A baleia branca

Recentemente, alguém do Oriente perguntou: como é para os ocidentais viver no Ocidente no outono de 2022, sob uma cabala de poder e uma ideologia de ódio, agora abertamente em guerra contra o mundo inteiro?

Durante décadas, uma cabala oculta, disfarçada no manto de “instituições democráticas” e “valores progressistas”, travou uma guerra por procuração sobre os povos ocidentais através da distorção cultural (educação “secular”, ciência “soteriológica”), desconstrução social (libertação das mulheres, revolução sexual) e deslocamento étnico (“fronteiras abertas”, “enriquecimento multicultural”), mas só recentemente, enfrentando as massivas ascensões indígenas da era Trump-Brexit, ela lançou sua máscara. No início de 2020, ela decidiu optar por um poder totalitário no ‘Great Reset’, combinando as novas capacidades da Big Pharma (bio-hacking, nanomedicina), Big Tech (vigilância, censura) e Big Government (legislação ‘pandêmica’, perseguição de ‘desinformação’) — tudo em benefício das Grandes Empresas e da Alta Fazenda (quebra de pequenas e médias empresas privadas, aquisição de imóveis familiares, imposição de escravidão por dívidas geracionais, financiamento estatal sem riscos de modelos de negócios farmacêuticos e militares politizados). A vigarice do ‘Covid’ (fechamento econômico, liminaridade social, trauma psicológico em massa), a vigarice ‘BLM’ (impunidade do terror nas ruas, justiça abertamente politizada, expropriação cultural) e a vigarice do ‘Biden’ (fraude legalizada, censura total, exibicionismo) foram os principais marcos nesta trajetória totalitária.

Uma vez assegurado o controle e silenciada a oposição, em meados de 2021, a cabala globalista sentiu-se suficientemente segura para dar seu primeiro passo substancial. Em um primeiro passo para subjugar e escravizar fisicamente as massas ocidentais, o lançamento da “vacina” serviu três propósitos simultaneamente: introduziu a primeira intervenção em massa fisicamente invasiva com tecnologia transumanista, forçou a dissonância cognitiva coletiva e identificou os não-conformistas remanescentes, religiosos e de pensadores livres. Seu segundo passo foi confrontar fisicamente e eliminar os principais desafiadores não ocidentais da “Admirável Nova Ordem Mundial” globalista. A “Crise da Ucrânia” fabricada artificialmente, não apenas amarrou a Rússia, o “inimigo número um do globalismo”, em uma guerra de atrito, mas também serviu convenientemente para ofuscar os efeitos cada vez mais horrendos de sua primeira jogada em casa. Um dos estratagemas básicos dos regimes totalitários (aspirantes a totalitários) é encobrir o terror interno através da guerra estrangeira: o genocídio armênio foi um show paralelo à Primeira Guerra Mundial, as atrocidades nazistas foram um show paralelo à Segunda Guerra Mundial, a campanha de tortura morte e estupros liderada pelos EUA na América Ibérica foi um show paralelo à Guerra Fria. Que melhor estratagema para silenciar as vozes que se multiplicavam em nome das centenas de milhares — talvez já milhões — de vítimas mortas, morrendo lentamente e permanentemente mutiladas do que aquilo que agora só pode ser descrito como o “Vacinocausto”? À medida que as “vacinas” fabricadas com mRNA-manipulador e nanopartículas ocidentais são cada vez mais expostas pelo que são, ou seja, armas biológicas propositalmente projetadas, e como a narrativa “Covid” está se desfazendo rapidamente sob o enorme peso de mentiras acumuladas, é útil desviar a atenção pública do inimigo doméstico (“antivax”) para o inimigo estrangeiro (“russo”), para que todos possam mais uma vez se sentir bem em se unir contra um alvo “designado”. Mas as guerras estrangeiras têm tendência a ser assuntos arriscados: é muito mais fácil aterrorizar, mutilar e matar seus próprios civis indefesos do que enfrentar, lutar e derrotar um exército estrangeiro bem motivado liderado por líderes comprometidos que estão determinados a abrir caminho através de suas teias de engano. A sorte da batalha não é tão facilmente manipulada como a “opinião pública” doméstica: por um tempo, a propaganda atroz e os sucessos locais podem aumentar artificialmente o “apoio popular” em casa, mas a triste realidade de estagnação, derrotas e fracassos no campo de batalha só pode ser disfarçada por um certo tempo.

