueza do exército russo

Quanto aos versos sobre a ineficiência das forças armadas russas, a vitória iminente das forças armadas ucranianas e dos batalhões neonazistas sobre os “ocupantes”, eles foram comuns durante o primeiro período da operação especial, durante a qual as forças armadas russas sofreram reveses, especialmente nas regiões de Chernihiv e Sumy. Após as recentes vitórias russas e o enfraquecimento das forças ucranianas, estas histórias desapareceram por si só. Por exemplo, o artigo de Roger Cohen e Mark Santora “A Situação na Ucrânia Mudou a Favor da Rússia”, publicado no New York Times em 11 de junho de 2022. Os jornalistas americanos observam: “A guerra na Ucrânia, que começou com fracassos russos quando as tropas russas tentaram, sem sucesso, tomar Kiev, parece estar tomando um novo rumo. A Rússia atingiu mais ou menos seus objetivos regionais. Ao mesmo tempo, a Ucrânia está passando por uma escassez de armas modernas e o apoio ocidental ao esforço de guerra está diminuindo diante dos altos preços do gás e da inflação desenfreada”. Lembre-se de que os comentaristas americanos às vezes se referem à Ucrânia como o mais fraco (ou seja, o oponente mais fraco, a vítima de um ataque). Os autores do artigo continuam dizendo: “Falando em uma videoconferência em Cingapura, o Presidente Zelensky prometeu novamente sua futura vitória. ‘Não há dúvida de que venceremos a guerra que a Rússia começou’, disse ele. No entanto, os primeiros dias da guerra, quando o azarão ucraniano reteve um agressor incompetente e os bombardeios indiscriminados do Sr. Putin uniram o Ocidente em cólera, estão começando a ser coisa do passado. Essa guerra está dando lugar ao que só pode ser descrito como um trabalho tedioso, que consiste em aumentar a pressão sobre os governos e economias ocidentais”. [30]

Sobre o uso cego pela mídia ocidental de fontes exclusivamente ucranianas ou pró-ucranianas

A consequência do bloqueio da mídia russa e das vozes dos jornalistas independentes, sejam eles ocidentais ou não (estamos pensando particularmente na mídia árabe ou latino-americana), é que a mídia de massa americana e europeia dependem exclusivamente de informações de funcionários ucranianos (seguindo o exemplo das afabulações de Denissova) ou propagandistas pró-ucranianos, como o famoso Dmitry Gordon, que é conhecido por suas posições russofóbicas. Este último admitiu recentemente em um de seus programas que faz mais pela guerra da informação do que o próprio governo ucraniano. Deve-se notar também que, ao descrever a situação nas zonas de conflito, os jornalistas ocidentais citam apenas os prefeitos e governadores nomeados pelo governo oficial em Kiev. Entretanto, é do conhecimento geral que muitos desses funcionários há muito abandonaram suas jurisdições e não estão, portanto, em condições de saber exatamente o que está acontecendo ali. Por exemplo, o jornal italiano La Repubblica tem um artigo em seu feed de notícias intitulado “Ucrânia: Os Horrores de Kherson revelados. 600 civis estavam em uma sala de tortura”. [31] Naturalmente, estas informações se referem às declarações do gabinete do presidente ucraniano. É surpreendente que os jornalistas devam repetir sem piscar os olhos as informações de funcionários ucranianos que não põem os pés em Kherson há mais de dois meses.

Da mesma forma, o Washington Post publicou um artigo de Reis Thebault intitulado “Riscos de cólera requerem quarentena em Mariupol”[32]. O autor se baseia exclusivamente em informações de funcionários ucranianos. Ele escreve: “Os líderes locais no exílio expressaram preocupação com o abastecimento de água da cidade. O vice-prefeito Petro Andruchtchenko disse que cadáveres e montanhas de lixo tinham envenenado fontes de água potável, colocando os residentes em risco de cólera, disenteria e outras doenças. Mais uma vez, vamos usar um pouco de bom senso: como Andriushchenko, que fugiu de Mariupol mesmo antes do início das hostilidades, pode conhecer a situação epidemiológica exata da cidade?

