Quando a Ciência vira Pseudo-Ciência

Muito se fala em ciência hoje em dia, mas será que aquilo que a mídia chama de “científico” é imune de ideologia e de interesses subjetivos? Em que medida as narrativas científicas hegemônicas não são pseudo-científicas?

O que é ciência?

Há muita confusão sobre o que a ciência é ou não é. Portanto, comecemos discutindo o que é ciência.

Entendendo a realidade em que vivemos

Para sobreviver, é essencial compreender a realidade física em que vivemos. Assim, desde o início, em todo o mundo, nossa espécie tem tentado lidar com isso.

Entender significa ser capaz de descrever, explicar e prever. Uma descrição tende a responder à pergunta “como?” e pode tomar a forma de uma formulação matemática, mas isto está longe de ser necessário. Uma explicação tende a responder à questão muito mais difícil de “por quê? Estes três aspectos estão intimamente relacionados. A qualidade das previsões depende da qualidade das descrições e explicações. E, inversamente, quanto melhor a descrição, melhores as explicações e previsões.

A diferença entre uma abordagem científica e uma abordagem religiosa reside essencialmente na natureza das explicações. É provável que, muito rapidamente, nossos antepassados, ou com a boa vontade de um Deus, não permitissem muita previsão e, portanto, proteção contra os caprichos do clima. Ao mesmo tempo, a crescente domesticação do fogo anda de mãos dadas com uma compreensão crescente deste fenômeno.

Assim, uma abordagem para o mundo que percebemos através de nossos sentidos e nossa mente há muito tempo se distinguiu de outras abordagens. Os conhecimentos obtidos tinham que ser comunicáveis a outros, para que eles também pudessem verificar, em particular para poder prever o mais sistematicamente possível.

Entendo que algumas pessoas estão convencidas do poder da oração, mas o conhecimento espiritual, mesmo que seja baseado em experiências, permanece pessoal e não comunicável.

Assim, a abordagem que tem se desenvolvido gradualmente no que tem sido chamado de ciência desde o século XIX se baseia em duas ferramentas: observação e raciocínio.

Mas como nossas primeiras escolas de filosofia natural perceberam muito antes da era cristã, a questão da confiabilidade é central para esta abordagem. Até que ponto nossa interpretação corresponde à realidade física dada?

Observação reprodutível

Uma observação limitada pode não ser confiável. Por exemplo, só porque todos os cisnes observados são brancos, não significa que sejam todos brancos. Há cisnes negros. Portanto, a observação deve ser reproduzível à vontade, em particular para ser verificável.

Consequentemente, o campo da investigação científica é limitado a características descritíveis, ou seja, aquelas que podem ser comparadas. Conceitos absolutos, como calor ou altura, fazem certamente parte de nossa experiência de vida. Mas eles não têm lugar na ciência. Pois não há maneira de verificar como dois indivíduos diferentes os percebem. O que pode ser comunicado e acordado é que um objeto é mais quente ou mais frio, maior ou menor que outro. Em outras palavras, somente aqueles atributos que podem ser comparados a uma referência externa podem ser sujeitos a exame científico. Portanto, conceitos absolutos como Deus estão fora dos limites porque não podem ser descritos por comparação.

Este também é o problema com a física newtoniana. Ela se baseia em uma noção de tempo e espaço que é absoluta. Newton estava ciente disso. Mas foi o físico Ernst Mach quem primeiro entendeu realmente o significado desta deficiência no final do século XIX. Foi com base em seu trabalho que Albert Einstein elaborou sua teoria da relatividade.

Acrescentemos uma observação importante: não basta conhecer as propriedades intrínsecas de um fenômeno. Também é necessário ter uma ideia de suas interações com o meio. Daí a necessidade de estudá-la tanto isoladamente em um laboratório quanto em seu ambiente natural, no tempo e no espaço. Alguns efeitos e seu significado podem não ser imediatamente visíveis.

Raciocínio

Por outro lado, se permanecermos vinculados a nossa limitada experiência imediata, teremos que coletar fatos o tempo todo e não seremos capazes de prever. Portanto, a ciência visa obter descrições e explicações unificadas de fenômenos díspares.

O raciocínio é o que nos impede de estar amarrados a este processo de tentativa e erro constantes.

Também deve ser comunicável. Portanto, deve se basear em métodos consensuais que têm variado ao longo do tempo ou mesmo de escola para escola.

Conceitos

Encontrar explicações que unificam vários fenômenos nos obriga a basear nossas teorias em conceitos – forças, átomos, genes, etc. – que não são necessariamente os mesmos aos quais estamos acostumados. Não temos como determinar se estas são características de nossa realidade ou construções da mente humana para dar conta de experiências comuns a todos nós. Eles são cientificamente indefiníveis, exceto pelo uso de outros conceitos. Entretanto, e isto é fundamental, a relevância dos conceitos deve ser confirmada por efeitos que possam ser percebidos e descritos. Eles devem ser substituídos por conceitos mais apropriados se a observação e o raciocínio assim o exigirem.

