Reconsiderando a Geoeconomia como Elemento Constitutivo da Análise Geopolítica

Para garantir uma análise geopolítica completa é fundamental ter sempre em mente também a geoeconomia, subdisciplina que deve ser melhor formalizada e estruturada para facilitar o seu uso eficiente.

Situando a Geoeconomia em seu contexto adequado

Tanto no contexto científico como no mundo da informação massificada, ouvimos falar muito de geopolítica, uma disciplina na esfera da ciência política e das relações internacionais que estuda uma pluralidade de temas, como Carlo Terracciano a definiu:

“Aquele ramo da Geografia Antrópica que analisa a relação entre o Homem e a Terra, entre Civilização e Natureza, entre História e Geografia, entre os povos e seu Lebensraum (Leben=Life; Raum=Space; Lage=Local), ou seja, o espaço vital necessário para que a Comunidade do Estado, entendida organicamente, viva, cresça, se desenvolva, se expanda e prospere: criando bem-estar, Civilização e Valores para seus membros, vivendo juntos no mesmo solo e unidos em uma comunidade unitária de destino. Ou, para colocar nos termos mais técnicos de Luraghi: ‘Geopolítica é a doutrina que estuda os fenômenos políticos em sua distribuição espacial e em suas causas e relações ambientais, também considerados em seu desenvolvimento’. E ainda: ‘Geopolítica é síntese: uma visão ampla no tempo e no espaço dos fenômenos gerais que ligam a percepção dos fatores geográficos aos estados’, e aos povos[1]”.

Menos amplamente, mas não menos importante, se ouve falar de Geoeconomia, que é uma subdisciplina[2] da Geopolítica que se caracteriza pelo estudo de doutrinas e ações geopolíticas a partir de uma perspectiva econômica, incluindo processos, relações e a situação financeira dos atores que interagem.

A fim de melhor definir o enquadramento que se deve à Geoeconomia, é preciso primeiro observar seu desenvolvimento na vertente da ciência política. A Geopolítica clássica (século XIX – início do século XX) percebeu o mundo como subdividido exclusivamente com base nas fronteiras estatais, com o amplo espectro de categorias urbanas que se cristalizaram no imaginário coletivo (cidades, metrópoles, colônias, estados, nações, etc.), enquanto a Geopolítica do século XX mudou sua abordagem e começou a reconhecer a presença de zonas e fluxos de influência, dinâmicos e tendendo a variar em sua localização geográfica (capital, bens, mão-de-obra, migração, turismo, Heartland, Rimland, etc.).

Enquanto, portanto, a “velha” Geopolítica só investigava a determinação de políticas com base na localização geográfica política dos Estados, a “nova” também começou a estudar o impacto da história do desenvolvimento econômico, identidades étnicas, confessionais e nacionais, conflitos sócio-políticos e transformações financeiras e monetárias, e muito mais.

Os domínios considerados também foram alterados, acrescentando à geosfera, hidrosfera e atmosfera também a espaçosfera e a infosfera (ou ciberesfera). Mais recentemente, assistimos também à formação de subesferas como a econômica (industrial e comercial), financeira (monetária) e cultural (arte, teatro, cinema, moda, música). Mais uma vez, as relações internacionais entre os atores, tais como alianças, acordos, estratégias compartilhadas em todos os planos de interesse acima mencionados, são cada vez mais consideradas.

Portanto, é claro que, atualmente, para mudar o status geopolítico de um país, sua influência, liderança e domínio, é preciso mudar a estrutura das esferas e o complexo mundo do qual se caracteriza.

