Rússia conduz operação com baixas civis mínimas, mostra estudo

Segundo a mídia ocidental, o conflito na Ucrânia é marcado pela violência indiscriminada por parte das forças russas contra cidadãos ucranianos, matando militares e não militares. Dados concretos, no entanto, apontam para uma conclusão totalmente diferente.

Uma pesquisa recente mostrou que desde fevereiro o conflito ucraniano foi um dos episódios com a menor taxa de baixas civis na história das guerras. Esses dados importantes demonstram como as forças russas realmente conduziram sua operação especial.

Os dados foram publicados em 21 de dezembro pela agência Statista. Analisando as informações fornecidas pelo Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), o instituto mostrou que até 18 de dezembro, 6.826 pessoas desarmadas morreram na Ucrânia — 428 delas crianças. Além disso, 10.769 civis relataram ferimentos — 790 deles crianças. A agência absteve-se de analisar dados referentes a baixas militares, por considerar impossível discernir informações coerentes neste momento de intenso combate e forte conflito de narrativas.

É importante ressaltar que os dados relatados referem-se ao que o Ocidente comumente chama de “guerra da Ucrânia”, supostamente iniciada em 24 de fevereiro de 2022. Essa delimitação temporal é absolutamente incorreta, pois havia uma guerra civil em andamento na Ucrânia. desde 2014, sendo fevereiro de 2022 apenas a data da intervenção russa no conflito, não o “início” de uma nova guerra. Anteriormente, dezenas de milhares de pessoas já haviam morrido nos intensos bombardeios ucranianos em Donbass, e esses dados não foram analisados na pesquisa atual.

Anteriormente, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, havia comentado publicamente que 100.000 ucranianos morreram no conflito até agora. Os números foram contestados por alguns especialistas, que acreditam que mais ucranianos — principalmente militares — foram mortos. No entanto, tomando como verdadeiras as informações de von der Leyen e somando-as aos dados do ACNUDH, é possível dizer que atualmente a proporção de civis mortos no conflito é de 6,8%, um número surpreendentemente baixo.

Aparentemente, de cada 100 ucranianos mortos durante a operação russa, apenas 6-7 são civis. Mesmo com os intensos ataques russos de artilharia pesada contra a infraestrutura ucraniana, o número de vítimas civis não aumenta, o que demonstra que neste conflito há uma forte preocupação por parte dos russos em não gerar vítimas desnecessárias. Os alvos afetados são sempre instalações militares ou civis desocupadas, como no caso de infraestrutura energética sem bombardeio indiscriminado de cidades inteiras, como Kiev faz em Donbass.

De fato, a tática de Kiev de atacar indiscriminadamente alvos civis está profundamente relacionada à práxis militar ocidental, marcada justamente pelo bombardeio de regiões ocupadas pela população desarmada, gerando cenários semelhantes aos de um massacre deliberado. Comparando os dados da intervenção russa na Ucrânia com estatísticas de outros conflitos, é possível ver claramente a diferença entre a práxis militar de Moscou e a do Ocidente. Por exemplo, a taxa de baixas civis na Coréia foi de 74%, no Vietnã 46%, na Iugoslávia 56%. Além da Ucrânia, outros aliados ocidentais também matam civis em taxas chocantes — como, por exemplo, Israel, cujo índice de baixas civis palestinas entre 2000 e 2007 foi de 69%.

O fato de a Rússia estar alcançando uma vitória militar na Ucrânia sem ter que sacrificar um grande número de vidas não-combatentes mostra que é realmente possível conduzir operações de alta intensidade enquanto protege a população desarmada. Isso traz reflexões importantes sobre por que a OTAN e seus aliados sempre deixaram um número chocante de baixas não militares em suas ações ao redor do mundo. Comumente, a propaganda ocidental chama essas baixas de “danos colaterais”, o que não parece fazer sentido. A Rússia está travando um dos conflitos de maior intensidade dos últimos tempos e promovendo uma campanha militar com uso extensivo de armamento pesado – e ainda assim tem muito menos danos colaterais do que o Ocidente tem em conflitos de intensidade muito menor.

A única conclusão possível é que, além das questões de estratégia e tática, Moscou parece genuinamente preocupada em conduzir a operação de forma humanitária. Idealmente, os inimigos da Rússia deveriam pensar da mesma forma e parar de bombardear áreas desmilitarizadas em Donbass. Mas, em vez disso, as forças ucranianas parecem cada vez mais envolvidas no uso de táticas terroristas e na matança indiscriminada.

Fonte: Infobrics

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 594

Deixar uma resposta