A OTAN planeja um Novo Expurgo dos Sérvios

As tensões no norte do Kosovo dão indicação de um novo projeto de limpeza étnica dirigido pela OTAN contra os sérvios na região.

Os sérvios estão “nas barricadas” mais uma vez. Os policiais albaneses do Kosovo continuam provocando os sérvios locais.

Eles perseguem apenas os sérvios e prendem os civis sérvios inocentes apenas no quase-falido Estado de Kosovo (e Metoquia).

Por exemplo, um sérvio foi preso e detido pela polícia somente porque vive no mesmo prédio onde está localizado o comitê eleitoral. Depois alguns outros também, em questão de poucos dias na semana passada.

Os shqiptari tirando infinitas fotos de si mesmos com seus dedos indicadores colados nos gatilhos de suas metralhadoras vão provar a brutalidade sem precedentes e a falta de escrúpulos dos policiais albaneses do Kosovo.

O objetivo de sua agenda oculta manobrada pela OTAN é ainda mais gritante agora em plena luz do dia política, em meio à crise da Ucrânia, na qual o Ocidente Coletivo procura uma chance de se livrar do esqueleto do Kosovo em seus armários políticos, sabendo muito bem que eles violaram o direito internacional, que cometeram um ato de agressão ilegal contra a Sérvia em 1999 e que ajudaram maciçamente os lacaios albaneses do Kosovo a autoproclamarem sua independência inconstitucional e ilegal em 2008.

Estranhamente, sempre que eles continuam a trotar que a Sérvia tem que reconhecer parte de seu próprio país como um país independente, o Ocidente Coletivo e seus chacais parecem estar ignorando o fato gritante de que nem um único país na Europa teve uma parte de seu país brutalmente tirada dela. Que eles estão tentando roubar uma parte de nosso território ilegalmente e fazer dele um Estado quase fracassado. Quase que já está. Falhou também. Muito (a Colômbia da Europa com tráfico de drogas, tráfico humano, colheita de órgãos pela máfia shqiptari para citar apenas alguns). Agora o esforço concertado dos EUA, UE, OTAN e do Ocidente Coletivo per se encontram vícios neste esqueleto em seus armários políticos e querem se livrar dele e, ao fazê-lo, querem ter certeza de convencer o mundo inteiro de que foi de fato a Rússia que violou a lei internacional na operação militar especial russa na Ucrânia.

Mas o Ocidente Coletivo parece estar encontrando oposição de vários outros países, na medida em que apontam o dedo aos EUA agora e corretamente, de modo que a OTAN e o Ocidente Coletivo têm feito muito o mesmo de forma muito pior e brutal, com demasiada frequência contra muitos países desde a Segunda Guerra Mundial.

O presidente sérvio Aleksandar Vucic colocou recentemente uma ênfase especial neste ponto na Assembleia Geral das Nações Unidas, que o Kosovo foi “reconhecido” incidentalmente em 2008 por falsas premissas e também coagiu vários outros países a fazer o mesmo sob a “coação política”, o que (seu discurso na ONU para a audiência) é algo com o qual o Ocidente ficou em grande parte irritado. Eles estão muito aborrecidos com o fato do Presidente Vucic dizer isto no Conselho de Segurança da ONU e a maneira como eles querem se livrar desta questão e lavar suas mãos é possivelmente acelerar a capitulação sérvia sobre esta questão, puxando uma carta de “quão atraente a UE é para um quase estado de Kosovo” e prometendo novos e atraentes investimentos para que a Sérvia seja forçada ou literalmente chutada em seus dentes para aceitar os termos na ponta de uma arma. Afinal, o Ocidente Coletivo já havia feito este tipo de coisa algumas vezes: coagir Slobodan Milosević, Momir Bulatović, Ivica Dačić e mais alguns literalmente à mão armada.

