Entre Vocação Pastoral e Realismo Geopolítico: A Doutrina Bergoglio para a Paz

Por causa do status eclesiástico e espiritual do Papa Francisco comumente se esquece que ele é um Chefe de Estado. Enquanto Chefe de Estado, Francisco tem tentado se posicionar como figura “intermediária” no conflito entre Rússia e OTAN, promovendo a sua própria “doutrina” e tentando influenciar a Europa em uma direção neutra.

O Papa Francisco sobre o conflito russo-ucraniano lançou a “doutrina Bergoglio”, uma forma católica de diplomacia, uma “geopolítica da misericórdia” projetada em direção à Paz que combina a visão católica das relações internacionais (vocação universalista, compromisso com o equilíbrio das rivalidades, abertura transversal ao diálogo) com um realismo substancial baseado em algumas pedras angulares claras.

A “Guerra Fria 2.0”

A certeza, em primeiro lugar, de que a rivalidade internacional subjacente à guerra na Ucrânia é algo comparável em intensidade e perigo à Guerra Fria. Uma Guerra Fria 2.0 ou, como Bergoglio a chama, uma “terceira guerra mundial em pedaços”, na qual os diferentes planos devem ser mantidos distintos, mas podem se somar.

Portanto, se por um lado o Papa denuncia a futilidade de qualquer guerra de agressão e enfatiza o sofrimento dos civis ucranianos, por outro não deixa de apontar como a guerra indireta entre Moscou e o Ocidente, em um mundo privado dos controles e equilíbrios da era da Guerra Fria, corre o risco de levar as classes dirigentes do planeta, como os sonâmbulos, à ruína.

A “doutrina do Bergoglio”, uma mensagem para a Europa

A percepção, em um segundo nível, de que quando é a Europa que está sangrando, é hora de o mundo levar a sério cada ameaça. E, em certo sentido, o impulso para a Europa se tornar uma plataforma mediadora. Quando em 14 de setembro, na Festa da Exaltação da Santa Cruz, o Vaticano deu seu imprimatur à adoração eucarística promovida pelas conferências episcopais de paz do continente, a mensagem que a Igreja Católica e o Papa queriam dar era clara. Nomeadamente o convite às classes dirigentes do Velho Continente para considerarem um papel mais ativo da Europa para a paz, para uma paz de dignidade e que não deixe sementes de crise em uma Europa frágil.

Vastos programas, para citar o General De Gaulle. Mas até hoje ninguém na Europa parece se importar tanto com o futuro do Velho Continente como um centro propulsor de assuntos globais, como uma área do mundo capaz de competir pelo alcance de sua história, cultura e influência como o velho Pontífice que veio “do fim do mundo”, muitas vezes considerado pelos críticos e também por vários admiradores como um líder que tem dificuldade em entender a Europa. O Pontífice convidou Vladimir Putin a “parar, nem que seja por amor a seu povo, esta espiral de violência e morte”; sobre Volodymyr Zelensky a “estar aberto a propostas sérias de paz”; e sobre todos os “protagonistas da vida internacional e os líderes políticos das nações”, com referência implícita aos Estados Unidos e à China, a “fazer tudo o que estiver ao seu alcance para pôr um fim à guerra atual”. Mas de quem é esperado um movimento profundo e sistêmico? Da Europa, investido pelo conflito em sua periferia e a quem se pede uma resposta proporcional. O apoio à autodefesa ucraniana, este é o discurso de Bergoglio elaborado sobretudo através das palavras do Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin, faz sentido se for feito com a proporcionalidade de um objetivo político preciso. Emmanuel Macron tentou, em alguns casos, fazer deste raciocínio o seu, para o resto na Europa até hoje parece prevalecer o sonambulismo.

A “doutrina do Bergoglio” na Itália

Na Itália, ao mesmo tempo, no discurso público, o apelo do Papa para que a paz seja entendida sob a forma de destaque diplomático europeu, na consciência de interesses não necessariamente convergentes com os dos Estados Unidos, está tendo múltiplos intérpretes. O ex-primeiro ministro Giuseppe Conte falou sobre isso em uma entrevista com Avvenire, formulando sua própria proposta concreta sobre como avançar em direção a uma solução de paz: “Paz”, disse Conte, “não pode ser uma palavra associada a fraqueza. E as palavras do Papa Francisco certamente não enfraquecem a comunidade internacional”, acrescentou ele. “Até agora, a Europa não se aproximou”: infelizmente, “parece totalmente achatada por esta estratégia anglo-americana, e isto me preocupa para futuros cenários geopolíticos. Estamos falando de uma guerra em solo europeu e, na situação atual, até mesmo uma possível negociação de paz aconteceria por cima das cabeças de nossos países”.

