O Marrocos conduz a “Descolonização” do Futebol Africano

O futebol africano está se consolidando. E entre os motivos principais está a “descolonização” do futebol continental, com técnicos africanos cuidando das seleções e os filhos e netos de emigrantes, nascidos na Europa, voltando às terras de seus ancestrais para defender suas cores.

África para os africanos: este não é um slogan de Thomas Sankara, que aprovaria o que está acontecendo no Catar, mas sim a atestação da “descolonização” definitiva do futebol africano. Cinco em cada cinco treinadores das seleções africanas na Copa do Mundo nasceram no continente fronteiriço por excelência. Incluindo o da revelação do torneio, Marrocos. Cuja história de “africanização” é paradoxalmente a mais recente. Pouco antes do início da Copa do Mundo, uma reviravolta chegou de Rabat: a federação marroquina de futebol rescindiu o contrato com o técnico Vahid Halilhodzic, o arquiteto da classificação da seleção nacional africana para o Catar 2022. Em seu lugar está Walid Regragui, um ex-jogador de futebol nascido na França, mas treinado como técnico em seu país de origem e capaz de trazer a Liga dos Campeões Africanos de volta ao Marrocos em maio passado, triunfando com Wydad Casablanca.

Regragui é o herói do momento. Em 6 de dezembro de 2022, com sua vitória nos pênaltis sobre a Espanha, ele deu ao Marrocos sua primeira quarta de final da Copa do Mundo. Mas ele também é um dos rostos que está dando à África uma descolonização inesperada do futebol. Cinco equipes nacionais africanas viajaram para o Catar e todas elas têm treinadores africanos no banco. Isto é inédito para um continente cujas equipes mais emblemáticas na Copa do Mundo sempre foram lideradas por diretores técnicos estrangeiros, principalmente europeus.

O Camarões da Itália ’90, o primeiro time africano a chegar às quartas de final, foi treinado pelo russo Valerij Nepomnjascij. Senegal, que derrotou a campeã mundial França em 2002, havia sido construído pelo francês Bruno Metsu, enquanto Gana, que esteve perto de chegar às semifinais na África do Sul em 2010, tinha o sérvio Milovan Rajevac no banco.

Cinco treinadores reescreveram a história do futebol na África

Se Regragui é o herói do Marrocos, no Senegal toda a atenção está voltada para Aliou Cissé. Foi talvez dele e da federação senegalesa de futebol que começou uma reviravolta repentina e inesperada no futebol africano. Cissé já é uma lenda do futebol em seu país há anos. Ele fez parte da equipe que em 2002, sob ordens de Metsu, chegou às quartas de final e surgiu como a revelação do torneio.

Dez anos depois, ele foi chamado para gerenciar a equipe nacional, mas foi apenas uma tarefa temporária. É em 2015 que Cissé assume definitivamente a equipe. Estes não são anos fáceis para o futebol senegalês, incapaz de replicar os resultados da década anterior. No entanto, há alguns nomes importantes para começar. Por exemplo, há o atacante Sadio Mané, assim como o defensor Kalidou Koulibaly. Cissé recebe tempo e paciência para reconstruir um grupo competitivo. Em 2018 veio a qualificação para a Rússia 2018, onde as oitavas de final só escaparam devido a uma diferença de cartão amarelo em favor do Japão (o primeiro e até agora único caso na história). Então a seleção nacional conseguiu jogar pelo título de campeã africana no ano seguinte no Egito, mas perdeu para a Argélia. A redenção definitiva veio em fevereiro passado, quando em Camarões, na final, eles venceram o Egito nos pênaltis e ganharam seu primeiro laurel histórico continental.

A vitória do Senegal é talvez um divisor de águas no futebol africano. Há muitas equipes nacionais que decepcionam amargamente no campeonato disputado em fevereiro. A começar pelo anfitrião Camarões, chamado a ganhar o troféu, mas incapaz de expressar um bom jogo. Também decepcionante é Gana, uma equipe muito distante da geração dourada do início do século XXI, mas de quem não se esperava deixar a taça continental com apenas um ponto na rodada.

As duas federações decidiram então olhar para o modelo senegalês: longe com os treinadores anteriores, espaço para os portadores históricos da bandeira das respectivas seleções nacionais. Camarões não renovou o contrato do português Toni Conceiçao e chamou Rigobert Song, protagonista com os “leões indomáveis” na virada dos anos 90 e 2000. Para ele também uma aparição fugaz na Série A com a Salernitana, depois Liverpool e West Ham em sua carreira, juntamente com alguma experiência na Turquia. Ele ganhou a Copa Africana de Nações duas vezes seguidas, em 2000 e 2002, e seus muitos anos na Europa fazem dele um dos camaroneses mais conhecidos e apreciados no futebol. Song guiou Camarões às finais para ir ao Catar e conseguiu qualificar a seleção nacional ao vencer a Argélia em 29 de março.

