Zelensky e a OTAN planejam transformar o que sobrar da Ucrânia em uma Grande Israel

O que a junta Ucraniana no poder atualmente deseja para seu país caso não haja um completo esfacelamento do mesmo?

Por Alexander Rubinstein

O think tank Atlantic Council, apoiado pela OTAN, propôs o apartheid de Israel como um exemplo para uma possível Ucrânia hipermilitarizada. O artigo foi de autoria do ex-embaixador de Obama em Tel Aviv, agora um consultor israelense de tecnologia de espionagem.

Apenas quarenta dias após o início da campanha militar da Rússia na Ucrânia, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse a repórteres que, no futuro, seu país seria como “uma grande Israel”. No dia seguinte, um dos principais promotores de Israel no Partido Democrata publicou um artigo de opinião no think tank oficial da OTAN explorando como isso poderia ser realizado.

Zelensky fez sua previsão ao falar com repórteres em 5 de abril, rejeitando a ideia de que Kiev permaneceria neutra em futuros conflitos entre a OTAN, a União Europeia e a Rússia. De acordo com Zelensky, seu país nunca seria como a Suíça (que coincidentemente abandonou sua tradição de não alinhamento da era Napoleônica ao sancionar a Rússia em resposta à invasão de fevereiro).

“Não podemos falar sobre ser a Suíça do futuro”, informou o presidente a repórteres. “Mas definitivamente nos tornaremos uma “grande Israel” com rosto próprio.”

Para aqueles que se perguntam como seria uma “grande Israel”, Zelensky rapidamente elaborou sua perturbadora profecia: “não ficaremos surpresos se tivermos representantes das Forças Armadas ou da Guarda Nacional em todas as instituições, supermercados, cinemas. Haverá pessoas com armas em todos os lugares”, disse o presidente da Ucrânia, prevendo uma existência sombria para seus cidadãos. “Tenho certeza de que nosso problema de segurança será o número um nos próximos dez anos.”

Embora isso tenha sido postado na internet baseado em comentários que Zelensky fez a repórteres, o gabinete do presidente misteriosamente extirpou uma parte de suas palavras em que ele declarava que uma futura Ucrânia não seria “absolutamente liberal, europeia”. Em vez disso, juntamente com sua visão de uma Ucrânia fortemente militarizada, o post enfatizou a prontidão de Zelensky para se juntar à OTAN “já amanhã”.

Para os poderosos da OTAN, no entanto, a vontade insinuada de Zelensky de se juntar à aliança militar talvez tenha sido o aspecto menos notável de sua declaração. Em vez disso, dentro de 48 horas de seus comentários, o Atlantic Council, o think tank semi-oficial da OTAN em Washington, publicou um relatório explorando como transformar a Ucrânia em “uma grande Israel”.

De autoria de Daniel B. Shapiro, ex-embaixador dos EUA em Israel sob o presidente Barack Obama, o documento postula que “os dois países que estão em apuros compartilham mais do que você imagina”.

Assim como o ex-secretário de Estado dos EUA Alexander Haig apresentou Israel como “o maior porta-aviões americano do mundo que não pode ser afundado”, Shapiro apresentou uma visão da Ucrânia como um bastião hiper militarizado da OTAN cuja identidade nacional seria definida por sua capacidade de projetar o poder dos EUA contra a Rússia.

Israel e Ucrânia: “velhos e leais amigos”

Apesar da relutância de Israel em aderir às sanções ocidentais contra a Rússia, o Estado ajudou militarmente a Ucrânia, enviando dois grandes carregamentos de equipamentos defensivos desde fevereiro deste ano. No passado, no entanto, o apoio de Israel à Ucrânia em sua luta contra a Rússia foi bem retraído.