Para a Conte, “a UE deve promover uma conferência internacional de paz, a ser realizada na Europa sob a égide das Nações Unidas, com o pleno envolvimento do Vaticano”. O ex-primeiro-ministro transformado em líder do Movimento Cinco Estrelas foi ecoado, na margem direita do debate político, pelo jornalista católico Antonio Socci, que apontou como o futuro governo italiano de centro-direita, potencialmente liderado por Giorgia Meloni, poderia desempenhar um papel diplomático de ponte com a Santa Sé e os aliados europeus: “representando a Itália, Meloni, ao estabelecer um forte relacionamento com a Santa Sé, buscando interlocutores como Macron e Merkel, pode promover na UE uma iniciativa de paz que finalmente devolva à Europa seu peso político, para evitar o sofrimento pesado e pesadelos atômicos para nossos povos. Isso seria um verdadeiro europeísmo. Um grande renascimento da UE”, observou Socci no Libero.

É sintomático que tanto Conte como Socci identifiquem Mario Draghi como o arquiteto de uma estratégia política pró-guerra que afasta a Itália de um papel concreto na mediação de paz estruturada. E o dualismo Bergoglio-Draghi, embora certamente não totalizando o pluralismo de opiniões na Itália, pode ser uma das chaves para entender o posicionamento político da opinião pública italiana sobre a guerra em seus primeiros sete meses.

O pesadelo atômico

O terceiro e decisivo ponto da “doutrina Bergoglio” é a percepção de que as grandes potências são, nesta fase, entrando com tudo. E, portanto, da necessidade de desobstruir o terreno para evitar atingir a “fronteira do Apocalipse” evocada em 1975 por Giorgio La Pira, o recurso à arma atômica. Bergoglio vê em 2022 os sonâmbulos à frente das grandes potências rumo a um inevitável destino belicoso, e como o Papa Bento XV na época da Grande Guerra e o Papa João XXIII na época da Guerra Fria, ele busca uma alternativa radical. Apontado certamente para o Evangelho, mas também capaz de projeção diplomática.

O que é a “doutrina Bergoglio”, senão a primeira tentativa de fazer incursões na desordem global desta mesma fase gramsciana na qual o velho mundo unipolar é declinado, mas na qual as promessas do chamado “multipolarismo”, da arquitetura policêntrica das relações internacionais, ainda são lentas de se materializar. Mais prosaicamente, Bergoglio, juntamente com Parolin, observa a anarquia mundial que é contrária à vocação diplomática da Santa Sé de se opor aos opostos e à fina tecelagem diplomática destinada a consolidar as premissas para a paz e o diálogo. Nesta fase, o apelo sincero do Papa tem um peso adicional, quase profético, no qual o realismo geopolítico (a Europa não pode ser o epicentro de possíveis confrontos entre grandes potências), a visão escatológica (a bomba atômica, mesmo que apenas evocada, é um desastre) e a diplomacia multilateral (o Vaticano não tem divisões, mas tem a credibilidade de uma grande potência) se unem.

Ciente de que o “fim da paz” desencadeado pelo colapso da União Soviética pode levar, em sua deterioração, a um fim da História muito mais trágico do que o descrito por Francis Fukuyama, e perenemente contra a maré, pontífice antes de pontífice, Bergoglio oferece um caminho contra a inevitabilidade da guerra. Muito mais articulado do que a simples redução ao pacifismo doutrinário com o qual suas declarações são frequentemente arquivadas na mídia. Um verdadeiro “carregar a cruz” de sua própria missão social, humana, política e pastoral. “Para Pedro e para os outros discípulos – mas também para nós! – a cruz é uma coisa inconveniente, um escândalo”, disse Francisco em um Angelus em agosto de 2020, “enquanto Jesus considera um escândalo fugir da cruz, o que significaria se esquivar da vontade do Pai, da missão que Ele lhe confiou para nossa salvação”. Nenhuma passagem passada do Papa é tão marcante quanto esta ao descrever por que a “doutrina Bergoglio” é perseguida de forma obstinada pelo Papa. E representa a única maneira verdadeira de a Europa ser uma construtora de Paz.

Fonte: Osservatorio Globalizzazione

Imagem padrão
Andrea Muratore

Analista geopolítico e econômico italiano. Bacharel em Ciências Políticas, Econômicas e Sociais pela Universidade de Milão. Mestre em Economia e Ciência Política.

Artigos: 24

Deixar uma resposta