À Direita dos EUA

Giorgia Meloni foi eleita sob slogans soberanistas, mas até agora ela só demonstrou adesão ao atlantismo de linha conservadora importado dos EUA.

Brothers of Italy

Em 22 de outubro de 2022, o governo chefiado por Giorgia Meloni, composto por membros do Fratelli d’Italia (da qual ela é a primeira-ministra), Lega per Salvini Premier e Forza Italia, tomou posse oficialmente. Para se ter uma ideia das orientações da política externa do novo governo, particularmente no que diz respeito à questão fundamental de suas relações com o poder hegemônico “aliado” (e sua projeção israelense), será útil recapitular as posições mais significativas que têm caracterizado o principal componente da estrutura governamental, bem como os currículos dos titulares dos ministérios das Relações Exteriores, Defesa e Economia.

O partido conhecido como Fratelli d’Italia (FdI) foi fundado em 28 de dezembro de 2012 por Ignazio La Russa, Guido Crosetto e Giorgia Meloni, que o preside desde 8 de março de 2014. La Russa, agora Presidente do Senado, quando foi Ministro da Defesa no quarto governo de Berlusconi em 2011, desempenhou um papel decisivo – ele mesmo explicou isso mais tarde em um programa de televisão – em convencer o Primeiro Ministro a participar da agressão militar contra a Líbia[1]. No quarto governo de Berlusconi, Guido Crosetto, que é o atual titular do Ministério da Defesa, também foi membro do Ministério da Defesa como Subsecretário de Estado. No mesmo governo Berlusconi, Meloni chefiou o Ministério da Juventude; foi nesta qualidade que ela exortou os atletas italianos presentes na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim (agosto de 2008) a protestar contra o governo chinês em nome dos “direitos humanos”, mas a iniciativa foi rejeitada tanto pelo Primeiro Ministro quanto pela delegação da Azzurri[2].

Como presidente do FdI, Meloni estabeleceu uma aliança com Lega Nord e seguiu Matteo Salvini, vice-primeiro ministro e ministro do Interior no governo amarelo-verde, ao se juntar ao The Movement, a Internacional populista fundado pelos Modrikamen e Steve Bannon[3], estrategista de campanha de Donald Trump. “Fratelli d’Italia”, declarou Meloni em 17 de setembro de 2018, “está plena e firmemente no campo dos soberanistas e conservadores e, portanto, tem interesse em dialogar com todos neste campo. Bannon, com o trabalho que fez ao lado de Trump, contribuiu fortemente para mudar os paradigmas de nosso tempo e não podia faltar em Atreyu”[4], o evento político da direita italiana que se realiza anualmente em Roma.

Em 2019, a presidente do FdI finalmente desembarcou nos Estados Unidos, onde falou na Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC), a conferência política anual inaugurada por Ronald Reagan em 1974 e sediada em Orlando, Flórida, pela União Conservadora Americana (ACU), com a presença de ativistas conservadores e políticos de vários países. “Fratelli d’Italia”, declarou Meloni naquela ocasião em perfeito inglês, “luta pela liberdade da Venezuela, mas a posição do governo italiano é neutra, porque é refém de certas políticas de esquerda”[5].

Também convidada para o CPAC 2020, no início de fevereiro Meloni viajou para Washington para participar do National Prayer Breakfast, a convenção republicana na qual falou o Presidente Donald Trump. “Será uma semana cheia de compromissos internacionais para Fratelli d’Italia”, diz ela, “e após a abertura em Roma da conferência internacional sobre conservadorismo, estamos agora em Washington como convidados do National Prayer Breakfast para nos encontrarmos com personalidades de todo o mundo”[6]. De fato, a principal direitista italiana aproveita a oportunidade para realizar “uma série de reuniões de alto nível com representantes do Congresso e da administração dos EUA”[7].

Em 26 de fevereiro de 2022, mais uma vez convidada ao CPAC, Giorgia Meloni fala aos “caros conservadores americanos” não somente como presidente dos Brothers of Italy, mas também como presidente do Partido dos Conservadores e Reformistas Europeus (Partido ECR), “um partido”, explica ela, “que reúne quarenta e quatro partidos patrióticos e conservadores da Europa e do resto do mundo, incluindo o Partido Republicano Americano”[8] e o Likud israelense. São estas forças políticas, conclui ela, que representam “a verdadeira Europa (…) a verdadeira América”[9].