Tentando colocar a Geoeconomia neste agon alargado, podemos tentar fazer uma distinção em macroáreas da Geopolítica:

  • Geo-história (ou Geocronopolítica), que estuda as constituições políticas, doutrinas e ações dos Estados dentro da História e em sua interação;
  • Geoeconomia, que aborda as doutrinas e ações geopolíticas a partir de uma perspectiva econômica;
  • Geoetnopolítica, que trata das interações de diferentes grupos étnicos, seu posicionamento sobre a superfície terrestre e fluxos migratórios;
  • Geoconfessionologia, que divide o mundo em regiões dominadas por doutrinas religiosas específicas e estuda as interações entre os Estados;
  • Geopolemologia, que se concentra no componente de conflito da política, dividindo o mundo em zonas de conflito e estudando suas possibilidades;
  • Geofuturologia, baseada na previsão de vários cenários e situações e hipóteses teóricas de reestruturação do mundo.

Embora a distinção possa parecer um pouco indefinida, dada a interpenetração normal dos campos de conhecimento descritos, é no entanto verdade que os estudiosos da geopolítica estão tendendo cada vez mais para a especialização nos vários campos, traçando cada vez mais seus limites, um destino típico de toda ciência à medida que ela se desenvolve.

Não é mais possível ignorar a especificidade de um campo disciplinar sem correr o risco de cair em uma grave carência científica e mesmo antes dessa carência epistemológica, gnoseológica e hermenêutica: A geoeconomia deve ser reconhecida como tal e ser plenamente abordada no âmbito da geopolítica.

Ao estudar os mercados, a divisão em esferas de influência, o choque de interesses econômicos, as dependências de status – independentes, o espaço econômico transfronteiriço, as moedas e os sistemas financeiros, a geoeconomia atua como uma ferramenta organizacional para a criação da estratégia geoeconômica de um Estado, que determina sua posição dentro do espaço geoeconômico global.

A estática da geoeconomia deve incluir:

  • A divisão industrial e econômica do mundo entre as potências mais poderosas;
  • A divisão financeira e econômica do mundo em zonas de domínio, a influência do dólar, do euro, do rublo, da zona do yuan emergente, das zonas monetárias nacionais e do mundo das criptomoedas;
  • A divisão do mundo entre países produtores e consumidores de commodities;
  • A divisão do mundo da energia entre os países fornecedores e consumidores de energia;
  • A divisão do mundo entre países produtores e consumidores de armamentos e equipamentos militares;
  • A divisão do mundo entre países produtores agrícolas e consumidores agrícolas;
  • A divisão do mundo entre os países produtores e consumidores;
  • A divisão do mundo entre países com clima favorável e infraestrutura turística desenvolvida, e países que predominantemente impulsionam fluxos turísticos.

A dinâmica da geoeconomia abrange todos os processos econômicos globais que introduzem mudanças na estrutura geoeconômica do mundo, inclusive:

  • fluxos de mercadorias;
  • fluxos de mão de obra;
  • fluxos financeiros;
  • fluxos de turistas;
  • fluxos de atletas e seus torcedores, etc.

É claro que estamos lidando com uma disciplina que ainda não é totalmente independente – assumindo que as disciplinas podem existir isoladas das outras – e que é antes uma atividade que ocorre em um contexto de pesquisa.

A geoeconomia ocupa um lugar de destaque entre outras disciplinas acadêmicas modernas, incluindo economia, ciência política, geografia e história.

Primeiramente, do ponto de vista da ciência econômica, a geoeconomia é considerada parte da economia, um método de estudo dos processos econômicos; ao mesmo tempo, não há unanimidade dentro da ciência econômica, há uma falta de consenso sobre o lugar da geoeconomia.

Em segundo lugar, a geoeconomia pode ser considerada como parte da ciência geográfica, ou seja, como uma subdisciplina geográfica, cujo tema é o estudo da formação de geossistemas econômicos transnacionais, fatores espaciais (geográficos) de importância internacional.

Em terceiro lugar, pode ser abordado através da economia política, estudando padrões de desenvolvimento político-econômico global e regional, interrelações entre estados e uniões econômicas entre países, a estrutura político-econômica do mundo.

Na quarta parte, a geoeconomia é uma combinação, uma certa síntese de abordagens e estratégias geográficas, econômicas e políticas. Os processos políticos e econômicos não se esgotam em um único geoespaço, nem se fundem com o tempo. Isto dá aos geógrafos e economistas modernos a oportunidade de aplicar uma abordagem de campo em suas pesquisas, construindo esferas de influência geoeconômica que nem sempre coincidem com as fronteiras de uma nação, fortalecendo-as ou enfraquecendo-as [3].