Em resumo,

A ciência é o estudo fundamentado baseado na observação reprodutível e suficientemente replicada de propriedades descritíveis por comparação do mundo perceptível e dos efeitos perceptíveis atribuídos aos conceitos em evolução e mudança assim deduzidos – um estudo que inclui interações com o ambiente natural.

Todos nós temos uma mente científica. A diferença entre uma abordagem científica e uma abordagem convencional é de grau e não de tipo. Ela traz precisão e sistematização onde elas não existiam. Por exemplo, todos nós temos uma ideia da diferença entre frutas legumes, com base em razões e comparações vagas, às vezes culturais. A definição científica de um fruto é a de um órgão que contém sementes, as protege durante seu desenvolvimento e as ajuda a se dispersar. Portanto, tomates e pepinos são frutas, ao contrário da crença popular de que eles são legumes.

Em outras palavras, a ciência esclarece as semelhanças e diferenças entre objetos comparáveis, levando a observação além do superficial. Desta forma, as ambiguidades são reduzidas.

É essencial enfatizar que nossas conclusões não podem ser deduções fantasiosas e inexplicáveis. Elas não podem ser considerados científicas até que sejam apoiadas por argumentos fundamentados. Resultados satisfatórios podem ser pura coincidência. Por outro lado, o raciocínio que não se baseia em evidências empíricas sólidas não é ciência.

Matemática

É por isso que a matemática não é uma ciência. A ciência surgiu da capacidade humana de dar sentido a uma realidade de outra forma caótica, atribuindo-lhe padrões. A matemática nasceu do estudo de padrões que são quantificáveis.

A fim de dominar as noções interrelacionadas de quantidade e espaço, nossos antepassados desenvolveram os conceitos de números inteiros e objetos geométricos, excluindo a natureza particular dos objetos em questão e mantendo apenas sua quantidade ou forma. Eles devem ter percebido que se nosso único interesse é a quantidade e não as outras qualidades dos objetos em questão, então não há diferença entre dois dedos e dois comprimentos iguais, mas que estes diferem de cinco dedos. Em outras palavras, os números surgiram de nosso reconhecimento de padrões relativos à quantidade, tornando nossa ferramenta de raciocínio mais básica, a comparação, tão eficaz quanto possível.

Sem entrar em discussões mais detalhadas, direi que a matemática é o estudo lógico das relações entre conceitos abstratos, com base na noção de números.

Pontos fracos intrínsecos à ciência

Estas características da ciência tornam nosso conhecimento científico muito precário.

Simplificação e aproximação

Mesmo a abordagem mais holística é uma simplificação. A mente humana é incapaz de abranger a totalidade de uma natureza insondavelmente complexa. Todas as nossas deduções, todas as nossas observações, todas as nossas medições são apenas uma aproximação da realidade.

Estes problemas são exacerbados nas teorias matemáticas. Uma hipótese deve primeiro ser expressa em uma linguagem comum. O processo de tradução em simbolismo matemático é acompanhado por uma grande perda de informação. Ela elimina desde o início tudo o que não é quantificável. Portanto, quanto mais nos afastamos do mundo inanimado, menos apropriada se torna uma descrição matemática. Mesmo entre as características quantitativas, deve ser feita uma escolha. A matemática só pode lidar com um número muito limitado de parâmetros, e apenas uma versão muito simplificada de suas relações. Assim, um modelo matemático reflete a realidade apenas de forma muito imperfeita.

O processo de aproximação vai ainda mais longe. Embora as equações tenham soluções exatas em teoria, em todos os casos, exceto nos mais simples, só podemos resolvê-las aproximadamente. Este é geralmente o caso das equações diferenciais, ou seja, equações que indicam a evolução de um sistema no tempo e no espaço e são, portanto, a base das previsões. Uma série inteira de aproximações ocorre novamente ao traduzir nossa teoria matemática de volta à linguagem cotidiana, ou seja, sua aplicação na realidade concreta, especialmente porque é provável que envolva números não exatos, como √2 ou π.

Além disso, a parte matemática pode, como na física quântica, ter mais de uma interpretação científica.

Em conclusão, a perfeita precisão inerente ao formalismo matemático nos permite um maior controle sobre certas características quantificáveis, mas precisamente por causa desta precisão, ela está muito distante da realidade.

Para citar Einstein, “Na medida em que as proposições da matemática se referem à realidade, são incertas; e na medida em que são precisas, não se referem à realidade”.

