Dinheiro Sujo: Conheçam a Agente dos EUA que lidera a Revolução Colorida no Irã

Protestos ocorrem em várias cidades do Irã. O que está acontecendo? Como de costume, tudo indica que se trata de mais uma tentativa de revolução colorida contra um país que se recusa a se curvar ao Ocidente atlantista.

Há mulheres iranianas, embora uma minoria, que não são a favor do véu obrigatório – uma reclamação legítima, uma insatisfação opinante a que a humanidade tem direito. E do outro lado há pessoas que lideram um movimento anti-hijab fraudulento com um barril apontado para Teerã.

Masoumeh “Masih” Alinejad-Ghomi

Conheça Masih Alinejad, a arma de escolha de Washington para desencadear a maior tentativa de revolução colorida no Irã hoje.

“Estou liderando este movimento”, disse Alinejad, 46 anos, ao The New Yorker no sábado. “O regime iraniano será derrubado pelas mulheres. Eu acredito nisto”.

Operando a partir de um abrigo seguro do FBI, Alinejad tem vivido nos EUA durante a última década trabalhando como funcionára para a VOA Persia – ou, Voz da América, Pérsia – o porta-voz de propaganda de Washington financiado diretamente pela Broadcasting Board of Governors (BBG), um braço do poder brando do Império totalmente financiado pelo Congresso dos EUA, feito para capitalizar narrativas prejudiciais em favor da corporatocracia de Washington.

As tarefas da Alinejad são muitas: Tirar fotografias aconchegantes com os políticos pró-guerra mais eficazes do mundo, que só fizeram de tudo para acabar com a Ásia Ocidental, como Mike “Mentimos, enganamos, roubamos” Pompeo, e Madeleine “O preço [de matar crianças iraquianos] vale” Albright.

A agente Masih Alinejad com o Secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo, 4 de fevereiro de 2019.

Mas, isso não é tudo. Entre 2015 e 2022, a Agência de Mídia Global dos EUA pagou à Alinejad mais de US$ 628.000 para assediar mulheres de véu, fazer propaganda e exigir mais sanções contra seu país (não é uma coisa muito patriótica de se fazer). Alinejad tem feito tudo ao seu alcance para isolar seu país, tentando torná-lo um Estado pária banido de todos os privilégios diplomáticos, econômicos e políticos na arena global. De fato, campeã do imperialismo, Alinejad está em uma folha de pagamento gorda da CIA para incitar a violência e a mentira.

A folha de pagamento do governo dos EUA para Alinejad é visível, por exemplo, no site USASpending.gov.

A última narrativa explorada pela Alinejad é do tipo: Mahsa Amini, de 22 anos, em uma filmagem de CCTV, entra em uma disputa verbal com uma policial feminina sobre a maneira como ela tinha seu hijab enrolado em torno de sua cabeça. Não há escalada para a disputa; a mulher deixa a garota sozinha e se afasta. Em questão de segundos, a jovem mulher congela, dobra-se e cai sobre uma cadeira à qual os transeuntes correram para atendê-la. A jovem, que havia sido submetida a uma cirurgia cerebral aberta em 2006, sofreu um ataque cardíaco que a colocou em coma. Dois dias depois, ela foi anunciada morta, após o que tabloides ocidentais acusaram a polícia iraniana de espancar Amini até a morte, o que levou aos tumultos.

Admitir liderar os tumultos contra o governo é apenas uma declaração. Seus tweets expõem ainda mais sua agenda – a transferência na narrativa de um tweet para o próximo é desconcertante.

Em 14 de setembro, dia em que Amini sofreu um ataque cardíaco, Alinejad não fez nenhuma menção a espancamento ou violência. Ela escreveu no Twitter: “Amini sofre um ataque cardíaco depois de ser presa pela polícia da moralidade”.

Em 15 de setembro, o ativo da CIA escala a retórica um pouco: “Essa mulher está em coma porque a polícia da moralidade a prendeu com truculência”. Ainda assim, nenhuma menção a abusos, espancamentos ou violência física.

Entre esse tweet e um comentário, Alinejad atende a seus chefes: “Amini está em coma depois de ter sido espancada pela polícia da moralidade”.

