A Estratégia Militar Ucraniana e os Interesses Nacionais dos EUA

Não há indício de que os EUA deixarão de continuar armando e treinando ucranianos e enviando mercenários para enfrentar a Rússia. A recusa ucraniana em negociar atende ao desejo estadunidense de enfraquecer a Rússia por temer a ascensão da multipolaridade.

As ações atuais das Forças Armadas ucranianas na direção de Kherson e a retirada forçada do exército russo inspiraram um otimismo insalubre tanto na junta de Kiev quanto em seus patrões ocidentais. Acredita-se amplamente, com referências a vários políticos e oficiais militares ocidentais, que Kherson não é um centro estrategicamente importante a partir do qual é possível controlar a Crimeia (e atacá-la), mas um importante estímulo psicológico e moral para os ucranianos. Um maior avanço permitirá aos ucranianos assumir o controle do Canal da Crimeia do Norte, ou seja, cortar o fornecimento de água à Crimeia. E, além disso, Kiev fortalecerá sua posição para as negociações com a Rússia. Se as questões de reparação já começaram a ser levantadas, novos sucessos podem encorajar Zelensky a impor as condições mais inacreditáveis.

Ao mesmo tempo, é óbvio que o Ocidente não vai reduzir sua assistência à Ucrânia. Os resultados das eleições do Congresso dos Estados Unidos dificilmente mudarão a atitude geral de Washington em relação ao conflito atual. A UE também não mostra sinais de mudar sua política até o momento.

Ao mesmo tempo, se rastrearmos como o Ocidente tem agido desde o início da operação militar especial em fevereiro, descobriremos que está adaptando suas abordagens, o que cria novos riscos para os interesses vitais da Rússia.

Em maio de 2022, o coronel aposentado do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, Andrew Milburn, salientou que “a prestação de ajuda militar à Ucrânia não parece estar alinhada com as exigências do campo de batalha… A ajuda militar deve se concentrar nas exigências reais – e é aqui que a política dos EUA se decompõe. A necessidade de fogo de precisão de longo alcance é um exemplo… Não houve uma discussão séria sobre o fornecimento aos ucranianos do Sistema de Foguetes de Lançamento Múltiplo ou de drones de ataque de longo alcance… Os helicópteros ucranianos conseguiram atravessar a malha dos sistemas de defesa aérea russos, mas o risco de perder tripulações aéreas tornou este método de reabastecimento proibitivamente caro. Teria sido uma tarefa relativamente simples inundar o ar com chamarizes, tais como drones comerciais baratos, como os vários modelos fabricados pela DJI, sobrecarregando as defesas aéreas russas, enquanto um punhado de drones logísticos entregavam suprimentos vitais que teriam permitido à guarnição lutar indefinidamente”.

Nos últimos meses, o comando militar e político dos EUA corrigiu parcialmente este erro, e vimos o surgimento de novos sistemas de armamento utilizados pelo lado ucraniano. Sem mencionar os grandes volumes de sistemas compactos antitanque e antiaéreos que chegaram e continuam a chegar à Ucrânia.

Há outro risco, a ameaça à vida de civis. Após a provocação dos militares ucranianos com o apoio de especialistas ocidentais em Bucha, onde foram mortos apoiadores da reunificação com a Rússia e que foi apresentada como crimes de guerra do exército russo, este cenário poderia se repetir em Kherson.

O fato é que, desde o início da operação, a Ucrânia apostou no “guerrilhismo” a fim de paralisar a logística e a retaguarda do exército russo. Mas não apenas isso. Parte desta estratégia é também a identificação de indivíduos que cooperam com a administração russa.

Como escreveu Jean-Franus Rattel (Universidade de Ottawa), que pesquisou esta questão, “em vez de confrontar diretamente as forças russas, a insurgência tem se concentrado principalmente em atingir colaboradores – particularmente no sul da Ucrânia – e interromper a logística militar russa na esperança de tornar a ocupação difícil de sustentar a longo prazo. As tentativas de assassinato contra administradores pró-russos e seus colaboradores têm sido a principal tática da insurgência, visando espalhar o medo e dissuadir o recrutamento. Entre os 55 episódios de atividade insurgente documentados entre 24 de fevereiro e 2 de novembro, mais da metade (31) envolvem tentativas de assassinato contra funcionários públicos em território ocupado pela Rússia, deixando 12 alvos mortos e 12 feridos. O ritmo das tentativas aumentou rapidamente durante todo o verão, sublinhando o papel da insurgência e a falta de uma contrainsurgência russa eficaz. Os métodos utilizados incluíram dispositivos explosivos improvisados, carros-bomba, tiroteios e até mesmo agentes nervosos. As listas de morte de supostos colaboradores têm circulado online, presumivelmente para desencorajar os funcionários pró-russos de permanecerem no cargo”.