Imprevisibilidade

Não surpreende que a imprevisibilidade siga mesmo na mais simples teoria determinista:

Considere o seguinte exemplo construído pelo físico Max Born. Uma partícula se move sem atrito ao longo de uma linha reta de comprimento l entre duas paredes. Quando chega ao fim da linha, ela ricocheteia. Suponha que sua posição inicial seja dada pelo ponto x0 na linha e sua velocidade inicial seja v0 e que a imprecisão de nossas medidas iniciais seja Δx0 e Δv0. De acordo com a primeira lei de Newton, em um instante t, deve ser no ponto x = x0 + tv0. Entretanto, de acordo com a mesma lei, nossa previsão de sua posição no momento t se desviará deste valor por Δx = Δx 0 + t Δv0. Assim, nosso erro continuará a aumentar com o tempo. Após um tempo crítico tc = l/ Δv0, este desvio será maior do que o comprimento l da linha. Em outras palavras, para qualquer tempo t > tc, não seremos capazes de prever a posição da partícula de forma alguma. Pode estar em qualquer lugar da linha.

Podemos melhorar nossos instrumentos de medição e reduzir a imprecisão inicial, mas nunca podemos nos livrar completamente dela. Tudo o que faremos é estender o intervalo de tempo no qual a previsão é possível.

Este exemplo diz respeito a um sistema fechado simples e ideal. No mundo real, inúmeros fatores estão envolvidos, agravando a imprevisibilidade. Basicamente, devido a erros inevitáveis, nossa capacidade de saber o que está acontecendo além de um certo tempo pode ser limitada de forma que nenhuma quantidade de progresso técnico possa ser superada.

Em nossos cálculos computadorizados, pequenos erros podem se propagar e crescer. Isto porque a forma codificada em que um computador se aproxima dos cálculos internos envolve um erro de arredondamento. O erro também ocorre quando o resultado em linguagem codificada é traduzido de volta para o formulário impresso na tela.

Observação na era informática

A informatização também acrescenta novas questões ao ato de observação. Sabe-se desde antes da era cristã que a observação, como resultado de uma complexa colaboração entre nossos sentidos e nossa mente, está longe de ser neutra e pode ser enganosa.

Desde então, os instrumentos de observação introduziram toda uma série de novas complicações, apesar das possibilidades insuspeitadas que se abriram. Além da introdução de erros, o estudo de eventos em nosso espaço-tempo quadridimensional a partir de representações simbólicas unidimensionais ou bidimensionais levanta a questão da perda de informações. Mais importante ainda, os computadores são compostos de processos algorítmicos representados por 0’s e 1’s, e são, portanto, severamente limitados por premissas simplificadas em demasia. Eles não podem ir além disso, não podem inferir. Por isso, perguntamo-nos se eles só conseguem detectar o que se encaixa em nossos pré-conceitos.

Na verdade, o problema se agrava à medida que o processo de observação se torna cada vez mais automatizado, eliminando assim o observador humano: a máquina observa e interpreta. É ainda pior quando a observação é removida e as conclusões são baseadas em simulações e não em experimentos reais, como é cada vez mais o caso. Estes problemas levantam muitas questões sobre nosso conhecimento do mundo microscópico. Depende inteiramente de instrumentos. Não temos praticamente nenhuma representação não filtrada para comparar a imagem que eles nos dão. Além disso, para poder observá-lo, as amostras muitas vezes não só são retiradas de seu ambiente, mas também têm que ser preparadas, por exemplo, através de uma técnica de coloração. Dá-se, então, uma adulteração.

Generalização

Tudo isso põe em questão o processo de generalização, ou seja, deduzir princípios a partir de dados que só podem ser limitados. O problema da generalização é ainda mais grave porque a observação pode ser replicada, mas nunca será semelhante. Então, quão semelhantes devem ser os resultados para serem aceitos como justificação para uma determinada conclusão? A questão surge ainda mais porque não estamos simplesmente tentando deduzir a cor dos cisnes a partir de observações repetidas, mas deduzir princípios básicos a partir da observação de uma grande variedade de casos diferentes. Muito poucos dados podem levar a modelos errados e, portanto, a previsões erradas.

Quanto maior o número de parâmetros, maior a sensibilidade dos resultados às condições iniciais, menos podemos esperar que os resultados de nossas experiências se aproximem. Além disso, os resultados podem depender da interpretação e do protocolo aplicado. A obtenção de resultados consistentes pode, portanto, ser difícil. Então quantas vezes um experimento deve ser replicado antes que seus resultados possam ser aceitos?

Basicamente, a questão de quando a verificação experimental pode ser considerada satisfatória não tem uma resposta clara. Não se pode dizer necessariamente que ela deve depender do sucesso de suas aplicações, pois seus inconvenientes podem levar algum tempo para serem percebidos. Mesmo quando uma hipótese é desenvolvida no melhor espírito científico, graves falhas podem permanecer não identificadas por décadas, precisamente porque nossa observação permanece limitada, quanto mais não seja por razões técnicas.

