Os Mestres do Engano: A Propaganda de Medo, o Controle Mental e a Guerra Cognitiva promovidos pelo Governo dos EUA

Os EUA tem usado os próprios como cidadãos como cobaias há décadas para testar métodos de lavagem cerebral e controle mental, técnicas que após aprimoradas em projetos como o MK Ultra, são aplicadas em operações de guerra cognitiva contra outros países.

“É função da agitação de massas explorar todas as queixas, esperanças, aspirações, preconceitos, medos e ideais de todos os grupos especiais que compõem nossa sociedade, sociais, religiosos, econômicos, raciais, políticos. Agitá-los. Colocar um contra o outro. Dividir e conquistar. Essa é a maneira de suavizar uma democracia” – J. Edgar Hoover, Mestres do Engano

O governo dos Estados Unidos tornou-se um mestre do engano.

Está tudo documentado, também.

Este é um governo que mente, engana, rouba, espiona, mata, mutila, escraviza, infringe as leis, exagera em sua autoridade e abusa de seu poder em quase todos os momentos; trata seus cidadãos como estatísticas sem rosto e unidades econômicas a serem compradas, vendidas, trocadas, comercializadas e rastreadas; e trava guerras com fins lucrativos, prende seu próprio povo com fins lucrativos, e não tem escrúpulos em espalhar seu reinado de terror no exterior.

Pior, este é um governo que se tornou quase indistinguível do mal que afirma estar combatendo, quer esse mal assuma a forma de terrorismo, tortura, tráfico de drogas, tráfico sexual, assassinato, violência, roubo, pornografia, experiências científicas ou algum outro meio diabólico de infligir dor, sofrimento e servidão à humanidade.

A cada dia que passa, torna-se dolorosamente claro que este não é um governo em que se possa confiar sua vida, seus entes queridos, seu sustento ou suas liberdades.

Recentemente, por exemplo, o Pentágono foi obrigado a ordenar uma revisão geral das operações de guerra psicológica clandestina dos EUA (psy ops) conduzidas através de plataformas de mídia social. A investigação vem em resposta a relatos que sugerem que o exército dos EUA tem criado falsas personas com imagens de perfil geradas por IA e sites fictícios de mídia no Facebook, Twitter e Instagram, a fim de manipular os usuários das mídias sociais.

A guerra psicológica, como o 4º Grupo de Operações Psicológicas do Exército dos EUA explicou em um vídeo de recrutamento lançado no início deste ano, permite ao governo puxar os cordelinhos, transformar tudo que tocam em uma arma, estar em todos os lugares, enganar, persuadir, mudar, influenciar e inspirar.

Das muitas armas do vasto arsenal do governo, a guerra psicológica (ou psy ops) pode tomar muitas formas: experimentos de controle da mente, empurrões comportamentais, propaganda.

Nos anos 50, MK-ULTRA, o programa de controle mental desenvolvido pelo diretor da CIA Allen Dulles como parte de suas campanhas de guerra cerebral Guerra Fria, sujeitou centenas de civis e militares americanos insuspeitos a doses de LSD, alguns tendo a droga alucinógena escorregada em suas bebidas na praia, em bares da cidade, em restaurantes. Para a Operação Clímax da Meia-Noite, a CIA contratou prostitutas para atrair os homens para uma sala sob escuta, onde eles seriam dosados com LSD e observados fazendo sexo.

Como explica Brianna Nofil, “os experimentos de ‘controle mental’ do MK-Ultra geralmente se centravam em torno da modificação do comportamento através da terapia de eletrochoque, hipnose, polígrafos, radiação e uma variedade de drogas, toxinas e produtos químicos”.

A CIA gastou quase 20 milhões de dólares em seu programa MKULTRA, alegadamente como um meio de programar pessoas para realizar assassinatos e, em menor grau, induzir ansiedades e apagar memórias, antes que supostamente fosse encerrado.

Como relatou um estudo, os detentos mantidos em esconderijos da CIA no exterior “foram literalmente interrogados até a morte em métodos experimentais combinando drogas, hipnose e tortura, para tentar dominar as técnicas de lavagem cerebral e apagamento da memória”.

Da mesma forma, o superssecreto Projeto Montauk, a inspiração para o sucesso da série Stranger Things da Netflix, supostamente estava trabalhando para desenvolver técnicas de controle mental que seriam então testadas em moradores de uma vila próxima, desencadeando ondas de crime ou causando a congregação de adolescentes.

Como conclui a jornalista Lorraine Boissoneault, “Apesar da MK-ULTRA violar normas éticas para experimentos humanos, o legado de experimentos de lavagem cerebral continuou a viver na política dos EUA. Os mesmos métodos que antes haviam sido usados para treinar soldados americanos acabaram sendo usados para extrair informações de terroristas em Abu Ghraib, Iraque e na Baía de Guantanamo”.

O governo – auxiliado e incentivado pelos avanços tecnológicos e experimentação científica – atualizou suas operações de guerra para uma nova era. Por exemplo, o governo foi capacitado a usar seu arsenal de armas e tecnologias em constante expansão para influenciar os comportamentos em massa e controlar a população.

É um salto curto de um programa comportamental que tenta influenciar como as pessoas respondem à burocracia de um programa governamental que tenta moldar a opinião do público sobre outros assuntos mais consequentes. Assim, cada vez mais, governos em todo o mundo – inclusive nos Estados Unidos – estão confiando em “unidades de incentivo” para guiar os cidadãos na direção dos poderes – que desejam que eles vão, enquanto preservam a aparência do livre arbítrio.