Sua interface entre economia, geografia e ciência política faz dela um nó crucial na abordagem da complexidade do mundo contemporâneo.

Gênese e breve história da geoeconomia

A fixação da economia pela política, história, geografia e cultura nacional pode ser encontrada em muitos estudiosos dos séculos XIX e XX. Tais abordagens pertenciam a Fernand Braudel, Immanuel Wallerstein, Fritz Roerig e Friedrich List. A própria noção de geoeconomia foi introduzida pelo historiador francês Fernand Braudel[4]. Como pesquisador da civilização e especialista em história da economia, Braudel estudou longos períodos de tempo, fazendo amplo uso de estatísticas econômicas e geografia retrospectiva, a fim de criar uma ampla paisagem histórica de “história sem eventos”, na qual os eventos são registrados não como fenômenos locais da política, mas como “anomalias” descobertas pelo historiador no curso natural da vida histórica da sociedade. Desta forma, ele criou um modelo original de pesquisa, considerando as “estruturas da vida cotidiana” que não mudam com o tempo e são condições materiais de existência estatal em um determinado ambiente geográfico e social. Esta abordagem faz de Braudel um geopolítico e geoeconomista por direito próprio.

Os autores russos também utilizaram termos e argumentos geoeconômicos. No início do século XX, vários aspectos da vida global, de conceitos econômicos e geopolíticos foram desenvolvidos na economia política marxista, a Teoria dos Grandes Ciclos de Nikolai Kondratyev[5], e a concepção tectológica da sociedade de Alexander Bogdanov, as teorias dos eurasianistas. As principais ideias da geoeconomia russa surgiram no primeiro terço do século XX, um período no qual noções de dinâmica econômica e geopolítica, tais como sistemas de dominação do capital financeiro internacional, grandes ciclos comerciais, desenvolvimento regional eurasiático, etc., foram introduzidas.

A geoeconomia como um conceito unificador da geopolítica e da economia começou a ser ativamente utilizada relativamente recentemente. O fundador da fase moderna da geoeconomia nos Estados Unidos é considerado Edward Luttwak, um historiador e geopolítico americano especializado em golpes e conflitos militares. Luttwak opõe geopolítica a geoeconomia como política baseada na competição econômica; em sua opinião, o comportamento das grandes potências hoje é realizado como uma encarnação da lógica do conflito na gramática do comércio. A geoeconomia exige então o desenvolvimento de técnicas de defesa econômica e ofensiva, pois a ameaça geopolítica de um Estado é uma ameaça econômica.

Na Europa, nos anos 80, o político e economista francês Jacques Attali, representante da abordagem neomundialista foi um defensor do conceito de geoeconomia. Attali argumentou com força que o dualismo geopolítico havia sido abolido e que a ascensão de um único mundo estruturado sobre os princípios da “geoeconomia” era iminente.

As principais zonas econômicas do mundo são o espaço americano, o espaço europeu e o espaço da região do Pacífico. Entre estes três espaços globalistas, de acordo com Attali[7], não haveria distinções ou contradições particulares, pois tanto os tipos econômicos quanto os ideológicos seriam estritamente idênticos em todos os casos. A única diferença seria a posição puramente geográfica dos centros mais desenvolvidos, que se concentrariam ao estruturar as regiões menos desenvolvidas localizadas na proximidade espacial ao seu redor. Tal reestruturação concêntrica só será possível no “fim da história” ou, em outras palavras, na abolição das realidades tradicionais ditadas pela geopolítica. A mistura de lógica geoeconômica e neomundialista, ou seja, a ausência de um polar oposto ao atlantismo, tornou-se possível após o colapso da URSS. O neomundialismo não é uma continuação direta do globalismo histórico, que originalmente pressupunha a presença de elementos socialistas no modelo final. É uma versão intermediária entre o globalismo propriamente dito e o atlantismo. A intensificação no final do século XX da análise da dinâmica econômica de ondas longas e o apelo de um número crescente de pesquisadores à abordagem sistema-mundo levou ao surgimento de um novo paradigma civilizacional no qual o foco está nos longos ciclos de hegemonia global.

