A Guerra depois de Kherson

A retirada das forças russas da cidade de Kherson parece ter sido uma movimentação para consolidar as linhas russas antes do inverno. Ao contrário de narrativas que falavam em acordos secretos entre Rússia e EUA não há o menor indício de que haverá trégua antes da primavera. Enquanto isso, o Estado ucraniano promete intensificar suas ofensivas durante o inverno apesar das perdas imensas em homens e equipamento.

Em 9 de novembro de 2022, por sugestão do General Surovikin, o Ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, ordenou a retirada dos soldados russos estacionados na margem direita do rio Dnepr, incluindo a cidade de Kherson e uma série de pequenos assentamentos no campo. A decisão, transmitida ao vivo pela TV em Rossija 24, mas provavelmente já tomada há algum tempo, foi precedida pela evacuação de cerca de 120.000 civis pró-russos, que no caso de seu retorno à Ucrânia teriam sido vítimas do ajuste de contas já visto em outras localidades recapturados por Kiev, da destruição de numerosas pontes e da remoção de bandeiras russas das ruas de Kherson e do monumento ao fundador da cidade, Grigory Potëmkin, uma previsível vítima da cultura de cancelamento sabor boršč. Em dois dias, de maneira ordeira, os cerca de trinta mil soldados russos estacionados na região se deslocaram para a margem esquerda do rio, onde a preparação de novas trincheiras estava em andamento há algum tempo, e enquanto os soldados ucranianos se aproximavam cautelosamente de Kherson, em meio ao entusiasmo da população pró-Ucrânia e à perseguição dos remanescentes pró-russos, o exército russo explodiu a Ponte Antonovsky, que liga Kherson à margem leste do rio, trazendo assim também, simbolicamente, o fim da retirada.

Por que as tropas russas se retiraram de Kherson? Até alguns dias atrás, qualquer cessão do banco direito parecia estar fora de questão. Assim como histórica e simbolicamente, sendo a primeira cidade fundada como parte daquela colonização – desejada pela czarina Catarina II – das estepes do atual sul da Ucrânia que levou ao nascimento da Novorrússia, a cidade de Gannibal[1] e Potëmkin também constitui uma valiosa cabeça de ponte em direção a Nikolaev e Odessa, assim como a ponta de uma área de amortecimento que protege a margem esquerda do Dnepr e, portanto, a Crimeia. Entre março e maio deste ano, na margem direita do Boristene, as tropas russas conquistaram território de até cem quilômetros de comprimento e quarenta de largura, e repetidas contraofensivas ucranianas desde junho terminaram quase sempre em um banho de sangue, com poucos ganhos territoriais. Pelo menos em teoria, portanto, as tropas russas ainda poderiam manter a cidade, especialmente considerando que a maioria da população local parecia apoiar o domínio russo e que a chegada da estação do inverno tornaria muito difícil a organização de iniciativas ofensivas. No entanto, pelo menos em nível militar, a decisão de deixar Kherson foi, em geral, uma decisão sensata.

A este respeito, as vantagens desta decisão foram óbvias. Embora suficientes para manter a região, os trinta mil soldados russos estacionados em Kherson eram insuficientes para fazer uma ofensiva contra Nikolaev, o que teria criado uma nova fronteira defensável ao longo do Bug e Ingul do sul. A linha de frente, portanto, estava em uma área plana que se prestava bem a possíveis contraofensivas ucranianas. Além disso, a partir de julho, a Ponte Antonovsky foi repetidamente atingida pelos mísseis HIMARS fornecidos pelos EUA, que embora não a tenham destruído, a tornaram inutilizável, forçando os russos a usar pontes pontões para abastecer a margem direita. Por outro lado, o Dnepr, cuja largura em algumas seções chega a 23 quilômetros, é a barreira natural mais importante entre o Volga e os Cárpatos, e além de ser facilmente defensável, também permite que os soldados sejam libertados para uso no oblast do Zaporoz’e, onde de acordo com muitos relatos é possível uma ofensiva ucraniana na direção de Berdjansk e Melitopol’, e no Donbass, onde a frente está quase estacionária há semanas, com o objetivo de congelar as frentes ou completar algumas conquistas atualmente em curso (em particular Artemovsk/Bakhmut e Avdeevka) enquanto se aguarda a chegada dos reforços, a paralisação da logística ucraniana resultante da destruição metódica da infraestrutura energética, e o fim da estação do inverno para tornar possível o retorno à ofensiva.

