Análise da estratégia dos EUA na África: Washington pode alcançar a China?

O cientista político russo Leonid Savin analisa a estratégia estadunidense na África Subsaariana segundo documento publicado no início de Agosto pela Casa Branca.

No início de agosto, a Casa Branca publicou uma estratégia para a África Subsaariana.1 Este é um documento bastante singular que descreve os objetivos e métodos dos EUA na região. Ao fazê-lo, o próprio texto começa com uma citação do Secretário de Estado Anthony Blinken, que afirmou em novembro de 2021 que “A África moldará o futuro — e não apenas o futuro do povo africano, mas de todo o mundo.” Isso pode parecer bastante incomum, já que o Departamento de Estado geralmente publica suas próprias estratégias.

Essa abordagem aponta para uma ação sincronizada de várias agências. O Departamento de Comércio, o Pentágono e outros, desde governos federais até governos locais, também perseguirão ativamente seus objetivos. Os vários exemplos citados no documento mostram que este trabalho já está em andamento há anos.

A questão é como atingir um novo patamar e consolidar sua influência. De qualquer forma, Washington será confrontada com a necessidade de contrariar outros atores que atuam na África. Em primeiro lugar, estamos falando da China e da Rússia, que são delineadas abertamente como desafios e problemas para os interesses dos EUA na região.

“A República Popular da China vê a região como uma arena importante para desafiar a ordem internacional baseada em normas, promovendo seus próprios interesses comerciais e geopolíticos estreitos, minando a transparência e a abertura e enfraquecendo as relações dos EUA com os povos e governos africanos.

A Rússia vê a região como um ambiente fértil para empresas militares paraestatais e privadas, muitas vezes fomentando a instabilidade para ganhos estratégicos e financeiros. A Rússia está usando seus laços econômicos e de segurança, bem como a desinformação, para minar a oposição de princípios dos africanos a uma nova invasão russa da Ucrânia e abusos de direitos humanos relacionados”, afirmou.

Em suma, a estratégia descreve quatro objetivos para avançar as prioridades dos EUA com parceiros regionais nos próximos cinco anos. Ele indica que “os Estados Unidos usarão todas as nossas capacidades diplomáticas, de desenvolvimento e defesa e fortalecerão nossos laços comerciais, concentrando-se nos ecossistemas digitais e reorientando os centros urbanos para apoiar esses objetivos:

1. Promover a abertura e sociedades abertas;

2. Fornecer dividendos para a democracia e a segurança;

3. Promover a recuperação pós-pandemia e a oportunidade econômica;

4. Apoiar a conservação, adaptação às mudanças climáticas e uma transição energética justa.

Vamos dar uma olhada mais de perto nesses pontos. O primeiro objetivo é declarado no estilo do Open Society Institute de George Soros. É possível que seus ativos também sejam usados para transformar os sistemas políticos dos países africanos. O Partido Democrata dos EUA e o programa de George Soros em geral; a Casa Branca acredita que há muitos regimes autoritários na região que precisam ser substituídos por outros mais leais aos EUA.

Simplificando, um golpe por meio de uma revolução colorida ou corrompendo as autoridades incumbentes. Embora a Casa Branca declare abertamente a necessidade de combater a corrupção, está claro para todos que a própria política externa dos EUA usa ativamente elementos de corrupção, que são chamados efemeramente de lobismo.

Note-se que “apesar do forte apoio popular à democracia na África Subsaariana — cerca de 69% segundo sondagens recentes — ainda há não democracia suficiente. Nos últimos anos, a África tem sido atormentada por uma sucessão de golpes militares e fracassos democráticos, com o potencial para uma maior deterioração das condições de governação e segurança, bem como consequências negativas para os países vizinhos.

Em 2022, a Freedom House classificou apenas oito países da África Subsaariana como livres — o número mais baixo desde 1991. Essas falhas aumentaram as oportunidades de influência estrangeira indevida e refletem a ascensão de governos que usam tecnologia de vigilância, espalham desinformações, exploram a corrupção e cometem abusos dos direitos humanos com impunidade.