A (re)consideração necessária da geoeconomia

A essência do vetor mais recente do desenvolvimento mundial é a entrada do mundo na era da mudança da visão geopolítica para uma visão geoeconômica. O multipolarismo é hoje uma realidade factual cada vez mais óbvia e é inevitável considerá-lo também do ponto de vista econômico e financeiro, o que de fato constitui uma parte muito importante e inevitável do mesmo, já que os processos que estão levando a uma geopolítica multipolar factual são em grande parte de natureza econômica. Uma nova área de acordos de interesse comum se abriu. A abordagem geoeconômica – sua geogênese – recebeu um profundo embasamento teórico e metodológico. Uma nova estrutura para compreender o mundo foi formada com base em noções, categorias e significados mais recentes.

Entre eles estão atributos geoeconômicos como espaço geoeconômico, fronteiras econômicas pulsantes, geofinanças, a evolução das formas-mercadorias e temas de comunicação econômica mundial, o “mercado ambiental” com seu efeito estratégico, núcleos de reprodução internacionalizada (ciclos), “sistemas-país” voltados “para fora” e “para dentro”, a contagem da renda mundial, o atlas geoeconômico do mundo, um renovado interesse pela geologia, interpretações volumétricas multifacetadas das situações geoeconômicas, alta tecnologia, guerras geoeconômicas, contra-atribuições geoeconômicas, os primeiros indícios de direito geoeconômico, a transnacionalização etnoeconômica, sem esquecer o ciberespaço com a digitalização das moedas e do comércio.

De grande importância é o impacto da estratégia geoeconômica de entidades supranacionais com alto poder financeiro interagindo com Estados e macroestruturas, como o Fórum Econômico Mundial, a Organização das Nações Unidas, o Fórum Econômico Eurasiano, os BRICS, mas também as Grandes Farmácias e os Grandes Dados, em particular as FANGs, cujas atividades, estratégias, documentos e decisões são cruciais tanto para compreender a natureza multivariada do desenvolvimento mundial quanto para analisar a centralidade real da geoeconomia em um contexto comunicativo no qual ela se manifesta de forma fraca.

Um exemplo concreto é o nível de desenvolvimento econômico e social oferecido pelas Nações Unidas, com base nos seguintes critérios:

  • nível de desenvolvimento econômico (PIB/PNB per capita, estrutura industrial das economias nacionais, produção dos principais produtos per capita, indicadores de qualidade de vida, indicadores de eficiência econômica);
  • tipo de crescimento econômico (extensivo, intensivo, intensivo em conhecimento);
  • nível e natureza das relações econômicas externas (determinado pelo grau de abertura da economia ao mundo, sofisticação dos mercados domésticos, etc.);
  • potencial econômico do país.

Com base nesses critérios, a ONU identifica grupos de Estados: Países desenvolvidos, países em desenvolvimento, países com economias em transição, que constituem mundos diferentes no mapa geoeconômico do mundo. Esses indicadores também determinam a situação geopolítica e geoeconômica de cada Estado e o quadro geoeconômico do mundo como um todo, que consiste nos Estados de situação geoeconômica.

Segue-se claramente que a formação de estratégias geoeconômicas globais e nacionais se tornou uma importante tarefa de geoeconomia aplicada. A criação de uma estratégia de desenvolvimento global é uma tarefa complexa e multifacetada, que é realizada por muitas entidades e aprovada, via de regra, pelos participantes, muitas vezes valendo-se de estruturas fiduciárias ou consultivas externas, como no caso das grandes holdings bancárias que são chamadas a elaborar as leis financeiras dos estados ou a administrar o crédito dos bancos centrais.

