Putin Proclama a Ideia Russa

A guerra com o Ocidente assume agora uma dimensão completamente diferente. É uma batalha espiritual entre o Bem e o Mal, e quando um guerreiro percebe isso no fundo de sua alma, ele luta de uma maneira diferente, e a sociedade se volta para a retaguarda, trabalha pela vitória, dá toda a sua força e vive no mesmo fôlego que os heróis defendendo sua liberdade. Esta é a lei da guerra sagrada, porque esta guerra tornou-se definitivamente sagrada.”

30 de setembro de 2022 foi um ponto de inflexão histórico. Neste dia, todos os eventos recentes, já de enorme significado, chegaram ao clímax. No dia 30 de setembro, tudo era importante: não só o que foi dito, o que foi feito, o que foi assinado, mas também como foi tramado, com que expressão facial e com que voz foi proferido. Enfim, foi um ponto de inflexão. Não uma rotina, não a continuação de uma tendência, mas um novo começo. No platonismo existe um termo importante, “epístrofe”, que em grego significa “mudança abrupta de direção”, “mudança de rumo” e, em seu sentido mais sublime, “um grande retorno à fonte”. 30 de setembro de 2022 foi um momento crucial – na política russa, no conflito ucraniano, na história mundial.

O ato de aceitar quatro novas regiões – a DPR, a LPR e as regiões de Kherson e Zaporíjia — na Rússia após referendos populares tornou-se algo muito maior do que a reunificação da Rússia com a Crimeia. Agora está claro para todos que Moscou chegou ao ponto de questionar o Pacto de Belaveja (a que Putin fez alusão em seu discurso histórico), o que significa que estamos caminhando para uma revisão de toda a história pós-soviética da Rússia e, portanto, a mundo.

O discurso do presidente codificou explicitamente os conceitos-chave: “Grande Rússia”, “país-civilização”, Primavera Russa, “missão de libertação”, multipolaridade, “soberania estratégica genuína”, “caminho do desenvolvimento soberano”, movimento anticolonial, rejeição radical da hegemonia ocidental e reivindicações de uma ordem mundial unipolar. Putin desencadeou seus ataques contra toda a ordem mundial centrada no ocidente, que ele equiparou a um sistema neocolonial racista, imperialismo agonizante e apartheid.

As máscaras caíram. A Rússia, em um novo ponto de inflexão em sua existência histórica, entrou em um duro confronto com o Ocidente.

Desta vez, o confronto abrange virtualmente todas as dimensões:

  • Geopolítico (o Land Power contraataca o Sea Power na batalha pelo Rimland após uma era de recuos e derrotas);
  • Civilizacional (a Rússia, como uma civilização particular e separada, rebela-se contra a civilização do Ocidente pós-moderno, nega-lhe o direito de ser único, universal, obrigatório e reconhece o direito de outras civilizações à sua própria identidade e independência);
  • Econômico (as relações econômicas entre a Rússia e o Ocidente estão entrando em colapso rapidamente, e o enfraquecimento do Nord Stream pelos anglo-saxões é o toque final neste divórcio econômico);
  • Cultural (a Rússia jura pelos valores tradicionais, o homem, seu direito à existência, a fé, a família normal, a liberdade e a justiça, e rejeita o individualismo, o pós-humanismo, a cultura da abolição, LGBT, o feminismo, a legalização da perversão e o satanismo direto do Ocidente);
  • Militar (na Ucrânia e agora nas fronteiras ocidentais da própria Rússia, está em curso um feroz confronto militar em que o inimigo é de fato, embora não de jure, a OTAN, que arma e supervisiona os nazistas ucranianos).

Tudo isso está explícita e literalmente contido no discurso do presidente na assinatura do tratado de adesão das 4 novas regiões à Rússia. Este discurso é o quadro de uma ideologia real, culminando nas palavras do filósofo Ivan Ilyin — um juramento de fidelidade à Rússia, à Ideia Russa.

Claro que ainda está longe de ser uma vitória, mas é uma consolidação muito clara e consistente dos principais fatores que farão dessa vitória uma realidade. Você só pode vencer a batalha entrando nela e estando totalmente ciente do que está acontecendo – os riscos, as apostas, os recursos, as opções. Isso é exatamente o que foi feito em 30 de setembro. Na Rússia, terminou o difícil período de semi-adormecidos, compromissos, eufemismos, fórmulas simplificadas e ilusões residuais sobre a verdadeira natureza do Ocidente moderno.

O discurso marcante de Putin foi precedido por uma série de medidas fundamentalmente importantes. Cada uma foi um pré-requisito para todo o contexto dos eventos de 30 de setembro.
Após nossa recente retirada para Kharkov e o avanço da AFU, a liderança tomou medidas claras e inequívocas:

  • A realização de referendos nas 4 regiões sobre a adesão à Rússia (necessário para o enraizamento completo e irreversível dessas regiões no quadro político e jurídico da Rússia);
  • O anúncio de uma mobilização parcial na própria Rússia (como condição para o fortalecimento numérico e qualitativo do exército russo em dificuldade);
  • A introdução de disposições sobre deserção na legislação, o endurecimento das responsabilidades por perturbar a ordem de defesa e a clarificação dos conceitos de “lei marcial” e “tempo de guerra”.

Ao mesmo tempo, as forças anglo-saxãs explodiram o gasoduto Nord Stream em uma tentativa de cortar a Europa continental (especialmente a Alemanha) da Rússia de uma vez por todas. Na Itália, enquanto isso, uma coalizão de direita antiglobalista venceu as eleições – não muito amigável, mas taticamente útil para a Rússia.