Guerra cibernética e danos à segurança cibernética do adversário

Desde o início da operação especial na Ucrânia, agências de inteligência ocidentais e grupos hackers têm se engajado na guerra cibernética contra a Rússia. Primeiro de tudo, o grupo hacker Anonymous declarou guerra à Rússia: os websites da Rússia Today, do FAS (Serviço Federal Antimonopolista) e do Ministério da Defesa foram temporariamente desativados. Além disso, desde 24 de fevereiro, vários locais do governo russo estão sob ataque DDoS. No entanto, alguns recursos foram protegidos pelo bloqueio de acesso aos usuários fora da CEI. Pavel Korosteliev, chefe da empresa “Código de Segurança”, explica que “enquanto antes lidávamos com cibercriminosos, agora podem ser unidades militares cujas ações visam de alguma forma neutralizar a infraestrutura crítica de um adversário potencial”. Segundo Koroshelyev, “a infraestrutura das organizações governamentais e militares está sob ameaça, assim como a do complexo de defesa e do setor financeiro”. [33]

Já na véspera de 24 de fevereiro, a infraestrutura de tecnologia da informação da Rússia havia sido posta à prova. Especialistas registraram uma onda de ataques em bancos de dados governamentais, bem como em sites da mídia regional e federal, disse ao jornal Kommersant o co-fundador da StormWall Ramil Khantimirov. Os visitantes do Kremlin.ru, do site do governo russo e da Duma também informaram sobre as interrupções. Desde a noite de 24 de fevereiro, a infraestrutura de TI das autoridades da Crimeia também tem sido alvo de ataques DDoS, informou Mikhail Afanassiev, o ministro da política interna, informação e comunicações da República. Estas ações também não pouparam as instituições financeiras: em 24 de fevereiro, Sberbank e AlfaBank foram vítimas de ataques DDoS, disse no Twitter Doug Madori, um especialista da empresa Kentik especializado em monitoramento e atividade de rede. De acordo com fontes da Kommersant, o Fundo de Pensão russo também foi alvo de ataques DDoS: em 20 de fevereiro, ele repeliu um ataque muito mais poderoso do que o habitual e agora antecipa ataques que interferem nas vulnerabilidades de software.

Conclusão

Nos primeiros dias da operação militar especial na Ucrânia, o Ocidente esperava derrotar a Rússia, sufocando-a com sanções econômicas. Washington e Bruxelas acreditavam que isolar a Rússia levaria a um colapso de sua economia, uma queda acentuada no padrão de vida russo e uma revolta social. Depois que a economia russa se aguentou e a Europa e os próprios EUA entraram em recessão e viram sua inflação disparar, sua percepção mudou significativamente.

Um artigo no jornal britânico The Guardian foi um bom indicador desta mudança. Em 2 de junho, o jornal publicou um artigo do jornalista de negócios Larry Elliot intitulado “A Rússia está ganhando a guerra econômica e Putin não está prestes a retirar suas tropas”, no qual ele escreveu: “As sanções têm sido contraproducentes para aumentar o valor das exportações de petróleo e gás da Rússia, impulsionando a balança comercial da Rússia e, ao mesmo tempo, a capacidade de Moscou de financiar a guerra na Ucrânia. Nos primeiros quatro meses de 2022, o superávit comercial da Rússia foi de US$ 96 bilhões, três vezes mais do que no mesmo período do ano passado”. Uma perspectiva muito mais sombria, segundo Larry Elliot, aguarda as economias da Europa e dos EUA. Ele diz: “O ataque russo à Ucrânia provocou um aumento de preços. A inflação anual no Reino Unido será de 9%, a maior taxa em quarenta anos. Os preços da gasolina bateram todos os recordes e o custo da cesta energética anual em outubro aumentará em £700-800. Após a guerra, as economias ocidentais passaram por um período de crescimento lento, até mesmo decrescente, acompanhado de uma alta inflação, ou seja, um retorno à estagflação dos anos 70. [34] Elliot conclui: “A reação contra as sanções significa explodir os preços dos combustíveis e dos alimentos para o resto do mundo, levantando o medo de uma catástrofe humanitária iminente. Portanto, mais cedo ou mais tarde, teremos de fazer um acordo com a Rússia”[35].

Pouco antes, Henry Kissinger, Conselheiro de Segurança Nacional e Secretário de Estado dos EUA de 1969 a 1977, cuja carreira foi marcada por muitas vitórias diplomáticas, havia falado no Fórum de Davos em 24 de maio, apelando para uma rápida conclusão da paz com a Rússia, mesmo às custas da cessão do território ucraniano. Nessa ocasião, Kissinger advertiu os Estados Unidos e o Ocidente contra a busca de uma vitória esmagadora sobre a Rússia, pois isso prejudicaria a estabilidade na Europa a longo prazo. Ele encorajou o Ocidente a forçar a Ucrânia a negociar com base no status quo ante, ou seja, na condição de Kiev desistir da Crimeia e do Donbass. O diplomata e acadêmico de 98 anos disse: “As negociações devem começar dentro dos próximos dois meses, antes que a guerra crie sérias dificuldades e reviravoltas difíceis de superar. Idealmente, um acordo terá de ser alcançado com base no status quo ante”[36].

