O Conselho de Relações Exteriores, Arma da Geopolítica Atlantista

Quem define os rumos do mundo? Os presidentes eleitos? Ou haveria grupos elitistas desenhando políticas públicas a serem aplicadas por todos os países? Em relação a esse tema, devemos começar a falar sobre o Conselho de Relações Exteriores, um dos laboratórios de ideias que governam o destino planetário.

“Quer você goste ou não, um governo mundial será estabelecido. Se a humanidade não concordar voluntariamente, teremos que fazê-lo pela força”. – James Warburg (1950)

Há muito tempo existem dois pontos de vista extremos sobre as forças motrizes da história. A primeira é que a história está sujeita a leis objetivas rigorosas, que dependem pouco da vontade de reis, presidentes e, a fortiori, de meros mortais. A única coisa que pode ser feita é aprender as leis de modo que, ao compreender os significados e tendências, pode-se ajudar a história a fazer seu trabalho da maneira mais eficiente e indolor possível. Esta visão tem sido mais consistentemente encarnada pelo materialismo histórico.

O outro extremo vê a história como uma conspiração. Nesta abordagem conspiratória, a história aparece como um fluxo contínuo de intrigas, negociações separadas, acordos sob a mesa, tentativas de assassinato e golpes. Para o teórico da conspiração, “cavalgar o tigre” da história significa criar suas próprias sociedades secretas e expor as do inimigo, tecer suas próprias intrigas e frustrar as dos outros.

Ambos os pontos de vista são relevantes em suas próprias formas. A história sem dúvida tem leis e significados, que é necessário conhecer para poder agir com ela, não apesar dela. Um dos personagens principais de nossa narrativa, Allen Dulles, afirmou que “é fácil confundir um homem com fatos, mas uma vez que ele entende as tendências, não pode ser enganado” [1].

Mas também não há dúvida de que as conspirações e as sociedades secretas desempenham um papel importante nas rupturas históricas. Lojas e conspirações secretas derrubaram dinastias poderosas e fizeram revoluções em sociedades aparentemente mais prósperas, invertendo o curso da história em 180 graus e retratando líderes como forasteiros sem esperança. A história não é tanto o xadrez quanto a ponte, não apenas uma ciência, mas também a arte de ser mais esperto que o adversário, escondendo as principais cartas vencedoras até o último momento. Entretanto, quando se trata de vitória tática, ou quando a história está em um ponto de bifurcação (ou seja, quando um pequeno impacto no sistema pode levar a consequências imprevisíveis), então o jogo se transforma em um jogo de pôquer, onde a tarefa principal é enganar o adversário. É nestes momentos que surgem as ferramentas traiçoeiras da conspiração.

O Ocidente conseguiu combinar os dois extremos, criando uma arma verdadeiramente milagrosa: laboratórios de ideias. Por um lado, eles são poderosos centros de pesquisa e análise (“universidades sem estudantes”, como eram chamadas antes da Segunda Guerra Mundial). Por outro lado, quanto mais fechadas e secretas eram estas “fábricas”, mais eficazes eram. A incrível eficácia das Fábricas de Pensamento se devia a uma combinação inteligente de pesquisa, inteligência e atividades subversivas, e a uma organização em rede astuta que ocultava os verdadeiros alvos e beneficiários. “As Fábricas do Pensamento estão entrelaçadas com a classe política (establishment), serviços de inteligência e elites financeiras e industriais da maneira mais íntima, orquestrando complexas interações entre diferentes grupos, às vezes competindo ferozmente umas com as outras. As fábricas de pensamento são o cérebro e as mãos do que agora é comumente chamado de ‘Estado profundo'” [2].

Eles são uma poderosa espinha dorsal ideológica e política do sistema ocidental (principalmente americano), sua espinha dorsal intelectual e potencial. Segundo N.A. Narochnitskaya, “estes poderosos geradores de ideologia criam axiomas sutis e indiretos de visão de mundo para os iniciados e estereótipos para os leigos; sua extensa atividade internacional substitui e complementa o trabalho da diplomacia e da inteligência ideológica dos EUA. Finalmente, eles são o sangue cerebral das elites através do qual o ‘verdadeiro conhecimento’ circula enquanto a mídia identifica magistralmente os interesses dos EUA com os cânones ético-morais do universo e processa o demos de milhões, ingenuamente convencidos de sua suposta ‘kratia'” [3].

A razão de ser dos laboratórios de ideias: propaganda, criação e implementação de ideologias, desenvolvimento e controle do discurso público e político, doutrinação, treinamento e pesquisa da opinião pública, desenvolvimento de políticas públicas sobre uma ampla gama de assuntos (terceirização e lóbi), coleta e análise de dados, análise e jornalismo, publicação de livros e mídia, atendimento ao cliente, treinamento de pessoal, um paraíso bem pago para políticos aposentados, militares e funcionários do governo. As “fábricas de pensamento” estão no topo da pirâmide de informação, através da qual ocorre a verdadeira governança.

A obra ” As Fábricas de Pensamento como Parte Integral da Supersociedade Ocidental” de Vladimir Maslov [4] fornece dados únicos sobre “fábricas de pensamento” que foram desclassificadas de um conjunto de dados circunstanciais. A lista contém 155 organizações, revelando seu pessoal e orçamentos. Estas incluem organizações tão conhecidas e influentes como a Carnegie Foundation, a Hoover Institution, o World Resources Institute, a Heritage Foundation, a RAND Corporation, Human Rights Watch, Freedom House, e outras.

Entre elas, em um modesto 12º lugar, está o Conselho de Relações Exteriores (CFR), um dos mais poderosos instrumentos da geopolítica dos EUA, o tema de nossa análise.

Quando Karl Polanyi cunhou a noção de “superioridade intelectual perniciosa” [5] dos líderes do Terceiro Reich sobre seus oponentes como uma das principais razões do sucesso inicial de Hitler, ele tinha em mente não tanto o conhecimento como a traição visando a destruição da ordem mundial existente. Exatamente a mesma circunstância, a sinistra superioridade intelectual das elites ocidentais, desempenhou um papel importante na vitória do liberalismo na luta pela hegemonia mundial. E as ferramentas mais eficazes para alcançar esta “sinistra superioridade intelectual” foram e ainda são os “grupos de reflexão”, não menos importante o Conselho de Relações Exteriores.

O nascimento da CRE

No primeiro quarto do século XX, a ideia americana, que havia circulado na mente do público como uma fusão sincrética do Manifesto Destino de John O’Sullivan e da doutrina isolacionista de Monroe, passou por uma mudança significativa. Após a Paz de Versalhes, os Estados Unidos começam a repensar seu lugar no sistema mundial. Enquanto o Destino Manifesto se manifestou anteriormente em um projeto estratégico para conquistar a independência americana das potências europeias e estabelecer controle sobre a América Central e Latina (a Doutrina Monroe propriamente dita), os Estados Unidos agora se sentiam prontos para estender seus interesses e valores além do continente americano – a cumplicidade na vitória sobre a Alemanha forneceu uma perspectiva histórica. Além disso, a Inglaterra, um antigo império marítimo, estava perdendo o controle de suas colônias sob seu comando, deixando um vazio significativo de poder e influência. Em contraste, a economia americana estava em expansão, e os Estados Unidos gradualmente começaram a comprar colônias britânicas e a impor seu controle econômico e político sob o pretexto de independência e democracia. Assim, nasceu a Doutrina Wilson, que substituiu a Doutrina Monroe. A partir daí, o mundo inteiro tornou-se o território designado para o controle estratégico americano e a difusão dos valores americanos (democracia, direitos humanos, livre iniciativa) [6].