Quando é razoável aplicar uma hipótese, ou seja, construir novas hipóteses com base nela ou utilizá-la tecnologicamente?

Hipóteses

Não pode haver ciência sem hipóteses. Primeiro devemos ter estabelecido uma relação com o universo antes mesmo de podermos pensar cientificamente. Em outras palavras, a metafísica sempre precede a ciência. De modo mais geral, a ciência permanece baseada em suposições que são esquecidas porque estão escondidas e se tornaram muito familiares. Estas podem influenciar fortemente as teorias que desenvolvemos.

Por exemplo, as previsões matemáticas implicam em integração. Por trás deste conceito está a suposição de uniformidade, segundo a qual os processos permaneceriam os mesmos através do tempo e do espaço. Esta suposição é a base para todas as generalizações. A uniformidade foi assumida como muito limitada pelo Buda. Foi Demócrito quem introduziu sua versão mais extrema como um princípio científico básico. Galileu permaneceu cauteloso. Foi reafirmado primeiro pelos físicos no século XVII e depois pelos geólogos, para quem as taxas de processos geológicos permaneceram as mesmas ao longo do tempo.

No entanto, devido à imprevisibilidade, não temos ideia de quão bem a uniformidade se mantém. É, portanto, melhor ser cauteloso com fenômenos distantes.

Além disso, a uniformidade ao longo do tempo tem sido desafiada por descobertas geológicas desde os anos 60 que sugerem que cataclismos únicos alteraram criticamente as condições existentes na história de nosso planeta.

Os limites da ciência

Por todas estas razões, embora seja a forma menos fantasiosa de conhecimento, não podemos saber se a ciência pode nos levar a verdades. Nosso entendimento científico está sendo constantemente aprofundado. Portanto, ela nos afasta das inverdades. De fato, a ciência não pode nos dizer, conscientemente, inverdades. Em todos os momentos, deve estar em conformidade com todos os dados conhecidos. Melhoramos nossas aproximações, é claro. Mas, no infinito do mundo, será que isso nos aproxima de alguma verdade?

A dúvida é, portanto, característica de uma abordagem científica. A ciência desafia a sabedoria convencional. A importância da dúvida tem sido enfatizada por pensadores científicos de todos os tempos e tradições. As teorias não devem ser rejeitadas, mas sua aceitação não deve ser passiva.

Proceder cientificamente é reconhecer que a ciência é uma “filosofia da natureza”, mesmo que seja diferente de outras filosofias por “questionar a própria natureza para obter respostas ao que a natureza é”. Proceder cientificamente é esperar que nossos pensamentos científicos estejam em harmonia com a natureza, pois de outra forma seríamos incompatíveis com as condições de vida dadas, mas é também reconhecer que a ciência está longe de ser objetiva. Pressupõe sempre a existência do homem, e devemos perceber que não somos meros observadores, mas também atores no palco da vida.

Da ciência ao dogma

Manter-se no caminho científico requer cautela. É fácil desviar dele.

Entretanto, erros sinceros não devem ser confundidos com dogmatismo. É pelo erro que avançamos, tanto mais que em cada época, em cada cultura, a ciência é influenciada por pensamentos e técnicas de observação existentes. Assim, é uma interpretação anacrônica da física newtoniana aplicar a ela nosso entendimento atual e considerá-la como falsa. Ainda é satisfatório o suficiente para alguns fenômenos comuns, desde que as velocidades envolvidas estejam bem abaixo da velocidade da luz.

Dito isto, a natureza da ciência tem sido muito apreciada há milênios, por exemplo, por certas escolas de pensamento na Índia antiga. Foi também tema de acaloradas discussões na virada do século XX, quando as questões de positivismo se tornaram claras. Assim, a deformação da ciência moderna em dogma é facilitada por suas fraquezas intrínsecas, mas para compreendê-la, ela deve ser colocada no contexto econômico.

No século XIX, o capitalismo de mercado foi transformado em capitalismo financeiro. A perspectiva de maximização do lucro que foi gradualmente estabelecida exigia um crescimento incessante do material e, portanto, uma produção cada vez mais eficiente.

Como resultado, a tecnologia deve depender de pesquisas avançadas para aumentar a eficiência, resultando em constantes e crescentes mudanças em nosso ambiente. Está se tornando cada vez menos adequado para a vida humana. O fato de algo parecer temporariamente viável não garante sua compatibilidade com a manutenção das condições necessárias para a vida humana a médio e longo prazo, ou mesmo a curto prazo: os problemas de saúde e ambientais rapidamente se seguiram e continuaram a aumentar. Chegou-se então a uma etapa em que, para manter o curso, a pesquisa perdeu cada vez mais sua natureza científica e passou a trair a própria ciência.

