A anti-utopia de Klaus Schwab

Leonid Savin desmarcara a verdade por trás da suposta Quarta Revolução Industrial proclamada por Klaus Schwab e o Fórum Econômico Mundial.

As ideias propostas pelo presidente do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab, em seu livro A Quarta Revolução Industrial (4RI) já foram bastante criticadas por diversos motivos. No entanto, para algumas pessoas que não se identificam como defensores da globalização, elas parecem bastante atraentes. Afinal, Schwab argumenta que a inovação digital mudará a vida, o trabalho e o lazer das pessoas para melhor. Tecnologias como inteligência artificial e robótica, computação em nuvem quântica e blockchain já fazem parte do dia a dia. Usamos celulares e aplicativos, tecnologia inteligente e a Internet das Coisas. E em comparação com as revoluções industriais anteriores, ele argumenta, a 4RI está evoluindo exponencialmente, reorganizando os sistemas de produção, gestão e governança de maneiras sem precedentes.

No entanto, uma análise objetiva das razões de Klaus Schwab mostra que ele está parcialmente equivocado e que sua posição geralmente é motivada pelos interesses de exercer o controle sobre a sociedade e administrar o capital que está adquirindo novas propriedades.

Os críticos do conceito de 4RI incluem Nanjala Nyabola, que em seu livro Digital Democracy, Analogue Politics analisa a narrativa pela qual Schwab moldou sua ideologia.

Ela argumenta que a 4RI é usada pelas elites globais para desviar a atenção dos impulsionadores da desigualdade e para facilitar os processos contínuos de expropriação, exploração e exclusão. Nyabola observa astutamente que “o verdadeiro apelo dessa ideia é que ela é apolítica. Podemos falar de desenvolvimento e progresso sem recorrer a lutas de poder”.

A contestação da África, onde vive Nyabola, não é acidental, pois essa região, juntamente com a Ásia e a América Latina, é vista pelos globalistas como favorável a novas intervenções sob o pretexto de assistência tecnológica e 4RI. Afinal, as evidências sugerem que a disseminação da tecnologia digital tem sido altamente desigual, impulsionada por inovações tecnológicas mais antigas e usada para reproduzir, em vez de transformar, as desigualdades sociais.

O historiador Ian Moll vai além e questiona se a atual inovação tecnológica digital representa a 4RI como tal.

Ele observa que há uma interpretação hegemônica da 4RI que retrata o rápido desenvolvimento tecnológico como uma nova e ousada revolução industrial. No entanto, não há evidência de tal revolução na totalidade das instituições sociais, políticas, culturais e econômicas, tanto local quanto globalmente; portanto, deve-se prestar atenção em como essa estrutura ideológica funciona para promover os interesses das elites sociais e econômicas em todo o mundo.

Ian Moll argumenta que o quadro da “Quarta Revolução Industrial” reforça o neoliberalismo contingente do período do consenso pós-Washington e, portanto, serve para obscurecer o declínio contínuo da ordem mundial globalizada com uma narrativa do “admirável mundo novo”. Schwab simplesmente realizou uma espécie de golpe ideológico com um conjunto de metáforas narrando uma revolução imaginária.

Allison Gillwald chama isso de

“um dos instrumentos de lobby e influência política mais bem-sucedidos do nosso tempo… Mobilizando-se em torno da reunião anual da elite em Davos, os planos políticos do FEM na 4RI preenchem um vácuo para muitos países que não investiram publicamente em como querem que seu futuro se pareça… Com visões de prosperidade global, embaladas com convicção futurista e fantásticas previsões econômicas de crescimento exponencial e criação de empregos, eles parecem fornecer um roteiro pronto para um futuro incerto. Mas é preciso cautela. Mesmo uma rápida olhada nas revoluções industriais anteriores mostrará que elas não foram associadas aos interesses das classes trabalhadoras ou classes baixas. Isso apesar dos benefícios mais amplos para a sociedade com a introdução de vapor, eletricidade e digitalização. Em vez disso, eles estão associados ao avanço do capitalismo, através da “big” tech de seu tempo”.

Também neste caso as novas tecnologias funcionarão para os interesses dos capitalistas geeks, não das sociedades.

Moll escreve que o conceito de 4RI parece atraente porque atua como uma espécie de fórmula:

  1. Liste de 7 a 15 tecnologias, principalmente digitais, que parecem inteligentes, nos fazem sentir obsoletos e inspiram admiração pelo futuro. Mesmo que não sejam inovações do século XXI, declare-as como tal.
  2. Declare que existe uma convergência incrível e sem precedentes entre essas tecnologias.
  3. Assuma que elas levarão a mudanças que transformarão todas as partes de nossas vidas.
  4. Apele a cada uma das revoluções industriais anteriores como modelo para a atual.
  5. Cite uma ou duas principais tecnologias ou fontes de energia em revoluções industriais anteriores. Sugestões comprovadas são a máquina a vapor para a 1RI; o motor de combustão interna e/ou eletricidade para a 2RI; computadores e/ou energia nuclear para a 3RI (você teria mencionado a Internet no ponto 1, então a evite aqui).