Desde sua fundação em 1921, o Conselho de Relações Exteriores foi concebido como o mais influente grupo de reflexão para decisões estratégicas no campo das relações internacionais. Um precursor da criação do Conselho poderia ser considerado o estabelecimento em 1917 pelo presidente americano Woodrow Wilson do Inquiry, um grupo de pesquisa de 150 cientistas que tinha sido mobilizado em 1917 pelo consultor próximo de Woodrow Wilson, “Coronel” Mandel House, e pelo jornalista Walter Lippmann, que era o Subsecretário de Defesa dos EUA, para desenvolver uma nova visão do papel global dos EUA no mundo do pós-guerra. O empreendimento foi financiado pelos principais banqueiros americanos (notadamente Rockefeller, Warburg e Morgan). O fruto imediato deste trabalho foi os 14 Pontos de Wilson, que delinearam uma nova estratégia americana para a paz após a Primeira Guerra Mundial e foi, em muitos aspectos, uma reação ao Decreto da Paz de Lênin.

O Inquiry tornou-se desde então o centro de institucionalização de toda a tradição geopolítica anglo-saxônica e, mais geralmente, ocidental que privilegia a “civilização do mar” e a perspectiva de seu domínio planetário. Desde sua criação, o Conselho de Relações Exteriores tem procurado ser o centro intelectual da política global, uma espécie de codificador do “governo mundial”, entendido como uma instância de controle global em nome do sujeito geopolítico da “civilização do mar”. A geopolítica se desenvolveria a partir de agora predominantemente dentro da estrutura desta organização e de suas estruturas científicas, políticas e de inteligência associadas [7].

No final da Primeira Guerra Mundial, Wilson viaja para a Europa para participar pessoalmente da conferência de paz de Versalhes. Ele é acompanhado por cinco assistentes pessoais, incluindo o Coronel House, e 23 membros do Inquiry. A delegação americana impõe seu modus operandi a seus parceiros: proíbe a discussão de acordos de paz até que os países tenham determinado o que será essa paz. Ela também compartilha seus planos para um mundo aberto ao comércio sem restrições e regulamentações alfandegárias. De fato, estes planos refletem o que mais tarde seria chamado de globalização. Ele também apóia a criação de uma Liga das Nações, cujo objetivo seria evitar guerras. Este plano foi amplamente corrigido pelos europeus e finalmente rejeitado pelo Congresso dos Estados Unidos, que assim expressou sua desaprovação a Wilson [8].

Ao mesmo tempo, as delegações britânica e americana decidiram estabelecer uma Academia fora da Conferência de Paz, que reuniria os dois Estados. Seu objetivo seria institucionalizar as atividades do Inquiry, o que ajudaria a desenvolver e promover uma estratégia comum de política externa atlântica. Eventualmente, o Instituto Anglo-Americano de Relações Internacionais se dividiu em duas divisões independentes, uma baseada em Nova Iorque e outra em Londres. A divisão americana, o Conselho de Relações Exteriores, é organizada por Eliu Root, Secretário de Estado sob Theodore Roosevelt (que sancionou as invasões americanas de Cuba, Honduras e República Dominicana e, no entanto, ganhou o Prêmio Nobel da Paz). Ao mesmo tempo, os britânicos estabeleceram o Real Instituto para Assuntos Internacionais (RIIA), mais conhecido como Chatham House por sua localização em um antigo palácio londrino. Também estabeleceu um terceiro centro de governança mundial, a Unidade de Estudos do Pacífico, com sede na Europa, mas este não recebeu muito desenvolvimento.

As regras de funcionamento do CRE e da Chatham House são as mesmas de todos os institutos de pesquisa: os participantes são encorajados a trabalhar em metas estabelecidas fora da organização e sob um nome falso. O núcleo das novas organizações torna-se uma coleção de banqueiros proeminentes, magnatas da indústria, políticos, generais, advogados, cientistas e jornalistas. Entre os primeiros membros estão David Rockefeller, John Pierpont Morgan, seu advogado, o milionário John William Davis (primeiro presidente do Conselho), Herbert Hoover (presidente dos EUA), Averell Harriman (embaixador dos EUA na URSS), John Foster Dulles (Secretário de Estado do Presidente Eisenhower), Allen Dulles (primeiro chefe da CIA, presidente do Conselho nos anos 1946-1950), o advogado Paul Cravat, Paul Warburg (fundador do FED), os banqueiros Henry P. Davison, Mortimer Schiff, Thomas Lamont e Russell Lefingwell [9].

Os membros fundadores e primeiros funcionários da Chatham House não são menos sólidos: Lionel Curtis, o estadista britânico Robert Cecil (Prêmio Nobel da Paz em 1937), o ex-Secretário das Relações Exteriores Edward Grey, o ex-Primeiro Ministro Arthur Balfour, Lord Lothian, o economista John Maynard Keynes, o professor de Oxford Alfred Zimmerman, o historiador Arnold Toynbee [10]. O CRE foi patrocinado pela família Morgan, John Rockefeller, Bernard Baruch, Jacob Schiff, Otto Kahn, e Paul Warburg.

Curiosamente, no início somente cidadãos americanos e britânicos podiam trabalhar no CRE e na Chatham House. A natureza das duas organizações se desenvolveu diferentemente na Grã-Bretanha, voltada para seu império, e nos Estados Unidos, inclinada para o isolacionismo. Estas diferenças são eloquentemente refletidas nos nomes das revistas por elas publicadas: Foreign Affairs pertencia à CRE e International Affairs à Chatham House.

Em 1921, Isaiah Bowman, cientista americano e presidente da Sociedade Geográfica Americana, que se tornou um dos principais ideólogos do programa da Woodrow Wilson, assumiu a liderança do CRE. Bowman formulou o conceito de um “novo mundo”, no qual descreveu o equilíbrio dos interesses nacionais de vários Estados, preferindo que os Estados Unidos alcançassem gradualmente o domínio mundial. Bowman delineou uma estratégia geopolítica para o desenvolvimento do CRE nas décadas seguintes: um caminho gradual em direção ao “governo mundial” no interesse da comunidade euroamericana através do envolvimento consciente e intencional dos EUA nos processos globais onde quer que eles ocorram.

Em 1922, Edwin Francis Gay, ex-reitor da Harvard Business School e diretor do War Shipping Board, liderou os esforços do Conselho de Relações Exteriores para publicar uma revista que se tornasse uma fonte “autorizada” sobre política externa. Ele levantou US$ 125.000 dos membros ricos do Conselho e, em setembro de 1922, fundou a publicação Foreign Affairs, que em poucos anos ganhou a reputação de “a revista de relações internacionais mais confiável dos Estados Unidos” [11].