Em outras palavras, a ciência se transformou em pseudociência. Trata-se de um conjunto de princípios que afirmam ser ciência, mas que não têm as características da ciência, em particular que não se baseiam em raciocínios baseados na observação, reproduzidos e reprodutíveis. É, portanto, uma crença.

As pesquisas atuais podem ser descritas com demasiada frequência como tal. A extensão dos abusos é difícil de medir porque uma condição básica – a transparência – sem a qual não pode haver ciência, uma vez que as conclusões permanecem incontroláveis, é agora comumente ignorada, sob o pretexto da concorrência ou do sigilo do Estado.

De acordo com Richard Horton, editor da prestigiosa Lancet, “grande parte da literatura científica, talvez metade, pode simplesmente estar errada. Atormentada por estudos com amostras pequenas, efeitos minúsculos, análises exploratórias inválidas e conflitos de interesse flagrantes, bem como por uma obsessão de seguir modismos de importância duvidosa, a ciência deu uma guinada para o escuro”.

Conclusões infundadas

Vejamos dois exemplos.

  • 1) Com base em suposições puramente matemáticas e teóricas, extrapolou-se de experimentos com radiação eletromagnética REM) “nas faixas visível, ultravioleta e de raios X”, ou seja, com “frequências acima do limite inferior do infravermelho”, que toda REM é quantificada, ou seja, consiste de fótons. Foi somente em 2015 que esta alegação foi verificada experimentalmente e considerada errada para REM abaixo do limite inferior de infravermelho, que inclui todas as REM de nossas antenas – uma razão pela qual esta radiação é prejudicial à saúde humana.
  • 2) A tese viral é também uma hipótese. Ao contrário do caso da quantificação de REM a partir de antenas, não foi provado que seja falso. Mas nenhuma partícula jamais foi observada como estando primeiro no ar, depois entrar no corpo, e tornar-se a fonte de uma doença. Portanto, o vírus continua sendo um conceito. É esta uma hipótese útil? Talvez unicórnios ou fantasmas sejam hipóteses úteis para explicar certos fenômenos. Mas uma conclusão científica deve ser baseada na observação reprodutível, e este certamente não é o caso. E assim podemos desenvolver o conceito de um antivírus, como uma vacina. Mas não se pode fabricar materialmente uma vacina contra algo que não está provado que existe. E você não pode fazer política sobre suposições que permanecem sem verificação até hoje. O debate sobre a relevância de uma hipótese particular deve permanecer interno ao mundo científico, e é assim que evoluímos em nosso entendimento.

Tentações financeiras

A pesquisa está hoje totalmente inserida no capitalismo de mercado, que ela tornou possível e continua a tornar possível. O ganho financeiro tornou-se um motivo primordial em uma cultura onde cada vez mais pesquisadores estão criando, eles mesmos, empresas privadas para explorar financeiramente seus resultados.

Como resultado de políticas deliberadas para transferir o financiamento da pesquisa de órgãos públicos para privados, muitos membros da hierarquia da nova Igreja do Cientificismo são beneficiários pessoais da grandeza dos vários grupos de interesse. A corrupção é agora endêmica e os conflitos de interesse minam seriamente as atividades de pesquisa. Somente conflitos diretamente relacionados a um determinado trabalho devem ser divulgados, ou seja, qualquer financiamento direto que possa influenciar suas conclusões. Esta obrigação é facilmente contornada: os favores podem assumir muitas formas, desde nomeações como consultores até a participação em conselhos de administração de empresas. Quando os generosos doadores às universidades, laboratórios de pesquisa e sociedades científicas incluem alguns dos mais poderosos conglomerados multinacionais, será que qualquer trabalho feito dentro de suas paredes pode ser verdadeiramente desinteressado?

Do conhecimento à produção

Esta corrupção vai de mãos dadas com a transformação dos objetivos da ciência desde a virada do século XX para atender às exigências do capitalismo financeiro: de compreender o objetivo passou a ser produzir. O início do século XX viu o surgimento do pesquisador-tecnólogo, primeiro na química, depois na física e agora na biologia.

Esta subjugação da pesquisa ao ideal econômico é mantida em particular por uma cultura de prêmios. Isto foi iniciado por um industrial líder no complexo militar-industrial emergente, Alfred Nobel, precisamente na época em que o controle da pesquisa se tornou essencial. Ajuda a trazer à tona indivíduos e sujeitos que se dedicam a este ideal. A forte subjetividade subjacente às decisões é obscurecida, pois, ao contrário da ciência, o novo credo da pseudociência professa uma objetividade sem valor.

Isto não quer dizer que obras excepcionais nunca são devidamente reconhecidas. Mas é preferível que eles contribuam para a manutenção dos objetivos econômicos. Einstein só ganhou o Prêmio Nobel por seu trabalho sobre efeitos fotoelétricos.