O Ocidente coletivo quer forçar Kosovo – um Estado quase fracassado – na ONU, mesmo sem que a Sérvia “o reconheça” em primeiro lugar, mas este reconhecimento e a entrada de Kosovo na ONU e em tantas outras organizações e sindicatos possíveis parece ser impossível e ilusório. Eles estão fechando suas fileiras políticas na medida em que empregaram muitas outras formas e táticas para tentar fazê-lo. Eles tentam provocar, pressionar e desencorajar a Sérvia para que ela se descarrile de seus pontos de vista e pontos de vista de princípio sobre a questão de Kosovo. Kosovo recebe o papel “ridiculamente grandioso” de “agente provocador” em nome do Ocidente Coletivo para enredar a Sérvia na areia movediça política. Como parte de sua agenda, eles estão anunciando novas formas de provocações cada vez mais brutais e possivelmente um incidente de falsa bandeira controlada em uma batalha política e em tempo real de nervos em um número infinito de provocações por parte dos shqiptari e daqueles que os empurraram para tudo isso. Sim, sim, a surpreendente semelhança com aqueles com Zelensky e o regime de Kiev vem à mente porque vimos tudo isso no espelho da crise na Ucrânia, no entanto, muito mais brutalmente e depois no Afeganistão, Líbia, Síria e muitos outros.

Por exemplo, Petro Poroshenko que foi “o mentor do arco” dos Acordos de Minsk. Mesmo ele deu a mesma declaração há seis meses atrás de que eles nunca haviam planejado cumpri-los. Pode-se estabelecer um paralelo político com o que Kurti afirmou em Berlim que Pristina nunca ouviu falar do “Acordo de Bruxelas e não sabe nada sobre ele”. Quão arrogante pode ser esse homem? Poroshenko, o homólogo fantoche da OTAN de Kurti na Ucrânia disse a mesma coisa. Seria coincidência demais.

Portanto, podemos esperar que algum futuro Merkel ou Baerbock em cinco a seis anos diga que eles não tinham intenção de implementar o Acordo de Bruxelas em Kosovo porque estavam apenas ganhando mais tempo. Catherine Ashton era a mediadora dos EUA na época. O Presidente Vucic mencionou estes acordos que a Sérvia assinou e implementou há alguns dias, como se segue:

1.Acordo de Kumanovo, 2. Carta da ONU, 3. Resolução 1244, 4. Acordo de Bruxelas e 5. Acordo de Washington.

Belgrado implementou tudo do Acordo de Bruxelas em todos os seus pontos. É então óbvio quem continua lançando entraves nos trabalhos do Acordo de Bruxelas e de outros acordos assinados até agora.

Nenhuma delas foi aplicada neste contexto de Kosmet por parte da OTAN, da UE ou de Pristina.

O Presidente Vucic pode não ter querido mencionar mais um elemento por razões diplomáticas, mas estes acordos que não foram aplicados foram, de fato, aprovados pelo Ocidente Coletivo.

Pristina não é sujeito do direito internacional, o que significa que, em teoria, eles são uma parte irrelevante.

Foram o Ocidente Coletivo que os aprovou, ou seja, as assinaturas do Ocidente Coletivo estão nos documentos e as assinaturas sérvias também estão lá. A Sérvia aplicou todas as cláusulas exigidas neles.

Pristina e o Ocidente Coletivo nada fizeram até hoje. Parece não haver espaço de manobra diplomática para a Sérvia dentro destas coordenadas atuais. Os membros do Parlamento Sérvio concordaram unanimemente esta semana que buscarão oficialmente a KFOR para fazer cumprir a parte da Resolução 1244 para trazer de volta nossas forças até 1000 policiais e soldados com a explicação de que os sérvios locais estão sujeitos ao mais brutal e insuportável pogrom, embora o presidente sérvio tenha dito que esperaríamos que a KFOR e o EULEX fizessem sua parte e que a Sérvia confiaria no EULEX e na KFOR por enquanto; a Sérvia buscará oficialmente o retorno de nossos 1000 policiais e militares a Kosovo e Metoquia.

Claramente, a Sérvia encontrará obstáculos para obter esta aprovação, mesmo que as razões formais para fazê-lo possam ser a favor da Sérvia.

O Presidente Vučić reafirmou que devemos depositar confiança na KFOR e no EULEX até o momento em que ocorrer o oposto político.