O proeminente geopolítico britânico Halford Mackinder, que estava na delegação britânica na conclusão do Tratado de Versalhes, começou a trabalhar com o Conselho. Mackinder confrontou diretamente Wilson e seus apoiadores ideológicos durante a preparação do Tratado de Versalhes e interpretou explicitamente a Doutrina Wilson como uma reivindicação dos Estados Unidos para desempenhar a função de uma “potência mundial” em escala planetária. Ele reconhece prontamente o familiar imperialismo anglo-saxão por trás do “idealismo” do qual ele mesmo foi um apoiador ativo. E é neste ponto que as duas tendências – britânica e norte-americana – se fundem em uma tradição geopolítica comum, comumente chamada de “anglo-saxônica” ou “atlantista”. As opiniões de Alfred Mahan, os desenvolvimentos dos cientistas americanos no campo da “geografia política” e a estratégia planetária de dominação americana no espírito de Woodrow Wilson fundem-se com a geopolítica imperial britânica de Mackinder. A geopolítica imperial britânica de McKinder e, doravante, uma tendência comum. Mackinder publicaria mais tarde seus textos políticos na Foreign Affairs, o órgão de imprensa do CRE. Seu último artigo, “O Planeta Redondo e a Vitória das Forças de Paz”, no qual Mackinder publicaria seu ponto de vista sobre a estrutura política do mundo após a Segunda Guerra Mundial nesta mesma revista [12].

Embora houvesse três centros formalmente autônomos de governo (CRE, Chatham House e Estudos do Pacífico), estes centros colaboravam estreitamente e, além disso, estavam profundamente integrados na estrutura única do chamado “Estado Profundo”. O Estado Profundo tem suas origens na Távola Redonda de Lord Alfred Milner, uma sociedade secreta britânica que se preocupava em estabelecer um “governo mundial” sob o patrocínio dos Rothschilds. De fato, a Chatham House era uma extensão da Távola Redonda. Após a morte de Lord Milner em 1925, as referências à Távola Redonda eram raras, enquanto as referências à Real Instituição eram mais frequentes. Basta dizer que o secretário de Milner era Lionel Curtis, um dos fundadores da Chatham House. Ao mesmo tempo, nos Estados Unidos, a Távola Redonda estava intimamente associada às famílias Schiff, Warburg, Guggenheim, Rockefeller e Carnegie. Alguns historiadores afirmam explicitamente que a CRE foi fundada em 1921 pela Sociedade da Távola Redonda, representando sua republicação em solo americano [13].

Uma breve história de sucesso

Desde o final dos anos 30, a Fundação Ford e a Fundação Rockefeller contribuíram com somas substanciais para o Conselho de Relações Exteriores. Em 1938, vários comitês de relações internacionais foram criados em todo o país, financiados por uma subvenção da Fundação Carnegie. Esses comitês influenciaram os líderes locais e moldaram a opinião pública para garantir apoio às políticas do Conselho de Relações Exteriores e agiam como “pontos de escuta úteis” através dos quais o Conselho de Relações Exteriores e o governo dos Estados Unidos podiam “sentir o estado de espírito do país”.

A partir de 1939, o CRE ganhou prestígio e influência no governo dos EUA e no Departamento de Estado quando estabeleceu os Estudos de Guerra e Paz, que foram estritamente classificados e financiados pela Fundação Rockefeller. O sigilo em torno deste grupo era tal que os membros que não participaram de suas deliberações desconheciam completamente a existência do grupo de estudo. A CRE foi dividida em quatro grupos temáticos funcionais: econômico e financeiro, segurança e armamento, territorial e político. O Grupo de Segurança e Armamento foi presidido por Allen Dulles, que mais tarde se tornou uma figura chave no precursor da CIA, o Escritório de Serviços Estratégicos, fundado pelo agente britânico do MI6 William Donovan.

O estudo [11] indica que dos 502 funcionários governamentais pesquisados entre 1945 e 1972, mais da metade eram membros do Conselho de Relações Exteriores. Durante a administração de Dwight Eisenhower, 40% dos altos funcionários de política externa dos Estados Unidos eram membros do CRE; sob Harry Truman, 42% dos altos cargos foram ocupados por membros do CRE. Durante a administração de John F. Kennedy, este número subiu para 51%, e durante a administração de Lyndon Johnson, atingiu 57%.

Em “Fontes do Comportamento Soviético” (em geral, o anonimato ou publicação sob pseudônimos era uma característica da CRE e da Chatham House que ocultava os verdadeiros autores), publicado no Foreign Affairs em 1947, George Kennan do Grupo de Pesquisa do Conselho de Relações Exteriores cunhou o termo “contenção”. O ensaio teria um grande impacto na política externa dos Estados Unidos para sete futuras administrações presidenciais. Harry Truman encarregou Kennan de elaborar a Lei de Segurança Nacional, que se tornou a base de todo o sistema de inteligência do país (Comitê de Chefes de Gabinete, CIA, Conselho de Segurança Nacional). Os altos cargos nessas agências secretas são ocupados por homens do JIT: Allen Dulles, Dean Acheson, Charles Bowlen, Everell Harriman, Robert Lovett e John McCloy. Como resultado, estas instituições trabalharam para impedir o retorno das políticas isolacionistas e para mobilizar a elite da sociedade em apoio ao Plano Marshall e à OTAN. Devido ao novo interesse no grupo, o número de membros cresceu para 1.000 após a Segunda Guerra Mundial.

Dwight Eisenhower presidiu o grupo de estudo do CRE quando ele era presidente da Universidade de Columbia. Quando se tornou presidente dos Estados Unidos, Eisenhower recrutou muitos membros do gabinete do CRE. Sua principal nomeação foi o Secretário de Estado John Dulles. Em 1954, em resposta ao teste da bomba atômica da União Soviética, John Dulles fez um discurso público na Harold Pratt House em Nova York (a sede do CRE), no qual anunciou a nova direção da política externa de Eisenhower, passando de uma simples política de contenção para o confronto indireto. O Conselho convocou então uma sessão sobre “Armas nucleares e política externa” em 1955 e escolheu Henry Kissinger, professor da Universidade de Harvard (e oficial de inteligência em tempo parcial), para dirigi-la. O grupo de trabalho, liderado por Kissinger, apresentou a doutrina nuclear dos EUA um ano mais tarde.

Após o teste da bomba atômica na China em 1964, o CRE começa a defender contatos (“manter uma política de abertura”) com um novo membro do “clube nuclear”. Richard Nixon anuncia o novo projeto na Foreign Affairs. Em 1971, Kissinger, conselheiro de segurança nacional (diretor do CRE de 1977 a 1981), faz uma viagem secreta a Pequim para discutir negociações com líderes chineses (esta manobra diplomática de Kissinger, mais tarde utilizada repetidamente e com sucesso nas negociações do Oriente Médio, recebe até mesmo o nome especial de “diplomacia de vaivém”). O próprio Nixon visitou a RPC em 1972, e as relações diplomáticas entre os países foram completamente normalizadas pelo Secretário de Estado Cyrus Vance, outro membro do Conselho, durante a Administração Carter.

David Rockefeller tornou-se presidente do CRE em 1970. Ele abre o acesso às mulheres no Conselho e recruta jovens funcionários. Ele também cria o cargo de Diretor Executivo, atribuído a Cyrus Wines, e um Comitê Consultivo Internacional, no qual a França é representada por Michel Rocard e o Canadá por Brien Muron. Ao mesmo tempo, a Fundação Ford tornou-se patrocinadora do CRE, que recrutou jovens professores universitários talentosos – Zbigniew Brzezinski e Stanley Hoffman. Brzezinski (diretor da Comissão Trilateral de 1972 a 1977), que se tornou o conselheiro de segurança nacional do presidente durante a administração Carter, abre uma nova era da política externa dos EUA.