Mas os prêmios têm contribuído para a ascensão da pseudociência, uma vez que ela pode sustentar a produção.

Por exemplo, um dos primeiros Prêmios Nobel (em química) foi concedido a Fritz Haber pela síntese de amoníaco. Entretanto, o método de produção de moléculas artificiais não reproduz o processo natural e, portanto, sua geometria difere de suas contrapartidas naturais. A abordagem científica correta teria sido, portanto, estudar seu impacto sobre o meio ambiente e a saúde humana.

Marie Curie recebeu o prêmio duas vezes, então seria normal acreditar pelo critério do prêmio que seus trabalhos são mais importantes do que os de Einstein. Eles são certamente mais importantes do ponto de vista do lucro. Seu objetivo era circular: estudar as propriedades da radioatividade a fim de aumentar constantemente a produção. Todas as tragédias associadas a este trabalho foram a de desenvolver a radioterapia como tratamento para o câncer. Aqui novamente temos um padrão circular: a aplicação de radiação para aliviar uma doença que era relativamente rara em comparação com outras doenças e cuja prevalência ajudou a aumentar.

Cada vez mais, a pesquisa tem se tornado uma questão de máquinas colossais que requerem financiamento colossal em alguns locais colossais. Assim, ela se baseia em experiências únicas que não são replicáveis à vontade, quanto mais não seja devido à infraestrutura necessária. Esta confiança excessiva na tecnologia nos faz esquecer que os processos criados artificialmente nos laboratórios podem muito bem não corresponder aos seus equivalentes da vida real.

Por exemplo, nos anos 50, foi descoberto em condições de laboratório que a matéria orgânica poderia emergir do que poderia ser descrito grosso modo como uma sopa de metano. Devido a este sucesso, foi esquecido que isto não implica que tenha sido assim que aconteceu. E de fato, o primeiro estudo experimental para reconstruir esta atmosfera inicial com base em evidências empíricas reais, realizado em 2011, indica que, pelo contrário, pode não ter sido tão pobre em oxigênio como se pensava anteriormente.

Uma inversão da relação entre a matemática e a ciência

A aquisição gradual da ciência pela pseudociência se reflete na inversão gradual da relação entre ciência e matemática.

Com a crescente importância da produção industrial, a matemática adquiriu uma primazia maior dentro da ciência porque é através do mensurável que a ciência pode ser convertida em tecnologia.

O primeiro grande passo foi o nascimento da informática devido às exigências da tecnologia quando a física e a matemática e a tecnologia foram amalgamadas em um único campo. Esta síntese foi certamente muito construtiva, mas como foi realizada a partir de uma perspectiva de lucro, também ajudou a manter sua maximização. Neste processo, a matemática ocupou tranquilamente o lugar do motorista.

As aplicações matemáticas dependem de nosso propósito e não são limitadas pela necessidade de conformidade com a realidade, ao contrário da ciência. Assim, a cessão da liderança à matemática contribuiu em grande parte para o surgimento da pseudo-ciência. Esta inversão é também a consagração da perspectiva materialista, já que a matemática não pode levar em conta o fator da vida.

O segundo passo foi a criação da bioengenharia, um dos setores que mais cresce. A vida passou a ser vista como um enorme computador cujos programas subjacentes podem ser transformados à vontade. Assim, a visão mecanicista da natureza foi adaptada à nova fase tecnológica na qual entramos.

A matemática via informática está agora levando seu processo à fase final, onde a inteligência é reduzida a uma quantidade mensurável e o conhecimento a fluxos de informação, ou seja, à inteligência artificial, o que no final deve nos levar ao transumanismo – a fusão total da vida com a máquina no assento do motorista.

Há, no entanto, um erro básico com uma virtualidade fabricada por uma máquina que nega nossa realidade dada. Como “realidades” não são “fantasmas”, o escritor Charles Dickens advertiu que havia “um perigo maior delas nos engolirem” mais cedo ou mais tarde.

Ciência e Futuro

Portanto, o problema que enfrentamos é a deformação da ciência em uma pseudo-ciência responsável pelos perigos causados pelo homem. Por outro lado, apesar de todas as suas fraquezas, uma abordagem baseada na observação e na razão é certamente a mais adequada para o estudo da realidade perceptível. Rejeitar a ciência é renunciar à maravilhosa possibilidade de desvendar alguns dos mistérios da natureza, mesmo que apenas superficialmente, mesmo que acabemos sempre descobrindo que nossas conclusões anteriores não eram totalmente corretas. Rejeitar a ciência é rejeitar nossa principal ferramenta de sobrevivência.