Se o pedido sérvio for recusado, eles terão que fornecer a elaboração sobre os fundamentos legais e as razões para a rejeição.

Era uma resolução vinculante e dá o mesmo significado a todas as suas diretrizes tanto para o lado sérvio quanto para o lado albanês no conflito; ambos os lados tiveram que aplicar todas as cláusulas da Resolução sob a ameaça de utilizar forças armadas pelo Conselho de Segurança se ambos os lados não as aplicassem por qualquer razão. Mas no momento em que a Resolução foi assinada e aprovada, a OTAN encontrou uma desculpa esfarrapada para o adiamento, na medida em que o comandante da KFOR foi investido do poder discricionário de decidir por conta própria o envio de tropas militares sem qualquer elaboração. Cabe ao comandante da KFOR como um especialista militar determinar o momento apropriado para fazer isso, mas esse momento certo tem que ser dentro de um prazo razoável e não se pode prolongá-lo para sempre. Zoran Djindjić, o falecido Primeiro Ministro sérvio (brutalmente assassinado em 2003 por uma mão estendida da OTAN) também apresentou o mesmo pedido da ONU, Boris Tadić recusou com a elaboração que nossos soldados e policiais, nesse caso, seriam meros pombos de barro políticos, que teriam caído presas aos extremistas shqiptari. Se a OTAN quisesse acabar com esse dever obrigatório para que a KFOR assumisse o comando dentro do prazo razoável, isso seria contra o Conselho de Segurança da ONU e o status de não-seversibilidade obrigatório dessa resolução integralmente, o que significa que ela deve ser aplicada e executada respeitando sua não-seversibilidade, não sendo uma diretriz menos importante do que qualquer outra.

Para não esquecer, no momento em que a Resolução foi aprovada, Bernard Kushner chegou lá, tendo recebido as instruções do Secretariado, então veio Richard Holbrooke, EUA. Embaixador na ONU, para pedir publicamente a Kushner que não desse ouvidos às instruções do Secretariado, mas que fizesse o que julgasse adequado, Em outras palavras, ele tinha em mente formas “americanas” de fazer as coisas, ou seja, privar a Sérvia de qualquer forma de sua própria presença legal e política em Kosovo e Metoquia “com a máxima conveniência profissional”, ou seja, o mais rápido possível a qualquer custo. O que ele fez a uma velocidade indevidamente acelerada. Outros simplesmente seguiram o exemplo. Significou a ausência de “boa fé política” dos EUA para aplicar esta Resolução da maneira como ela foi destinada, porque pressupunha a soberania sérvia sobre Kosovo e Metoquia. Se abordarmos a questão do envio de forças militares para Kosovo até 2022 agora, isso não mudará as relações das forças militares, mas será um gesto simbólico para afirmar e reafirmar a aplicação da Resolução. Os Estados Unidos, por meio da OTAN, receberam o poder discricionário de “governar” em Kosovo e Metoquia desta forma. A Sérvia só pode supor que se recusará a trazer de volta nossos 1000 soldados e policiais sérvios para lá sob o falso pretexto de que não é o momento certo para fazê-lo. Nesse caso, a Sérvia deve buscar mais explicações no Conselho de Segurança da ONU sobre a razão pela qual a Resolução 1244 não está sendo aplicada com seu aspecto essencial de não-seversibilidade. Além disso, cabe à Sérvia solicitar gentilmente respostas da OTAN, também conhecida como KFOR, sobre o que aconteceu com o retorno das pessoas deslocadas devido à guerra. Nomeadamente, eles deveriam retornar a Kosovo e Metoquia auxiliados pela KFOR e EULEX e pelas instituições competentes. A lista dos pedidos a que a Sérvia tem direito de acordo com a Resolução 1244 é bastante longa e certamente há muito esperada. A Sérvia é inflexível em afirmar que Kosovo e Metoquia sempre farão parte da Sérvia, não importa o que aconteça. Você pode acreditar em nossa palavra e em nosso zavet kosovski.

Fonte: Strategic Culture

Imagem padrão
Tatiana Obrenovic

Analista geopolítica sérvia.

Artigos: 24

Deixar uma resposta