Em 2014, por exemplo, um Centro de Fusão no Estado de Washington (um centro de coleta de dados vinculado ao Departamento de Segurança Nacional que compartilha informações entre agências estaduais, locais e federais) divulgou inadvertidamente registros sobre táticas de controle remoto da mente (o uso de armas “psicoeletrônicas” para controlar as pessoas à distância ou sujeitá-las a vários graus de dor).

De fato, a pandemia COVID-19 poderia facilmente ser considerada uma guerra psicológica disfarçada como uma ameaça pandêmica. Como explica o escritor científico David Robson: “O medo do contágio nos leva a nos tornarmos mais conformistas e tribalistas… As lembranças diárias da doença podem até mesmo influenciar nossas afiliações políticas… Vários experimentos têm mostrado que nos tornamos mais conformistas e respeitadores das convenções quando sentimos a ameaça de uma doença… as imagens evocativas de uma pandemia levaram [os participantes de um experimento] a valorizar a conformidade e a obediência sobre a excentricidade ou a rebelião”.

É assim que se convence uma população a marchar voluntariamente em passo de ganso com um Estado policial e a se policiarem (e uns aos outros): ao provocar o fator medo, uma crise cuidadosamente calibrada de cada vez, e ensinando-os a desconfiar de qualquer um que se afaste da norma.

Esta não é uma nova experiência no controle mental.

Acrescente a inclinação do governo para monitorar a atividade online e policiar a suposta “desinformação”, e você tem os ingredientes de uma reestruturação da realidade diretamente do 1984 de Orwell, onde o Ministério da Verdade policia a fala e assegura que os fatos estejam de acordo com qualquer versão da realidade que os propagandistas do governo adotem.

Este “policiamento da mente” é exatamente o perigo que o autor Jim Keith alertou quando previu que “as fontes de informação e comunicação estão gradualmente sendo conectadas em uma única rede computadorizada, proporcionando uma oportunidade para o controle não anunciado do que será transmitido, do que será dito e, finalmente, do que será pensado”.

Já vimos este jogo em nível estadual e federal com uma legislação de crimes de ódio que quebra os chamados pensamentos e expressões “odiosas”, incentiva a autocensura e reduz o debate livre sobre vários assuntos.

O objetivo final destas campanhas de controle da mente – embaladas sob o disfarce do bem maior – é ver até onde o povo americano permitirá que o governo vá na remodelação do país à imagem de um Estado policial totalitário.

A luta contra o medo do governo é mais um elemento-chave em sua programação de controle mental.

É uma fórmula bastante simples. Crises nacionais, pandemias globais, ataques terroristas reportados e tiroteios esporádicos nos deixam em constante estado de medo. O pânico emocional que acompanha o medo na verdade desliga o córtex pré-frontal ou a parte do pensamento racional de nossos cérebros. Em outras palavras, quando somos consumidos pelo medo, deixamos de pensar.

Uma população que deixa de pensar por si mesma é uma população que é facilmente guiada, facilmente manipulada e facilmente controlada, seja através de propaganda, lavagem cerebral, controle da mente ou apenas por causa do medo.

O medo não apenas aumenta o poder do governo, mas também divide as pessoas em facções, persuade-as a se verem como o inimigo e as mantém gritando umas com as outras para que afoguem todos os outros sons. Desta forma, eles nunca chegarão a um consenso sobre nada e estarão muito distraídos para perceber o Estado policial se fechando sobre eles até que a cortina de esmagamento final caia.

Este esquema maquiavélico tem enredado tanto a nação que poucos americanos percebem que estão sendo lavados – manipulados – para adotar uma mentalidade de “nós” contra “eles”. Durante todo esse tempo, aqueles que estão no poder – comprados e pagos por lobistas e corporações – fazem avançar suas dispendiosas agendas.

Este mecanismo invisível da sociedade que nos manipula através do medo a nos conformarmos é o que o teórico americano Edward L. Bernays referiu-se como “um governo invisível que é o verdadeiro poder governante de nosso país”.

Foi há quase 100 anos quando Bernays escreveu sua obra seminal “Propaganda”:

“Somos governados, nossas mentes são moldadas, nossos gostos formados, nossas ideias sugeridas, em grande parte por homens dos quais nunca ouvimos falar… Em quase todos os atos de nossa vida diária, seja na esfera da política ou dos negócios, em nossa conduta social ou em nosso pensamento ético, somos dominados pelo número relativamente pequeno de pessoas… que compreendem os processos mentais e os padrões sociais das massas. São elas que puxam os fios que controlam a mente pública”.

Como assinalo em meu livro O Campo de Batalha da América: A Guerra contra o Povo Americano e em sua contrapartida fictícia Os Diários de Erik Blair, para este governo invisível de governantes que operam nos bastidores – os arquitetos do Estado Profundo – somos meros fantoches em uma corda, para serem lavados, manipulados e controlados.

Durante anos, os poderosos – os políticos e burocratas que pensam como tiranos e agem como ditadores mesquinhos, independentemente do partido a que pertencem, tentaram nos fazer uma lavagem cerebral para acreditar que não temos direitos: pensar por nós mesmos, tomar decisões sobre nossa saúde, proteger nossas casas e famílias e empresas, agir no nosso melhor interesse, exigir responsabilidade e transparência do governo, ou geralmente operar como se estivéssemos no controle de nossas próprias vidas.

Bem, o governo está errado.

Temos todo o direito, e você sabe por quê? Porque, como afirma a Declaração de Independência, somos dotados por nosso Criador de certos direitos inalienáveis – a vida, a liberdade, a propriedade e a busca da felicidade – que nenhum governo pode tirar de nós.

Está na hora de começarmos a lembrar ao governo que “nós o povo” somos os responsáveis.

Fonte: Rutherford Institute

Imagem padrão
John Whitehead

Advogado e escritor estadunidense.

Artigos: 10

Deixar uma resposta