Alexander Reid Ross, autor desonrado de vários artigos retratados, trabalha com ex-policiais, espiões da CIA e agentes do DHS

Com todo o seu arquivo recolhido pelo Southern Poverty Law Center e um registro crescente de problemas, Alexander Reid Ross agora colabora com ex-agentes da CIA, policiais, funcionários do DHS e um congressista do Partido Republicano que se tornou um “grande estudioso”, com financiamento de um Koch.

Por Ben Norton e Max Blumenthal

Através de seus muitos trabalhos de difamação, difamando tanto esquerdistas antiguerra como criptofascistas envolvidos em uma suposta aliança “vermelho-marrom” com a extrema-direita, o escritor Alexander Reid Ross ganhou escárnio generalizado e o confisco de todo o seu arquivo por um de seus ex-editores. Ironicamente, o autoproclamado anarquista está agora colaborando abertamente com uma rede de ex-policiais, espiões, republicanos de direita e agentes do Departamento de Segurança Interna em um think tank militarista financiado em parte pelo bilionário Charles Koch.

A parceria de Ross com o recém-fundado Network Contagion Research Institute sugere que o estado de segurança nacional dos EUA tem um interesse crescente em minar as forças anti-imperialistas progressistas que ele tem como alvo há anos.

Ross apresentou sua teoria “vermelho-marrom” (comuno-fascista) para uma audiência nacional em uma série de artigos publicados pelo blog Hatewatch do Southern Poverty Law Center em 2018. Seus artigos consistiam em diagramas de Venn confusos e insinuaram que ativistas anti-imperialistas e progressistas, nacionalistas brancos e o Kremlin estavam todos ligados.

Em um artigo, Ross alegou que Brian Becker, um veterano ativista antirracista e antiguerra, estava aliado aos Oathkeepers porque certa vez debateu com um membro do grupo de extrema-direita em seu programa de rádio. Em outro, Ross acusou Katrina van den Heuvel, editora liberal da Nation Magazine, de ultraconservadorismo e laços com o Kremlin, em grande parte porque ela era casada com Stephen F. Cohen, um importante acadêmico russo e crítico de política externa dos EUA. Ross então culpou o editor da Grayzone, Max Blumenthal, por um tiroteio mortal por um neonazista porque – bem, ele quis.

As postagens do blog de Ross estavam tão cheias de erros e ataques caluniosos que o Southern Poverty Law Center (SPLC) foi forçado a excluir todo o seu material. Em março de 2018, depois que o SPLC excluiu o trabalho de Ross de seu site, humilhando-o, emitiu um pedido de desculpas efusivo a seus leitores, incluindo aos autores deste artigo. Quando a burrice de Ross se tornou alvo de humilhação nacional e zombaria generalizada, ele culpou os “trolls pró-Rússia” e gritou que havia sido “censurado”.

O SPLC emitiu um pedido de desculpas semelhante em abril, depois de retirar o trabalho difamatório de Ross contra Cohen, o ex-professor de Princeton e renomado especialista sobre a Rússia. “Aproveitamos essa oportunidade para enfatizar que as opiniões expressas nele são do autor, não do SPLC, e lamentamos qualquer confusão que nossa postagem possa ter causado”, destacou a organização.

Após a publicação desse artigo, James W. Carden, um ex-assessor do Departamento de Estado que desde então se tornou um crítico da política externa agressiva dos EUA, que também foi atacado por Ross em seus discursos difamatórios, disse que o ex-presidente do SPLC Richard Cohen “me ligou para se desculpar pelo artigo desse idiota. Richard mal podia acreditar que ele foi tão humilhado por sua equipe editorial.” “Ele ficou envergonhado com esse idiota de Portland”, acrescentou Carden, referindo-se a Ross.

Richard Cohen (SPLC) me ligou para me desculpar pelo artigo desse idiota. Richard mal podia acreditar que foi tão humilhado por sua equipe editorial. Ele estava envergonhado por esse idiota de Portland. É claro que apenas o @thedailybeast sob comando do famoso idiota Noah Shachtman se ligaria a esse idiota.