Vale mencionar, a este respeito, que uma Conferência Nacional de Conservadorismo foi realizada em Roma nos dias 3 e 4 de fevereiro de 2020, para a qual Giorgia Meloni foi convidada por Yoram Hazony, presidente do Instituto Herzl em Jerusalém e da Fundação Edmund Burke que organizou o evento. Meloni começou declarando sua adesão ao pensamento do filósofo israelense[10] e concluiu seu discurso evocando duas figuras históricas de referência no pensamento conservador: Ronald Reagan e João Paulo II[11].

Tendo passado brilhantemente nos exames exigidos, em fevereiro de 2021 Giorgia Meloni foi admitida como membro do Instituto Aspen[12], a prestigiosa organização internacional com sede em Washington D.C. e financiada por fundações como a Corporação Carnegie, o Fundo Irmãos Rockefeller e a Fundação Ford, cujas afiliadas incluem personalidades eminentes da política, das finanças e do mundo intelectual. Presidido por Daniel R. Porterfield, que sucedeu Walter S. Isaacson em 1º de junho de 2018, na Itália o Instituto Aspen tem seu presidente em Giulio Tremonti e vice-presidente em John Elkann; o Comitê Executivo inclui, entre outros, Giuliano Amato, Lucia Annunziata, Franco Frattini, Gianni Letta, Emma Marcegaglia, Paolo Mieli, Romano Prodi e outros do mesmo calibre.

Quando a crise russo-ucraniana eclodiu, a FdI tomou uma clara posição antirrussa e instou o governo Draghi a apoiar o regime de Kiev através do envio de armas. Antes de partir para a Flórida, onde é convidada a participar do CPAC, Giorgia Meloni envia a Draghi a seguinte mensagem: “Ataque de guerra em larga escala inaceitável da Rússia de Putin contra a Ucrânia. A Europa está mergulhando de volta em um passado que esperávamos nunca mais reviver. Chegou a hora das escolhas. Que o Ocidente e a comunidade internacional se unam para implantar todas as medidas úteis em apoio a Kiev e ao respeito ao direito internacional”[13]. E ao embaixador ucraniano na Itália ela escreveu: “Considere-nos à sua disposição”[14]. Em junho, um documento apresentado pelos senadores do FdI “reitera o conteúdo da resolução aprovada pelo Senado em 1º de março passado por ocasião das comunicações dadas pelo Primeiro Ministro sobre a evolução do conflito entre a Rússia e a Ucrânia [e] compromete o governo a continuar sua ação de apoio à Ucrânia diante da invasão da Federação Russa” [15].

Em 25 de outubro de 2022, em seu primeiro discurso em Montecitorio como Primeira-Ministra, referindo-se ao “sistema de valores baseado na liberdade, igualdade e democracia, frutos preciosos que brotam das raízes clássicas e judaico-cristãs da Europa”, Giorgia Meloni reafirma a adesão da Itália ao sistema de aliança do Ocidente. “A Aliança Atlântica”, diz ela, “garante às nossas democracias uma estrutura de paz e segurança que muitas vezes tomamos como certa. É dever da Itália contribuir plenamente para ela (…) A Itália continuará a ser um parceiro confiável dentro da Aliança Atlântica, começando com o apoio ao valente povo ucraniano que se opõe à invasão da Federação Russa”[16].

Não uma semana após a tomada de posse do novo governo, Giorgia Meloni falou ao telefone com o Secretário Geral da OTAN Jens Stoltenberg; em 10 de novembro, os dois se reuniram no Palazzo Chigi. “Confirmo o compromisso da Itália com a OTAN e com os desafios comuns que a Aliança está enfrentando neste momento delicado”[17], declara o Primeiro Ministro no final da reunião. Ele acrescentou: “Considero prioritário trabalhar para fortalecer a Aliança como um todo com um pilar forte que também deve ser europeu com o objetivo de torná-la ainda mais forte e capaz de responder a ameaças de todas as direções”[18].