No entanto, é duvidoso que os círculos governantes americanos e os políticos europeus, cegamente subservientes a eles, ouçam a voz da razão. Todos eles estão convencidos de que têm recursos ilimitados, que têm os meios para travar uma guerra de desgaste e que a economia russa e a maquinaria estatal entrarão em colapso primeiro. Naturalmente, o regime Zelensky se declarará vencedor, mesmo que tenha apenas três ou quatro regiões da Ucrânia sob seu controle. Os Estados Unidos, entretanto, estão cientes de que após sua humilhante derrota no Afeganistão, um segundo fracasso na Ucrânia significaria uma rápida perda da influência americana no mundo. É por isso que sua política hostil em relação à Rússia continua na ordem do dia. A este respeito, a guerra de informação contra a Federação Russa só se intensificará.

Assim, é possível prever várias direções principais para a política dos EUA a curto e médio prazo. Primeiro, enquanto nos estágios iniciais do conflito a mídia ocidental enfatizou que a Rússia era o inimigo da Ucrânia e do mundo das democracias ocidentais, o argumento de que a Rússia é o inimigo da humanidade, causando uma crise energética e alimentar, é agora cada vez mais ouvido. Em fevereiro-março de 2022, o Ocidente tentou organizar um bloqueio internacional completo da Rússia, mas sem sucesso. A maioria dos Estados do mundo não apoiou as sanções dos EUA. A China e a Índia estão expandindo sua cooperação econômica com a Federação Russa.

Assim, é possível prever várias direções principais para a política dos EUA a curto e médio prazo. Primeiro, enquanto nos estágios iniciais do conflito a mídia ocidental enfatizou que a Rússia era o inimigo da Ucrânia e do mundo das democracias ocidentais, o argumento de que a Rússia é o inimigo da humanidade, causando uma crise energética e alimentar, é agora cada vez mais ouvido. Em fevereiro-março de 2022, o Ocidente tentou organizar um bloqueio internacional completo da Rússia, mas sem sucesso. A maioria dos Estados do mundo não apoiou as sanções dos EUA. A China e a Índia estão expandindo sua cooperação econômica com a Federação Russa. A Turquia, um aliado oficial da OTAN, recusou-se abertamente a aderir às sanções. O mesmo acontece com a grande maioria dos estados árabes, como demonstrado tanto pela Arábia Saudita quanto pelos Emirados Árabes Unidos, que se recusaram a aumentar o nível de produção de petróleo, apesar dos repetidos pedidos de Washington. O Brasil, apesar da imagem pró-americana do presidente Jair Bolsonaro, anunciou que não imporia nenhuma sanção contra a Rússia. Além disso, Bolsonaro fez uma visita oficial a Moscou após o início da operação especial. A posição do Brasil é compartilhada por outros países latino-americanos, bem como pela maioria dos Estados africanos que se opuseram ao voto da ONU sobre a exclusão da Federação Russa do Conselho de Direitos Humanos. Agora os EUA e a UE não descansarão até persuadirem esses Estados a se unirem à frente anti-russa.

Em segundo lugar, o vilipêndio dos militares russos continuará, com base nas mesmas acusações de violência e crueldade. As vitórias militares das armas russas serão inevitavelmente acompanhadas de enormes perdas entre as unidades das Forças Armadas ucranianas, especialmente se elas se recusarem a se render. Em Mariupol, por exemplo, apenas 2.500 de um grupo de 15.000 foram feitos prisioneiros. O Presidente Zelensky choraria então genocídio contra o povo ucraniano.

Terceiro, a mídia americana e europeia continuarão a exagerar a gravidade das dificuldades econômicas da Rússia e a prever seu colapso econômico. Em vez das revoltas populares em massa que eles reivindicam, o povo russo se tornará ainda mais unido; para prova, as pesquisas de opinião indicam que a popularidade do Presidente Putin subiu para 85-86%. Consequentemente, a propaganda ocidental não terá como objetivo alimentar uma revolução – seja ela violenta ou aveludada – mas organizar uma sabotagem capaz de minar o sistema. Para isso, enviará mensagens ao aparelho administrativo russo e aos altos gerentes das grandes empresas estatais incentivando-os a deixar seus postos e optar por emigrar.