Em certo sentido, porém, esta forma de operar atribui à geoeconomia um lugar bastante modesto após a justiça social, ou seja, a superação de lacunas econômicas e desigualdades nas condições de vida dos cidadãos, dos povos do Norte e do Sul, bem como do Ocidente e do Leste, questões ecossistêmicas e o advento de novas paródias digitais. Também aqui é inevitável enfatizar como uma estratégia global não corresponde a uma estratégia válida “para todos”, lembrando como as simetrias em um cenário geopolítico multipolar tipificam as estratégias geoeconômicas, e vice-versa.

A estratégia global visa alcançar o desenvolvimento sustentável e a equalização dos países (em termos de padrões de vida, critérios sociais e oportunidades de desenvolvimento). A estratégia geoeconômica de um Estado é aumentar sua competitividade na luta pelos mercados mundiais, para aumentar sua influência nos processos geoeconômicos globais e sua sustentabilidade geoeconômica. A partir disto, vemos como existe uma dualidade de nível operacional, um interno e um externo, como critério orientador na formulação estratégica geoeconômica, e este talvez seja um dos pontos mais importantes sobre os quais a revalorização da geoeconomia como ciência é jogada nas escalas da geopolítica à frente das outras ciências sociais e políticas: um Estado ou, na sua totalidade, uma macroárea de influência e relações, não pode deixar de levar em conta o sucesso interno, também em termos de existência e continuidade, como ponto de partida para as estratégias internacionais e interáreas. É, ipso facto, o fracasso pragmático e mesmo antes disso, o fracasso conceitual da unificação sob uma única governança. Este “sucesso” do multipolarismo, que derrotou o unipolarismo e abriu novas cartografias políticas, econômicas e existenciais, é o promotor de um multigeoeconomismo, no qual as esferas de influência são aferentes aos polos geopolíticos de identidade e poder[8].

Uma crítica de natureza conceitual que, em minha opinião, é legítima para a geoeconomia, sempre com vistas a uma reavaliação cuidadosa, é a necessidade que esta disciplina tem de uma maior conceitualização. De fato, faltam teorias e meta-análises setoriais bem definidas, o que significa que na maioria das vezes a geoeconomia se refere a doutrinas e teorias econômicas e geopolíticas, sem, no entanto, desenvolver as suas próprias, de acordo com aquele caráter multidisciplinar que lhe é devido. O risco é permanecer um ramo com um desenvolvimento por inércia, sem liberar seu potencial e sem ser capaz de explicar adequadamente a complexidade global que estamos experimentando.

Notas

[1] Cfr. C. Terracciano, Geopolitica, AGA Editrice, Milano 2020, cap. I.
[2] Sem querer retirar dignidade de uma disciplina, o termo “subdisciplina” é aqui usado para indicar derivação, não para fazer hierarquia de importância.
[3] Em alguns casos o termo “geoeconomia” é substituído por outros semelhantes. G. D. Glovely propõe “economia geopolítica”, E. G. Kochetov a associa à “globalística”.
[4] Cfr. F. Braudel, La dinamica del Capitalismo, Il Mulino, Bologna 1977.
[5] Ver para aprofundamento o interessantíssimo argumento de N. K. Kondrat’ev, I cicli economici maggiori, a cura di G. Gattei, Cappelli, Bologna 1981.
[6] Para aprofundar: G, Rispoli, Dall’empiriomonismo alla tectologia. Organizzazione, complessità e approccio sistemico nel pensiero di Aleksandr Bogdanov, Aracne, Roma 2012.
[7] J. Attali, Breve storia del futuro, a cura di E. Secchi, Fazi, Roma 2016.
[8] Cfr. L. Savin, Ordo Pluriversalis. La fine della Pax Americana e la nascita del mondo multipolare, prefazione e curatela di M. Ghisetti, Anteo Edizioni, Avellino 2022.

Fonte: Domus Europa

Imagem padrão
Lorenzo Maria Pacini

Professor universitário na UniDolomiti e na SSML San Domenico, editora da Idee & Azione.

Artigos: 12

Deixar uma resposta