A estas considerações táticas, devem ser acrescentadas duas estratégicas. Se o motivo oficial da guerra é a libertação do Donbass, e mais genericamente dos territórios ucranianos onde a maioria da população se identifica com o conceito de Russkij Mir, na prática os principais objetivos estratégicos russos são criar um corredor terrestre entre a Crimeia e o Donbass, evitando um possível estrangulamento da Tauride via Mar Negro e Mar de Azov[2], garantir a autossuficiência da Crimeia em água e energia, e criar uma fronteira defensável a oeste da Rússia. Quanto ao segundo ponto, é bastante evidente que, ao invés de Kherson, o principal alvo estratégico russo na região é a cidade de Novaja Kakhovka, na margem leste do Boristene, o ponto de partida do canal responsável por grande parte do abastecimento de água para a península. Afinal, a escassez de água sempre foi um dos maiores problemas da Crimeia, e a própria transferência da Crimeia para a Ucrânia em 1954, motivada oficialmente pelo 300º aniversário do Tratado de Perejaslav que a historiografia russa sempre celebrou como o ato de reunificação entre a Rússia e a Ucrânia, foi motivada em grande parte pela construção do referido canal, através do qual a península desfrutaria de um enorme fornecimento de água ucraniana. Após a anexação russa da Crimeia em 2014, oficialmente por dívidas sobre suprimentos anteriores, a Ucrânia bloqueou o fluxo de água através do canal, atingindo duramente a produção agrícola, e o abastecimento de água só foi retomado em 26 de fevereiro de 2022, após a chegada das forças russas em Novaja Kakhovka.

O segundo ponto, entretanto, é mais complexo. A Rússia provavelmente teria preferido chegar ao Dnestr, o rio que o General Suvorov via como os limões ocidentais da Russkij Mir. Teria conquistado Nikolaev e Odessa, privado a Ucrânia do acesso ao mar e reunido a Transnístria com a pátria. A Rússia, em troca, provavelmente teria dado luz verde para a anexação romena da Moldávia, do Budzak e do oblast Černivci, que tinha pertencido à Romênia até 1940. A derrota na Batalha de Voznesensk, entretanto, bloqueou uma tentativa russa inicial de chegar ao Dnestr, e a retirada de Kherson com a demolição associada das pontes sobre o Dnepr tornou quase impossível que isso acontecesse. Se as novas fronteiras descansassem no Dnepr, no entanto, o Kremlin veria o copo meio cheio: A Rússia abriria mão de Odessa para sempre, com sua natureza cosmopolita intimamente ligada à era imperial e ao cenário de um dos episódios mais dramáticos dos protestos pró-russos de 2014 (o Massacre de Odessa), mas uma fronteira no Dnepr, que ao longo da história desempenhou o papel de limes do mundo russo em várias ocasiões, concederia ao país o controle quase total sobre as margens norte do Mar Negro, criando uma barreira quase intransponível em defesa da Crimeia e evitando o já mencionado estrangulamento da principal porta de entrada da Rússia para os mares quentes.

No plano político, no entanto, a situação é bem diferente. A retirada de Kherson, ainda mais do que o ataque à Ponte da Crimeia – a rápida reconstrução dos vãos destruídos, além do mais, em tempos de guerra e sanções, pode de fato se tornar uma fonte de orgulho – e a derrota tática na parte oriental do oblast de Kharkov, representa uma pílula amarga para a Rússia. Ao contrário desta última, de acordo com a lei russa, a parte ocidental do oblast de Kherson é oficialmente território russo, e deixá-la depois que a maioria de sua população escolheu a anexação à Rússia em um referendo que certamente foi questionável, mas que não teria sido possível se pelo menos parte da população não tivesse concordado, constitui uma perda de credibilidade. E embora as autoridades russas tenham falado de uma retirada temporária, uma recaptura de Kherson nos próximos meses é difícil (além de não responder à lógica militar que agora prevalece na gestão do conflito).