Embora as forças democráticas tenham vencido recentemente as eleições no Malaui e na Zâmbia, os líderes autocráticos de outros países mantêm um controle rígido do poder. A lacuna entre as aspirações públicas e o fechamento do espaço cívico em alguns países levou ao aumento da instabilidade e a uma onda de movimentos de protesto”.

Esta citação menciona “influência estrangeira indevida”, que também pode ser atribuída à interferência dos EUA na região, tanto diretamente quanto por meio de proxies e satélites europeus.

Quanto aos métodos, no primeiro ponto, destaca-se o apoio às reformas, estabelecimento de várias fundações e iniciativas, assistência jurídica e promoção dos direitos humanos. Isso provavelmente será feito com foco no controle de recursos naturais, que é velado como “ajudando a obter transparência no uso de seus recursos naturais, incluindo recursos energéticos e minerais essenciais, para o desenvolvimento sustentável, ao mesmo tempo em que ajuda a fortalecer as cadeias de suprimentos que são diversificadas, abertas e previsíveis.”

Não há dúvida de que por essas cadeias de suprimentos se entende uma monopolização pelos EUA sobre importantes commodities e matérias-primas provenientes de países africanos. Como as empresas norte-americanas vão conseguir a margem é outra questão. Isso pode ser feito por meio de ações, pagamento por serviços de consultoria ou disfarçado de empréstimos e créditos destinados a projetos relevantes.

No mínimo, esse tipo de energia por parte de Washington deve deixar os governos africanos cautelosos. Especialmente porque não lhes foi perguntado o que querem e precisam.

O segundo ponto está diretamente relacionado ao primeiro. Aqui está uma citação para deixar perfeitamente claro o que os EUA significam:

“Os Estados Unidos apoiarão as democracias africanas apoiando a sociedade civil, incluindo ativistas, trabalhadores e líderes reformistas; capacitando grupos marginalizados como pessoas LGBTQ+; concentrando-se nas vozes de mulheres e jovens nos esforços de reforma; e protegendo eleições livres e justas como componentes necessários, mas não suficientes, de democracias dinâmicas.

Os Estados Unidos apoiarão a abertura e a oportunidade democráticas com base na Iniciativa Presidencial para a Renovação Democrática, na Cúpula para a Democracia e no Ano de Ação.

Os Estados Unidos concentrarão nossos esforços diplomáticos, alavancarão nossos programas de desenvolvimento e usarão nossas ferramentas de defesa para fortalecer e permitir que nossos parceiros respondam às causas do conflito em toda a região.

Concentrar-nos-emos no reforço da capacidade dos parceiros africanos para promover a estabilidade e a segurança regionais, permitindo que instituições governamentais de segurança mais profissionais, capazes e responsáveis ​​forneçam segurança interna.

Também investiremos em esforços locais de prevenção e construção da paz para mitigar e abordar vulnerabilidades, usando a Lei de Instabilidade Global bipartidária nas áreas costeiras da África Ocidental e Moçambique.

Os Estados Unidos priorizarão os recursos de contraterrorismo para reduzir a ameaça de grupos terroristas aos próprios Estados Unidos, pessoas, alvos diplomáticos e militares, direcionando capacidades unilaterais apenas onde for legítimo e onde a ameaça for mais aguda.

Trabalharemos principalmente com e através de nossos parceiros africanos, em coordenação com nossos principais aliados, bilateral e multilateralmente, para buscar objetivos comuns de contraterrorismo e promover abordagens civis e não cinéticas onde for possível e eficaz.

Como parte dessa abordagem, usaremos programas especiais para desenvolver a capacidade das agências locais de segurança, inteligência e parceiros judiciais para identificar, interromper e compartilhar informações sobre terroristas e suas redes de apoio.”

Se Washington vai apoiar os chamados “grupos marginalizados” representando pilhas de sodomitas locais ou narrativas deliberadamente oscilantes sobre relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo, isso claramente se arrasta para intromissão nos assuntos internos dos estados.