O autor observa as atividades de propaganda das células nazistas ucranianas, o surgimento de grupos como o “Exército Guerrilheiro de Berdyansk” e o Movimento de Resistência “Ucrânia Livre”, que são bastante ativos na Internet e publicaram vídeos ameaçando os militares russos e todos aqueles que os apoiam.

Os ataques ao território russo também se enquadram neste quadro. Os rebeldes ucranianos e seus cúmplices na Rússia têm sabotado ativamente as ferrovias e linhas de energia nas regiões de Kursk e Belgorod. Eles também podem ter estado envolvidos em incidentes envolvendo bases de combustível e armas em território russo. De acordo com o New York Times, os insurgentes ucranianos conseguem atravessar regularmente as linhas inimigas e se conectar com as forças armadas ucranianas. Esta informação é difícil de provar ou refutar, mas os fatos confirmam a atividade de certas forças, que podem se qualificar como atividade terrorista.

Jean-François Rattel conclui que “os casos limitados de confronto direto com as forças armadas russas (versus assassinatos direcionados) sugerem uma abordagem cuidadosamente executada destinada a desgastar as forças de ocupação, concentrando-se nos colaboradores e em suas instituições. Os assassinatos direcionados são um símbolo poderoso e exigem menos recursos e menos coordenação entre os partidários e as forças regulares. Ao mesmo tempo, o sucesso da insurgência em atingir os depósitos de armas e as linhas de abastecimento russas sublinha seu papel mais amplo nos esforços militares ucranianos”. Portanto, tais técnicas comportamentais continuarão a ser empregadas a curto prazo.

Finalmente, há riscos em mudar os rumos estratégicos das FFAA ucranianas no teatro de operações. Além do corredor terrestre para a Crimeia, as atividades navais podem ser ativadas e levadas a outro nível.

Daniel Fiott, que é o chefe do programa de defesa e administração pública do Centro de Segurança, Diplomacia e Estratégia da Escola de Governo de Bruxelas, observa que “a Ucrânia demonstrou um alto grau de pragmatismo e engenhosidade no campo de batalha e usou drones e mísseis antinavio improvisados para manter a marinha russa à distância. Seu ataque à Ponte Kerch é um exemplo do comprimento que as forças da Ucrânia estão dispostas a percorrer, mesmo sem capacidades navais. Dependendo de quão longe a Ucrânia repila as forças russas, o Ocidente deve reconsiderar sua entrega de armas de marinha a Kiev. Isto poderia começar com maiores influxos de mísseis antinavio, como o Harpoon, mas também pode significar o treinamento das forças armadas ucranianas para usar microtorpedos dos crescentes estoques de navios de patrulha que provavelmente receberão no futuro. Hoje, há repetidos apelos por mais drones, aviões de combate e tanques, mas há necessidade de considerar seriamente a dimensão naval aqui, pois os navios de patrulha sozinhos não serão capazes de alterar o equilíbrio naval contra a Rússia”.

Fiott não só confirma o papel da Ucrânia na organização dos ataques, mas também está engajada em clara incitação para mais ajuda militar em tal quantidade e qualidade que possa mudar o atual equilíbrio de poder no Mar Negro.

No entanto, se nos voltamos para os Estados Unidos, dos quais dependem em grande parte tanto a capacidade de luta do exército ucraniano quanto as decisões políticas de Kiev, temos de nos perguntar – por que estão fazendo isso? Pode-se ter a impressão de que esta posição dos EUA é de interesse nacional – para bombear ainda mais a Ucrânia com armas, atrasando assim a operação militar especial por parte da Rússia e enfraquecendo Moscou. A isto devem ser acrescentadas as contínuas tentativas de isolar a Rússia na arena internacional (na maioria das vezes sem sucesso) e as constantes campanhas de informação na mídia ocidental.

Entretanto, há desacordos dentro do sistema dos EUA sobre qual deveria ser exatamente a posição de Washington sobre a Ucrânia. Isto é confirmado por diferentes visões de resolução de conflitos por parte do Departamento de Defesa dos EUA (que gostaria de ver os dois lados na mesa de negociações o mais rápido possível) e da administração da Casa Branca, que continua a dobrar sua linha sobre a retirada total das tropas russas do “território ucraniano”. É a administração de Joe Biden que torna a própria situação um impasse, pois após os referendos e a incorporação na Rússia de quatro regiões em 2022, que eram anteriormente regiões da Ucrânia, há uma compreensão diferente deste território. Como o lado perdedor, Kiev está tentando se vingar pela força militar, mas da perspectiva da soberania da Rússia e da inalienabilidade de suas quaisquer regiões, isto é visto como uma invasão que deveria ser suprimida por quaisquer meios disponíveis (aliás, incluindo armas nucleares, foi por isso que esta questão foi tão teimosamente levantada por políticos ocidentais e pela mídia). Portanto, qualquer contra-ataque temporário da Ucrânia apenas prolongará o atual conflito, levará a baixas desnecessárias e agravará de forma abrangente a situação, principalmente na Europa.