É possível que a perda de Kherson permita à Rússia segurar Berdyansk e Melitopol, cuja perda teria significado não apenas imagem, mas também danos estratégicos; entretanto, a decisão teve um forte impacto no moral dos soldados, que muitas vezes são incrédulos à decisão, enquanto aos olhos daqueles cento e vinte mil refugiados que muito provavelmente nunca mais verão suas casas, ela beira a traição. Os riscos da retirada de Kherson em termos de estabilidade política são pequenos no momento, mas não se pode descartar que eles possam aumentar no futuro. Estes refugiados, juntamente com veteranos e nacionalistas, poderiam de fato se tornar a base de um movimento de massa, enquanto já hoje o Partido Comunista da oposição submeteu um questionamento à Duma sobre o que ela chama de “uma retirada sem luta”, e o filósofo Aleksandr Dugin, em uma misteriosa declaração, depois de chamar o retiro de Kherson de “a última linha vermelha aceitável”, teria supostamente dito que o soberano que não protege seus súditos “está sujeito ao destino do Rei das Chuvas”, ou seja, o apedrejamento. Uma ameaça velada a Putin? O que está no olho da tempestade no momento é principalmente a gestão passada da invasão, no conjunto moderada, e os componentes residuais pró-ocidentais da política e da população russa; mas, numa guerra de culpabilização como a atual, a pior acusação é traição, e se houver grandes derrotas, o Czar poderia ser objeto de teorias conspiratórias semelhantes às Dolchstoßlegende em Weimar, Alemanha, que poderiam, a longo prazo, minar sua credibilidade.

Por outro lado, porém, a decisão de se retirar da margem ocidental do rio Dnepr foi muito bem recebida pelos próprios “falcões” que na época haviam criticado fortemente a gestão da operação especial, a relutância em exigir pelo menos uma mobilização parcial e a ausência de uma campanha sistemática de bombardeio contra a infraestrutura estratégica no modelo, por exemplo, do choque e pavor aplicados pelos EUA no Iraque. Para Evgenij Prigozin, fundador do Grupo Wagner, deixar Kherson foi “uma decisão difícil, mas que mostra a prontidão do comando para assumir a responsabilidade pela vida dos soldados”. A retirada das tropas com perdas mínimas, acrescentou Prigozin, “não honra as armas russas, mas enfatiza as qualidades do comandante, que agiu como um homem sem medo da responsabilidade”. A declaração foi seguida de perto por uma de Kadyrov, que enfatizou a dificuldade de se abastecer na área de Kherson e o fato de ser muito mais fácil organizar a defesa na margem esquerda do Boristene. Declarações que demonstram o capital político do General Armageddon, que depois de ter impressionado um desvio decisivo no curso da operação especial ao bombardear cirurgicamente a infraestrutura energética ucraniana poderia dar-se ao luxo de tomar uma decisão impopular, mas no conjunto útil para a realização dos objetivos estratégicos russos.

É então possível que a retirada de Kherson seja parte de um acordo não escrito entre a Rússia e os EUA, como afirmou o analista geopolítico brasileiro Pepe Escobar. Este último, em uma declaração no Telegram em 10 de novembro, falou de um acordo entre o Conselheiro de Segurança dos EUA Jake Sullivan e seu homólogo russo Nikolai Patrushev, segundo o qual o Dnepr se tornará a nova fronteira entre a Rússia e a Ucrânia. O acordo, feito no decorrer de numerosas ligações telefônicas entre os dois – a última apenas três dias após o anúncio da retirada – foi alegadamente apresentado por Sullivan a Kiev durante sua última visita, e a Ucrânia, agora completamente dependente da ajuda militar ocidental, só terá que assiná-lo. Certamente a luta continua no Donbass, mas no Dnepr os jogos poderiam ser jogados; e, caso esta hipótese se revele verdadeira, o Boristene voltará a desempenhar o papel de limes entre a Rússia e o Ocidente católico e protestante, que desempenhou em mais de um século entre a Trégua de Andrusovo, em 1667, e a Partição da Polônia, em 1793. Se não de jure, pelo menos de fato.

As evidências em apoio à tese de retirada negociada são variadas. Ao contrário da França e da Ucrânia, que temiam uma armadilha quando a retirada russa foi anunciada, nos EUA a notícia foi recebida sem muita surpresa: a CNN chamou a retirada de “humilhante, mas não surpreendente”[3], e a própria administração parecia estar um pouco consciente do que estava acontecendo. Desde o início de outubro, tem-se falado muito de negociações secretas entre Washington e Moscou, mediadas por um país árabe que é muito provavelmente a Arábia Saudita. Telefonemas entre o conselheiro de segurança nacional russo Nikolai Patrušhev e seu homólogo americano Jake Sullivan, cujo conteúdo não foi revelado, foram numerosos nos últimos tempos, o último ocorrendo apenas três dias após o anúncio de retirada[4], e de acordo com o Wall Street Journal, este último exortou Zelensky a adotar uma posição de negociação “realista” em suas conversas com Putin[5]. Além disso, na sequência do anúncio da retirada russa, o Chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA Mark Milley declarou que um impasse militar de inverno abre uma “janela de oportunidade” para as conversações de paz entre a Rússia e a Ucrânia, enfatizando que agora é uma prioridade para a Ucrânia cimentar os ganhos obtidos, enquanto espera que as partes em conflito aceitem o princípio de que não podem alcançar seus objetivos manu militari[6]. E, após o recente incidente de Przewodów, a Rússia elogiou a resposta “comedida” dos EUA através do porta-voz de Putin, Dmitry Peskov[7].

