Os Órfãos do Fascismo

Da Operação Paperclip ao apoio do Batalhão Azov, passando pela Gladio, o Ocidente atlantista possui um histórico de conexões com remanescentes do fascismo no pós-guerra. Mas o mundo comunista também teve suas iniciativas de cooptação e recrutamento entre as fileiras militares e científicas do Eixo. Essa dualidade, por sua vez, expõe as contradições internas do fascismo.

Está incrivelmente na moda para os comunistas americanos acusar o governo dos Estados Unidos de ter alguma afinidade ideológica com o fascismo alemão ou italiano, quando nada poderia estar mais longe da verdade. Os líderes dos Estados Unidos e do Ocidente em geral têm uma afinidade apenas por uma ideologia: o liberalismo.

O liberalismo, entendido no sentido clássico, tem sua própria história de guerra, colonização, genocídio e opressão. Não é necessário invocar o espectro do fascismo do século XX para criticar o Ocidente contemporâneo, qualquer pessoa com um conhecimento básico da história saberá que o liberalismo é o principal responsável pelo genocídio na América do Norte, o tráfico de escravos do Atlântico, a eugenia pioneira no início do século XX, duas guerras mundiais e a detonação da bomba atômica (entre outras coisas).

Alternativamente, o fascismo (no poder) mal chegou a vinte anos antes de ser destruído no final da segunda guerra mundial.

À primeira vista; violência e racismo semelhantes ao liberalismo na colonização italiana da Etiópia e no “Lebensraum” de Hitler (colonização de terras tradicionalmente eslavas, Polônia, Ucrânia, Rússia, pela Alemanha), embora o fascismo tenha sido limitado pelo tempo, e (acredito) pela intenção.

Entretanto, nesse período de quase duas décadas, a natureza dual do fascismo pode ser claramente observada.

Primeiramente como nacionalismo de classe média (pequeno-burguês) por sobre e contra o capital financeiro (manifestando-se em guerra/colonialismo no exterior / protecionismo e bem-estar social em casa) e, em segundo lugar, como nacionalismo da classe trabalhadora (proletário), declarando guerra aberta ao capital financeiro, implementando expropriação e socialização via corporativismo/sindicalismo, mantendo o comércio e a amizade com a União Soviética, e apoiando movimentos anticoloniais/anti-imperialistas em todo o mundo.

Do herói anti-imperialista indiano Subhas Chandra Bose ao “Papa Vermelho” e membro fundador do Partido Comunista da Itália Niccola Bombacci, o fascismo de esquerda é um fascismo bem documentado, mas muitas vezes (intencionalmente) negligenciado no movimento mais amplo. É certo que é difícil para nós no século XXI imaginar como ou por que duas facções, diametralmente opostas do nosso ponto de vista, poderiam escolher existir no mesmo movimento. Mas isso é uma discussão para outra época.

No início da Guerra Fria, tanto os Estados Unidos quanto a União Soviética recrutaram ex-fascistas para servi-los no próximo choque geopolítico, e aqueles ex-fascistas que servem de cada lado devem ser vistos como uma continuação da dualidade “esquerda” – “direita” interna ao fascismo.

Operação Gladio foi o codinome usado para uma rede paramilitar secreta patrocinada pela OTAN e liderada pela CIA na Europa do pós-guerra. Inicialmente formada para lutar no caso de uma eventual invasão soviética, nos anos 70 a rede estava sendo usada como ferramenta para manipular e reprimir os opositores políticos da OTAN na Europa Ocidental.

Durante os anos 60-80 do século XX, a Itália foi abalada por um período conhecido como os Anos de Chumbo, caracterizado por atos terroristas de extrema-direita e extrema-esquerda. Após o assassinato de três carabieiros por um carro-bomba em Peteano, em 1972, atribuído às Brigadas Vermelhas pelas autoridades italianas, mas realmente realizado pelo terrorista de extrema-direita Vincenzo Vinciguerra, a existência da rede secreta foi revelada através de uma investigação do juiz Felice Casson.

O ex-tenente-coronel Walter Kopp da Wehrmacht entrou em contato com John Jay McCloy, um alto funcionário do governo de ocupação, em maio de 1945 expressando preocupação com a possibilidade de a União Soviética invadir a Zona de Ocupação Aliada. Pouco depois, Kopp foi nomeado chefe da sub-rede KIBITZ-15 na Alemanha, descrito como “um grupo com tendências nazistas” por documentos oficiais da CIA divulgados em 2009.

A moderna Bundeswehr alemã foi praticamente construída por dois oficiais nazistas, Adolf Heusinger e Hans Speidel.

Heusinger tinha sido Chefe de Operações dentro do pessoal geral do alto comando do exército de Hitler, e a partir de 1941 foi pessoalmente responsável pelo planejamento e supervisão da invasão alemã da União Soviética. O próprio Speidel esteve diretamente envolvido no plano de 20 de julho para assassinar Hitler orquestrado por Claus von Stauffenberg, e foi mantido na prisão até o final da guerra, sendo o único grande ator envolvido com a trama a sobreviver.