JW Carden (@maurice_bendrix) 15 de março de 2021

‘Nunca deixei os checadores de fatos atrapalhar a minha guerra fanática contra a esquerda anti-imperialista’, continuou Ross. Em fevereiro desse ano, ele foi ao seu laptop e disparou uma série de e-mails para várias personalidades proeminentes da mídia de esquerda, sondando-as sobre conexões com a direita que existiam basicamente em sua própria cabeça. Ross acabou publicando um discurso caracteristicamente longo e pouco coerente no Daily Beast, acusando seus alvos de “estarem comprometidos com a direita”.

Entre os difamados por Ross estava o acadêmico Norman Finkelstein, filho de sobreviventes do Holocausto, a quem ele acusou de negar o Holocausto. Finkelstein falou longamente sobre o sofrimento de sua família durante o Holocausto na entrevista que Ross mencionou em seu artigo, onde Finkelstein apareceu no podcast TrueAnon. Mas Ross, em um exemplo especialmente revelador de suas táticas enganosas de difamação, optou por ignorar o testemunho pessoal de seu alvo. De fato, Ross não mencionou a história da família de Finkelstein e omitiu suas credenciais acadêmicas bem estabelecidas, descrevendo o acadêmico apenas como “um ativista anti-sionista”.

Ross então tentou vincular o comediante de esquerda Jimmy Dore à conspiração do Pizzagate, alegando que alguém de extrema-direita o retweetou uma vez. Em seguida, ele atacou os apresentadores do popular podcast socialista Chapo Trap House por um comentário obviamente bem-humorado sobre os EUA serem governados por “uma cabala de abusadores psicóticos e canibais”, ligando-os sem fundamento ao culto conspiratório de direita QAnon.

As difamações duraram 4.500 palavras, visando uma variedade estonteante de personalidades de podcasts esquerdistas, grandes e quase inéditas, em um manifesto absurdamente obsessivo que, em última análise, disse mais sobre o estado mental paranoico de seu autor do que qualquer um de seus alvos.

Como a maioria dos leitores, os editores do Daily Beast pareciam incapazes de decifrar os rabiscos de Ross. Mas eles o publicaram de qualquer maneira, expondo a si mesmos e seu autor à zombaria e ao constrangimento generalizados quando as múltiplas falsidades do artigo, erros e a qualidade horrível deles vieram à tona.

Entre as muitas alegações falsas apresentadas no artigo de Ross estava que o podcaster Nick Mullen soltou “a N-palavra (1) várias vezes em Bill Maher”. Na verdade, Mullen nunca apareceu no Real Time da HBO com Bill Maher e foi Maher quem usou a “palavra com n” ao vivo.

https://twitter.com/aaronjmate/status/1369008566602919936

O escárnio e o desprezo inspirados pela diatribe de Ross se tornaram tão intensos que o editor-chefe do Daily Beast e ex-agente de Clinton, Noah Shachtman, tentou tirar o dele da reta do desastre editorial que houve, declarando que sua editora-chefe, Katie Baker, era a única responsável “por promover essa história incrivelmente complexa e importante.”

Enquanto isso, o Daily Beast silenciosamente atualizou e corrigiu o artigo de Ross sem inserir uma nota dos editores que teria ficado como uma lembrança permanente da catástrofe jornalística.

A desgraça de Ross logo se tornou o assunto de um artigo do Daily Dot que pesquisou cuidadosamente seu extenso registro de difamações selvagens e falsidades minuciosamente. Desesperado para salvar sua credibilidade, Ross divulgou uma declaração ao Daily Dot que parecia ter sido elaborada por um especialista em gestão de reputação de péssimo nível. Ele alegou que se dedicava ao “jornalismo honesto” que permite aos leitores “trabalhar através das crescentes divisões da sociedade e negociar um terreno comum para um mundo mais decente, pacífico e justo para as gerações futuras”.

Sob questionamento constante, Ross acabou implorando a seu entrevistador que não publicasse seu relatório: “Estou preocupado, com base em suas perguntas”, ele reclamou, “que seu artigo vai perpetuar a campanha intensa e prejudicial contra mim, tornando-se munição para as pessoas. que têm muito pouco compromisso com a verdade ou a dignidade”.