Sinais de desescalonamento, aqueles do lado americano, determinados por vários fatores. A principal delas é a impossibilidade de apoiar a Ucrânia no ritmo dos últimos meses “enquanto for necessário”, para mencionar um slogan que temos ouvido com demasiada frequência nos últimos meses. Os estoques de armas do Ocidente estão se esgotando, como também afirma uma análise da Bloomberg[8], e de acordo com a analista geopolítica Andrea Gaspardo, o pico dos suprimentos ocidentais já foi atingido entre junho e julho, e então começou um declínio lento, mas constante. Tudo isso enquanto o potencial não expresso da Rússia ainda é enorme[9]. A segunda é geoestratégica: o verdadeiro inimigo dos EUA no momento não é Moscou, mas Pequim, e continuar o conflito na Ucrânia até o fim significa privar Taipei, que é muito mais importante para os EUA do que Kiev, de armas. Não é coincidência que Milley, que é uma pomba na Ucrânia, se torne um falcão no Mar da China e recentemente advertiu o antigo Império Celestial para “tirar lições da Ucrânia” caso tentasse invadir a antiga China nacionalista[10]. A terceira, finalmente, é o aperto da frente europeia, onde cresce o descontentamento público contra uma guerra que causa um forte aumento da inflação e sérios problemas com o fornecimento de matérias-primas, e em certa medida a frente doméstica, onde há apoio geral para a Ucrânia, mas a maioria não é contra concessões à Rússia. A guerra, como lembramos, é também o produto do desejo anglo-saxão de reduzir um concorrente importante e reduzir a autonomia estratégica da Europa, com particular referência ao fornecimento de hidrocarbonetos; mas, em um contexto como o atual, puxar a corda longe demais significa criar um efeito bumerangue.

Isto tem criado bastante atrito com a Ucrânia, como é frequentemente o caso de guerras de culpa entre participantes de primeira e segunda linha (aqueles diretamente envolvidos no conflito e aqueles que participam dele, direta ou indiretamente, em apoio a um ou outro). Inicialmente subterrâneas, ligadas à recusa dos EUA de criar uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia e de enviar armas de longo alcance como o lançador de mísseis ATACMS, as tensões surgiram cada vez mais claramente após ataques como o assassinato de Daria Dugina em Moscou e o atentado com carro-bomba na Ponte da Crimeia, que os próprios serviços de inteligência dos EUA, através de vazamentos para o “New York Times”, atribuíram aos ucranianos, confirmando assim a versão de Moscou. As tensões se transformaram recentemente em um confronto aberto entre Biden e Zelensky, por exemplo, quando este último negou a versão oficial do incidente de Przewodów, insistindo que o míssil em questão era russo e não ucraniano, enquanto vários membros do Partido Republicano e personalidades como o popular comentarista Tucker Carlson questionam abertamente a conveniência de apoiar o que agora se tornou um aliado problemático, no estilo de Noriega ou como o último presidente do Vietnã do Sul Nguyễn Văn Thiệu.

Mais uma vez, porém, as razões militares são diferentes das políticas, e nem todos concordam com Milley no Estado que tem o poder de acabar com a guerra mais do que qualquer outro. Embora não negando diretamente ao Chefe de Gabinete, de fato, personalidades como Biden, Blinken e o próprio Sullivan declararam que não pressionarão a Ucrânia a chegar a uma solução diplomática, enfatizando que “cabe à Ucrânia decidir quando ir para as negociações”[11]. As pressões para continuar a guerra ainda são muito fortes: a moção na qual a bancada progressista do Partido Democrata pediu à administração Biden que se abrisse à perspectiva de uma solução negociada do conflito e a criação de uma nova arquitetura para a segurança europeia foi prontamente retirada, e o fracasso de um Partido Republicano agora fortemente trumpista em triunfar nas últimas eleições de meio-mandato certamente não ajuda. O próprio convite a Zelensky para mostrar mais flexibilidade nas negociações deve ser visto em uma perspectiva na qual os EUA pretendem manter intacta a frente ocidental, especialmente em uma Europa onde nem todos querem arriscar uma guerra sem fim.