Gana, por outro lado, demitiu o treinador dos quarta-finalistas da África do Sul 2010, Milovan Rajevac, e decidiu confiar a direção técnica a Otto Addo. Ele também é uma presença histórica nas fileiras de sua seleção nacional, especialmente na participação na Alemanha 2006, a primeira Copa do Mundo com Gana no início e depois capaz de chegar às oitavas de final. Addo é um “treinador de retorno”: nascido e vivendo na Alemanha, ele decidiu vestir a camisa de seu país de origem e, 16 anos depois, levá-la para a Copa do Mundo como comissário técnico. Sua missão era temporária, que terminou imediatamente após a eliminação na fase de grupos no Catar, que Gana alcançou após o duplo confronto com a Nigéria na repescagem. A experiência da Addo, entretanto, representa um ponto de inflexão na gestão do futebol no país africano.

A Copa Africana das Nações também se mostrou fatal para o banco tunisiano, mas nesse caso foi uma transferência interna do futebol do país norte-africano. Fora Mondher Kebaier, entra Jalel Kadri, um tunisiano cuja carreira futebolística se desenvolveu no mundo árabe e que leva a seleção nacional ao Catar após a vitória sobre o Mali.

Cinco treinadores africanos então em cinco equipes africanas. E talvez não seja coincidência que nesta Copa do Mundo pela primeira vez o continente possa ostentar pelo menos duas equipes, o Senegal do Cissé e o Marrocos, na fase de mata-mata. Com o Marrocos agora liderando o sonho africano no deserto do Catar. E a fonte de outra forma de “descolonização” do futebol: a atração da diáspora.

A equipe nacional marroquina, farol da diáspora

A descolonização também passa por “soft power”. Uma nação se liberta dos grilhões da dependência colonial e começa a ser atraente em termos de identidade. Isto é verdade para o jovem e ardente Marrocos de Regragui. Identitário e cosmopolita ao mesmo tempo, sem qualquer contradição: a equipe marroquina é a equipe dos filhos da diáspora. Para um país de 37 milhões de habitantes, há cerca de 5 milhões de marroquinos no exterior, quase um sétimo da população total. A maioria deles vive na Europa Ocidental, principalmente na França (cerca de 1.500.000), Espanha (cerca de 750.000), Bélgica (cerca de 500.000), Itália (cerca de 450.000), Holanda (cerca de 400.000) e Alemanha (cerca de 140.000), assim como Israel e Canadá.

A equipe nacional marroquina foi capaz de operar a atração necessária para trazer os filhos desta diáspora de volta às cores de casa. Se na velha guarda, para dar um exemplo, os filhos das nações dos antigos impérios coloniais ansiavam por jogar pela equipe europeia de primeira linha (Clarence Seedorf do Suriname à Holanda, Patrick Vieira do Senegal à França, para dar dois exemplos), hoje acontece o contrário. E assim um jogador estrela do calibre de Achraf Hakimi, que nasceu em Madri e se mudou da camiseta branca do Real para as camisas do Borussia Dortmund, Inter de Milão e Paris Saint Germain, escolhe legitimamente e de forma convincente o Marrocos. Ao seu lado, o goleiro-heroi das oitavas, Bounou, nascido em Montreal, Canadá. O defensor rochoso Noussair Mazraoui e o meio-campista ofensivo imaginativo Hakim Ziyech, em vigor no Bayern de Munique e no Chelsea respectivamente, nasceram na Holanda.

E também há espaço para a Itália. Walid Cheddira, um jovem talento do Bari que nasceu em Loreto, na província de Macerata, à sombra daquele santuário e daquela Casa Santa que fala muito sobre a relação entre a Itália e o Oriente mediada pelo Mediterrâneo, fala com um sotaque florido das Marcas. Uma relação que no passado levou nossos destinos a se cruzarem com os do Marrocos e do Magrebe, muito antes da florescente diáspora de Casablanca e dos arredores se ramificarem para o país. Cheddira, nascido em 1998, jogou temporadas entre Eccellenza e D na região de Macerata, dividindo seu tempo entre Loreto e Sangiustese. Ele então peregrinou entre Arezzo, Lecco e Mantova na Série C antes de se consagrar no Bari: 6 gols na vitoriosa Série C 2021-2022, nada menos que 9 na primeira etapa da atual Série B. Em setembro, a estreia com a seleção marroquina para este jovem prospecto que também jogou a oitava partida contra a Espanha.

Mutatis mutandis, não podemos deixar de salientar que a era dourada do futebol italiano começou quando, entre os anos 20 e 30, os “oriundos”, filhos da diáspora, começaram a jogar com a seleção e os clubes italianos em nosso país. De Raimundo Orsi a Enrique Guaita, protagonistas da Copa do Mundo de 1934, a história dos oriundi continuou com grandes nomes como Omar Sivori, José Altafini e Eddie Firmani para chegar aos dias de hoje com Mauro German Camoranesi, campeão mundial em 2006, e os campeões europeus de 2021 Jorginho e Emerson Palmieri. Bem, os laços de muitos desses campeões, especialmente os mais recentes, com sua pátria eram, antes de seu sucesso no futebol, muito menos umbilicais que os da primeira geração de filhos da emigração marroquina. Agora de volta às cores vermelhas brilhantes da seleção nacional para descolonizar o futebol no país. E para ajudar a devolver a África do futebol aos africanos. Onde quer que eles tenham nascido.

Fonte: Il Giornale

Imagem padrão
Andrea Muratore

Analista geopolítico e econômico italiano. Bacharel em Ciências Políticas, Econômicas e Sociais pela Universidade de Milão. Mestre em Economia e Ciência Política.

Artigos: 24

Deixar uma resposta