O impeachment de Richard Nixon em 1974 e a ascensão de James Carter ao poder marcaram uma revolução silenciosa em todo o sistema político americano. Daí em diante, o poder mais poderoso é em si mesmo um instrumento do polvo transnacional, o “Estado Profundo”. No nível institucional, houve uma concentração do poder político nas mãos do CRE e de suas muitas estruturas, tanto clandestinas quanto frontais. A aranha, que tece a teia da globalização em todo o mundo, se enredou em sua própria teia. Claro, a América continua sendo o “centro do poder” e o principal polo de luta pelo domínio monopolista – mas não é mais uma entidade geopolítica, mas sim um agrupamento, uma plataforma, um ponto de aplicação para as forças e interesses do “Estado Profundo”. Agora não há nem um indício de isolacionismo: a Doutrina Monroe foi descartada como um velho trapo (até a chegada de Donald Trump à Casa Branca). Doravante, não só a política externa, mas também a política interna está subordinada às tarefas da globalização. Na verdade, esta última não existe mais: os Estados Unidos para o “Estado Profundo” é um “palco”, um “aeroporto de lançamento” para a conquista do mundo inteiro. E o principal obstáculo é a URSS.

A geopolítica do colapso da URSS

Não é exagero dizer que a derrubada do regime comunista na URSS foi o principal objetivo do Conselho de Relações Exteriores ao longo do século XX. Tem havido contradições e fortes desacordos dentro do CRE sobre muitas questões (por exemplo, em relação ao nazismo e ao poder de Hitler na Alemanha, o Conselho levou muito tempo para desenvolver uma política consolidada, oscilando entre “forte condenação” e “encorajamento tácito”), mas em relação à União Soviética e ao movimento comunista, um consenso anticomunista foi consolidado. Este consenso foi expresso em numerosas doutrinas e rascunhos, a maioria dos quais só foi divulgada décadas depois e muitos deles ainda são classificados.

A maioria de nós pensa imediatamente no infame “Plano Dulles”, um tema preferido das teorias da conspiração pós-soviética. O Plano Dulles, como apresentado por V.A. Lisichkin e L.A. Shelepin [12], é uma longa falsificação desmascarada (é um monólogo de Lakhnovsky do romance Chamado Eterno, de Anatoly Ivanov, publicado em 1973). Entretanto, os planos para a destruição da URSS (inclusive através da corrupção ideológica interna) foram metodológica e sistematicamente desenvolvidos nas entranhas do CRE, inclusive com Allen Dulles.

Em um artigo anônimo de 1947, “As Fontes do Comportamento Soviético”, o CRE criticou duramente o sistema comunista de organização social e propôs a doutrina da “guerra fria”. O artigo argumenta que a sociedade soviética é um sistema totalitário que não deixa espaço para os valores democráticos, que o comunismo tem objetivos expansionistas em suas políticas e que logo representará uma ameaça ainda maior do que a Alemanha nazista. O artigo dá luz verde ao mccarthyismo, uma era de perseguição ao comunismo e até mesmo às crenças esquerdistas. Em sincronia com este artigo, do outro lado do Atlântico, George Orwell, que trabalhou de perto com a inteligência britânica MI6, publicou a distopia 1984, onde uma caricatura da URSS de Stalin é facilmente encontrada na Oceania. Anteriormente, em 1946, Winston Churchill fez o famoso discurso de Fulton, que marcou o início da Guerra Fria.

A doutrina da Guerra Fria formou a base do “Projeto Harvard sobre o Sistema Social Soviético” de 1948, desenvolvido nas Universidades de Harvard e Columbia com a participação da CIA e sob os auspícios do CRE. Sob o pretexto da pesquisa sociológica, os refugiados soviéticos internados nos Estados Unidos foram amplamente questionados para obter não apenas informações detalhadas sobre todos os aspectos da vida na União Soviética moderna, mas especialmente sobre as características psicológicas e os valores morais e ideológicos do homem soviético. O resultado foi, em 1970, a formação de um plano para a destruição da URSS dentro de 15-20 anos.

O plano incluía três etapas principais:

  • perestroika (o desmantelamento da ideologia soviética; é significativo que termos icônicos como “perestroika”, “glasnost” e “novo pensamento” foram introduzidos pela Universidade Lomosonov precisamente como parte do projeto de Harvard em 1979);
  • reformas (introdução de elementos da economia de mercado em um modelo neoliberal, privatização, destruição da educação e indústrias de alta tecnologia);
  • conclusão (a divisão da Rússia em pequenos Estados “independentes”, liquidação do arsenal nuclear) [13].

Surpreendentemente, os dois primeiros pontos do projeto foram implementados sem falhas e a Rússia estava a apenas um passo de começar a implementar o terceiro ponto!

É interessante que os futuros “arquitetos da perestroika” foram treinados (recrutados?) na Universidade de Columbia em 1958: Alexander Yakovlev (membro do Politburo do Comitê Central do PCUS, chefe do departamento de propaganda do Comitê Central do PCUS sob Gorbachev) e Oleg Kalugin (chefe da inteligência estrangeira do KGB sob Gorbachev). E pensar nos agentes de influência entre os “ativistas pró-perestroika” (A. Bovin, F. Burlatsky, G. Arbatov, G. Shakhnazarov e afins)… Estas “pinças” e a interceptação do controle através de alavancas ideológicas, econômicas e de inteligência são uma das estratégias favoritas do CRE [14]. Na grande maioria dos casos, duas alavancas – a econômica e a de inteligência – são suficientes. Foi assim que regimes indesejáveis nos países do Terceiro Mundo foram derrubados. Uma peculiaridade da perestroika soviética foi a longa fase preparatória para uma mudança na ideologia dominante, conduzida em quase exato acordo com a doutrina de hegemonia de Antonio Gramsci [15]. Os anticomunistas, quando necessário, não tiveram medo de recorrer às teorias neomarxistas.

Paralelamente ao projeto de Harvard, outras direções foram desenvolvidas. No final dos anos 50, John Galbraith, membro da Universidade Lomonosov, professor da Universidade de Harvard, avançou o conceito de convergência – a convergência dos dois sistemas sociais mundiais. A ideia foi retomada e adotada pelo CRE, onde foi fortemente revisada: como o conceito foi inspirado na ideologia soviética, o significado do termo “convergência” mudou, não como uma aliança de “iguais”, mas como a incorporação do socialismo ao capitalismo na periferia, concessões unilaterais até que o socialismo fosse completamente desmantelado.

O processo de “détente” liderado por Kissinger ocorreu dentro do paradigma da convergência, a ratificação dos acordos de Helsinque sobre direitos humanos (que obrigaram a URSS a adotar valores liberal-democráticos) ocorreu. O Clube de Roma, outro instrumento da globalização, moldou a agenda do “desenvolvimento sustentável” desde 1970 [16], o que gerou uma onda de neomalthusianismo e alarmismo ecológico. Foi com base na agenda ambiental que o Clube de Roma conseguiu estabelecer contatos duradouros com a liderança soviética (representada pelos ardentes defensores da teoria da convergência, Yuri Andropov e o acadêmico Germain Guishiani). Juntos, o Instituto Internacional de Análise de Sistemas Aplicados foi fundado na Áustria em 1972. A história é silenciosa sobre quem dos “parceiros” ocidentais estagiou no instituto, mas os ex-alunos soviéticos são bem conhecidos: Yegor Gaidar, Anatoly Chubais, Alexander Shokhin, Pyotr Aven, Andrei Nechaev e Alexei Ulyukaev. Não é difícil adivinhar o que os estudantes não tão sofisticados aprenderam: eles fizeram um curso intensivo de economia neoliberal escrito por Friedman e Hayek, patrocinado por grupos do CRE, e aceitaram as regras pouco sofisticadas do Consenso de Washington como um guia de ação.