E assim, a maior parte do Ocidente — mais agudamente a Europa Ocidental — encontra-se numa situação estranhamente paralela à da Europa ocupada sob o domínio nazista durante a Segunda Guerra Mundial: uma minoria promove e apoia ativamente a nova ocupação globalista-nazista, uma maioria a aceita passivamente e a apazigua — e uma minoria minúscula realmente se levanta contra ela. Quase ninguém o diz, mas todos o conhecem: as exigências da “guerra total” do regime de ocupação globalista, representada pela OTAN e pela UE, cuspida contra a Rússia e seus aliados eurasiáticos são irracionais e suicidas. Da mesma forma, quase ninguém o diz, mas todos o conhecem: o resultado da nova “guerra mundial”, travada mais uma vez principalmente nas fronteiras orientais da Europa, mais uma vez contra uma Rússia lutando por sua sobrevivência nua e mais uma vez contra uma aliança global de força sempre crescente, está longe de qualquer garantia. Um grupo relativamente pequeno, os colaboradores — políticos, jornalistas, acadêmicos — dizem o que precisam dizer para superar a tempestade e permanecer nas boas graças do regime. Um grupo um pouco maior, os especuladores de guerra — fabricantes de armas para reabastecimento de estoque, especuladores do mercado imobiliário de refúgio, empreiteiros do regime — obtêm lucros inesperados (e “verdes”). O grupo maior, as massas covardes, fazem o que sempre fazem quando há uma tempestade séria de qualquer tipo: mantêm a cabeça abaixada, abrigam-se e agarram-se a quaisquer pequenos recursos e respiros que os regimes lhes permitem. O grupo mais pequeno, algumas almas corajosas — ativistas, pensadores e publicitários de todas as tonalidades e matizes não-conformistas — ou se levantam e são estraçalhados no local, ou se escondem e fogem — no subterrâneo ou no exterior — para talvez lutar e viver outro dia.

É assim que é viver no Ocidente no outono de 2022. Estes são tempos históricos — o joio está sendo separado do grão. Não há muito grão — mas muito joio.

A cabala globalista-niilista que assumiu o Ocidente — ocupando-o efetivamente como uma força estrangeira — está engajada em uma estratégia mortal, tudo-ou-nada de “vôo para frente”. Ela condicionou, manipulou, enganou e intimidou as massas ocidentais a marcharem para sua desgraça. Nenhuma razão e nenhum argumento pode deter esta marcha. Somente o intenso sofrimento físico e a total derrota física das estruturas de poder que as mantêm cativas podem desalojar os prumos e bloqueios psicológicos que sustentam o apoio ativo e a tolerância passiva das massas à sua “liderança” cada vez mais ilusória e à sua “ideologia” cada vez mais macabra de valores invertidos. A psicose de massa não vai desaparecer por si só: ela precisa ser ativamente dissipada. Pelo contrário, a psicose se aprofundará e se fortalecerá à medida que as pessoas começarem a se sentir ameaçadas além do mero bem-estar material e do privilégio acumulado. Por incrível que pareça para qualquer observador racional fora do Ocidente: a própria identidade das massas ocidentais se tornou profundamente investida e — nos níveis de educação intermediáriaos e intelectuais — mesmo totalmente absorvida por uma ideologia hiper-secular, anti-tradicionalista, progressista, triunfalista e escatologicamente tingida, que agora se transformou em uma “visão de mundo” não negociável. Como nos casos de narcisismo maligno e algumas outras patologias psicológicas, pode ser que, em algum nível de meia inconsciência, essas “massas loucas” se reconheçam como engajadas em comportamentos autodestrutivos — mesmo no mal real. Mas elas não podem se afastar do que se tornou sua principal preocupação: a compensação externa de um vazio interno e a projeção externa de demônios internos. Esta realidade é um fator da vida real na geopolítica contemporânea: é o aspecto psico-histórico do grande abismo que agora se abre entre o Ocidente e o não-Ocidente. Ela tem que ser tratada de forma realista. É aqui que as palavras há muito esquecidas de Cruzada e Jihad voltam a exigir aplicações terrenas.