Educação

É, portanto, essencial distinguir primeiro a ciência de sua deformação. Para isso, é necessário desenvolver alguma apreciação não apenas da técnica da ciência, mas também de sua natureza. A ciência não é um assunto de especialistas. O amador deve reivindicar seu direito não só de entender, mas também de julgar de acordo com suas próprias luzes. Todos são capazes de compreender as ideias por trás da parte técnica. A melhor maneira de aprender a fazer isso é ler os trabalhos das mentes científicas pioneiras. Quem melhor para explicar como e porquê das ideias que ajudaram a desenvolver.

Entretanto, a única maneira real de dissipar a confusão entre ciência e pseudo-ciência é assegurar que a educação das gerações futuras alimente nossa intuição científica inata. Assimilar o espírito da ciência é aprender a pensar por si mesmo com base não em dogmas, mas em uma avaliação adequada da gama de informações disponíveis. Isto requer que a instrução da técnica seja colocada no contexto de uma discussão sobre a natureza da ciência.

Há muitas maneiras de fazer isso e nem todas são adequadas para cada estudante. É por isso que o pluralismo é essencial no tipo de educação oferecida, tanto na escola quanto na universidade.

Reduzir o escopo da pesquisa nociva

A questão ética

Até agora, o debate tem se concentrado em questões éticas. No entanto, os problemas não foram resolvidos. Pelo contrário, eles estão se agravando.

A ética certamente influencia a ciência. Basear a ciência em valores que conduzam a um futuro mais pacífico pode parecer o melhor caminho a seguir. Mas é este realmente o caso? Quais deveriam ser esses valores?

Os debates éticos permanecem ineficazes. Por outro lado, a restrição da pesquisa dentro de qualquer estrutura ética é prejudicial à ciência. Estabelecer limites para a mente humana corrói o dinamismo criativo essencial para as civilizações. A criatividade assume formas imprevisíveis, portanto, deve ser dada rédea solta.

O debate deve ser transferido para um nível menos controverso

Os perigos causados pelo homem são o resultado de pesquisas claramente não científicas. O debate deve, portanto, ser sobre a natureza científica da pesquisa. É verdade que não se pode esperar que a ciência seja definida com precisão ou que haja consenso suficiente. Entretanto, é possível identificar claramente o que não é ciência. Existem pesquisas que são contrariadas por estudos com uma sólida base empírica, pesquisas baseada em observações que não podem ser reproduzidas à vontade, ou cujas conclusões são baseadas em raciocínios que não se correlacionam com os dados fornecidos. Em particular, isto reduziria muito ou até eliminaria experiências controversas.

Por exemplo, o campo da medicina continua sendo baseado na experimentação animal, apesar do fato de que isto tem sido repetidamente denunciado por razões éticas por mais de um século. Hoje, como no passado, a resposta é que vidas humanas são salvas como resultado. Entretanto, devido às dissemelhanças biológicas entre outras espécies e nós mesmos, a extrapolação para o homem é raramente justificada e pode até ser prejudicial. Em outras palavras, estes experimentos são supérfluos e a ciência certamente não se trata de fazer experimentos apenas por fazê-los.

Ao mesmo tempo, a transparência de todas as pesquisas deve ser exigida legalmente. Isto está longe de ser o caso hoje em dia.

Pesquisa e dinheiro

Dito isto, a razão de ser da pseudo-ciência é a busca do lucro. A ligação entre dinheiro e pesquisa deve, portanto, ser quebrada. Isto significa, é claro, que qualquer pessoa com interesses materiais deve ser impedida de exercer influência indevida sobre a pesquisa. O anonimato impediria o doador de escolher o receptor. Para o propósito da ciência foi transformado em um meio de obter lucro. Mas vai além: a própria atividade científica foi transformada em uma atividade geradora de riqueza, graças ao desenvolvimento da noção de propriedade intelectual e patentes. Como resultado, o valor do trabalho científico agora depende da quantidade de dinheiro que ele gera. Não é que a ciência esteja acima ou abaixo do dinheiro, ela simplesmente não está relacionada a ele. Assim, a escolha de um critério inadequado para a ciência tem contribuído para sua distorção. Portanto, seria útil discutir a abolição das leis de patentes e como conseguir isso.

Excesso de especialização

A superespecialização não só impede o estudo correto das questões mais fundamentais e urgentes, uma vez que elas geralmente se estendem por vários campos, mas também a identificação dessas questões.

Uma maneira de remediar este problema é transformar as universidades em pequenas comunidades acadêmicas sem nenhuma barreira de assunto e tornar os estudos acadêmicos menos especializados. Naturalmente, o número de anos de estudo vai aumentar. Mas a rapidez atual do treinamento é o resultado da mentalidade dos últimos séculos. Ela perdeu sua relevância com uma vida útil mais longa e tecnologias que nos libertam de várias tarefas, mecanizando-as.

Que ciência para o futuro?

No que diz respeito à própria ciência, a questão é que forma ela deve assumir. O objetivo deve ser o de reduzir suas fraquezas.