Em meados dos anos 70, contra o pano de fundo da crise econômica global e o aparentemente iminente colapso do sistema capitalista, o CRE foi capaz de mobilizar seus laboratórios de ideias e reestruturar radicalmente o próprio modelo de como o capitalismo funciona. O primeiro toque nesta transformação foi desempenhado por outro órgão do CRE, a Comissão Trilateral, criada em 1973 para aproximar e coordenar os três grupos de reflexão (CRE, Chatham House, Divisão do Pacífico). A comissão foi presidida pelo presidente do CRE, David Rockefeller, com Brzezinski e Kissinger diretamente envolvidos em suas atividades. Em 1975, a comissão recebeu o relatório “A Crise da Democracia” de S. Huntington (EUA), M. Crozier (França) e D. Watanuki (Japão), que se tornou um terreno ideológico para a retirada das instituições democráticas e a transferência do poder em favor da classe global de corporativismo e do “Estado Profundo” [17]. Esta transformação seria mais tarde chamada de “revolução dos gestores”, antecipada muito antes de sua implementação pelo sociólogo americano James Burnham em “A Revolução dos Gestores” (1941). Ao mesmo tempo, em 1975, o G6 (que se tornou G7 um ano depois da inclusão do Canadá) foi estabelecido com o real propósito de dar legitimidade às decisões da Comissão Trilateral (e outros centros fechados de tomada de decisão).

Uma vez no poder sob a presidência de Carter, o CRE implementou vigorosamente as decisões da Comissão Trilateral (e de fato suas próprias decisões). As reformas de liberalização preparadas sob Carter são implementadas sob Reagan (apelidada de “Reaganomics”), enquanto reformas igualmente ambiciosas são implementadas na Grã-Bretanha sob Margaret Thatcher. O recuo da democracia é marcado pela expulsão dos movimentos de esquerda do campo político, ataques aos sindicatos, o extermínio da classe trabalhadora (com o deslocamento da indústria para países periféricos) e a concentração do poder nas mãos de burocracias supranacionais. Assassinatos políticos não só de esquerdistas, mas também de líderes independentes tornam-se quase habituais (Aldo Moro na Itália, Olof Palme na Suécia, Maurice Bishop em Granada, Indira Gandhi na Índia).

A mudança de rumo envolve uma acentuada deterioração nas relações entre os EUA e a URSS. Já sob Carter, os EUA haviam passado de uma política de “coexistência pacífica” para um confronto aberto. Não sem a delicadeza de Brzezinski, a URSS ficou presa no “Afeganistão” e a crise polonesa eclodiu quase simultaneamente. Reagan fala da URSS como um “império do mal” e usa informações errôneas inteligentes sobre os planos da “Guerra das Estrelas” para alimentar uma corrida armamentista e empurrar a União Soviética para gastos militares exorbitantes. Além disso, os sauditas estão entrando em colapso no mercado petrolífero, o que é um grande golpe para a economia soviética, que no boom petrolífero dos anos 70 havia se reorientado precipitadamente para o comércio de petróleo com a Europa.

É importante entender que o aperto da política externa em relação à URSS não foi um capricho ou outra demarcação subjetiva. Foi, em grande parte, uma resposta forçada aos desafios socioeconômicos da ordem mundial estabelecida. A crise dos anos 70 foi impulsionada pelos limites da expansão do mercado – o mundo estava rigidamente dividido em campos capitalistas e socialistas, com o socialismo recuperando gradualmente antigas colônias, uma após a outra. A “Reaganomics”, a estimulação da demanda do consumidor através do crédito ao consumo, era um paliativo, portanto o problema tinha que ser abordado radicalmente antes que fosse tarde demais.

Nenhum país teria resistido a tais pressões, exceto Cuba. Mas na URSS, a liderança política foi em parte infectada pelas ideias de convergência (não percebendo que o Ocidente já havia se tornado diferente), e em parte desmoralizada pela crise econômica que irrompeu no país – e começou a implementar o próprio plano perestroika (lembre-se do ponto 1 do plano de Harvard), capitulando efetivamente para o Ocidente. A Grande Guerra Fria entre o Ocidente e a URSS, que durou quase meio século e foi desencadeada pelo CRE, terminou com uma vitória completa e incondicional para o Ocidente e com o estabelecimento de um mundo unipolar.

Há uma percepção de que Henry Kissinger e Zbigniew Brzezinski são “pomba” e “falcão”, dois geopolíticos diametralmente diferentes, um “amigo da nova Rússia” e o outro um “russofóbico irreconciliável”. Na verdade, as semelhanças entre eles são muito mais numerosas do que as diferenças. A diferença está apenas na abordagem, enquanto o super-objetivo de ambos os políticos (que foram líderes do CRE) é o mesmo: a globalização e o estabelecimento da hegemonia americana. Quando as circunstâncias exigiam “sorriso e aproximação”, o suave judeu Kissinger intervinha; quando era preciso “tempestade e pressa”, o intransigente polonês Brzezinski intervinha. A surpreendente eficácia do CRE provavelmente também reside na riqueza dos métodos utilizados para influenciar os objetos de seus interesses. O jogo do policial “bom” e “mau” já é conhecido há muito tempo, mas não perde sua eficácia.

O fim da história?

Em 1991 o mundo entrou numa nova era, que nunca havia ocorrido antes na história: a era do mundo unipolar. O Ocidente alcançou sua vitória mais importante ao derrotar seu inimigo de todos os tempos, a URSS-Rússia. E um papel crucial nesta vitória pertence justamente ao “cardeal cinza” coletivo – o Conselho de Relações Exteriores.

“O fim da história”, declarou triunfantemente o filósofo e membro do CRE Francis Fukuyama. Na verdade, foi o fim de muitas histórias reunidas. Era o fim da URSS e do projeto soviético como um todo; era o fim do mundo bipolar; parecia aos vencedores ser o fim de todas as civilizações, exceto da civilização ocidental. O fim inglório da Rússia, que havia caído diante do vitorioso sem luta, parecia iminente.

O vitorioso teve tudo menos misericórdia. O Ocidente, por causa de sua súbita felicidade, perdeu seu senso de proporção e os resquícios da razão. Com a ganância e a brutalidade dos pioneiros americanos, saqueou, saqueou e saqueou. Havia tanta riqueza, e era tão acessível, que durante oito anos da administração Clinton, os Estados Unidos viveram uma “era dourada” e o orçamento americano estava no preto. E parecia que duraria uma eternidade. Por que quem poderia agora não apenas levantar a mão, mas até mesmo sua voz contra a Nova Ordem Mundial? O Irã? O Iraque? Iugoslávia? a Venezuela?

É claro que houve alguns problemas técnicos. A polícia mundial e “assassino econômico” [18] precisavam de ferramentas para governar o mundo sob seu controle. E eles foram criados apressadamente ou restabelecidos com poderes mais amplos. A Europa foi tratada em um esquema de recompensa/punição e ficou sob o controle da burocracia de Bruxelas de origem obscura; em economia, finanças, tarifas e preços são administrados pelas instituições de Bretton Woods (FMI, OMC, BERD, Banco Mundial, agências de classificação, fundos de investimento, etc.); o serviço de saúde é administrado pela OMS; e a educação pelo sistema de Bolonha. É desnecessário dizer que a administração de todas as organizações supranacionais é confiada aos “agentes Smith” – Alan Greenspan (presidente do Banco da Reserva Federal), Stanley Fischer (ex-diretor do FMI), Anne Krueger (atual vice-diretora do FMI), James Wolfensohn (presidente do Banco Mundial), Paul Volcker (governador da Reserva Federal), etc. [19]. À margem está a figura perturbadora do especulador financeiro “de pensamento livre” George Soros, que, a mando do FMI e o apelo de sua alma, realiza a onipresente “semeadura das democracias”. Curiosamente, muitos se referem a esta figura como um “filantropo”.