Além disso, não se deve esquecer que o objetivo final da política dos EUA na Ucrânia, hoje como em 2014, é “dar uma lição à Rússia”, obrigando-a a aceitar o papel de potência regional que Obama de fato lhe havia atribuído na sequência da crise da Crimeia, e funcionar como um aviso a todas aquelas potências que possam desafiar a primazia dos EUA, a China in primis. Acrescente a isto outro objetivo estratégico: quebrar o potencial eixo estratégico entre a Rússia e a União Europeia, baseado na complementaridade entre os recursos naturais da primeira e a indústria da segunda. Um objetivo estratégico compartilhado além disso pelo Reino Unido, que após o Brexit aumentou sua distância da França e da Alemanha e viu nos países da chamada “Europa Média” (em particular Polônia, Estados Bálticos, Finlândia e Romênia) uma oportunidade preciosa de criar uma cunha entre a Rússia e a Alemanha, enfraquecendo ambas e esculpindo uma esfera de influência dentro da União Europeia. O Reino Unido, neste momento, é ainda mais radical que os Estados Unidos, tendo interesses estratégicos diretos em jogo, e em abril passado foi o então Primeiro Ministro Boris Johnson quem impediu a iminente reunião entre Putin e Zelensky, o prelúdio para a conclusão de um acordo de paz[12]. A espiral estagflacionista na qual o Reino Unido entrou, pelo menos em parte ligada à guerra, poderia pressioná-lo a reduzir a ajuda à Ucrânia, que já é significativamente inferior à dos EUA[13], e talvez também a reduzir os gastos militares, mas pelo menos parte da administração e do aparato norte-americanos tem interesse em continuar a guerra, e o mesmo convite a Zelensky para mostrar mais flexibilidade nas negociações também deve ser visto sob esta luz. O presidente ucraniano também deve estar aberto ao diálogo a fim de tornar o fornecimento de armas à Ucrânia mais aceitável aos olhos da opinião pública, especialmente em países como Itália, França e Alemanha.

Consequentemente, é bastante improvável que a retirada de Kherson tenha sido o resultado direto de negociações subterrâneas. A presença de contatos de alto nível entre os russos e os americanos, agora não mais tão secretos, é um fato, e não é improvável que estes últimos estivessem cientes da decisão russa. Mas os fatores militares que influenciaram a decisão russa têm um peso não marginal, enquanto que qualquer acordo abaixo do radar sobre as novas fronteiras da Ucrânia seria visto no momento como uma traição tanto em Washington quanto em Moscou. Isto, entretanto, não nega o fato de que a paz na Ucrânia será quase certamente o resultado de negociações diretas entre a Rússia e os Estados Unidos, talvez com a mediação da Turquia que, apesar de ser membro da OTAN, está em boas condições com Moscou, e provavelmente implicará todo um rearranjo da Europa Oriental, com referência a pelo menos alguns dos outros conflitos congelados que envolvem a região. E, em um contexto em que a vitória total para ambos os lados é improvável no momento, decisões emocionalmente difíceis são inevitáveis: como escreveu Huntington em O Choque de Civilizações, afinal, “em uma guerra de culpa, a traição da própria espécie é o preço a ser pago para alcançar a paz”[14]. Nos Acordos de Minsk, a Rússia teve que controlar o irredentismos das Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk, que tiveram que aceitar em princípio a ideia de reintegração no Estado ucraniano e a renúncia de cidades recapturadas pelos ucranianos durante a guerra, como Slavjansk e Lisičansk. Agora, muito provavelmente, os cordeiros do sacrifício serão a Transnístria – que provavelmente retornará à Moldávia – e o componente pró-russo da população de Kherson. Do outro lado da frente, o slogan “nada sobre a Ucrânia sem a Ucrânia” se revelará uma mera ferramenta retórica quando chegar o momento: em conflitos de linha de falha, a paz é o resultado de negociações entre participantes de segunda e terceira linha, enquanto os diretamente envolvidos têm envolvimento limitado, e não raramente a paz é de fato imposta aos contendores exaustos, como mostram os casos da Bósnia e da Irlanda do Norte. A pílula amarga, muito provavelmente, será a rendição de territórios habitados por populações pró-russas, de fato se não de jure.

Em princípio, a resolução do conflito deve passar por três etapas:

  1. Redução da intensidade (ou, alternativamente, uma vitória decisiva para um dos dois lados);
  2. Coreanização do conflito, com um cessar-fogo e congelamento das posições no momento do conflito;
  3. Acordo de paz.