Com seu longo rastro de retratações e constrangimentos editoriais com suas desculpas risíveis, é difícil entender como um desastrado em série como Ross continua a encontrar trabalho. Mas mesmo que sua assinatura tenha se tornado uma responsabilidade perigosa para qualquer instituição jornalística, ele encontrou prestígio dentro de uma nova e lucrativa empresa dedicada a combater a “desinformação” online e as “teorias da conspiração” anti-establishment.

Ao se apresentar como anarquista e “socialista libertário” com uma visão interna tanto da esquerda radical quanto da direita fascista, Ross conseguiu se fazer parecer útil para a linha dura do estado de segurança nacional por trás da crescente indústria de contra-desinformação. E ao contestar os anti-imperialistas de esquerda como “teóricos da conspiração que minam um consenso político democrático”, ele sinalizou a seus empregadores um compromisso com a causa compartilhada de defender o estado de segurança nacional dos EUA contra ameaças domésticas.

Assim, em uma reviravolta cômica, o pesquisador “vermelho-marrom” Ross tornou-se um pesquisador sênior de um think tank fundado recentemente, apoiado por bilionários, incluindo o oligarca de direita Charles Koch. Lá, Ross é coautor de relatórios com o chefe de operações de contra-inteligência aposentado da CIA, ex-funcionários do Departamento de Segurança Interna, ex-policiais e até mesmo um antigo congressista republicano que orgulhosamente se autodenomina um “estudioso do Pé Grande”.

Tendo uma vez se gabado dizendo “sou anarquista desde a escola primária”, Ross é agora um orgulhoso colega de policiais, espiões e militaristas, ajudando a avançar seu compromisso de suprimir qualquer narrativa que ameace corroer o controle da classe dominante.

Alexander Reid Ross (à esquerda) fala no evento principal organizado pela Integrity Initiative, patrocinada pelo governo do Reino Unido e financiada pela OTAN, em Seattle, em dezembro de 2018

Um autoproclamado anarquista trabalha ao lado de ex-espiões da CIA, agentes do DHS(2) e policiais

A Grayzone expôs anteriormente a participação de Alexander Reid Ross na Integrity Initiative, uma operação de guerra de informação destinada a gerar hostilidade com a Rússia e visar funcionários anti-guerra que se intrometem demais nas coisas. A agora extinta Integrity Initiative foi supervisionada por agentes da inteligência militar britânica e secretamente financiada pelo Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido. Sua existência foi ocultada dos contribuintes britânicos até que uma série de vazamentos expôs o projeto perturbador, desencadeando um escândalo nacional e indignação no parlamento do Reino Unido.

Ross foi convidado a falar no que a Integrity Initiative chamou de seu “evento principal”, em Seattle, Washington, em dezembro de 2018. Lá, ele fez uma palestra tipicamente incoerente, falando sobre uma rede furtiva de alianças “vermelho-marrons” e comunistas “sincréticos” e sobre meios de comunicação fascistas. Sua apresentação terminou acusando a Zero Hedge, uma agência financeira e de notícias alternativa, de inspirar a violência das milícias anti-imigrantes na fronteira EUA-México.

Em janeiro de 2021, Ross foi nomeado “pesquisador sênior” pelo Network Contagion Research Institute (NCRI), um think tank financiado por bilionários, incluindo o oligarca de direita Charles Koch. O NCRI proclama que sua missão é “rastrear, expor e combater a desinformação, o engano, a manipulação e o ódio nos canais de mídia social”.

No NCRI, Ross foi coautor de relatórios com ex-altos funcionários do estado de segurança nacional dos EUA, que qualquer anarquista que se preze sem dúvida veria como uma ameaça existencial e uma ameaça absoluta.

Em 11 de março, o NCRI publicou um relatório sobre “Viral Disinformation of the COVID Vaccine”. O primeiro colaborador nomeado na lista de coautores foi Alexander Reid Ross. Colaborando no projeto com Ross estava Kelli Holden, ex-chefe de operações de contra-inteligência da CIA.

Holden trabalhou na CIA por 28 anos, aposentando-se em 2019. Em seu perfil no LinkedIn, a colega de Ross descreve seu antigo trabalho na notória agência:

“Concluindo sua carreira como chefe de operações de contra-inteligência da CIA, a Sra. Holden atuou em vários cargos de liderança da CIA no exterior e em Washington, gerenciando projetos e orçamentos significativos que impactam diretamente a segurança nacional dos EUA. Ela tinha experiência abrangente em gerenciar programas, contraterrorismo, contra-inteligência, ameaças internas e gerenciamento de riscos globais.”