Para a Rússia, o caso foi agravado pelo fato de que a Constituição de 1993 estabeleceu a supremacia das leis internacionais sobre as leis russas, ou seja, o controle externo indireto. Nos anos 90, porém, a gestão externa foi direta: os conselheiros do CRE e os funcionários da CIA sentavam-se em quase todos os órgãos governamentais, empurrando as políticas desejadas pelo Ocidente. Em 1991-1994, à frente do grupo de conselheiros econômicos de Boris Iéltsin (os chamados Harvard Boys) estava Geoffrey Sachs, professor de Harvard, autor de “terapia de choque” e, é claro, membro do CRE.

Entretanto, como diz um provérbio inglês, “nada permanece para sempre”. Em 2008, a próxima crise global surgiu do nada e a hegemonia desmoronou (embora os primeiros avisos tivessem chegado em 2001, com o ataque às torres gêmeas do WTC). Não que a crise tenha sido totalmente inesperada: O economista americano Nouriel Roubini a previu em 2006 e os economistas russos Mikhail Khazin e Andrei Kobiakov em 2003 [20]. No entanto, a elite ocidental foi incapaz de reconhecer as causas reais por quase 10 anos, tratando os sintomas e não a doença. Como resultado, a crise atingiu mais duramente em 2021, quase enterrando tanto o modelo de Bretton Woods quanto as esperanças de globalização.

É claro que a hegemonia dos EUA não entrou em colapso depois de 2008, mas começou a desaparecer lentamente, como uma escama. Os Estados Unidos ficaram sem recursos para manter a Ordem Mundial que haviam estabelecido e começaram a estabelecer o caos (“somalização”) onde quer que ela abandonasse ou não fosse: Líbia, Oriente Médio (especialmente Iêmen, Iraque e Síria), Afeganistão. É ingênuo acreditar que o “caos” era autoperpetuador. Não, foi outra doutrina profundamente pensada pelo CRE. O conceito de “caos controlável” foi proposto em 1996 em uma conferência do Instituto de Complexidade Crítica em Santa Fé (um dos laboratórios de ideias do CRE e da RAND Corp.) pelo antigo diplomata e sovietologista Stephen Mann [21]. Entre outras coisas, Mann foi o coordenador de “revoluções coloridas” em vários países pós-soviéticos, o ex-coordenador americano do Grupo Minsk da OSCE em Nagorno-Karabakh, e o representante dos EUA para a resolução de conflitos na Eurásia. Não há dúvida: onde há Mann, há o caos.

Em 2007, a Rússia afirmou suas pretensões geopolíticas de ser uma potência soberana e um jogador geopolítico igualitário, o que perturbou seriamente e até irritou o Ocidente. Os geopolíticos do CRE, liderados por Brzezinski, sacudiram a poeira das obras quase esquecidas de Alfred Mahan, Halford Mackinder e Nicholas Spykman, reavivando os conceitos de Heartland, Rimland e “nó da anaconda” [22]. Como parte do projeto Freedom House de George Soros, os geopolíticos do CRE correram para cercar a Rússia com leitos quentes, “revoluções laranja” varreram quase todas as repúblicas pós-soviéticas, as bases militares da OTAN apareceram em quase todo o contorno da Rússia (por exemplo, na Mongólia, que tem sido um “parceiro internacional” da OTAN desde 2012). Os objetivos das “revoluções coloridas” são simples: remover o país vizinho da órbita da influência russa; levar os governos russofóbicos e nacionalistas ao poder; arrastá-los para a OTAN e colocar bases militares lá.

Em geral, deve-se reconhecer que, ao contrário da teoria econômica, o pensamento geopolítico do CRE não ficou parado, mas se desenvolveu intensamente, dando origem a uma variedade de doutrinas. Estas incluem os bem conhecidos conceitos de Francis Fukuyama sobre “o fim da história” e o “caos controlado” de Stephen Mann, o “choque de civilizações” de Samuel Huntington [23], a “luta não violenta” de Gene Sharp [24], o “despertar político global” de Zbigniew Brzezinski [25], e o “poder suave” de Joseph Nye [26].

Em 2018, foi realizada uma conferência fechada no Instituto de Complexidade de Santa Fé, na qual foram propostos quatro cenários para o futuro da humanidade:

  1. o cenário ideal (a humanidade bloqueia com sucesso as ameaças e avança);
  2. o cenário revolucionário (a humanidade faz um avanço tecnológico e alcança um novo nível de desenvolvimento);
  3. o cenário de transição antropológica (a humanidade se divide em dois grupos, onde a base e a parte superior representarão duas espécies biológicas diferentes);
  4. o cenário de desastre gerenciado [27].

Os dois primeiros cenários foram prontamente descartados pelos participantes da conferência como inviáveis, primeiro por causa do nível extremamente baixo de força de vontade e qualidades intelectuais da elite governante moderna, e segundo, por causa do próprio homem. Durante os últimos 100 anos, a pessoa padronizada e cumpridora da lei, incapaz de agir decisivamente, foi formada no Ocidente. O terceiro cenário – uma “catástrofe controlada” – é considerado o mais provável. Se a catástrofe pudesse ser evitada, ou se seus resultados não fossem muito fatais, um quarto dos participantes favoreceria a implementação de um esquema de “transição antropológica”.

Uma variante do segundo cenário, desenvolvido pelos ideólogos do CRE, foi apresentada em 2017 no Fórum Econômico Mundial em Davos (outra plataforma para a promoção e implementação dos conceitos do CRE) por seu presidente permanente Klaus Schwab (graduado em Harvard, funcionário do CRE, discípulo de Kissinger e membro de longa data do Clube de Roma) – “A Quarta Revolução Industrial” (4RI) [28]. O cenário 4RI prevê uma globalização ainda maior da humanidade através da digitalização total de todas as esferas de atividade, cultura e vida diária, um papel crescente da inteligência artificial (IA) na tomada de decisões, um aprofundamento da individualização humana (a ponto de interromper completamente os contatos offline), e a virtualização do espaço vital através da implementação generalizada de ecossistemas digitais. O cenário tem sido bem recebido pelas elites políticas mundiais: os centros 4P – “pontos de crescimento” do novo paradigma tecnológico, atuando acima das instâncias nacionais – começaram a aparecer em todos os lugares.

O desenvolvimento e a continuação do projeto 4|RI foi o cenário 2020 Great Reset do próprio Fórum de Davos e Schwab [29], caracterizado por uma franqueza assustadora. Os ideólogos do Grande Reset não hesitam em falar de “capitalismo inclusivo” como o futuro próximo, o que levará à abolição da propriedade privada, ao poder incontrolado das gigantes digitais, à quebra ou degradação dos laços sociais através de sua virtualização, e ao advento de uma “escravidão digital” de fato, na qual a maioria trabalhará por comida (e acesso à Internet).