Entretanto, para que isso seja alcançado, seria apropriado que todas as partes chegassem a um ponto em que todas as partes aceitassem um compromisso. “A divisão da Bósnia entre 51% para croatas e muçulmanos e 49% para sérvios”, escreveu o autor de O Choque de Civilizações, “não era viável em 1994, quando os sérvios controlavam 70% do país, mas tornou-se viável quando as ofensivas croatas e muçulmanas reduziram o controle sérvio a menos da metade do território”[15]. Não muito diferente é a situação da Ucrânia hoje em dia. Algo não muito diferente está acontecendo na Ucrânia, e não é surpreendente que a questão principal não seja a adesão à OTAN (em princípio, as duas partes já concordaram com o não da Ucrânia à OTAN em troca de garantias de segurança ocidentais), mas sim questões territoriais. A exigência russa de reconhecer a anexação da Crimeia, das repúblicas do Donbass e dos oblasts de Zaporozhye e Kherson é atualmente inaceitável para a Ucrânia, que recuperou não pouco terreno nos últimos dois meses. Igualmente inaceitável, desta vez para a Rússia, é a exigência ucraniana de uma retirada incondicional das regiões em disputa como condição prévia para o início das conversações de paz, dado que o país ainda controla cerca de 20% do território ucraniano e poderia ver o vento mudar a seu favor num futuro próximo.

É provável, portanto, que uma verdadeira trégua só ocorra se a paralisia da logística ucraniana resultar em uma série de derrotas militares que levem a Ucrânia e os países ocidentais a aceitar a ideia de que um compromisso é preferível à continuação da guerra (a outra opção, ou seja, um colapso das forças russas, é improvável). Isto provavelmente não acontecerá antes da próxima primavera, e mesmo assim a transição das tréguas para a paz não será imediata. Nas guerras por culpa, as tréguas são geralmente uma ferramenta para lamber feridas e reorganizar, e os Acordos de Minsk, que na prática eram uma trégua armada, não foram exceção[16]. Uma verdadeira paz deve ser baseada não apenas em um rearranjo geral da Europa Central e Oriental, mas também na reconstrução das relações russo-ucranianas com base em novos princípios e no reconhecimento por ambas as partes da dinâmica peculiar dentro da Ucrânia, na linha do preâmbulo daqueles Acordos de Sexta-feira Santa que puseram fim ao conflito da Irlanda do Norte. O reconhecimento do lado russo de que a maioria do povo ucraniano deseja uma maior integração com o Ocidente, e o reconhecimento do lado ucraniano de que uma minoria substancial da população do país deseja a união com a Rússia ou pelo menos relações estreitas com a Grande Mãe, no momento, representam uma derrota para ambos os lados; mas, salvo um colapso de ambos os lados, eles constituem o pré-requisito indispensável para a construção de uma paz mais ou menos permanente.

Notas

[1] Referência a Ivan Gannibal, filho de Abram (o “Negro de Pedro o Grande” da ópera de Pushkin, de quem era bisneto) e oficial do exército czarista.
[2] A referência é às bases navais que a Ucrânia teria querido construir no Mar Negro e no Mar de Azov com auxílio britânico.
[3] https://edition.cnn.com/
[4] https://www.reuters.com/
[5] https://english.almayadeen.net/
[6] https://apnews.com/
[7] https://www.ndtv.com/
[8] https://www.bloomberg.com/
[9] https://www.youtube.com/
[10] https://www.scmp.com/
[11] https://edition.cnn.com/
[12] https://www.pravda.com.ua/
[13] https://www.ifw-kiel.de/
[14] S.P. Huntington, Lo Scontro di Civiltà e il Nuovo Ordine Mondiale, Garzanti, Milano 1996, p. 445.
[15] Ibidem, p. 446.
[16] Petro Poroshenko, presidente da Ucrânia na época do acordo, teria posteriormente afirmado que os Acordos de Minsk serviam para dar à Ucrânia 4-5 anos para reorganizar as forças militares segundo os padrões da OTAN. A Rússia, de sua parte, nunca abandonou a ideia de resgatar a Ucrânia sob sua influência.

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Giuseppe Cappelluti

Formado em Línguas Modernas para a Comunicação e Cooperação Internacional pela Universidade de Bergamo e em Ciências da Mediação Intercultural pela Universidade de Bari. MEstre em Relações Internacionais

Artigos: 24

Deixar uma resposta