Juntando-se a Ross e Holden como coautor do relatório do NCRI estava Brian Harrell, ex-secretário assistente de proteção de infraestrutura do Departamento de Segurança Interna dos EUA (DHS).

Harrell começou trabalhando como policial no Departamento do Xerife do Condado de Los Angeles. Ele então fez operações “antiterroristas” com os fuzileiros navais dos EUA, antes de passar por uma série de empresas de segurança privada e pelo DHS. O trabalho de Harrell lhe rendeu reconhecimento na lista das “pessoas mais influentes em segurança” da Security Magazine em 2017.

O colega de Alexander Reid Ross trabalhou no DHS de 2018 a 2020. Harrell deixa claro em sua página do LinkedIn que foi nomeado por Donald Trump, declarando: “Obrigado, Sr. Presidente!”

Colega de Alexander Reid Ross, ex-secretário assistente do DHS Brian Harrell

Durante o mandato de Harrell, o DHS reprimiu agressivamente antifascistas e ativistas de esquerda, classificando formalmente o vandalismo de supostos membros do movimento descentralizado Antifa como “violência terrorista doméstica”.

Ross afirma ser um forte defensor dos Antifas e até incluiu sarcasticamente a descrição “ideólogo Antifa” em sua biografia no Twitter. Como ele concilia essas simpatias com o fato de seu coautor estar ativamente envolvido em uma campanha estadual para criminalizar as atividades Antifas não está claro.

Um relatório de 2020 no Politico citou um memorando do DHS que listava anarquistas e antifascistas ao lado de “atores terroristas domésticos”, alertando que eles poderiam explorar os protestos antirracistas contra o horrível assassinato policial de George Floyd para aumentar a escalada da violência.

O artigo do Politico citou o atual colega de Ross, Brian Harrell, que enfatizou como os policiais estavam brutalizando manifestantes e prendendo jornalistas “o DHS, como a maior organização policial do país, continuará apoiando nossa polícia estadual e local e agências de primeiros socorros, para trazer um fim rápido, seguro e pacífico à violência desordenada nas ruas”.

Outro coautor do relatório do NCRI com Alexander Reid Ross é Paul Goldenberg, que também foi nomeado como uma das “pessoas mais influentes em segurança” da Security Magazine em 2020.

Goldenberg é membro do Department of Homeland Security’s Advisory Council (HSAC) e liderou vários comitês do DHS focados em “extremismo violento”, “terrorismo” e “radicalização” – esforços que geralmente visam muçulmanos, organizações de libertação negra e radicais parecidos com os amigos anarquistas de Ross.

Goldenberg atuou anteriormente como chefe da missão de policiamento de transição da Organization for Security and Cooperation in Europe (OSCE). Antes disso, ele supervisionou os esforços contra o “terrorismo doméstico” do escritório do procurador-geral de Nova Jersey.

O colega de Ross começou sua carreira como policial. Goldenberg trabalhou primeiro como policial em Nova Jersey, depois passou anos como “agente disfarçado” na Flórida, ganhando o título de “Oficial do Ano do Sul da Flórida”.

O colega do NCRI de Alexander Reid Ross, Paul Goldenberg, quando ele trabalhava como policial de Nova Jersey, que costumava atuar disfarçado.

Outro associado de Alexander Reid Ross no Network Contagion Research Institute, coautor do relatório de março de 2021 com o autoproclamado anarquista, é o ex-procurador-geral do estado de Nova Jersey John Farmer.

Farmer, que foi apelidado de “Super Advogado de Nova Jersey”, atuou como conselheiro sênior e líder de equipe da Comissão do 11 de setembro do governo dos EUA.

Talvez a associação mais absurdamente irônica de Ross no NCRI seja Denver Riggleman, um ex-membro republicano do Congresso apoiado pelo Tea Party.