Em 2018, mais de 40 ativistas de direitos humanos solicitaram ao Supremo Tribunal de Justiça israelense que parasse de armar a Ucrânia depois que membros do batalhão neonazista Azov foram pegos brandindo armas de fabricação israelense. Como o Ha’aretz de Israel observou na época, “os emblemas da milícia [Azov] são amplamente conhecidos como nacional-socialistas. Seus membros usam a saudação nazista e carregam suásticas e insígnias da SS… Um membro da milícia disse em uma entrevista que estava lutando contra a Rússia porque Putin era judeu.”

Zelensky, um judeu ucraniano, aparentemente não se perturbou com o suposto armamento de Israel de elementos nazistas em seu país. Um ano após sua eleição em 2019, ele fez uma peregrinação a Jerusalém para lançar o que chamou de “oração pela paz” e participar de um evento intitulado “Lembrar o Holocausto para combater o antissemitismo”. Antes da festa, Zelensky elogiou a sociedade israelense, comentando em uma entrevista que “os judeus conseguiram construir um país e elevá-lo sem mais nada além de pessoas e cérebros” e que os israelenses são um “povo unido, forte e poderoso”. Apesar de estarem sob ameaça de guerra, eles se divertem todos os dias”.

“Há muitos países no mundo que podem se proteger, mas Israel, um país tão pequeno, pode não apenas se proteger, mas também enfrentar ameaças externas, pode responder”, disse Zelensky, acrescentando que visitou o país “muitas vezes.”

Em uma mensagem de aniversário no final daquele ano para o então primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, Zelensky comentou que “velhos amigos leais são mais valiosos do que nunca.”

Desde a escalada dos combates entre Kiev e Moscou em fevereiro deste ano, dezenas de israelenses viajaram para a Ucrânia para se juntar à Legião Estrangeira do país.

Em agosto, o Kyiv Independent, apoiado pelo governo canadense, publicou uma investigação que acusou a Legião Estrangeira da Ucrânia de roubar armas e bens, além de realizar assédio sexual e outras formas de abuso.

Enquanto isso, Zelensky tem continuamente elogiado Tel Aviv, especialmente após uma decisão da Suprema Corte de Israel de suspender as restrições aos cidadãos que viajam para a Ucrânia.

“O Estado de Direito e o respeito pelos Direitos Humanos é exatamente o que distingue uma democracia verdadeira e desenvolvida de um governo autoritário!” disse o presidente ucraniano no twitter após a decisão israelense em julho.

Um estado de apartheid hipermilitarizado como modelo para a Ucrânia

Em abril de 2022, a admiração de Zelensky pelo estado de Israel aparentemente atingiu novos patamares. Imediatamente após sua declaração de que a Ucrânia logo se tornaria “uma grande Israel”, o ex-embaixador de Washington em Tel Aviv, Daniel B. Shapiro, publicou um plano para Zelensky alcançar esse sonho no Atlantic Council, com sede em Washington DC e patrocinado pela OTAN:

“Ao adaptar a mentalidade de seu país para refletir aspectos da abordagem de Israel aos desafios crônicos de Israel, as autoridades ucranianas podem enfrentar desafios críticos de segurança nacional com confiança e construir um estado igualmente resiliente”, escreveu Shapiro, um “distinto companheiro” do Atlantic Council.

O esboço de quase 900 palavras ofereceu oito tópicos detalhando como a Ucrânia pode se tornar mais parecida com Israel, um país recentemente descrito pela Anistia Internacional como um “Estado de apartheid”. Os pontos incluíam conselhos como colocar “a segurança em primeiro lugar”, manter o “domínio da inteligência” e lembrar que “a tecnologia é fundamental”.

De acordo com Shapiro, um componente central da estratégia de segurança de Israel é que “toda a população desempenha um papel”. “Os civis reconhecem sua responsabilidade de seguir os protocolos de segurança e contribuir com a causa”, escreveu Shapiro sobre a população israelense. “Alguns até se armam (embora sob estrita supervisão) para fazê-lo. A ampla mobilização da sociedade ucraniana em defesa coletiva sugere que o país tem esse potencial”. Esses comentários se alinham diretamente com a previsão de Zelensky de que em uma futura Ucrânia, “pessoas armadas” estarão presentes em quase todos os aspectos da vida civil.

