Anjo da Paz ou Transumanista? As Duas Faces de Elon Musk

Muitos celebram Elon Musk como paladino da liberdade contra a cultura do cancelamento. Mas é necessário lembrar, também, de outro Elon Musk: o promotor do transumanismo.

O bilionário Elon Musk entra na sede do serviço de mensagens curtas Twitter. Ele trombeteia em inglês para a liderança liberal-esquerda chocada que completou a compra do Twitter após uma longa batalha judicial. Uma foto dele entrando na sede com uma pia nos braços é acompanhada por suas palavras “Let that sink in!” em todo o mundo. Jornalistas e políticos politicamente corretos deram vazão a sua raiva e desespero, assim como os ativistas antiglobalização se regozijaram. Musk, que simbolicamente liberou o pássaro azul do Twitter, tem sido considerado desde então como um campeão da liberdade de expressão. Ele conseguiu um feito semelhante aos olhos de muitos adversários da globalização com seu apelo público para que o Ocidente abrisse negociações de paz com a Rússia, reconhecesse a Crimeia como russa e realizasse votações supervisionadas pela ONU nas regiões ocupadas.

Embora este seja o “lado bom” de Elon Musk que muitos patriotas apreciam corretamente, o sul-africano também tem um lado negro. Sua reação quando perguntado sobre o golpe de Estado americano na Bolívia em 2020 fala muito: “Damos golpe em quem quisermos”. Pouco tempo depois, ele apagou seu tweet depois que ele já havia se tornado viral. Ele não está interessado na soberania de outros povos, se eles se atravessarem no caminho de seus interesses econômicos, palavra-chave do lítio boliviano para as baterias de Tesla. Além disso, o próprio Musk é um transumanista convicto que quer transplantar o chip “Neuralink”, ainda em desenvolvimento, para os cérebros humanos.

Embora o próprio Elon Musk enfatize que quer tornar os humanos mais poderosos do que nunca, os críticos objetam que isso poderia nos tornar não apenas hackeáveis, mas também diretamente controláveis. Mas isso é apenas o topo do que o oligarca americano quer alcançar: turismo espacial e ciborgues também estão em sua agenda. O que estes projetos têm em comum é sua arrogância: o Musk, como os outros “deuses das máquinas do Vale do Silício”, quer empurrar os limites do homem em todos os aspectos. É lógico, portanto, que o próprio Musk é um entusiasta da mudança climática e que ele também aparece em eventos do Fórum Econômico Mundial liderados por Klaus Schwab, um dos principais defensores do “Grande Reset”.

Em Davos, ele falou sobre a “quarta revolução industrial” e suas consequências. O oligarca excêntrico também apoia a agressão ocidental na Ucrânia via Starlink. Ele próprio é influenciado pela facção de “direita” do centro tecnológico do Vale do Silício, que também é representado pelo fundador homossexual da PayPal, Peter Thiel. Mas assim como a facção de “esquerda” em torno de Marc Zuckerberg e Raymond Kurzweil não representa os interesses dos americanos comuns, Musk também não é um campeão da causa do povo. Ao representar ruidosamente os interesses de outra facção do capital, veja-se o Twitter, ele cria o caos no sistema que os opositores da globalização ao redor do mundo podem usar para seus próprios fins. Elon Musk não é um herói, mas simplesmente um globalista com uma camada de tinta diferente.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Alexander Markovics

.

Artigos: 24

Deixar uma resposta