Ao fazer isso, “Schwab explora com sucesso nossa racionalidade tecnológica interna. Ele proclama a velocidade, o tamanho e o escopo sem precedentes da 4RI. A taxa de mudança, diz ele, é exponencial e não linear; a integração de múltiplas tecnologias é mais ampla e profunda do que nunca; e o impacto sistêmico agora é total, abrangendo toda a sociedade e a economia global. Assim, ele argumenta que “disrupção e inovação […] estão ocorrendo mais rápido do que nunca”.

Ao mesmo tempo, Schwab rejeita grande parte de nossa experiência histórica nessa questão. Ele escreve que está “bem ciente de que alguns estudiosos e profissionais veem os eventos que estou analisando simplesmente como parte da terceira revolução industrial”.

Mas Moll se oferece para examinar alguns dos conhecimentos especializados que ele ignora. Aqui estão dois exemplos. Estas são as contribuições do sociólogo espanhol Manuel Castells, que apontou que o papel crítico das tecnologias de informação e comunicação em rede é uma “faca de dois gumes”: alguns países estão acelerando o crescimento econômico ao adotar sistemas econômicos digitais, mas aqueles que nisso falham estão se tornando cada vez mais marginalizados; “o atraso deles está se tornando cumulativo”. Castells escreve extensivamente sobre o que chama de “o outro lado da era da informação: desigualdade, pobreza e exclusão social”, todos os quais são agora os crescentes legados da economia da informação globalizada.

Ao contrário de Schwab, Castells não tentou ideologizar ou politizar os dados sociológicos. E sua pesquisa empírica não sugere uma transformação digital fundamental da sociedade na era moderna.
Outro especialista que Schwab ignora é Jeremy Rifkin. Em 2016, quando Schwab propôs seu conceito de 4RI, Rifkin já pesquisava locais de trabalho onde a robótica havia assumido papéis estratégicos e gerenciais na produção econômica. Há uma separação notável entre os autores. Rifkin não acredita que as mudanças dramáticas associadas às TICs constituam uma 4RI.

Em 2016, Rifkin argumentou que o FEM “falhou” em sua intervenção sob o pretexto de 4RI. Ele desafiou a afirmação de Schwab de que a fusão de sistemas físicos, processos biológicos e tecnologias digitais é um fenômeno qualitativamente novo:

“A própria natureza da digitalização […] está em sua capacidade de reduzir os sistemas de comunicação, visual, auditivo, físico e biológico, à pura informação, que pode então ser reorganizada em vastas redes interativas que operam de várias maneiras como ecossistemas complexos. Em outras palavras, é a natureza interconectada das tecnologias de digitalização que nos permite transcender fronteiras e “borrar as linhas entre os domínios físico, digital e biológico”. O princípio operacional da digitalização é a “interconectividade e rede”. É isso que a digitalização vem fazendo com sofisticação crescente há várias décadas. É o que define a própria arquitetura da Terceira Revolução Industrial.”

Um estudo das “tecnologias” frequentemente anunciadas como principais inovações convergentes da 4RI – inteligência artificial, aprendizado de máquina, robótica e Internet das Coisas – mostra que elas não atendem à reivindicação de uma “revolução” tecnológica moderna.

Moll conclui que a 4RI de Schwab não passa de um mito. O contexto social do mundo ainda é o mesmo da 3RI e poucas mudanças são esperadas. Não há nada como outra revolução industrial ocorrendo após a terceira. O admirável mundo novo de Schwab simplesmente não existe.

Afinal, as revoluções não são apenas caracterizadas por mudanças tecnológicas. Em vez disso, são impulsionadas por transformações no processo laborativo, mudanças fundamentais nas atitudes no ambiente de trabalho, mudanças nas relações sociais e reestruturação socioeconômica global.
É claro que as inovações tecnológicas podem ser boas para os trabalhadores e para a sociedade como um todo. Elas podem reduzir a necessidade de trabalho duro, melhorar as condições e dar mais tempo para as pessoas se envolverem em outras atividades importantes.

O problema é que os frutos da inovação tecnológica são monopolizados por uma classe capitalista globalizada. As mesmas plataformas de trabalho digital são financiadas principalmente por fundos de capital de risco no Norte global, enquanto as empresas são criadas no Sul global, sem que os fundos invistam em ativos, contratem funcionários ou paguem impostos ao tesouro público. Esta é apenas mais uma tentativa de capturar mercados com uma nova tecnologia, aproveitando a transparência das fronteiras, para obter lucro e não ter responsabilidade.

Assim, a narrativa da 4RI é mais aspiração do que realidade. Essas são as aspirações de uma classe rica que antecipa a crise do sistema econômico ocidental e quer encontrar um porto seguro em outras regiões. É por isso que, dada a experiência histórica do capitalismo de estilo ocidental, o resto do mundo vê a 4RI como uma anti-utopia indesejável.

Fonte: Oriental Review

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 593

Deixar uma resposta