Assim como a propaganda divulgando o “sucesso” de Israel como um Estado de segurança, o plano de Shapiro imaginava os cidadãos da Ucrânia unidos por um “propósito comum” com a ajuda da “inovação de alta tecnologia” de Tel Aviv nos setores militar e de inteligência. Seu plano de jogo retrata os avanços de segurança de Israel como uma conquista quase mítica devida puramente ao espírito inovador e combativo de seus cidadãos, ignorando o maior fator material de seu sucesso: níveis sem precedentes de assistência militar estrangeira, particularmente dos Estados Unidos. De fato, sem os contribuintes norte-americanos virtualmente subsidiando suas forças armadas por meio de pacotes anuais de ajuda no valor de bilhões de dólares, é difícil ver como um país do tamanho de Nova Jersey teria alcançado o status de principal centro de tecnologia de vigilância do mundo.

Mesmo quando Shapiro insta Zelensky a manter “parcerias de defesa”, ele simultaneamente minimiza o papel que a ajuda estrangeira desempenha na preservação dos imperativos coloniais de Israel, argumentando que o “princípio único” que informa a doutrina de segurança de Tel Aviv é que “Israel se defenda por si só e não confie em nenhum outro país para travar suas batalhas.”

Shapiro deve ter esquecido esse princípio quando twittou: “Graças a Deus, Israel tem o Iron Dome”, uma referência ao sistema de defesa aérea de Israel que os contribuintes dos EUA financiaram no valor de US$ 1 bilhão somente em 2021, além de US$ 3,8 bilhões em assistência militar destinada a Tel Aviv naquele ano.

Em seu conselho a Zelensky, Shapiro também enfatizou que “a Ucrânia precisará atualizar seus serviços de inteligência” de maneira semelhante a Israel, que “investiu profundamente em suas capacidades de inteligência para garantir que tenha os meios para detectar e deter seus inimigos e, quando necessário, agir preventivamente para atacá-los.”

Um diplomata dos EUA fica para trás em Israel, irá lutar por sua principal empresa de espionagem

Shapiro tem algum conhecimento sobre o aparato de inteligência israelense. Em meados de 2017, depois de optar por permanecer com sua família em Israel, em vez de retornar ao país que o empregou como diplomata, ingressou na empresa de tecnologia israelense NSO como consultor independente. Lá, Shapiro ajudou a avaliar clientes em potencial para o spyware digital notoriamente invasivo da NSO, conhecido como Pegasus. Os vários clientes governamentais da NSO incluem a Monarquia Saudita, que usou seu sistema Pegasus para monitorar e perseguir ativistas de Direitos Humanos e jornalistas.

Shapiro também desfrutou de laços estreitos com a inteligência israelense por meio do Instituto de Estudos em Segurança Nacional (INSS) em Tel Aviv. Durante a maior parte de seus quatro anos como “visitante” no instituto, seu diretor executivo foi Amos Yadlin, ex-chefe de Inteligência Militar das Forças de Defesa de Israel. Yadlin ajudou a conceber a doutrina da força desproporcional empregada pelos militares israelenses contra Gaza, na qual os civis eram redefinidos como “vizinhos dos terroristas” e, portanto, desprovidos de proteções sob as Convenções de Genebra.

Em 2018, o INSS (Institute for National Security Studies) pagou a Shapiro mais de US $20.000 para testemunhar perante o Congresso em seu nome, apesar de ele não se registrar como agente estrangeiro. Como o NSO Group, o INSS mantém um verniz de independência do governo israelense, embora seu fundador, Aharon Yariv, também tenha servido como chefe da inteligência militar de Israel.