Ministros de fé comprovada

A fidelidade atlântica do principal partido do governo de centro-direita é garantida por Alessandro Minuto-Rizzo, que foi secretário-geral adjunto da OTAN de 2001 a 2007: “Fratelli d’Italia”, disse ele em uma entrevista, “sempre manteve historicamente uma posição atlântica, e consequentemente o Primeiro-Ministro não terá que fazer nenhum esforço para convencer Stoltenberg a manter a linha atlantista de nosso país”. O entrevistador de Minuto-Rizzo, por sua vez, lembrou que o atual Ministro da Defesa, Guido Crosetto, recebeu elogios positivos do Secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin. “A Itália é um aliado com o qual os Estados Unidos podem contar”, assegurou o ministro Crosetto ao seu homólogo norte-americano, enfatizando que “a relação bilateral e multilateral que existe entre a Itália e os Estados Unidos representa o futuro de nosso país”[20]. O ministro italiano garantiu então que o governo italiano está firmemente decidido a ajudar o regime de Kiev: “Continuaremos a apoiar a Ucrânia e suas Forças Armadas com convicção e determinação e estaremos prontos para continuar nossos esforços enquanto for necessário”[21]. Quanto ao envio de armas para Kiev, depois de ter postulado que “a única coisa que não podemos fazer é perder o contato com nossos aliados internacionais, a UE e a Aliança Atlântica”[22], Crosetto disse a um jornalista da ‘Avvenire’ que “só há uma maneira de agir e decidir”[23]: decidir sobre o envio de um sexto ‘pacote’ de armas.

Igualmente indiscutível é o alinhamento atlântico de Antonio Tajani, Ministro das Relações Exteriores e Cooperação Internacional e Vice-Presidente do Conselho de Ministros. De 21 de novembro de 2019 até 12 de outubro de 2022, Tajani foi Vice-Presidente do Partido Popular Europeu (EPP), um partido representado na Assembléia Parlamentar da OTAN (OTAN-PA), um órgão que desempenha uma função de ligação entre a OTAN e os parlamentos nacionais dos países membros. O EPP tem estreitas relações com o Instituto Republicano Internacional (IRI), uma fundação sediada em Washington patrocinada pelo famoso National Endowment for Democracy; o presidente do EPP, Wilfried Martens, apoiou a candidatura de John McCain, presidente do IRI, nas eleições presidenciais americanas de 2008. Mais tarde, McCain e Martens tiveram um papel ativo nos movimentos na Ucrânia que levaram à queda de Viktor Janukovyč[24]. Quanto a Tajani, igualmente indiscutível é seu longo e convicto compromisso pró-sionista, que lhe valeu, quando era presidente do Parlamento Europeu, a dedicação de um bosque (sic) em Israel[25].

E chegamos ao titular de outro ministério-chave, o de Economia e Finanças. O política da Lega Giancarlo Giorgetti, membro de 15 de outubro de 2020 a 18 de março de 2021 da delegação italiana à assembleia parlamentar da OTAN, tem mantido um relacionamento direto com os Estados Unidos desde que foi Subsecretário de Estado do Primeiro Ministro no governo Conte I e Trump esteve na Casa Branca. Em outubro de 2021, Giancarlo Giorgetti, Secretário Adjunto da Liga e Ministro do Desenvolvimento Econômico do governo Draghi, viajou para os Estados Unidos. A primeira parada de Giorgetti é nas fábricas da empresa de biotecnologia Moderna, para saber mais sobre a produção de vacinas; depois o ministro visita a Universidade de Harvard e tem conversas com o governador de Massachusetts, o anti-Trump Republicano Charlie Baker. De Boston ele viaja para Washington, onde se encontra com a diretora da Agência de Pequenas Empresas Isabel Guzman e a secretária de Comércio da administração Biden, Gina Raimondo; depois participa de uma reunião do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, que assessora o presidente em questões de política econômica global. Ele foi então para a sede da Lockheed Martin, uma empresa aeroespacial e de defesa. Na manhã do sábado 22, após prestar seus respeitos nos túmulos dos veteranos de guerra americanos no Cemitério Nacional de Arlington, Giorgetti é recebido na Villa Firenze por Mariangela Zappia, embaixadora da Itália nos Estados Unidos. O dia termina com uma recepção da National Italian American Foundation.

