A UE rumo à Militarização

A União Europeia nasceu como um projeto de integração econômica liberal-globalista, mas se tornou uma extensão da OTAN. Enquanto antes se negava qualquer perspectiva de um Exército Europeu, hoje já se fala abertamente na militarização da UE. Como isso está acontecendo?

Em 10 de novembro de 2022, a Comissão Europeia revelou um novo plano de ação, Mobilidade Militar 2.0. Em paralelo, foi publicada a “Estratégia de Defesa Cibernética da UE”.

De acordo com documentos oficiais, seu objetivo é “enfrentar a deterioração do ambiente de segurança após a agressão da Rússia contra a Ucrânia e melhorar a capacidade da UE de proteger seus cidadãos e sua infraestrutura”.

De acordo com Margrethe Vestager, vice-presidente executiva da Comissão Europeia, “hoje, não há defesa da UE sem defesa cibernética. Portanto, as duas estratégias são interligadas e complementares”.

Em resumo, o Plano de Ação para a Mobilidade Militar deve ajudar os militares europeus a responder melhor, mais rapidamente e em escala suficiente às crises nas fronteiras externas da UE e além delas. Ela deve reforçar a capacidade da UE de apoiar os Estados-Membros e parceiros no transporte de tropas e seus equipamentos. Ela também visa fortalecer a cooperação com a OTAN e facilitará a comunicação e o diálogo com parceiros-chave. No contexto da atual posição da UE sobre a Ucrânia, assim como o fortalecimento do flanco oriental da OTAN, esta iniciativa significa um movimento em direção a um maior confronto com a Rússia, assim como a atracção de Estados que ainda não são membros da UE ou da OTAN para a órbita de influência da UE.

Com base nas realizações do primeiro plano de ação lançado em 2018, a nova mobilidade militar cobre o período 2022-2026 e inclui:

  • Identificação de potenciais lacunas na infraestrutura, informando ações futuras para priorizar melhorias e integrar os requisitos da cadeia de abastecimento de combustível para apoiar os movimentos em larga escala das forças armadas a curto prazo;
  • Digitalização de processos administrativos relacionados a alfândegas, logística e sistemas de mobilidade militar;
  • Medidas para proteger as infraestruturas de transporte de ataques cibernéticos e outras ameaças híbridas;
  • Facilitar o acesso a veículos de entrega estratégica e maximizar sinergias com o setor civil para melhorar a mobilidade militar, especialmente por via aérea e marítima;
  • Melhorar a eficiência energética e a resiliência climática dos sistemas de transporte;
  • Reforçar a cooperação com a OTAN e os principais parceiros estratégicos como os Estados Unidos, Canadá e Noruega, facilitando ao mesmo tempo o envolvimento e o diálogo com parceiros regionais e países do alargamento como a Ucrânia, a Moldávia e os Balcãs Ocidentais.

O Plano propõe outras ações para garantir a movimentação rápida, eficiente e sem obstáculos de forças potencialmente grandes, incluindo pessoal militar e seus equipamentos, tanto no contexto da Política Comum de Segurança e Defesa da UE quanto para atividades nacionais e multinacionais, notadamente no âmbito da OTAN.

O foco estratégico deste Plano de Ação é a necessidade de desenvolver uma rede de mobilidade militar bem conectada, composta por:

  • corredores de transporte multimodais, incluindo estradas, ferrovias, vias aéreas e vias navegáveis interiores;
  • rotas com infraestrutura de transporte de dupla utilização capaz de servir o transporte militar;
  • nós de transporte e centros logísticos que fornecem o apoio necessário aos países anfitriões e de trânsito para facilitar a movimentação de tropas e de material;
  • Regulamentos, estatutos, procedimentos e mecanismos administrativos digitais harmonizados;
  • Melhoria da sustentabilidade, resiliência e prontidão do transporte civil e militar e da capacidade logística.

Portanto, serão necessários recursos significativos para reorganizar as rotas e os centros logísticos da UE, bem como para ajustar a legislação às necessidades militares. Na verdade, trata-se de uma militarização das políticas internas, tanto da própria UE quanto dos membros individuais da comunidade. Isto deve ser realizado no âmbito da PESCO (Cooperação Estruturada Permanente) e em estreita coordenação com a OTAN. As infraestruturas serão renovadas através de uma revisão da iniciativa de transporte transeuropeu. Os procedimentos de travessia de fronteiras intra-UE também serão simplificados. Em paralelo, serão realizados exercícios em grande escala, incluindo exercícios multinacionais no âmbito da OTAN.

No que diz respeito à cibersegurança, está prevista uma atenção especial para o setor de transporte civil e seus sistemas de apoio, incluindo sistemas de gestão de tráfego (aéreo, ferroviário, marítimo), sistemas de gestão de terminais de contêineres, sistemas de controle para eclusas, pontes, túneis, etc. A recentemente adotada Diretiva de Segurança de Redes e Informações (NIS2) atualizada no setor de transportes deve ser rapidamente implementada. Também está previsto que as informações necessárias serão trocadas para garantir a mais completa consciência situacional possível entre os setores de transporte militar e civil. Isto será feito pela Rede Europeia de Organizações Cibernéticas de Enlace de Crise (EU – CyCLONe). A importância de utilizar as capacidades espaciais da UE para este fim também é mencionada.

Em geral, há uma tendência para o fortalecimento da interdependência euroatlântica, pois além da OTAN, que é uma organização parceira fundamental, são mencionados outros participantes do projeto de mobilidade militar PESCO, notadamente os Estados Unidos, Canadá e Noruega. Espera-se também que a Grã-Bretanha se junte a este projeto PESCO em breve, uma vez que os procedimentos relevantes estejam concluídos.