Nos EUA, Shapiro trabalhou na WestExec Advisors, uma consultoria fundada em 2017 pelo agora secretário de Estado Anthony Blinken e descrita como “o Gabinete secreto de Biden”. Antes da eleição de Joe Biden, Shapiro fez cobertura na mídia depois que a plataforma do Partido Democrata removeu o linguajar que se opunha a mais anexação de terras na Cisjordânia palestina ocupada.

A guerra é boa para os doadores do Atlantic Council

É provável que não seja coincidência que Shapiro tenha publicado sua receita para converter a Ucrânia em um estado de segurança ao estilo israelense em sua qualidade de “membro preferido” no Atlantic Council. Se a Ucrânia for transformada na fortaleza militar permanente que ele e Zelensky imaginam, os doadores da indústria de armas do think tank da OTAN se beneficiarão imensamente.

Lockheed Martin, Raytheon e Boeing foram listados entre os principais benfeitores do Atlantic Council em 2021. O presidente e CEO da Raytheon, Gregory J. Hayes, também faz parte do conselho consultivo internacional do think tank. Como Max Blumenthal relatou para o The Grayzone, o Atlantic Council também serviu para lavar dinheiro de interesses ucranianos como o grupo Burisma para membros do círculo íntimo de Biden.

As três empresas de armas acima mencionadas, que formam o coração do complexo industrial militar de Washington, já colheram enormes lucros com a crise na Ucrânia. A Boeing, que enfrentou uma crise de relações públicas depois que falhas no sistema operacional de seu avião 737 Max resultaram em dois acidentes, pode estar a caminho de recuperar seu status de maior fabricante de aeronaves do mundo como resultado do conflito.

Embora a Boeing tenha sofrido duas perdas trimestrais consecutivas em 2022, em julho alegou estar “criando impulso” para uma recuperação. Em junho, a gigante aeroespacial garantiu um contrato para fornecer helicópteros de carga pesada ao governo da Alemanha depois que Berlim criou um fundo de US$ 107 bilhões para investimentos militares em resposta direta à operação militar especial na Ucrânia.

Enquanto isso, a Raytheon e a Lockheed Martin fabricam o sistema de mísseis antitanque Javelin que foi apelidado de “símbolo da resistência da Ucrânia” no campo de batalha.

“Eles têm sido muito importantes, há até uma história sobre pais ucranianos nomeando seus filhos recém-nascidos – não é uma piada – de “Javelin” ou “Javelina’”, disse o presidente dos EUA, Joe Biden, durante uma visita em maio a uma fábrica da Lockheed Martin em Troy, Alabama, ressaltando absurdamente o papel vital da empresa na guerra da Ucrânia.

Os EUA enviaram mais de 8.500 sistemas antitanque Javelin para a Ucrânia desde fevereiro a um custo de aproximadamente US $178.000 por unidade, de acordo com o orçamento do Pentágono para 2021. Ansiosa para manter o fluxo, a Lockheed Martin está buscando dobrar a produção, com o objetivo de fabricar 4.000 sistemas Javelin por ano. As ações da Lockheed em 2022 subiram mais de 20% em relação ao ano anterior, atingindo seu auge apenas duas semanas após o início da operação militar da Rússia.

Com inspiração no “roteiro” de Shapiro patrocinado pela OTAN para o sucesso, a fantasia de Zelensky de uma Esparta perpétua militarizada e de alta tecnologia, reforçada por uma população civil armada, exigirá um investimento maciço em armas e tecnologia de vigilância por parte do governo em Kiev. Se esse conflito é algum sinal, a Ucrânia provavelmente vai olhar para os doadores do Atlantic Council mais uma vez enquanto se aventura a cumprir o sonho de Zelensky de estabelecer uma “grande Israel” na fronteira da Rússia.

Fonte: The Grayzone

Imagem padrão
Nova Resistência
Artigos: 593

Deixar uma resposta