Resultados Preliminares da Morte de Isabel II e da Ascensão de Liz Truss

Se engana quem acha que a monarquia britânica é meramente passiva, ela sempre atuou em sintonia com o atlantismo prático de seus sucessivos governos. A rápida sucessão de primeiros-ministros, porém, indica que a Grã-Bretanha entrou em uma espiral de crise da qual não parece estar apta a sair tão cedo.

A rainha Isabel II morreu dois dias após se encontrar com Liz Truss para confirmá-la como primeira-ministra da Grã-Bretanha. Sua morte veio em um momento bastante simbólico. Isabel II assumiu o trono quando Winston Churchill era primeiro-ministro e partiu quando Liz Truss assumiu o comando. A degradação política e ideológica da Grã-Bretanha é evidente, embora tanto Churchill como Truss adotem os mesmos ideais. Durante seu reinado, Isabel II não era uma simples figura de proa; pelo contrário, ela estava muito mais envolvida nos assuntos de Estado do que seus conhecidos esperavam. Churchill até reconheceu que a profundidade e o conhecimento políticos de Isabel II o surpreendeu.

Não há dúvida de que Isabel II não apenas ordenou formalmente muitas expedições (somente reis ingleses podem declarar guerra), mas também participou – junto com seus primeiros-ministros – de muitas intervenções, guerras, repressões e golpes em que a Grã-Bretanha esteve envolvida durante os últimos 70 anos. Um dos símbolos mais gritantes de sua cumplicidade neste derramamento de sangue são as fotos que ela tirou em frente a um piano em sua casa que havia sido roubado do palácio de Saddam Hussein e dado à rainha. Sem mencionar as sangrentas intervenções que a elite britânica lançou nos últimos setenta anos em lugares como Suez, as Malvinas, Irã, Iugoslávia, Líbia, Síria, Ucrânia… todas essas intervenções ocorreram durante o reinado de Isabel II. Enquanto isso, as redes sociais em países como Argentina, Irã e Egito estão cheias de comentários felizes sobre a morte da Rainha da Inglaterra.

O reinado de Isabel II viu uma degradação da cultura, educação, infraestrutura, bem-estar social, saúde e economia do Reino Unido: a pobreza e a precariedade entre a classe trabalhadora urbana é muito maior hoje do que há meio século atrás. Um terço da população britânica é agora de origem migrante ou descendentes de migrantes, algo que é perceptível tanto no governo quanto no parlamento.

A Comunidade Britânica tem se desmoronado nos últimos vinte anos: a Índia cortou todos os laços simbólicos remanescentes com Londres e começou a praticar uma política externa mais independente; Fiji deixou a Comunidade Britânica e Barbados repudiou todos os laços com a Coroa Britânica; enquanto isso, na Austrália e Jamaica, a separação da Grã-Bretanha começou a ser abertamente discutida caso Carlos fosse coroado rei. É claro que é impossível que as duas últimas ilhas se separem imediatamente, mas o processo já está em andamento. É até possível que Londres – se as circunstâncias o favorecerem – veja não apenas a secessão desses territórios ultramarinos, mas também a separação da Escócia e da Irlanda do Norte: um Reino verdadeiramente dividido.

A morte de Isabel II não é apenas o resultado da velhice – sua mãe e seu marido viveram muito mais tempo do que ela – é antes o resultado de uma série de eventos simbólicos ocorridos em 2022, quando a guerra de libertação na Ucrânia e a ascensão da multipolaridade econômica estão ocorrendo e é óbvio que a partida para o além de todos os personagens que marcaram nossa história passada deixarão seu lugar para outros. Todos os responsáveis pelo colapso da União Soviética, de Zhirinovsky a Shushkevich, Kravchuk, Burbulis, Bakatin e Gorbachev, morreram no espaço dos últimos quatro meses. Tais mortes não podem ser uma mera coincidência. A partida de Isabel II faz parte deste grupo de mortes que logo será acompanhado por Biden, Kissinger e Soros.

Isabel II pode ser considerada o símbolo do atlantismo “suave”: apenas uma vez, há alguns anos, ela fez vários comentários anti-Rússia em seu discurso ao parlamento, mas é bem sabido que a monarquia britânica desempenha o papel de “polícia boa” para seus ministros que agem como “polícia má”. Agora, porém, as máscaras caíram e o desastre antropológico que Liz Truss retratou ao lado do caricaturado e impopular Rei Carlos III – que bate todos os recordes de idade para assumir o trono – coloca a Grã-Bretanha em uma encruzilhada.

O fato de o Príncipe de Gales ter escolhido o nome Carlos III para sua coroação é sintomático, pois recorda as raízes escocesas da dinastia Stuart, com as quais a Casa de Windsor nada tem a ver. A atual dinastia britânica não tem origem inglesa ou escocesa, mas alemã e dinamarquesa, apesar de sua ânsia de se apegar aos títulos reais da Escócia. Não é por acaso que a Rainha Isabel II passou seus últimos dias vivendo no Castelo de Balmoral, na Escócia. Além disso, não se deve esquecer que Carlos III (1766-1788) foi o nome assumido pelo pretendente ao trono da Grã-Bretanha, o favorito do povo, Charles Edward Stuart, “O Gentil Príncipe Carlos”, cujo monumento ainda se encontra em Derby, na Inglaterra. Nesse sentido, a escolha do nome Carlos III por um rei que vem de uma monarquia cheia de governantes liberais oligárquicos – que dominam as Ilhas Albion desde 1689 e que estão profundamente ligados à elite política e financeira da cidade de Londres – não é apenas provocadora, mas insultuosa. O Príncipe de Gales há muitos anos procura se apresentar como um dos campeões do tradicionalismo, mas há muito tempo ficou claro quem ele realmente é.

O compromisso de Carlos III com o atlantismo e o globalismo é tão firme quanto o da atual nova ministra da Grã-Bretanha. Entretanto, estamos entrando numa nova era onde os velhos políticos do estilo Gorbachev desapareceram; o processo de decomposição social se manifesta não apenas na crise política interna, mas também no colapso total da energia e no desaparecimento de todo formalismo democrático (Liz Truss é a terceira governante a chegar ao poder na Grã-Bretanha sem uma eleição geral e em meio à desaprovação da maior parte do país).

Quanto aos russos, não há motivo para regozijo ou tristeza, mas sim para avaliar sobriamente as capacidades do sistema político britânico, agora que estamos entrando em uma situação particularmente complicada na história mundial. Entretanto, todas as pesquisas e pesquisas que foram realizadas mostram que a grande maioria das pessoas no Reino Unido está descontente com Carlos III, Liz Truss, Boris Johnson, a imposição da ideologia de gênero ou as contas astronômicas de eletricidade e aquecimento que eles enfrentam no final do mês. Nossas condolências vão até eles.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Maxim Medovarov

PhD em História e professor do Instituto de Relações Internacionais e História Geral da Universidade Estatal de Nizhny Novgorod

Artigos: 12

Deixar uma resposta