Finalmente, a Operação Paperclip foi um programa bem conhecido no qual 1.600 ex-cientistas e engenheiros nazistas receberam asilo político nos Estados Unidos após concordarem em trabalhar para o governo, entre eles Herbert A. Wagner e Wernher von Braun.

Da mesma forma, a União Soviética também empregou cientistas ex-nazistas para desenvolver a construção de foguetes, armas atômicas e o programa espacial soviético.

A operação Osoaviakhim, apelidada de Alsos soviética pelo Ocidente, focou na identificação de cientistas (envolvidos principalmente com pesquisa atômica) e na garantia de sua lealdade à União Soviética. Em 22 de outubro de 1946, o Exército Vermelho transportou mais de 2.200 cientistas outrora nazistas e o conteúdo de seus laboratórios para a URSS em uma operação indiscutivelmente muito maior em alcance do que a equivalente americana, a Operação Paperclip.

Entre os cientistas alemães notáveis que foram empregados pela União Soviética estiveram Peter Adolf Thiessen, Manfred von Ardenne, e Nikolaus Riehl.

Talvez mais notavelmente, Otto Grotewohl, um ex-primeiro-ministro da Alemanha Oriental alegou que os serviços de inteligência soviéticos retiraram o infame vice de Hitler Rudolf Hess da prisão Spandau na noite de 18 de março de 1952 e lhe ofereceram a liderança do Partido Nacional Democrático da Alemanha Oriental (NDPD, 1948-1989) e uma alta posição no governo da Alemanha Oriental se ele apoiasse publicamente o comunismo e a União Soviética.

Hess recusou a oferta e permaneceu em Spandau pelo resto de sua vida, mas isso não impediu o governo da Alemanha Oriental de continuar a recrutar ex-membros do NSDAP.

Wilhelm Adam era um desses ex-nazistas, um membro da SA (os camisas marrons de Hitler) que se juntou ao Comitê Nacional para uma Alemanha Livre apoiado pelos soviéticos, operando na Frente Leste em 1944, depois de ter sido capturado na Batalha de Stalingrado. Adam cofundou o NDPD com o comunista alemão Lothar Bolz, que tinha participado do mesmo comitê no final da guerra, declarando abertamente que seu objetivo era recrutar ex-nazistas com uma mensagem de socialismo e patriotismo. O NDPD foi um dos mais fortes aliados do SED no poder na Alemanha Oriental, enviou 52 delegados à Volkskammer nas eleições de 1948 e foi estimado que tinha 110.000 membros registrados em 1980.

Na Alemanha Ocidental, o major-general Otto Ernst Remer, que pessoalmente foi responsável por frustrar a tentativa de golpe de Estado em Berlim durante o complô de 20 de julho para assassinar Hitler, fundou o Partido Socialista do Reich (SRP) em 1949 com o ex-presidente da SA Fritz Dorls e o futuro político e ex-líder da “União Estudantil Alemã” nazista, Gerhard Krüger.

O SRP foi secretamente financiado pela União Soviética e pelo governo da Alemanha Oriental através de Remer pessoalmente,e quando foi ilegalizado em 1952 ostentava mais de 10.000 membros, muitos dos quais tinham sido organizados em unidades paramilitares “Reichsfront”, de acordo com o governo da Alemanha Ocidental. O autor Martin A. Lee alega até mesmo que, de 1950 até ser proibido, o SRP recebia financiamento soviético exclusivamente, a URSS considerando o Partido Comunista da Alemanha (KPD) reconstituído no Ocidente como ineficaz.

Remer é famoso por declarar que se a União Soviética invadisse a Alemanha Ocidental, ele “lhes mostraria o caminho para o Reno” e os membros do SRP “se colocariam como policiais de trânsito, estendendo seus braços para que os russos pudessem encontrar seu caminho através da Alemanha o mais rápido possível”. Ele continuou agindo em nome dos interesses soviéticos após a proibição do SRP em 1952, fugindo para o Egito e trabalhando como conselheiro do coronel Gamal Abdel Nasser, vendendo armas para a Frente Argelina de Libertação Nacional, a Organização de Libertação da Palestina e até mesmo 4.000 pistolas para Fidel Castro.

Depois há Joseph Settik e Hans Sommer, ambos ex-membros dos serviços de inteligência da Schutzstaffel (SS), que mais tarde foram recrutados pela Stasi da Alemanha Oriental para espionagem na Alemanha Ocidental e ao redor do mundo.

A presença de ex-fascistas em ambos os campos durante a Guerra Fria, quer atuando como oficiais do governo, políticos, ativistas ou espiões, não prova que nem os Estados Unidos nem a União Soviética alguma vez tiveram afinidade ideológica com o fascismo.

No entanto, ela destaca uma interessante dualidade ideológica dentro do fascismo histórico (proletário/pequeno-burguês), e pode ajudar os comunistas americanos aos quais estou me dirigindo (e quaisquer outros leitores) a explicar por que os Estados Unidos contemporâneos continuam a apoiar movimentos similares em todo o mundo em lugares como a Ucrânia (Azov), sem que os EUA sejam realmente fascistas.

Imagem padrão
Garon Archer

Analista político estadunidense.

Artigos: 10

Deixar uma resposta