Significativamente, em paralelo, a França também apresentou sua estratégia de defesa nacional. Ela também se concentra na cooperação com a UE e a OTAN, bem como na segurança cibernética, nas armas nucleares e nas guerras híbridas. Mas a estratégia da França é mais detalhada e quase três vezes maior do que o Plano da UE.

No total, ela contém dez objetivos estratégicos.

  1. manter um dissuasor nuclear confiável O conflito na Ucrânia “demonstra a necessidade de manter um dissuasor nuclear confiável para evitar uma grande guerra” que seja “legítimo, eficaz e independente”, enquanto reitera “a necessidade de manter a capacidade de compreender e conter o risco de escalada”.
  2. Aumentar a resistência aos desafios de segurança militares e não tradicionais (manipulação de informações, mudança climática, caça de recursos, pandemias, etc.) promovendo um espírito defensivo e assegurando a coesão nacional. Para este fim, a França está implementando uma estratégia nacional de resiliência destinada a fortalecer sua capacidade de resistir a qualquer perturbação na vida normal do país. Além disso, o serviço universal nacional será estendido de forma incerta; Macron disse que dará detalhes no primeiro trimestre de 2023.
  3. Assegurar que a indústria francesa apoie o esforço de guerra a longo prazo, construindo reservas estratégicas, relocalizando as linhas de produção mais sensíveis e diversificando os fornecedores. Isto faz lembrar a ideia de uma “economia de guerra” que Macron apresentou pela primeira vez na conferência do Eurosatory, em junho de 2022.
  4. Aumentar a resiliência cibernética. “Não há meios disponíveis para criar uma defesa cibernética que impeça todos os ataques cibernéticos à França, mas melhorar sua segurança cibernética é essencial para preparar o país para novas ameaças”, diz o documento. Para isso, “os esforços nos setores público e privado devem ser intensificados”. Em particular, o documento afirma que “apesar do importante trabalho já realizado, a segurança cibernética do Estado tem uma margem significativa para melhorias” e “a segurança cibernética de todos os serviços públicos precisa ser significativamente melhorada”.
  5. O papel-chave da OTAN na defesa europeia, o papel da França nela e o fortalecimento do pilar europeu. O documento afirma que “a França visa manter uma posição única dentro da Aliança do Atlântico Norte. Ela ocupa uma posição exigente e proeminente em termos da especificidade e independência de sua política de defesa, em particular de sua política de dissuasão nuclear”. Acrescenta que, com base em sua credibilidade operacional, capacidade de resposta rápida e contribuição financeira, “a França pretende aumentar sua influência e a de seus aliados europeus para influenciar mudanças importantes na postura da OTAN e o futuro da estabilidade estratégica na Europa”. O documento observa que a França “exclui o alargamento [da adesão] a outras áreas geográficas, em particular a região Indo-Pacífico”.
  6. Reforçar a soberania europeia e desenvolver a indústria de defesa europeia. “A autonomia estratégica europeia depende de uma forte capacidade industrial de defesa europeia que responda a suas próprias necessidades” e para este fim “a França apoia a criação de um instrumento de curto prazo para a aquisição conjunta de equipamentos europeus”.
  7. Seja um parceiro confiável e um fornecedor de segurança confiável. O documento menciona uma relação aprofundada com a Alemanha, parcerias-chave com a Itália e a Espanha, parcerias estratégicas com a Grécia e a Croácia, uma parceria de desenvolvimento de capacidades com a Bélgica, menciona a Ucrânia, a Moldávia e a Geórgia, e observa que um “diálogo construtivo” com o Reino Unido deve ser “restabelecido rapidamente”. A parceria estratégica com os Estados Unidos “continuará essencial e deverá ser ambiciosa, sóbria e pragmática”. É feita referência às relações com os países africanos, o Golfo Pérsico, o Mediterrâneo e o Mar Vermelho, e a região Indo-Pacífico.
  8. Melhorar a inteligência. A França precisa continuar as profundas reformas de seus serviços de inteligência e seguir uma política “ambiciosa” de recrutamento e retenção. Ela também precisa investir em novas ferramentas técnicas que “terão que explorar o potencial da computação quântica e da inteligência artificial”.
  9. Defender e agir em guerras híbridas (combinações deliberadamente ambíguas de modos de ação direta e indireta, militar e não-militar, legítima e ilegítima, muitas vezes difícil de definir modos de ação). Será criada uma organização mais flexível, responsiva e integrada para “identificar, caracterizar, ativar mecanismos de proteção apropriados (…) e responder eficazmente”. Também estão sendo desenvolvidas ferramentas para combater as empresas militares privadas que são utilizadas como substitutos por potências hostis. A proteção da infraestrutura crítica também está sendo priorizada.
  10. Liberdade de ação e capacidade de conduzir operações militares. Trata-se da vontade das forças armadas francesas não apenas de se engajar em combates de alta intensidade, mas também de mobilizar suas forças o mais rápido possível e ser as primeiras a entrar no campo de batalha “com ou sem o possível apoio dos países aliados”.

Mais uma vez, há sérias ambições de se tornar o líder militar da Europa, com um compromisso de autossuficiência e o desenvolvimento de amplas parcerias. Embora contra o pano de fundo dos fracassos da França na África, que demonstraram uma fraca capacidade de combate, algumas posições serão bastante difíceis de preencher.

Considerando o aumento previamente anunciado da preparação de combate da Alemanha, do aumento dos orçamentos militares para o recrutamento de futuros soldados da Bundeswehr, vemos um quadro mais coerente que apresenta uma mudança na estrutura das forças armadas da UE com a clara implicação de que isto é contra a Rússia.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 24

Deixar uma resposta