Em um sentido muito bizarro, mas muito real a nível “cultista”, os “gerentes de marketing” mais modernos, os “engenheiros de consentimento”, os “especialistas em psyops” e os “comportamentalistas performativos” do Ocidente criaram – a maioria dos indivíduos envolvidos provavelmente involuntariamente – aquele “prêmio” esquivo dos alquimistas pré-modernos: o golem. Mas em uma escala industrial apropriada, maior que a vida: estamos falando de uma massa de “bilhões dourados” de criaturas golem capazes e dispostas a fazer o impensável – incluindo atacar e ferir seus mais próximos e queridos. Em muitos países ocidentais, “pais” estão tendo seus filhos deliberadamente “sexualizados” e cirurgicamente “transgêneros” – agora até mesmo injetados com “vacinas” que qualquer pessoa sadia sabe que ameaçam sua vida, saúde e futuro. As massas ocidentais aplaudem freneticamente seus “governos” quando em suas telas veem mais um país do Oriente Médio ou dos Balcãs bombardeado e envenenado por gerações com “urânio empobrecido” e outros armamentos horripilantes – eles pagam inquestionavelmente seus impostos pelo armamento infernal e, inquestionavelmente, lançam seu voto a favor dos políticos que apertam botões. E cada novo escândalo que se segue só encoraja um escândalo pior a imaginar, planejar e cometer. O Apocalipse Zumbi não é apenas uma fantasia de Halloween/Hollywood ou um sonho assustador além de um horizonte de eventos distante – ele pode ser desejado e tem sido desejado.

Há muito tempo, um grande escritor americano escreveu um livro sobre a possessão diabólica à qual os homens podem cair presas se ignorarem os avisos enviados por Deus e se transgredirem os limites dados por Deus. Nesse livro, em última análise, a caça à Baleia Branca revelou-se não ser um mero empreendimento por lucro, glória ou aventura: era uma guerra deliberada contra a Criação – e, além disso, uma guerra contra o próprio Criador. Uma busca deliberada para alcançar o mal absoluto. A tripulação seguiu o capitão até o fim – e até seu fim – por sua própria livre vontade. O Criador permite tal livre arbítrio – mas ele também determina seus limites físicos finais. Ele deixa o homem escolher – mesmo para escolher a predestinação longe d’Ele, e contra Ele:

“Ahab é para sempre Ahab, cara. Todo este ato está imutavelmente decretado. Foi ensaiado por você e por mim um bilhão de anos antes deste oceano rolar. Idiota! Eu sou o tenente do destino, eu ajo sob ordens”. – Herman Melville

Podemos muito bem perguntar o que leva um homem, massas de homens, milhões de homens, a perseguir algo que é tão obviamente contrário a todas as coisas humanas e boas. A resposta é muito antiga, mas o escritor da história da baleia branca colocou o sentimento em palavras muito modernas, muito americanas. Elas devem ser lidas cuidadosamente – porque é importante saber quem e o que é seu inimigo:

“O que é isso, que coisa inominável, impenetrável, desumana é esta; que imperador acolhedor, senhor e mestre oculto, e cruel, sem remorsos me comanda; que contra todos os amores e anseios naturais, eu continuo avançando, e cercando, e me empanturrando o tempo todo; me preparando imprudentemente para fazer o que em meu próprio coração natural e próprio, eu não me atrevo tanto quanto ouso? Seria Ahab Ahab? Sou eu, Deus, ou quem, que levanta este braço?” – Herman Melville

Para combater tal inimigo é necessário discernimento, coragem e perseverança. Nós, os poucos ocidentais que “saltaram do navio” para escapar deste mal, e que agora estão à deriva em plena vista do naufrágio final de nossa civilização, podemos admirar e saudar aqueles que a história colocou no lado certo da luta. Mas com nosso navio, quando finalmente for coberto pelo Grande Mar, muito do que é bom e belo também desaparecerá para sempre:

“E assim a ave do céu, com gritos arcangélicos, e seu bico imperial empurrado para cima, e toda sua forma cativa dobrada na bandeira de Ahab, afundou com seu navio, que, como Satanás, não afundaria no inferno até arrastar com ela uma parte viva do céu, e se ajoelhou com ela”. – Herman Melville

Nós, mesmo que sejamos muito poucos, rezamos humildemente para que a Sabedoria de Deus ainda possa prevalecer nos assuntos humanos e que, por Sua vontade, milagrosamente, algo possa ser salvo da ruína do Ocidente – e que seu povo se afaste do pecado. Mas também rezamos para que a justiça de Deus prevaleça rápida e decisivamente contra o mal que se abateu sobre nossas terras. E se Deus permitir que chova fogo e enxofre dos céus para a purificação de Sua Terra, nós O louvaremos.

Fonte: Katehon

Imagem padrão
Alexander Wolfheze

Escritor holandês, especialista em assiriologia e antropologia cultural.

Artigos: 594

Deixar uma resposta