Estudo confirma que o risco de morte por COVID-19, para a maioria, é quase nulo

Dados de um estudo apontam que o risco de morte por COVID-19 é inferior a 1%, assim demonstrando que as medidas alarmadas de isolamento trouxeram mais prejuízo a pessoas mais necessitadas do que efetivamente preveniram mortes pela doença.

Por Art Moore

O cientista médico da Universidade de Stanford, John Ioannidis, defende há mais de dois anos que os dados indicam um risco quase nulo de morte por COVID-19, para a grande maioria das pessoas, tornando desnecessários lockdowns abrangentes, fechamento de escolas e vacinação obrigatória.

Ele argumenta, junto com os criadores da Declaração de Great Barrington, que o fator de risco para a maioria das pessoas é exponencialmente menor do que para os vulneráveis, geralmente os idosos que já sofrem de várias doenças graves, como diabetes e doenças cardíacas. Essas pessoas, ele insistiu, podem ser cuidadas em enfermagem, vida assistida e casas particulares com tratamentos precoces, enquanto os saudáveis podem cuidar de suas vidas.

Agora, Ioannidis publicou um estudo de pré-impressão concluindo que, entre as pessoas com menos de 70 anos em todo o mundo, as taxas de mortalidade por infecção por COVID-19 variam de 0% a 0,57%, ou pouco mais da metade de 1%.

Significativamente, ele descobriu que a porcentagem mediana foi de 0,05%, ou um vigésimo de 1%.

Ioannidis examinou 36 estudos juntamente com sete estimativas nacionais preliminares adicionais.

Ele detalhou as taxas de mortalidade por infecção para certas faixas etárias:

0-19: 0.0003%

20-29: 0.003%

30-39: 0.011%

40-49: 0.035%

50-59: 0.129%

60-69: 0.501%

O Dr. Paul Alexander, ex-conselheiro da Organização Mundial da Saúde e do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, destacou o estudo de Ioannidis em sua página Substack.

“Nós prejudicamos e matamos pessoas e crianças saudáveis com os bloqueios e o fechamento de escolas por uma taxa de mortalidade por infecção igual ou inferior à gripe anual”, escreveu Alexander.

Em março de 2020, conforme o que o WND relatou, o Dr. Anthony Fauci, o principal conselheiro de coronavírus da Casa Branca, foi coautor de um artigo publicado no New England Journal of Medicine prevendo que a taxa de mortalidade do coronavírus seria como a de uma “ gripe sazonal grave”.

Alexander compilou mais de 400 estudos mostrando que os lockdowns do COVID-19, políticas de abrigo, fechamento de escolas, máscaras e obrigatoriedade de máscaras não conseguiram conter a transmissão do vírus ou reduzir as mortes.

Escrevendo para o Instituto Brownstone em um artigo em que ele lista os estudos, Alexander disse que as “políticas restritivas foram fracassos ineficazes e devastadores, causando danos imensos especialmente aos mais pobres e vulneráveis dentro das sociedades”.

Embora quase todos os governos tenham tentado medidas compulsórias para controlar o vírus,ele disse, a pesquisa mostra que nenhum governo pode alegar que teve um “impacto discernível” nas “trajetórias do vírus”.

Um estudo publicado em janeiro de 2021, por exemplo, relatou que “no âmbito desta análise, não há evidências de que intervenções não farmacêuticas mais restritivas (‘lockdowns’) tenham contribuído substancialmente para dobrar a curva de novos casos na Inglaterra, França, Alemanha, Irã, Itália, Holanda, Espanha ou Estados Unidos no início de 2020.”

“Sabemos disso há muito tempo”, disse Alexander, “mas os governos continuam a apostar, causando miséria às pessoas com ramificações que provavelmente levarão décadas ou mais para serem reparadas”.

Fonte: The Liberty Loft

Imagem padrão
Nova Resistência

Organização nacional-revolucionária que, com base na Quarta Teoria Política, busca restaurar a dignidade imperial do povo brasileiro.

Artigos: 593

Deixar uma resposta