Em 16 de setembro, dia em que a jovem mulher foi anunciada morta, Alinejad lançou um hashtag para o qual ela vinha pavimentando terrenos férteis: “#MahsaWasMurdered by the Islamic Republic’s hijab police in Iran” [#MahsaFoiMorta pela polícia do hijab da República Islâmica do Irã].

Os lacaios de Washington também estavam trabalhando: Um dos primeiros a acusar a polícia de bater em Amini foi o IranWire de Maziar Bahari. Bahari é um exilado iraniano anti-Teerã que admitiu “cobrir manifestações ilegais” e “ajudou a promover revoluções coloridas” no Irã. Um ativo do império.

O segundo post no Twitter que propagou a falsa narrativa foi de Babak Taghvaee, um agente duplo exilado acusado de disseminar informações sensíveis para a CIA e Mossad; um colaborador militar para a Israel Hayom, relatórios de pesquisa do Pentágono, e a Rádio Free Asia/Radio Liberty, financiada pelo Departamento de Estado dos EUA, que também está na folha de pagamento do BBG.

Os lacaios de Washington também estavam trabalhando: Um dos primeiros a acusar a polícia de bater em Amini foi o IranWire de Maziar Bahari. Bahari é um exilado iraniano anti-Teerã que admitiu “cobrir manifestações ilegais” e “ajudou a promover revoluções coloridas” no Irã. Um ativo do império.

O segundo post no Twitter que propagou a falsa narrativa foi de Babak Taghvaee, um agente duplo exilado acusado de disseminar informações sensíveis para a CIA e Mossad; um colaborador militar para a Israel Hayom, relatórios de pesquisa do Pentágono, e a Rádio Free Asia/Radio Liberty, financiada pelo Departamento de Estado dos EUA, que também está na folha de pagamento do BBG.

Com as centenas de contas falsas que empurraram o assunto nas mídias sociais, os tweets ganharam um grande impulso, e tumultos foram imediatamente agitados. Grupos terroristas entre a multidão foram detectados e presos com armas cortantes e explosivos, assassinatos foram realizados com o objetivo de culpar o governo, e desordeiros incendiaram bancos e outras instituições estatais irrelevantes, criando o caos. O MEK, lembre-se, tem sido considerada uma organização terrorista nos Estados Unidos até ser retirada da lista em 2014 – o ano em que Alinejad fugiu para os Estados Unidos. Agora, os tabloides combinam “iranianos que amam a liberdade” com apoiadores e organizadores do MEK.

Washington há muito tempo tenta mobilizar os iranianos contra seu governo, seja através de propaganda na mídia, seja através de sanções. O caos que se forma é um sonho tornado realidade para a Alinejad, um subproduto de mais de décadas de trabalho. Um cabo do Wikileaks de 2009 enviado ao Departamento de Estado dos EUA escreveu sobre uma Alinejad insatisfeito reclamando de uma “falta de coesão entre os reformistas” que estava impedindo os planos e interesses de Washington.

A mídia global, Hillary Clinton, a Fundação Open Society de Soros, especializada em mudança de regime, e o NED, todos eles se uniram simultaneamente na campanha, derramando lágrimas de crocodilo sobre as mulheres iranianas. Não se esqueça que estas entidades projetaram, viabilizaram e financiaram as políticas mais brutais e patriarcais contra as mulheres em todo o mundo, inclusive nos Estados Unidos. Não houve consideração pelas mulheres palestinas, iemenitas, iraquianas, líbias ou sírias quando os EUA bombardearam ou financiaram o armamento para bombardear as sociedades até a Idade da Pedra. Washington financia hoje a entidade mais repressiva da Ásia Ocidental, “Israel”, cujo sistema se baseia no racismo, estupro e desenraizamento.

Sem mencionar as sanções que Alinejad tem repetidamente exigido que sejam implementadas contra o Irã, já que ela “acredita” que elas funcionam. As sanções têm afetado os estilos de vida de muitas mulheres iranianas, impedindo-as de exercer seu direito ao saneamento, assegurar nutrição e saúde de qualidade para seus filhos, e utilizar recursos para uma vida saudável. Não muito feminista, pois não?