Em quarto lugar, a mídia de massa ocidental estará atenta a quaisquer sinais reais ou imaginários de fissuras na sociedade russa e entre suas elites. Eles falarão sobre uma “trama do Kremlin”, sobre o descontentamento dos oligarcas russos com o Presidente Putin, sobre uma possível revolução palaciana. A propaganda será destinada a agitar os antagonismos étnicos e religiosos, a fim de destruir a unidade do povo russo. Estas provocações serão realizadas não somente dentro da Federação Russa, mas também dentro das unidades militares russas estacionadas na Ucrânia. Confrontos semelhantes ocorreram em abril na região de Kherson; após um boato, uma unidade militar composta de recrutas de Buryatia trocou o fogo com uma unidade especial chechena. Teme-se que tais incidentes ocorram novamente no futuro.

Finalmente, quinto, a mídia ocidental desenvolverá uma narrativa de “resistência à ocupação russa” nos territórios ucranianos ligados à Rússia. É improvável que haja qualquer atividade insurgente significativa nesses territórios. Não esqueçamos que a Ucrânia passará por um inverno muito rigoroso e que as condições de vida nos novos territórios russos são melhores do que nos territórios ucranianos, devido aos recursos disponibilizados por Moscou. Assim, o mito dos “maquis ucranianos” permanecerá apenas um pensamento desejoso, que a mídia ocidental não hesitará em inflar e vender.