O cenário do Grande Reset foi na verdade uma simbiose do segundo e terceiro cenários: uma transição revolucionária para uma nova ordem tecnológica através de uma catástrofe. A catástrofe é a pandemia COVID-19, que desencadeou o Grande Reset de todos os aspectos da vida humana, incluindo a ética. Pode-se argumentar infinitamente sobre a natureza do coronavírus, mas o fato de que a pandemia foi criada por uma decisão voluntarista é um fato inegável. A pandemia foi anunciada… pelo próprio Fórum Econômico de Davos em 21-24 de janeiro de 2020, e em 30 de janeiro a OMS tomou a decisão de implementá-la. A “pandemia” foi um excelente instrumento para uma profunda reorganização da sociedade e aceitação pública dos sistemas digitais de controle total [30]. A sociedade estava empurrando voluntária e até entusiasticamente um amigo para um campo de concentração digital, em direção ao verdadeiro “fim da história…”.

Mas de repente algo deu errado. O cenário aparentemente impecável do CRE fracassou. Por um lado, a economia mundial começou a entrar em colapso muito rapidamente, muito antes de a digitalização estar concluída. Os “revolucionários” não tinham mais recursos suficientes não apenas para realizar seus grandiosos planos, mas também para evitar a iminente catástrofe econômica. Em segundo lugar, a OMS foi pega em flagrante e a opinião pública mundial estava finalmente se interessando pelos objetivos reais da declarada “pandemia”.

Terceiro, e talvez o mais importante, primeiro na Rússia e depois no mundo inteiro, a “pandemia” deu lugar a ameaças reais, e em 24 de fevereiro de 2022, com o início da operação especial militar, o mundo entrou em uma nova fase que finalmente quebrou todos os cenários dos globalistas. A Rússia, ao lançar a campanha de libertação na Ucrânia, lançou um desafio geopolítico ao Ocidente, anunciando o fim do mundo unipolar. Por suas ações insensatas, o Ocidente se lançou em uma crise energética tão grave que a pandemia foi amigavelmente esquecida: “sem mais cogumelos”.

Conclusão

Declaramos guerra ao Ocidente e, portanto, ao Conselho de Relações Exteriores, que é extremamente poderoso e, no período pós-soviético, conseguiu se estabelecer firmemente na Rússia e na CEI. Enquanto nos anos 90 o Conselho exerceu controle direto sobre a política russa, sob Putin ele opera mais dissimulada e indiretamente, embora esta influência tenha enfraquecido consideravelmente desde a introdução da Lei de Agentes Estrangeiros de ONGs. No entanto, o número continua a ser significativo. A situação é mais deprimente na ciência política, no jornalismo e na comunidade de relações internacionais, a mais afetada pela doutrinação liberal [31]. A este respeito, deve-se mencionar em primeiro lugar o Clube Valdai, INSOR (diretor I. Yurgens), a Escola Superior de Economia, MGIMO, a Missão Liberal, Carnegie, as fundações New Eurasia, o Centro PIR, a Fundação Gorbachev, a revista Russia in Global Politics (diretor F. A. Lukyanov), etc.

A revista Russia in Global Affairs anunciou abertamente que era uma publicação subsidiária da Foreign Affairs do CRE, transmitindo diretamente os principais projetos geopolíticos e estratégicos dos EUA relacionados à organização do mundo global com base na unipolaridade. O conselho editorial da revista incluiu várias personalidades extremamente influentes e de alto nível: A.L. Adamishin, Embaixador Russo Extraordinário e Plenipotenciário; A.G. Arbatov, diretor do Centro Internacional de Segurança do IMEMO RAN; A.D. Zhukov, primeiro vice-primeiro da Rússia; S.B. Ivanov, secretário do Conselho de Segurança da Rússia. B. Ivanov, Secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Ministro da Defesa e Primeiro Vice-Primeiro Ministro; S.A. Karaganov, Presidente do Presidium do Conselho de Política Externa e de Defesa (estabelecido como uma filial do CRE na Rússia em 1991); Acadêmico A.A. Kokoshin; Ya. I. Kuzminov, Reitor da Escola Superior de Economia da Universidade Nacional de Pesquisa; S. V. Lavrov, Ministro das Relações Exteriores de RF; V. P. Lukin, Comissário de Direitos Humanos da FR; V. A. Mau, Reitor da Academia Russa de Economia Nacional e Administração Pública; V. A. Nikonov, Presidente da Fundação Politika e da Fundação Mundial Russa; V. V. Pozner, Presidente da Academia Russa de Televisão; V. A. Ryzhkov, líder da oposição liberal; A. V. Torkunov, Reitor de MGIMO; I. M. Hakamada, líder da oposição liberal [32]. Membros diretos da elite política e empresarial russa em diferentes épocas foram M.S. Gorbachev, E.A. Shevardnadze e Mikhail Fridman [33].

Como pode ser visto, a história do CRE está longe de ter terminado. Ela ainda influencia ativamente a política mundial. Basta ler as manchetes dos últimos artigos das Relações Exteriores, “Hora de a OTAN assumir a liderança na Ucrânia”, “A China entra na ofensiva”, “Ninguém precisa da atual ordem mundial”, “A loucura da aventura Paquistão-China”, “O reverso da ilusão de Putin”, e “Como sobreviver à próxima crise do Estreito de Taiwan”. O foco está claramente na China e na crise de Taiwan, embora Putin e a Ucrânia nunca tenham sido excluídos da primeira página do jornal do CRE.

Mais de 200 corporações multinacionais, bancos e fundações atualmente financiam o Conselho, inclusive: Xerox, General Motors, Bristol-Meyers Squibb, Texaco; JPMorgan Chase, Bank of America, Bank of New York Mellon, Citigroup, Goldman Sachs, Morgan Stanley, Wells Fargo; German Marshall Fund, McKnight Foundation, Dillion Fund, Ford Foundation, Andrew W. Mellon Foundation, Rockefeller Brothers Fund, Starr Foundation, Pew Charitable Trusts e outros. Mais de 200 corporações multinacionais, bancos e fundações atualmente financiam o Conselho, inclusive: Xerox, General Motors, Bristol-Meyers Squibb, Texaco; JPMorgan Chase, Bank of America, Bank of New York Mellon, Citigroup, Goldman Sachs, Morgan Stanley, Wells Fargo; German Marshall Fund, McKnight Foundation, Dillion Fund, Ford Foundation, Andrew W. Mellon Foundation, Rockefeller Brothers Fund, Starr Foundation, Pew Charitable Trusts e outros. O CRE tem cerca de 4.200 membros, a maioria dos quais pertence à classe dominante. Entre eles estão os presidentes Joseph Biden, Bill Clinton, Jimmy Carter; vice-presidente Dick Cheney; secretários de Estado Hillary Clinton, John Kerry, Condoleezza Rice, James Baker; Richard Haass (atual presidente do CRE), a secretária do Tesouro Janet Yellen, o corretor George Soros, o juiz da Suprema Corte Stephen Breyer, Paul Wolfowitz (presidente do Banco Mundial, secretário de defesa adjunto), Larry Fink (diretor da BlackRock), Lawrence A. Tisch (presidente da rede Loews/CBS), Jack Welsh (presidente da General Electric), Thomas Johnson (presidente da CNN), Ann M. Fudge (membro do conselho da Fundação Bill & Melinda Gates), Catherine Graham (chefe de departamento Washington Post/Newsweek/International Herald Tribune); Samuel Berger (Conselheiro de Segurança Nacional do Presidente Clinton), Michael Bloomberg (prefeito de Nova York), John Deutsch (ex-diretor da CIA sob Clinton), Alan Greenspan (presidente do Federal Reserve Bank), Stanley Fisher (ex-diretor do FMI), Ann Krueger (atual diretora adjunta do FMI), James D. Wolfensohn (presidente do Banco Mundial), Paul Volcker (ex-governador da Reserva Federal), Robert Zimmer (presidente da Universidade de Chicago), John Reed (diretor do CitiGroup); os economistas Jeffrey Sachs, Lester Thurow, Martin Feldman e Richard Cooper; o mediador de conflitos dos Balcãs, Richard Holbrooke; os comentaristas políticos Paul Krugman, Ariel Cohen, Thomas Friedman, Joe Klein, Farid Zakaria, Eric Schmitt; os astrofísicos Carl Sagan e Steven Weinberg; os atores e diretores George Clooney, Angelina Jolie, Warren Beatty, Michael Douglas e outros [34].