Ex-oficial de inteligência da Força Aérea que mais tarde atuou como agente de um membro da NSA, Riggleman se tornou uma espécie de motivo de riso nacional quando, durante a eleição ao Congresso da Virgínia de 2018, seu oponente o acusou de ter uma “coleção erótica de pés-grandes”.

Riggleman postou uma imagem no Instagram de um esboço de um monstro peludo com o rosto de Riggleman, com a genitália da criatura editada. O futuro congressista republicano brincou que a foto fazia parte de um livro que ele escreveu chamado “The Mating Habits of Bigfoot and Why Women Want Him”.

Depois de perder a indicação do Partido Republicano na eleição subsequente, Riggleman voltou a escrever ficção de fantasia do Pé Grande. Embora ele diga que não acredita que o monstro exista, Riggleman publicou um livro em 2020 intitulado “Bigfoot… It’s Complicated”, no qual ele se identificou como um “estudioso do pé-grande”.

Um jornal local resumiu o colega de Ross: “Riggleman gosta muito do pé-grande. Ele foi caçar a criatura. Recentemente, ele assistiu a uma apresentação musical de um homem vestido com um grande terno peludo tocando saxofone, Sasquatch.”

Riggleman trabalhou no relatório do NCRI de março de 2021 com Ross sobre desinformação sobre vacinas. Em dezembro de 2020, Riggleman também colaborou com Ross em uma investigação sobre a conspiração de QAnon.

Riggleman não tem nenhum conhecimento aparente em tecnologia e, além de suas postagens no Instagram, não parece ter nada particularmente perspicaz a dizer sobre as mídias sociais. Ele passa a maior parte do tempo cuidando de uma destilaria que possui na Virgínia e fazendo lobby por leis menos restritivas sobre o álcool. Por que um think tank que afirma ser dedicado à pesquisa sobre desinformação emprega tal figura é difícil de discernir.

O empregador de Alexander Reid Ross, o NCRI, lista seus financiadores na parte inferior de seu site oficial: a Fundação Charles Koch, do notório oligarca de direita, bem como a Open Society Foundations do bilionário anticomunista George Soros.

Trabalhando com o ADL, uma organização pró-apartheid que espiona a esquerda

O NCRI também é afiliado à Anti-Defamation League (ADL), um grupo de lobby pró-Israel com um histórico de décadas de colaboração com agências policiais para espionar a esquerda nos EUA.

Durante a era McCarthy, a ADL realizou espionagem em progressistas suspeitos de simpatias comunistas e os denunciou ao House of Un-American Activities Committee (HUAC) e ao FBI.

Mais tarde, a ADL espionou e atacou líderes negros no movimento pelos direitos civis. A organização passou a vigiar ativistas anti-apartheid, trabalhando diretamente com agentes de inteligência do regime supremacista branco sul-africano.

Como fez com ativistas que se opunham ao apartheid sul-africano, a ADL espionou os americanos que se opõem ao apartheid israelense, compartilhando a as informações que reuniu com funcionários do governo israelense, que Israel usa para perseguir palestinos.

Em 2017, a ADL pediu que a polícia dos EUA se infiltrasse em grupos que se autodenominam Antifa para espionar o tipo de ativista antifascista com o qual Ross se identifica.

https://twitter.com/JVPDCMetro/status/1294354595339272192

Além de defender e fazer lobby em nome do regime do apartheid em Israel, a ADL apoiou abertamente a invasão militar americana do Iraque em 2003.

As atividades da ADL tornaram-se tão nocivas que grupos judaicos americanos progressistas organizaram uma campanha “abandone a ADL”, solicitando que as organizações progressistas se recusassem a fazer parceria com a organização.

Apesar dos laços profundos da ADL com policiais dos EUA, Israel e África do Sul, e seus extensos laços com a direita, o autodeclarado anarquista Alexander Reid Ross tem apoiado a organização.

Ross compartilha regularmente as pesquisas da ADL e frequentemente cita a ADL em seu trabalho. Ross até faz operações maliciosas criticando ativistas de esquerda, enquanto ecoa as difamações da ADL para difamar anti-sionistas progressistas como o editor da Grayzone, Max Blumenthal.

https://twitter.com/areidross/status/1225957604377018368

Ecoando a mensagem da ADL, Ross consistentemente retrata os críticos do movimento sionista como antissemitas enquanto ecoa as ideias sionistas liberais.