Notas

[1] https://www.rbc.ru/politics/27/02/2022/621bafbe9a79470c986fe87a?ysclid=l46slurbez318434628
[2] La Lituanie cessera la diffusion de 80 chaînes russes, RIA Novosti // В Латвии прекратят вещание 80 российских телеканалов – РИА Новости, 06.06.2022 (ria.ru), 06.06.2022 (ria.ru)
[3] La chaîne Dojd a reçu l’autorisation d’émettre en Lettonie // Телеканал «Дождь» получил разрешение на вещание в Латвии — РБК (rbc.ru), 6 juin 2022.
[4] Heidi Legg of Harvard University’s Future of Media project examines who owns the news in the US // https://pressgazette.co.uk/who-owns-us-news, 12 mai 2021.
[5] Heidi Legg, Ibid.
[6] Heidi Legg, Ibid.
[7] Ponsford D. Four men own Britain’s news media. Is that a problem for democracy? // https://www.newstatesman.com/business/2021/02/four-men-own-britain-s-news-media-problem-democracy, 12 février 2021.
[8] Ponsford, Ibid.
[9] Ponsford, Ibid.
[10] Oborne P. Boris Johnson: The billionaires’ useful idiot // https://www.middleeasteye.net/opinion/uk-boris-johnson-confidence-vote-billionaires-useful-idiot, 7 juin 2022.
[11] Escobar P. Why Europe is afraid of the New Silk Road.// https://asiatimes.com/2018/04/why-europe-is-afraid-of-the-new-silk-roads/, 25 avril 2018.
[12] Cornelos M. Is Europe sleepwalking toward the abyss in Ukraine? // https://www.middleeasteye.net/opinion/russia-ukraine-war-europe-power-decline, 13 avril 2022.
[13] Goldman D. Biden throws Putin in the Xi’s briar patch.// https://asiatimes.com/2022/02/biden-throws-putin-into-xis-briar-patch/, 24 février 2022.
[14] Ignatius D. Why I’m sad to be on all-purpose Russian payback list // Opinion | David Ignatius: Russia’s travel ban list saddened me — and not just because I’m on it – The Washington Post, 24 mai 2022.
[15] Ignatius D. Russia’s assault on Ukraine is entwined with a religious war // Opinion | Patriarch Kirill, leader of the Russian Orthodox Church, has been Putin’s ally in the Ukraine invasion – The Washington Post, 5 mai 2022.
[16] Ignatius, Ibid.
[17] Le schisme et la profession : tout le drame de la religion orthodoxe en Ukraine // https://spzh.news/ru/zashhita-very/67194-drama-ukrainskogo-raskola-polnaja-versija, 19 décembre 2019.
[18] Zeïev V., L’organisation canonique des paroisses locales orthodoxes // Конспект по истории Поместных Православных Церквей – Православная электронная библиотека читать скачать бесплатно (pravmir.ru)
[19] Analyse d’experts. Les liens du Patriarcat de Constantinople et de la CIA // Константинопольский патриарх связан с Госдепом США и ЦРУ – эксперты (tsargrad.tv), Novosti 24, 16 octobre 2018.
[20] Walsh D., Hopkins V. Russia seeks buyers for plundered Ukrainian grain, US warns // The New York Times Russia Seeks Buyers for Plundered Ukraine Grain, U.S. Warns – The New York Times (nytimes.com), 5 juin 2022.
[21] Kritchevski N., Des chiffres effrayants ont été révélés au sujet des exportations de grains en Ukraine. Mais c’est encore la faute de la Russie // https://www.mk.ru/economics/2022/05/24/vskrylis-uzhasayushhie-cifry-ob-eksporte-zerna-s-ukrainy.html, 24 mai 2022.
[22] Kritchevski, Ibid.
[23] Guerre en Ukraine: la Russie suspend sa participation à l’accord sur les exportations de céréales, https://www.lefigaro.fr/international/guerre-en-ukraine-la-russie-suspend-sa-participation-a-l-accord-sur-les-exportations-de-cereales-20221029, Le Figaro, 29 octobre 2022.
[24] Slovak president calls on Russian troops to “end this terrible war // https://spectator.sme.sk/c/22895259/slovak-president-calls-on-russian-troops-to-end-this-terrible-war.html, 27 avril 2022.
[25] Morris L. She was raped in Ukraine. How many others have love stories like her? // She was raped in Ukraine. How many others have stories like hers? – The Washington Post, 8 juin 2022.
[26] Les affabulations de Denissova. La médiatrice a été limogée à Kiev suite à ses rapports sur des «viols de masses » // https://aif.ru/politics/world/fantazii_denisovoy_ombudsmena_v_kieve_uvolili_za_massovye_iznasilovaniya?ysclid=l4e5d7bw1b, 1er juin 2022.
[27] Ukrainische Mütter marschieren heute in Zürich.// https://www.blick.ch/schweiz/zuerich/fuer-ihre-kinder-ihre-heimat-und-gegen-den-krieg-ukrainische-muetter-marschieren-heute-in-zuerich
id17536449.html, 30 mai 2022.
[28] Elle mentait pour l’Ukraine : l’ex-médiatrice Denissova a tout avoué, mais des questions demeurent // https://www.eg.ru/politics/2282902-mojet-ya-pereborshchila-eks-ombudsmen-ukrainy-denisova-priznalas-chto-sochinyala-feyki-o-zverstvah-rossiyskoy-armii/, Express Gazeta, 8 juin 2022
[29] Une vidéo mise en scène de toute pièce : un habitant de Maripoupol parle du tournage d’un reportage sur les conséquences du bombardement de la maternité locale // https://ria.ru/20220317/feyk-1778756507.html, Ria Novosti, 17 mars 2022.
[30] Santora M., Cohen R. Momentum in Ukraine Is Shifting in Russia’s Favor // https://www.nytimes.com/2022/06/11/world/europe/russia-momentum-ukraine.html, New York Times, 11 juin 2022.
[31] Corrado Z., Ucraina, la denuncia degli orrori de Kherson, https://www.repubblica.it/esteri/2022/06/07/news/la_denuncia_degli_orrori_di_kherson_nelle_camere_di_tortura_600_civili-352924512/, La Repubblica, 7 juin 2022.
[32] Thebault R. Cholera fears prompt quarantine in Mariupol, official says // https://www.washingtonpost.com/world/2022/06/06/mariupol-cholera-quarantine/, The Washington Post, 6 Juin 2022.
[33] Stépanova Y. La fraude invisible // Фрод без флангов – Бизнес – Коммерсантъ (kommersant.ru), Kommersant, 25 février 2022.
[34] Elliott L., Russia is winning the economic war – and Putin is no closer to withdrawing troops // https://www.theguardian.com/commentisfree/2022/jun/02/russia-economic-war-ukraine-food-fuel-price-vladimir-putin, The Guardian, 2 juin 2022.
[35] Elliott, Ibid.
[36] Henry Kissinger: Ukraine must give Russia territory // https://www.telegraph.co.uk/business/2022/05/23/henry-kissinger-warns-against-defeat-russia-western-unity-sanctions/, The Telegraph, 23 mai 2022.

Fonte: Strategika

Imagem padrão
Alexander Kouznetsov

Professor na Escola Superior de Economia de Moscou, especialista em geopolítica, política interna e elites políticas no Oriente Média e Ásia Central.

Artigos: 24

Deixar uma resposta