O Número de Espermatozoides dos Homens caiu 60% Mundialmente nos Últimos 45 Anos

Não é apenas no Ocidente, no mundo todo a contagem de espermatozoides dos homens está despencando. As causas são múltiplas e o fenômeno põe sob ameaça o futuro da humanidade.

O número de espermatozoides no mundo diminuiu pela metade nos últimos 45 anos, de acordo com um estudo publicado em 15 de novembro na revista Human Reproduction Update.

O estudo foi conduzido por uma equipe internacional de pesquisadores liderada pelo Professor Hagai Levine da Escola Hadassah Braun de Saúde Pública da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Eles procuraram examinar as tendências da contagem de espermatozoides em homens de todos os continentes e analisaram 223 estudos baseados em amostras de sêmen coletadas de mais de 57 mil homens em 53 países, incluindo os EUA, Europa e Austrália, entre 1973 e 2018.

Anteriormente, um estudo realizado em 2017 pela mesma equipe de pesquisadores examinou dados de contagem de esperma da América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia. A nova análise atualiza a análise, incluindo pela primeira vez dados da América Central e do Sul, Ásia e África.

Analistas deste último estudo encontraram um “declínio apreciável” na contagem de espermatozoides durante este período.

Especificamente, os pesquisadores descobriram que os homens na América do Sul, Ásia e África compartilharam um declínio semelhante na contagem e concentração total de esperma, como observado anteriormente em seu estudo com foco na Europa, América do Norte e Austrália.

A contagem de espermatozoides caiu mais de 62%

Em geral, os resultados mostraram que a contagem média de esperma caiu 51,6% entre 1973 e 2018 em homens em todos os continentes, de uma média de 101,2 milhões por mililitro para 49 milhões por mililitro entre 1973 e 2018, um declínio de 1,2% por ano.

A contagem total de espermatozoides diminuiu 62,3% no mesmo período.

Os homens são considerados como tendo uma baixa contagem de espermatozoides se tiverem menos de 15 milhões de espermatozoides por mililitro ou menos de 39 milhões de espermatozoides totais por ejaculação, de acordo com a Mayo Clinic.

Além disso, descobriram que os dados do ano 2000 mostraram um declínio na concentração de esperma de mais de 2,6% ao ano, uma duplicação do declínio anterior de 1,16% ao ano desde 1972.

Os pesquisadores disseram que “o declínio substancial e persistente é agora reconhecido como um importante problema de saúde pública” e que novas pesquisas sobre as causas desse declínio são urgentemente necessárias para evitar mais perturbações na saúde reprodutiva masculina.

“Esperamos que as novas evidências aqui apresentadas atraiam a atenção não apenas de clínicos e cientistas, mas também de formuladores de políticas e do público em geral”, escreveram os pesquisadores.

Os homens que sofriam de infertilidade foram excluídos do estudo.

Entretanto, os pesquisadores observaram as limitações de seu estudo, incluindo a forma como os dados foram coletados, já que os padrões e métodos de contagem de esperma mudaram consideravelmente ao longo do tempo. Isto torna difícil comparar as últimas contagens de esperma com dados históricos. Além disso, os pesquisadores observaram que a eliminação completa de qualquer viés de seleção/recrutamento era impossível, pois eles não conseguiam coletar amostras de sêmen ao acaso.

“Não há necessidade de entrar em pânico”

“Penso que este é outro sinal de que algo está errado com o planeta e que precisamos fazer algo a respeito disso. Portanto, sim, eu acho que é uma crise, que é melhor abordarmos agora, antes que ela chegue a um ponto de ruptura que pode não ser reversível”, disse Levine, o autor principal da pesquisa, ao Guardian.

“Tal declínio representa claramente um declínio na capacidade de reprodução da população”, acrescentou ele.

Entretanto, o Dr. Scott Lundy, urologista da Clínica Cleveland, que não estava envolvido no estudo, disse à CNN que as descobertas do estudo “não são motivo de pânico”, apontando para o fato de que a contagem de espermatozoides é “em geral ainda normal, em média”.

Entretanto, Lundy reconheceu que há um risco de que a contagem de espermatozoides se torne anormal no futuro e que isto precisa ser investigado mais a fundo.

A contagem de esperma não é apenas um indicador da fertilidade humana, mas também da saúde masculina, com contagens baixas ou anormais indicando um problema de saúde subjacente.

Embora os pesquisadores não saibam o que causa a queda na contagem de espermatozoides, fatores como fumo, consumo de álcool, uso de drogas e obesidade têm sido associados a menor contagem de espermatozoides.

Fonte: Epoch Times

Imagem padrão
Katabella Roberts

Jornalista estadunidense.

Artigos: 24

Deixar uma resposta