Mas as conexões que o empregador de Ross tem com a ADL são ainda mais profundas. De fato, o fundador e diretor do Network Contagion Research Institute que concedeu a Ross sua bolsa, Joel Finkelstein, trabalhou como pesquisador na ADL de 2018 a 2020.

Antes de fundar o NCRI, Joel Finkelstein trabalhou no Google, um contratado da CIA que colabora extensivamente com os departamentos militares e de polícia dos EUA, auxiliando-os na espionagem de ativistas.

Joel Finkelstein não é o único funcionário do NCRI com um histórico nas Big Tech do Vale do Silício. O diretor de pesquisa do Google, Peter Norvig, também atua como consultor estratégico do NCRI.

Consultores estratégicos do Network Contagion Research Institute, que emprega Alexander Reid Ross

Alexander Reid Ross trabalha ao lado de um homofóbico de direita e agente de inteligência da polícia de Nova York

Completando o elenco duvidoso de espiões e policiais com quem Ross escolheu trabalhar no NCRI está Jack Donohue, um veterano oficial de inteligência do Departamento de Polícia de Nova York que atuou como ex-chefe de estratégias do NYPD.

De acordo com o site do NCRI, Donohue é um “ex-chefe de três estrelas e veterano de 32 anos do departamento de polícia da cidade de Nova York” com um “papel como chefe de inteligência e estratégia cibernética” e um “inovador do agora anual Cyber Intelligence and Counterterrorism Conference”, que “cria relatórios em nome do Departamento de Segurança Interna…”

Outro colega de Alexander Reid Ross no NCRI: o ex-chefe do NYPD Jack Donohue

Finalmente, e talvez mais hipocritamente, o orgulhoso anarquista Alexander Reid Ross trabalha ao lado de um notório acadêmico anti-gay, anti-aborto e de extrema direita.

O NCRI lista Robby George como outro consultor estratégico. Em 2006, o editor da Grayzone, Max Blumenthal, publicou uma investigação sobre George no The Nation, expondo-o como um teocrata republicano fanaticamente anti-aborto.

George liderou anteriormente a National Organization for Marriage, um grupo lobbysta de direita que se opõe ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. Em 2008, o presidente republicano George W. Bush concedeu a George a Presidential Citizens Medal, a segunda maior honraria civil nos Estados Unidos.

O colega de direita do NCRI de Alexander Reid Ross, Robby George, com o presidente Bush em 2008

Então, enquanto Ross difama falsamente os esquerdistas anti-imperialistas, alegando que eles são participantes de uma suposta conspiração “vermelho-marrom”, ele está colaborando ativamente com republicanos de extrema direita que dedicaram suas vidas a limitar os direitos constitucionais e civis de mulheres e cidadãos LGBT.

É impossível exagerar a ironia de um mascate acadêmico anarquista se engajando em uma aliança sórdida com militaristas reacionários e aceitando o patrocínio de um irmão Koch enquanto vomita suas conspirações fétidas e desacreditadas.

O misterioso aparecimento de Alexander Reid Ross como um “especialista”

Alexander Reid Ross é principalmente uma figura marginal. Mas ele tem amigos que promovem seu trabalho conspiratório com um fervor religioso.

Os aliados políticos de Ross criaram um artigo da Wikipédia altamente favorável a ele, o que realmente equivale a um marketing grosseiro, em outubro de 2020. Uma olhada no histórico de edição da página mostra que ela foi escrita pelos mesmos trolls que, em flagrante violação das diretrizes da Wikipedia, vandalizaram raivosamente e até excluíram as apresentações sobre jornalistas e acadêmicos antiguerra.

Entre os coautores do artigo bajulador de Ross na Wikipedia estão alguns dos editores politicamente motivados que participaram da campanha de difamação cheia de mentiras que levou a uma lista negra do The Grayzone no site.

Outro editor que ajudou a moldar a página de Ross é Philip Cross, o notório troll britânico que edita a Wikipédia por horas todos os dias, empurrando implacavelmente a linha de propaganda imperialista dos governos ocidentais e vandalizando as páginas de anti-imperialistas proeminentes, incluindo a apresentação da Wikipedia de Max Blumenthal, para minimizar suas realizações, aumentar controvérsias e impugná-los falsamente como agentes russos.