As imagens de Maurits Escher mostram o quão pouco somos capazes de compreender a complexidade da realidade. Mesmo no caso de dois padrões entrelaçados, o cérebro humano só pode observar um de cada vez. Em outras palavras, qualquer luz de uma perspectiva ilumina apenas certos aspectos. Estes aspectos podem até parecer diferentes de diferentes perspectivas.

Mas cada forma de ciência é baseada em suposições. Portanto, cada uma delas pode perder aspectos críticos. A ciência deve, portanto, ser restaurada em toda a sua diversidade.

Começar com uma síntese das diferentes formas que a ciência tomou no curso da história poderia se mostrar útil e levar a formas de pensamento radicalmente novas. Seria uma tolice rejeitar em conjunto o vasto reservatório de conhecimento já desenvolvido em diferentes culturas em diferentes épocas e tatear no escuro.

A relevância das abordagens antigas no contexto moderno é sublinhada pelo exemplo do matemático Srinivas Ramanujan: os resultados obtidos por ele seguindo uma tradição que remonta à era védica provaram ser essenciais na mais sofisticada física moderna.

Naturalmente, os métodos comprovados não devem ser abandonados, mas complementados por outros, levando em conta as muitas mudanças em nossa percepção da realidade trazidas pela própria ciência.

Em resumo, como na educação, é somente através do retorno do verdadeiro pluralismo que podemos tentar superar algumas das lacunas na compreensão humana.

Aplicações científicas

Somente após um amplo e profundo entendimento teórico é que podemos começar a pensar em aplicações tecnológicas. Como Ralph e Mildred Buchsbaum propuseram há meio século, “o ônus da prova … da ausência de dano significativo ao homem” deveria ser legalmente “colocado sobre o homem que quer introduzir uma mudança”. Hoje, a prova dos danos reais deve ser fornecida pelas vítimas. Mas é irrealista confiar na ciência para identificar a causa exata de um dano. De fato, a ciência é geralmente incapaz de desembaraçar a teia cada vez mais complexa de causas e apontar um culpado. Ou, quando o faz, é um processo longo; enquanto isso, os danos são criados, às vezes de forma irreversível. Com demasiada frequência, ainda há dúvidas razoáveis. Isto coloca as pessoas à mercê de julgamentos legais baseados em tecnicidades e nas opiniões daqueles que os fazem.

Uma vez que o público tenha dado seu consentimento para um determinado tipo de aplicação, experimentos ainda mais cuidadosos devem ser realizados para garantir que os efeitos colaterais não tenham um impacto negativo sobre nós. Em outras palavras, precisamos nos dar tempo antes de introduzir novos elementos na natureza; somente experimentos cuidadosamente conduzidos em ambientes naturais e durante períodos de tempo suficientemente longos podem nos ajudar a distinguir entre aplicações cujo problema principal é o uso excessivo e que, portanto, podem ser utilizadas dentro de certos limites, e aplicações que apresentam outros problemas.

Conclusão

Voltemos à pergunta inicial: o que é a ciência se ela está em constante fluxo?

É a tentativa desordenada, mas heroica, da mente humana de compreender o funcionamento do universo ao persistir diante de obstáculos intransponíveis, diante de uma compreensão elusiva, apesar de inúmeras falhas e erros. Estes erros, por sua vez, dão origem a novas perguntas que devem ser respondidas. O conhecimento científico é o mais próximo da certeza, mas é incapaz de oferecer certeza porque a certeza é incompatível com nossa condição humana.

Apesar do domínio da pseudo-ciência, a ciência real tem continuado a fazer seu caminho. Durante os últimos dois séculos, a ciência que desenvolvemos minou a crença em uma realidade manifesta de substâncias materiais interagindo de acordo com regras mecanicamente rígidas. A partir de uma realidade de substâncias isoladas, cada coisa passou a ser vista como parte de um todo. Este todo não pode ser reduzido à soma de suas partes. Por outro lado, nenhuma parte pode ser explicada independentemente do todo. E ainda assim, cada parte individual tem seu próprio significado e reflete o todo de maneiras diferentes. Em resumo, nosso entendimento científico leva cada vez mais em conta a complexidade de nossa realidade.

Cabe a nós restaurar a ciência a seu devido lugar em um ambiente de apoio onde os cientistas são finalmente livres para se concentrarem em temas construtivos de sua escolha. Hoje em dia, muitos têm que desperdiçar seus talentos e esforços para combater as mentiras que são desenvolvidas e propagadas em nome da ciência.

Neste contexto, as atividades industriais também não serão necessariamente prejudiciais, mas benéficas para a humanidade.

Fonte: Strategika

Imagem padrão
Urmie Ray

PhD em matemática pela Universidade de Cambridge.

Artigos: 12

Deixar uma resposta