A reação da Europa à crise energética está se transformando em um “esquema Ponzi”

A Europa tem pela frente um inverno difícil. À medida que as tentativas de enfrentamento se tornam cada vez mais desesperadas antes que as contas da primeira temporada de aquecimento comecem a chegar, esse desespero está levando a uma direção cada vez mais intervencionista.

Por Irina Slav

  • A União Europeia está lutando para encontrar maneiras eficazes de aliviar sua atual crise energética.
  • Os países já aprovaram impostos inesperados e subsídios à energia, sem sucesso.
  • Alguns estão alertando que as soluções propostas pelo bloco são comparáveis a um Esquema Ponzi.

A liderança da União Europeia tem trabalhado arduamente nestes dias, tentando encontrar uma solução duradoura para uma crise energética que se agrava a cada dia. No entanto, é improvável que a maneira como estão abordando a solução produza resultados duradouros. E até agora, foi comparado a um esquema Ponzi. “Uma das alavancas políticas mais fáceis, se você quiser, é que você pode aprovar uma conta, apropriar dinheiro, e dar dinheiro aos cidadãos para pagar suas contas de eletricidade”, disse o ex-secretário de energia Dan Brouillette à CNBC esta semana.

Ele concordou quando perguntado se a abordagem poderia ser comparada a um esquema Ponzi. No entanto, os impostos inesperados e os subsídios à energia são apenas o começo, ao que parece, e o produto final pode ser muito pior do que um esquema Ponzi.

O Financial Times informou esta semana que a UE está buscando amplos poderes sobre empresas em estados membros que basicamente permitiria a Bruxelas dizer a essas empresas o que produzir, quanto e para quem vender em tempos de crise. A definição de crise seria prerrogativa da mesma UE.

“Ficaríamos muito preocupados se esta proposta fosse adotada de forma tão intervencionista”, disse Martynas Barysas, executivo da BusinessEurope, uma associação de empregadores.

“Pode obrigar os estados-membros a anular a lei contratual, forçar as empresas a divulgar informações comercialmente sensíveis e compartilhar seus produtos armazenados ou ditar sua produção sob qualquer tipo de crise que a comissão decidir”, explicou.

Outro relatório, da Bloomberg, centrou-se nas medidas de intervenção direta no mercado de energia que estão a ser ponderadas por Bruxelas. O relatório citou vários resgates aos quais os governos da Alemanha, Suécia e Finlândia tiveram que recorrer para evitar que as concessionárias falhem por causa da crise de preços, como os eventos que estimularam o bloco a agir.

A ação em si, a ser discutida em uma reunião de ministros de energia na sexta-feira (09/09), consiste em limitar as importações de gás russo, limitar temporariamente o preço do gás usado na geração de eletricidade e suspender a negociação de derivativos de energia em uma tentativa de aumentar a liquidez no conturbado mercado de eletricidade.

Os preços do gás natural na Europa subiram cerca de 400% no ano passado. A crise realmente começou nesta época do ano passado e os eventos na Ucrânia deste ano só serviram para agravar severamente uma situação já ruim.

As soluções são complicadas.

Para Dan Brouillette, presidente da Sempra Infrastucture, atuante no negócio de GNL (gás natural liquefeito), a solução é fácil: a Europa só precisa investir em mais dependência de petróleo e gás dos EUA. Para a própria Europa, substituir uma dependência por outra dificilmente é o melhor curso de ação, mesmo que as relações políticas com os EUA sejam muito diferentes das relações com a Rússia.

A energia limpa “caseira”, como a presidente da Comunidade Europeia, Ursula von der Leyen a chamou na semana passada, no entanto, também não é uma solução, por razões puramente físicas. Não há matérias-primas suficientes no mundo para tornar a Europa 100% dependente da energia eólica e solar. E isso sem mencionar a dependência global das terras raras da China e da capacidade de processamento de lítio.

A Europa tem pela frente um inverno difícil. À medida que as tentativas de enfrentamento se tornam cada vez mais desesperadas antes que as contas da primeira temporada de aquecimento comecem a chegar, esse desespero está levando a uma direção cada vez mais intervencionista. Isso já levou alguns a acusar a UE de ser autoritária e as comparações com a União Soviética apareceram nas mídias sociais.

As pessoas já estão protestando contra as políticas energéticas dos países europeus e haverá mais protestos à medida que o outono avança para o inverno. Infelizmente, além da intervenção direta nos mercados de energia e “um esquema Ponzi” para as famílias, os governos europeus não têm muitas cartas para jogar.

Fonte: Kolozeg.org

Imagem padrão
Nova Resistência
Artigos: 585

Deixar uma resposta