O hijab é uma lei democraticamente votada e legitimada

Talvez o abuso da liberdade da Grande Mídia não esteja deixando nenhum espaço para que possamos investigar. Os fatos, quando veiculados com eficácia, são o maior sedativo de uma massa enfurecida: Depois que o governo do xá Mohammad Reza Pahlavi foi derrubado em 1979, o líder da revolução Imam Khomeini realizou um referendo nacional no qual o povo votou se defendia ou não que o Irã fosse governado por uma constituição islâmica. Dentro deste contexto, as mulheres iranianas integraram o hijab na constituição, e as mulheres iranianas têm o direito de revogá-lo se assim o desejarem. A lei é uma decisão democrática tomada pelo povo e pelas mulheres do Irã. Portanto, a legitimidade da lei ainda está intacta.

O apoio popular à lei foi reiterado em uma pesquisa nacional de 2014 que coletou dados de todas as províncias em todo o país, mantendo a questão de se elas concordam que o hijab obrigatório deve ser implementado nas mulheres iranianas, mesmo que não concordem com ele. Cerca de 19% da população concordaram completamente, 35% simplesmente concordaram, e 25% foram neutros.

Em 2021, o deputado iraniano Ali Motahhari sugeriu que outro referendo sobre o véu fosse realizado quando os protestos estivessem novamente em alta, exibindo os valores democráticos que o Estado mantém, ao contrário do que o Ocidente pinta o país como sendo – uma ditadura clerical governando uma terra arrasada.

Portanto, a questão aqui é: Pelo quê lutar quando as próprias mulheres iranianas são a favor do hijab através de referendos e manifestações populares? O Ocidente e seus seguidores cegos querem salvar as mulheres iranianas de si mesmas?

Para uma população amplamente familiarizada com Orientalismo de Edward Said, esta projeção pode ser bastante embaraçosa.

A infiltração e ruptura de uma sociedade

Em 2002, o ex-primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu realizou uma conferência de duas horas e meia pouco antes de George Bush anunciar sua invasão do Iraque, na qual ele pediu aos Estados Unidos que fomentassem a mudança de regime no Irã (e no Iraque, obviamente), oferecendo uma explicação sobre como desmantelar o tecido social anti-imperialista do país. Em sua visão, a Fox Broadcasting transmitiria “Beverly Hills 90210” e “Melrose Place” para os iranianos através de suas televisões. “Isto é muito subversivo”, comentou ele. “As crianças do Irã iriam querer as roupas bonitas que vêem nesses programas. Eles iriam querer as piscinas e os estilos de vida extravagantes”.

Alinejad com Madeleine Albright, 6 de dezembro de 2018.

Os tumultos atuais no Irã não são um evento suspenso no tempo, mas sim uma continuação de anos de tentativas de interrupção por pessoas como Alinejad e Netanyahu. O próprio tecido social do país é o que expulsou a ganância ocidental em 1979; um tecido construído em grande parte sobre a riqueza cultural e a apreciação pela tradição produzida ao longo dos séculos. Deslocar esse tecido implicaria em transformar as condições materiais. Hedonismo, prazer e materialismo são armas em uma caixa de ferramentas usada para embotar comunidades em uma escravização virtual.

Hollywood provou ser uma das melhores ferramentas para redefinir os valores da liberdade, tão eficaz que até mesmo a mídia árabe tem lançado projeções culturais ocidentais sobre as mulheres iranianas, que em grande parte apoiam o véu obrigatório.

Os corações podem estar na direção certa, mas não no lugar certo. Ativistas da mídia social têm se empenhado em defender a “autonomia” das mulheres iranianas (de acordo com seus padrões e termos), independentemente que isso possa não ser consistente com a natureza de seu Estado ou sociedade.

Se realmente queremos ajudar e apoiar as mulheres iranianas, devemos primeiro trazer nossas projeções culturais à consciência – Estamos realmente apoiando sua luta, ou estamos dizendo a elas como devem viver suas vidas? Para uma sociedade orgulhosa e emocionalmente ligada à sua cultura, estaremos fazendo justiça seguindo tabloides financiados pelo governo tentando desmantelar a própria estrutura de uma sociedade anti-imperialista que tem evoluído tão progressivamente?

Não há muita previsibilidade sobre quando a névoa da propaganda se dissiparia para que pudéssemos perceber as coisas livres da raiva fabricada que a mídia conseguiu reunir de milhões.

Fonte: Al Mayadeen

Imagem padrão
Mona Issa

Jornalista libanesa.

Artigos: 12

Deixar uma resposta