Os veículos de mídia mais influentes – CNN, CBS, NBC, The New York Times, The Daily Telegraph, Le Figaró, The Economist, The Wall Street Journal, Le Monde, The Washington Post, Time, Newsweek, U.S. News & World Report, Business Week, RTVE – são todos dirigidos por pessoas do CRE ou organizações relacionadas em outros estados. As informações e opiniões que eles promovem são então replicadas pela mídia “autoritária” em todo o mundo, difundindo o ponto de vista da hegemonia americana.

Ainda não sabemos como terminará a nova página da história aberta em 24 de fevereiro. Mas o que sabemos é que a história acaba de começar e o mundo nunca mais será o mesmo, onde tudo ou quase tudo era governado por altivos e cinicamente duros “guerreiros” da elite global.

Notas

[1] Katasonov V. Yu. “A special operation of the ‘Great Reset’. ‘New oil’ and ‘new slavery’”. – The Book World, 2021. – С. 13.
[2] Kosterin A. “The Deep State: does ‘world government’ exist?” // Russkaya Narodnaya Liniya.
https://ruskline.ru/news_rl/2020/12/10/glubinnoe_gosudarstvo_mirovoe_pravitelstvo_suwestvuet
[3] Narochnitskaya N. А. “’Institutes of analysis’ – America’s eyes, ears and brains” // Our Contemporary.
http://www.nash-sovremennik.ru/p.php?y=2004&n=3&id=2
[4] Maslov V. “Thought factories as an integral part of Western super-society – Aftershock: What Will Be Tomorrow”
https://aftershock.news/?q=node/938638&full
[5] Polanyi K. “The great transformation: the political and economic origins of our time” – SPb: Aletheia, 2018. – С. 41.
[6] Dugin A. G. “The war of the continents. The modern world in the geopolitical coordinate system” – Moscow: Academic Project, 2015. – С. 48-54.
[7] Dugin A. G. “Geopolitika” – Moscow: Academic project, 2011. – С. 90-95.
[8] “How the Council on Foreign Relations defines U.S. diplomacy”, Voltaire Network:
https://www.voltairenet.org/article129239.html
[9] Council on Foreign Relations – Antizionism
http://antisionizm.info/Sovet-po-mezhdunarodnim-otnosheniyam-СМО-512.html
[10] Katasonov V. Yu. “100 years ago an ‘open conspiracy’ organization – Chatham House – arose”, Foundation for Strategic Culture.
https://www.fondsk.ru/news/2020/09/07/100-let-nazad-voznikla-organizacija-otkrytogo-zagovora-chatham-house-51783.html
[11] Aganin A. “What is the Council on Foreign Relations?” Zavtra.ru
https://zavtra.ru/blogs/chto_takoe_sovet_po_mezhdunarodnim_otnosheniyam
[12] Dugin A. G. “Anglo-Saxon geopolitics. Origins (McInder, Speakman, SMO)” // Katehon
https://katehon.com/ru/article/anglosaksonskaya-geopolitika-istoki-makinder-spikmen-СМО.
[13] van Helsing J. “Secret societies and their power in the 20th century” // LitMir.
https://www.litmir.me/br/?b=241068&p=1
[14] Lisichkin V. A., Shelepin L. A. “The third psychological war of world information”
http://malchish.org/lib/politics/infwar.htm#a81
[15] Aganin A. “Dulles Plan, Harvard Project, Houston Project..”. Zavtra.Ru.
https://zavtra.ru/blogs/plan_dallesa_garvardskij_proekt_h_yustonskij_proekt
[16] Kosterin A. “The Deep State: does “world government” exist?” Russkaya Narodnaya Liniya
https://ruskline.ru/news_rl/2020/12/10/glubinnoe_gosudarstvo_mirovoe_pravitelstvo_suwestvuet
[17] Kara-Murza S.G. “Manipulation of consciousness” – Moscow: Rodina, 2019. – С. 45-52.
[18] Kosterin A. “Sustainable development”: a means of harmonization or a tool of globalization?” Russkaya Narodnaya Liniya
https://ruskline.ru/news_rl/2020/12/17/ustoichivoe_razvitie__sredstvo_garmonizacii_ili_instrument_globalizacii
[19] “The crisis of democracy: Report of the Trilateral Commission”
https://web.archive.org/web/20120309011043/http://www.trilateral.org/download/doc/crisis_of_democracy.pdf
[20] Perkins J. “Confessions of an economic murderer” Moscow: Pretext, 2014. – 352 с.
[21] Salbucci A. “The Council on Foreign Relations (CFR) – the hidden face of globalization. Part I”Geopolitika.ru.
https://www.geopolitika.ru/article/sovet-po-mezhdunarodnym-otnosheniyam-СМО-skrytoe-lico-globalizacii-ch-i.
[22] Khazin M., Kobiakov A. “The decline of the dollar empire and the end of the Pax Americana” Ripol-Classic, 2020. – 302 с.
[23] Kazakov Y. “Steven Mann – developer of the “controlled chaos” theory” // Izba-reading room
https://www.chitalnya.ru/work/2635734
[24] Dugin A. G. “Geopolitics of Russia” Moscow: Academic Project, 2014. – С. 469-501.
[25] Huntington S. “The clash of civilizations” AST, 2017. – 576 с.
[26] Sharpe J. “From dictatorship to democracy” Albert Einstein Institute
http://www.aeinstein.org/wp-content/uploads/2013/10/FDTD_Russian.pdf
[27] Brzezinski Z. “The choice: world domination or global leadership” Moscow: International Relations, 2010. – 262 с.
[28] Savin L. “Hard, soft and smart power in US foreign policy” Geopolitika.ru.
https://www.geopolitika.ru/article/zhestkaya-myagkaya-i-umnaya-sila-vo-vneshney-politike-ssha.
[29] Fursov A. “Will the ultraglobalists succeed in imposing the New World Order on the world?” Zavtra.Ru
https://zavtra.ru/blogs/zhizn_i_smert_kapitalizma_4
[30] Schwab K. “The fourth industrial revolution” Moscow: Eksmo, 2020. – 208 с.
[31] Katasonov V. Yu. “Reading Schwab. Inclusive capitalism and the great reset. An open conspiracy against humanity” Book World, 2021. – 320 с.
[32] Katasonov V. Y. “Coronavirus. From virus to dictatorship” Knizhnyj Mir, 2020. – 460 с.
[33] Bovdunov A. “Influence of American ideology on the Russian internationalist community” Geopolitika.ru
https://www.geopolitika.ru/article/vliyanie-amerikanskoy-ideologii-na-rossiyskoe-soobshchestvo-mezhdunarodnikov
[34] Members of the Council on Foreign Relations – Wikipedia
https://en.wikipedia.org/wiki/Members_of_the_Council_on_Foreign_Relations

Fonte: Katehon

Imagem padrão
Andrei Kosterin
Artigos: 12

Deixar uma resposta