Com entidades misteriosas como Cross fornecendo a Ross serviços de marketing, Ross conseguiu sobreviver aos humilhantes desastres de relações públicas que são desencadeados quando seus trabalhos cheios de mentiras explodem na cara de seus editores, como costumam fazer.

Seus editores parecem compartilhar seu apoio às políticas intervencionistas dos EUA e um ressentimento ardente dos anti-imperialistas que as desafiam. Isso pode ajudar a explicar por que Ross não enfrentou consequências por um artigo de 2020 no jornal liberal sionista israelense Haaretz, que desde então foi desacreditado.

Na longa e caracteristicamente confusa obra, Ross afirmou que o presidente russo Vladimir Putin tem apoiado neonazistas nos Estados Unidos. Como evidência, ele apontou para um grupo supremacista branco chamado The Base.

No entanto, o The Base é suspeita há muito tempo de servir como fachada para a a mudança de leis dos EUA e, portanto, como uma ferramenta geopolítica destinada a pintar a Rússia como o exportador mais prolífico do mundo da ideologia nacionalista branca.

Em fevereiro deste ano, o DHS confirmou que contratou o líder do The Base, Rinaldo Nazzaro. Nazzaro havia trabalhado anteriormente como empreiteiro do Pentágono e serviu nas forças de Operações Especiais dos EUA em esforços de “contraterrorismo”.

Dado seu pedigree, talvez seja apenas uma questão de tempo até que Nazarro se junte a Ross como pesquisador de contra-desinformação no NCRI.

Alexander Reid Ross quer ser um colaborador da Grayzone

Antes de Ross se tornar motivo de chacota do Twitter esquerdista e colaborador da polícia, ele se fez conhecer no The Grayzone. Poucos meses antes de publicar o trabalho de difamação paranoico que foi finalmente retirado pelo SPLC, Ross entrou em contato com Max Blumenthal para lançar um artigo para publicação no Grayzone Project da AlterNet, um antecessor do The Grayzone (agora independente da AlterNet).

Ross fez seu discurso confuso por trás de dois nomes falsos, “Lilac” e “Sasha”, usando um e-mail do site ambientalista radical earthfirstjournal.org. Ele propôs escrever um artigo expondo a vigilância do DHS sobre os ativistas Antifas, um ângulo irônico considerando seu trabalho atual.

Ross já trabalhou como editor do Earth First Journal sob o pseudônimo de “Lilac Sash@”. Em 2010, ele postou uma lista de empregos procurando “jornalistas de curto prazo (sic)” para ajudar na publicação: “você recebe US $200 por mês, mais uma casa espaçosa para morar e alimentos orgânicos gratuitos doados pela cooperativa local”. Ross escreveu. “Também temos bicicletas disponíveis.”

Na época, o Earth First era um dos principais alvos do FBI, que o rotulou como uma organização “ecoterrorista”.

Hoje, vale a pena se perguntar o que qualquer um dos radicais do ecoterrorismo que já fizeram parte do ativismo pensam de seu trabalho contemporâneo com ex-agentes da CIA, funcionários do DHS e policiais da linha dura.

Quanto ao artigo de 2017 para The Grayzone de Ross – ou é “Lilac”? – foi recusado.

E-mail de 2017 de Alexander Reid Ross enviando um artigo para The Grayzone

Esclarecimento: o trabalho paranoico de difamação do SPLC de Ross foi publicado vários meses após sua apresentação ao Projeto Grayzone da AlterNet, e não semanas e meses após a exposição em duas partes de Max Blumenthal dos Capacetes Brancos Sírios, que Ross enquadrou no SPLC como desinformação russa.

Atualização (15 de março): Este artigo foi atualizado após a publicação com a declaração de James Carden e mais informações sobre a retratação do SPLC dos artigos falsos e difamatórios de Ross.

Fonte: The Grayzone

Imagem padrão
Nova Resistência

Organização nacional-revolucionária que, com base na Quarta Teoria Política, busca restaurar a dignidade imperial do povo brasileiro.

Artigos: 593

Deixar uma resposta