O jornal “La Verità”, próximo ao meio Lega Nord, escreve que a viagem de Giorgetti aos EUA “tem como objetivo principal consolidar as relações entre Roma e Washington”[26]. Após o acordo com a China sobre a Nova Rota da Seda, assinado em março de 2019, houve a necessidade de tranquilizar os aliados americanos da infalível lealdade da Itália; e entre os ministros de Draghi, acrescenta Graziosi, o mais adequado para esta missão foi precisamente Giorgetti, cuja lealdade atlântica “demonstrou-o repetidamente nos últimos meses, opondo-se às tentativas de influência chinesa, especialmente no delicado setor das telecomunicações”[27]. De fato, foi Giorgetti, quando era subsecretário no governo de Giorgetti, quem “patrocinou um decreto para fortalecer o instrumento do poder de ouro na rede 5G e atender às preocupações dos EUA sobre a participação de empresas chinesas”[28].

Long live America!

Assistida por ministros de comprovada fé atlantista como Tajani, Crosetto e Giorgetti, a Presidente Giorgia Meloni pode tranquilizar seus amigos do outro lado do Atlântico: “Eu lhes asseguro que este governo fará o seu melhor para tornar as relações com os Estados Unidos ainda mais fortes. Viva a América, viva a Itália!”[29].

Participando de uma cúpula internacional – a conferência Sharm el-Sheikh sobre mudança climática – pela primeira vez como chefe do governo italiano, Giorgia Meloni não foi capaz de expressar pessoalmente seus entusiasmados sentimentos pró-americanos a Joe Biden, que estava envolvido em eleições de meio-termo. No entanto, ela pôde ter um “encontro muito cordial”[30] com Isaac Herzog, Presidente do Estado de Israel, com quem se comprometeu a “defender valores comuns, começando pela luta contra o antissemitismo”[31] e a fortalecer a parceria italo-israelense na esfera industrial e tecnológica.

No G20 em Bali, houve finalmente a reunião presencial com Biden, que durou cerca de uma hora em vez dos vinte minutos previstos. O comunicado oficial da embaixada dos EUA, mais explícito do que o publicado pelo Palazzo Chigi, afirma que os dois se reuniram “para coordenar respostas a uma série de desafios globais, incluindo os colocados pela República Popular da China, a crise climática e o uso da energia como arma. Os dois líderes também falaram de seu compromisso de continuar a dar à Ucrânia o apoio de que precisa e de responsabilizar a Rússia por sua agressão”[32].

Em perfeita linha com o comunicado, no dia seguinte Meloni atribuiu toda a responsabilidade pelo incidente de Przewodów à Rússia: “A hipótese [mais tarde provou ser verdadeira, ed.] de que um míssil antiaéreo ucraniano caiu sobre a Polônia não muda a substância, a responsabilidade pelo que aconteceu, no que nos diz respeito, é inteiramente russa. E com os aliados condenamos os ataques de mísseis de Moscou”[33].

Quanto à questão do gás, que também esteve no centro da conversa entre Meloni e Biden, a tese de Meloni, exposta em seu discurso em Bali, é bem conhecida: a crise energética, com tudo o que ela implica em termos econômicos e sociais, deve-se à escolha errada de se abastecer de gás e petróleo na Federação Russa. É melhor comprar, embora a preços astronômicos, o gás líquido que nossos amigos americanos nos fornecerão. Viva a América!