Isto levanta a questão de saber se os Estados Unidos têm o entendimento correto de seus interesses nacionais. É claro que, para falar dos interesses nacionais deste país, é melhor passar a palavra a seu representante.

Joshua Shifrinson no The National Interest explica com algum detalhe o entendimento incorreto do que está acontecendo por parte dos tomadores de decisão nos departamentos relevantes dos Estados Unidos.

Para resumir seu artigo, existem dois campos em Washington, um dos quais teme os sucessos da Rússia na Ucrânia, portanto, são necessárias medidas para limitar as capacidades da Rússia. Isto está por trás de declarações abstratas e não substanciadas sobre ameaças a outros vizinhos. A isto se somam as preocupações sobre o potencial de engrandecimento por outros atores, especialmente a China, que poderia usar a situação para invadir Taiwan.

O segundo campo fala de um contexto mais amplo, como o Secretário de Estado Anthony Blinken, que afirmou que “a ordem internacional baseada em regras que é crítica para manter a paz e a segurança está sendo posta à prova pela invasão não provocada e injustificada da Rússia à Ucrânia”.

Esta divisão não é acidental e reflete a posição da escola do realismo e da escola do liberalismo nas relações internacionais. Na realidade, porém, ambos os campos distorcem estas teorias, como confirma Shifrinson.

“A verdade é que nenhum dos interesses declarados dos Estados Unidos na Ucrânia resiste ao escrutínio. Como é importante, acreditar que são interesses americanos contradiz os princípios fundamentais da grande estratégia americana estabelecida há muito tempo; fazer política baseada em tais preocupações corre o risco de criar mais dilemas estratégicos para os Estados Unidos, Ucrânia e Rússia de formas que só podem piorar as consequências do atual conflito”.

De fato, por que a Rússia atacaria outros países vizinhos, especialmente os países da OTAN, se isso causaria uma reação violenta? Além disso, os Estados Unidos nunca protegeram realmente as democracias de outros países. Washington permitiu golpes militares no Paquistão e apoiou ditaduras e líderes autoritários em qualquer lugar e a qualquer momento, desde que fossem aliados dos Estados Unidos. A ação militar saudita no Iêmen, por alguma razão, não atraiu tanta atenção quanto a operação militar russa na Ucrânia, mesmo que o conflito no Iêmen tenha levado a um desastre humanitário.

E onde estão as evidências de que a Rússia está realmente destruindo a ordem internacional existente? Se a Rússia foi forçada a mudar para moedas nacionais, é porque os EUA e a UE bloquearam o uso do SWIFT para acordos bancários. Se a Rússia está redirecionando seus negócios comerciais para outros países, é porque os países ocidentais provaram ser parceiros não confiáveis e bloquearam (de fato, roubaram) as reservas de ouro e de moeda estrangeira da Rússia e outros ativos.

Fica a impressão de que sob as acusações de destruição da “ordem internacional liberal” há uma espécie de reação defensiva dos Estados Unidos e tentativas de culpar outros pela disfuncionalidade deste sistema, que está falhando. Não é culpa da Rússia que a unipolaridade esteja sendo substituída pela multipolaridade, por uma série de razões objetivas. Embora a Rússia seja agora forçada a promover ativamente a construção desta multipolaridade a fim de proteger seus interesses e sua soberania. Mas outros países também estão dando passos em direção a um sistema mundial multipolar passo a passo, o que demonstra a objetividade desta tendência. Não apenas os críticos dos EUA, mas até mesmo seus aliados, como a UE, têm o desejo de mudar o status quo, que está se tornando cada vez mais oneroso devido à dependência de Washington. Não é coincidência que a Itália tenha suspendido a entrega de armas à Ucrânia. Talvez outros membros da Comunidade sigam o exemplo. Finalmente, o próprio projeto de autonomia estratégica da UE sugere planos para uma retirada gradual do cativeiro da escravidão transatlântica. Quanto mais cedo isso acontecer, melhor para a própria Europa.

Quanto aos EUA, eles deveriam considerar um papel mais limitado na história mundial e assumir a responsabilidade por ações mais modestas.

Fonte: Oriental Review

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 24

Deixar uma resposta