O próprio ato de unir as terras e o discurso de Putin na cerimônia adicionaram uma dimensão crucial a essas etapas técnicas totalmente necessárias e ao contexto internacional. Na realidade, o presidente proclamou uma ideologia – uma ideologia russa, que incorporou organicamente os princípios da ortodoxia e confissões tradicionais dos povos da Rússia, as idéias dos eslavófilos, os eurasianos e a lealdade aos feitos heróicos do povo soviético. Agora está muito claro quem está em guerra, contra quem se está em guerra e por que se está em guerra.

É importante ressaltar que a Ucrânia foi vislumbrada no discurso enquanto estava sendo falado. Putin atacou principalmente o Ocidente coletivo, as elites liberais do mundo, o globalismo e o racismo civilizacional, a hegemonia mundial e o desejo injusto e vicioso do sistema ocidental de manter um mundo unipolar. A Ucrânia não é um sujeito, mas apenas uma ferramenta cinicamente construída e saturada de ideologia nazista russofóbica para combater a Rússia. A Ucrânia não é um país, mas um território na batalha da civilização, e a escolha de suas quatro antigas regiões mostra claramente de que lado está o povo ucraniano. Eles estão do lado de nossa civilização eslava oriental russa comum, e não há ambiguidade aqui. Qualquer progresso que fizermos em direção ao oeste neste território significará a libertação de novas e novas camadas de nossa população nativa, libertação da hegemonia ocidental e de seus proxies perversos e sanguinários. Lutar contra o regime de Kiev é semelhante a uma operação antiterrorista, mas não adianta falar com os próprios terroristas: devemos lidar com seus verdadeiros mestres. Isso é o que Putin estava falando em seu discurso.

Em outubro de 2022, a Rússia entrou em uma nova era, a Era da Ideia. Tudo o que tínhamos apenas imaginado, hipotetizado e esperado agora é chamado por seu nome próprio. A Rússia é uma civilização cujo código básico é a Tradição. A ela se opõe outra civilização, cujo código é a anti-Tradição, a desumanização do homem, a mentira, a agressão, a exploração de países e povos, o neocolonialismo, o terror e o mal. Ao mesmo tempo, o Ocidente também reivindica a universalidade de seu modelo, não deixando a ninguém o direito de escolher o contrário. Pode-se escolher um sobre o outro. Qualquer um que discorde é imediatamente marcado com rótulos terríveis: “fascista”, “agente de Putin” ou simplesmente “russo”. A russofobia hoje também é uma ideologia, uma ideologia globalista ocidental, que cheira a ódio de seu oposto, o bom e o mau. Ser russo, estar com a Rússia, significada estar no lado da Verdade.

Essa dimensão ideológica nos faz olhar com novos olhos para a oposição liberal na Rússia, para os atos terroristas na Rússia por redes e grupos pró-ocidentais e, na maioria das vezes, tecnicamente liderados por Kiev, e para a tentativa vergonhosa de conscritos e daqueles simplesmente com medo de fugir do país em um momento crítico e crucial. Isso não é apenas temer pela própria vida ou uma escolha livre de seu caminho, mas uma deserção para o lado do mal global. É um ato de Judas, um crime moral – contra si mesmo em primeiro lugar, contra sua própria alma, mas também contra a nação, o estado, os ancestrais, os descendentes, a história. O que importa não é como uma determinada pessoa se sente em relação ao regime político na Rússia hoje (crítica e desconfiança podem estar presentes), mas como ela se sente sobre si mesma, sua pátria, sua civilização e sua cultura.

Fugir ou não fugir, trair ou não trair é uma escolha existencial. O destino de Judas é triste: ele não conseguiu enfrentar seu crime e se estrangulou. Multidões de jovens fugindo da Rússia, infelizmente, seguiram seu terrível caminho, que desperta apenas desprezo e desgosto, mas aqueles que não apenas aceitaram a mobilização, mas se voluntariaram, à nova luz dos cataclismos históricos, realizam um verdadeiro feito moral, espiritual, religioso. É o caminho da lealdade e da honra, o caminho que conduz à luz e à santidade. É também uma “epístrofe”, uma volta à sua essência, sua natureza espiritual interior.
Nesse contexto, as questões técnicas da campanha militar ficam em segundo plano. Agora os territórios da DPR e de Zaporozhye pertencem à Rússia, e libertar as áreas ainda ocupadas pelo inimigo é uma questão nacional. Na prática, porém, isso não pode ser alcançado sem a liberação do resto das terras da Nova Rússia – de Kharkov a Odessa; então a mesma questão surgirá para a Ucrânia central e também para a Ucrânia ocidental. Mas isso ainda está além do horizonte. Agora é crucial parar as tentativas dos nazistas de Kiev de conduzir uma contra-ofensiva.

É claro que as conclusões devem ser tiradas após o avanço anterior da AFU na frente de Kharkov, e certamente serão tiradas, mas agora o fator ideológico também será sentido na campanha militar. A guerra com o Ocidente assume uma dimensão completamente diferente. É uma batalha espiritual entre o Bem e o Mal, e quando um guerreiro percebe isso no fundo de sua alma, ele luta de uma maneira diferente, e a sociedade se volta para a retaguarda, trabalha pela vitória, dá toda a sua força e vive no mesmo fôlego que os heróis defendendo sua liberdade. Esta é a lei da guerra sagrada, porque esta guerra tornou-se definitivamente sagrada.

Não há motivo para euforia. Devemos compreender a profundidade da responsabilidade histórico-metafísica que recai sobre cada um de nós. Não só sobre o estado, mas sobre o povo, sobre cada pessoa.

No entanto, o mais importante aconteceu: tudo finalmente fez sentido; isso significa que todos os inconcebíveis sacrifícios do passado e, infelizmente, do futuro, não são e não serão em vão.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 593

Deixar uma resposta