Notas

[1] “Estávamos todos no teatro para uma celebração dos 150 anos da Unificação da Itália e – explica ele – tive que insistir para convencer Berlusconi de que ele não queria absolutamente intervir contra Kaddafi, dizendo que ele havia dado sua palavra ao Rais”. (F. Q., Libia, La Russa (FdI): Nel 2011 convinsi B. a intervenire mentre eravamo all’Opera, https://www.ilfattoquotidiano.it, 19 febbraio 2015).
[2] Giorgia Meloni a Tatanka: “Eu pedi um gesto, não para não competir”, https://loccidentale.it, 6 agosto 2008.
[3] “Com relação à Europa em particular, a Internacional Bannoniana chama-se The Movement e inicialmente estabeleceu sua sede operacional em Bruxelas, onde os estatutos oficiais da organização foram depositados em 9 de janeiro de 2017 pelo advogado Mischaël Modrikamen, ex-presidente da sinagoga liberal de Bruxelas, presidente da Fundação Weizmann na Bélgica, assim como fundador do Partido Popular (do qual foi vice-presidente Joël Rubinfeld, presidente da Liga belga contra o antissemitismo, vice-presidente do Congresso Judaico Europeu em 2009 e 2010 e copresidente do Parlamento Judaico Europeu). A iniciativa de fundar o Movimento foi tomada em dezembro de 2016 em Jerusalém pela Cúpula de Líderes de Jerusalém liderada por Jasmine Dehaene, esposa de Mischaël Modrikamen e membro do Conselho de Administração do Movimento. Portanto, o Movimento declara em sua carta que apoiará ‘a defesa de Israel como um Estado soberano em seu território histórico'”. (C. Mutti, L’Internazionale sovranista a difesa della “civiltà giudeo-cristiana”, “Eurasia”, 3/2019, p. 135). Cfr. C. Mutti, Sovranisti a sovranità limitata, in: AA. VV., Inganno Bannon, Cinabro Edizioni, Roma 2019, pp. 83-102.
[4] Alessandro De Angelis, “Steve Bannon è un amico, entreremo in The Movement”. Intervista a Giorgia Meloni, Huffington Post, 17 settembre 2018. Michael Pontrelli, Steve Bannon esulta: dopo Salvini anche Meloni dentro The Movement, l’Internazionale sovranista, https://notizie.tiscali.it, 19 settembre 2018.
[5] Giorgia Meloni al Cpac 2019: Venezuela, Governo italiano ostaggio di alcune politiche di sinistra, Youtube.
[6] ANSA, 5 febbraio 2020.
[7] Giorgia Meloni negli Usa per l’esame di maturità, https://www.quotidiano.net, 5 febbraio 2020; Cristina Agostini, Giorgia Meloni negli Usa: “Ho chiesto ai repubblicani perché sostengono Giuseppe Conte”, https://www.corriere.it, 9 febbraio 2020.
[8] Giorgia Meloni al Cpac 2022: “L’unico modo per essere ribelli è essere conservatori” (video), giorgiameloni.it, 28 febbraio 2022.
[9] Ibidem.
[10] “Concordo inteiramente com a opinião de Yoram sobre a necessidade de recolocar o conservadorismo em sua esfera tradicional de identidade nacional. O grande desafio que enfrentamos hoje é defender a identidade nacional e a própria existência dos Estados-nação como o único meio de salvaguardar a soberania e a liberdade dos povos. É por isso que considero o título do último livro de Yoram, A Virtude do Nacionalismo tão eficaz, porque em poucas palavras resume claramente o fato de que nossa visão de mundo é exatamente o oposto do que eles gostariam de nos impor. Caro Yoram, seu livro escandalizará a Itália, e com prazer darei minha contribuição para este efeito, pois pretendo citá-lo com frequência”. (https://nationalconservatism.org/natcon-rome-2020).
[11] “Eu tenho uma imagem em mente: O Presidente Ronald Reagan e o Papa João Paulo II caminhando nos jardins da residência do Presidente na Flórida, em 1987. É a imagem de dois grandes homens caminhando juntos pelo caminho da história, naquele breve período do século XX, que mudou o mundo muito pouco tempo depois, graças também a eles, com o colapso do comunismo. Relembrá-los aqui hoje não é simplesmente uma homenagem a eles; é um aviso e um compromisso para não trair o sonho de liberdade deles, que também é nosso”. (Ibidem).
[12] Francesco Bechis, Meloni l’americana. Se la leader di Fdi entra nell’Aspen Institute, https://formiche.net, 1 febbraio 2021.
[13] Ucraina, Fratelli d’Italia: “Difendiamo insieme i valori di libertà”, https://www.lavocedelpatriota.it, 25 febbraio 2022.
[14] Meloni all’Ambasciatore d’Ucraina: solidarietà e sostegno al popolo ucraino, ibidem.
[15] Simone Canettieri, Ucraina, la risoluzione di FdI: “Sì all’invio di armi come deciso lo scorso 1° marzo”, https://www.ilfoglio.it, 21 giugno 2022; Le posizioni dei partiti sulle armi all’Ucraina, https://pagellapolitica.it, 12 maggio 2022.
[16] Aqui está o discurso completo de Giorgia Meloni à Câmara para o voto de confiança no governo, https://www.repubblica.it, 25 ottobre 2022. Sobre a referência às “raízes judaico-cristãs” em particular, reproduzimos estas considerações de Sergio Romano: “A expressão “tradições judaico-cristãs” não é uma falácia histórica, mas é certamente uma construção histórica, nascida na América para representar a importância particular que o Antigo Testamento teve na formação dos peregrinos que começaram a povoar a Nova Inglaterra no século XVII. (…) estas palavras soam como ‘americanismo’ para mim, semelhantes àqueles que ouvem o hino nacional colocando a mão no peito, como é feito nos Estados Unidos, e dizem ‘convenção’ em vez de congresso”. (Radici giudaico-cristiane. Origini di una espressione, https://www.corriere.it, 2 dicembre 2009).
[17] ANSA, 10 novembre 2022.
[18] Nato: Meloni, ‘rafforzare alleanza con forte pilastro europeo’, https://metronews.it
[19] Marco Battaglia, Cosa significa la visita di Stoltenberg per Meloni. L’analisi di Minuto-Rizzo, https://formiche.net, 10 novembre 2022
[20] Ministero della Difesa, Colloquio telefonico tra il Ministro Crosetto e il Segretario alla Difesa USA, https://www.difesa.it, 7 novembre 2022.
[21] Ibidem.
[22] Arturo Celletti, Intervista al ministro della Difesa. Crosetto: ammiro i pacifisti ma daremo ancora armi, https://www.avvenire.it, 4 novembre 2022.
[23] Ibidem.
[24] US and European politicians condemn Tymoshenko travel ban, https://khpg.org, 3 settembre 2011; IRI Chairman Senator John McCain Speaks to Protestors in Ukraine, https://www.iri.org, 16 dicembre 2013; https://khpg.org,
[25] Comunità ebraica dedica un bosco in Israele a Antonio Tajani, ANSA Bruxelles, 28 giugno 2017.
[26] Stefano Graziosi, Giorgetti l’atlantista vola negli Usa e incontra gli avversari di The Donald, https://www.laverita.info, 22 ottobre 2021.
[27] Ibidem.
[28] Francesco Bechis, Al Mise va Giancarlo Giorgetti. Dal 5G al golden power, cosa pensa il vice di Salvini, https://formiche.net, 12 febbraio 2021; Gabriele Carrer, Meno Cina nel 5G. Le mosse del governo Draghi sui piani Tim e Vodafone, https://formiche.net, 4 ottobre 2022.
[29] Meloni al Niaf: “Renderemo i rapporti con gli Usa ancora più forti”, https://www.rainews.it, 30 ottobre 2022.
[30] ANSA, 7 novembre 2022.
[31] Meloni incontra Herzog alla Cop27: insieme per i valori comuni e per la lotta all’antisemitismo, https://www.shalom.it, 7 novembre 2022.
[32] U.S. Embassy & Consulates in Italy, Readout of President Joseph R. Biden, Jr.’s Meeting with Prime Minister of Italy Giorgia Meloni, https://it.usembassy.gov, 15 novembre 2022.
[33] Huffpost, Meloni da Bali: “Con Biden ci risentiremo presto. L’Italia protagonista con l’unico capo di governo donna”, https://www.huffingtonpost.it, 16 novembre 2022.

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Claudio Mutti

Filólogo, estudioso do tradicionalismo e diretor da revista Eurasia, Rivista di Studi Geopolitici.

Artigos: 24

Deixar uma resposta