Na frente de segurança, também há dúvidas sobre quem e o que os militares dos EUA apoiarão.

Deve-se notar aqui que o Pentágono está agora promovendo ativamente que empresas privadas de defesa dos EUA invistam em tecnologia avançada e projetos de energia para os militares africanos por meio de um fundo especial, Prosper Africa, sob os auspícios do governo dos EUA.2

O Comando Africano do Pentágono, responsável pelo continente, tem bases e instalações em vários países. Há também células da CIA na região, além de funcionários de outras agências que coletam e processam diversos tipos de informações. Sem mencionar os representantes de empresas militares privadas, pelo menos a infame estrutura Eric Prince, que após os escândalos no Iraque se engajou ativamente em seus negócios apenas na África.

Quanto aos aliados dos EUA, já existe uma iniciativa de Infraestrutura e Investimento Global dentro do G7, para a qual foi planejado alocar US$ 600 bilhões. Os EUA parecem estar pressionando seus parceiros a buscar seus próprios interesses. Esta iniciativa está interligada com o já referido projecto Prosper Africa, bem como outros – Power Africa e Feed the Future. Além disso, os EUA esperam transformar digitalmente a África por meio de suas empresas de TI.

No terceiro ponto, Washington está tentando lançar projetos econômicos específicos, embora alguns deles, novamente, se enquadrem nos dois primeiros objetivos, porque a construção de comunidades econômicas inclusivas anda de mãos dadas com a disseminação da democracia (como os EUA a veem). A recuperação da pandemia de coronavírus e a segurança alimentar são delineadas. Curiosamente, outras doenças que são generalizadas e perigosas na África Subsaariana não são mencionadas na estratégia.

A partir disso podemos concluir que a menção de Covid é de natureza rotineira, e na realidade os EUA não estão nada preocupados com o sistema de saúde nos países africanos. Deve-se dizer que muitos Estados africanos têm taxas de mortalidade bastante altas e precoces, incluindo a mortalidade infantil. Mas a Casa Branca simplesmente encobre a questão, prometendo bem-estar futuro em abstrato.

Finalmente, o quarto ponto continua a linha dos anteriores. Trata-se da parceria dos EUA com governos africanos, sociedade civil e comunidades locais para apoiar e gerenciar ecossistemas naturais que reduzirão as emissões de carbono e controlarão as mudanças climáticas. Os EUA têm dois programas para esse fim: o Plano dos EUA para a conservação das florestas globais: sumidouros críticos de carbono e o Programa Regional da África Central para o Meio Ambiente. Ao mesmo tempo, Washington pretende lançar um plano de energia, embora não sejam dados detalhes.

Deve-se notar que a China é mencionada algumas vezes, enquanto a Rússia é mencionada sete vezes. Embora seja claro que os EUA terão que lidar principalmente com a presença chinesa na região, já que Pequim tem há muito tempo projetos de infraestrutura na África, além de empréstimos que não são politicamente onerados e que são bem recebidos pelos governos locais.

É claro que, além das patéticas exortações expressas na estratégia, há interesses objetivos e racionais dos EUA relacionados ao fato de que em 2050 o número de africanos deverá atingir 25% da população mundial. Isso significa o maior mercado consumidor e força de trabalho. Se aplicarmos a lei dos grandes números, isso significa capacidade intelectual e tecnológica.

A África também possui a segunda maior área de floresta tropical do mundo e possui 30% dos minerais mais importantes. Em termos de influência política, a África Subsaariana tem 28% dos votos no sistema da ONU. A manipulação desses votos parece crítica para Washington.

Daí este interesse estratégico nos países africanos. Apesar da instabilidade em alguns deles, da turbulência política e da incerteza, Washington quer colocar suas mãos no futuro do continente, embora já tenha estado diretamente envolvida em inúmeros projetos destrutivos.

Destaca-se também o interesse pela África por parte da UE e de atores individuais desta comunidade, como a Alemanha e a França. Paris perdeu recentemente parte de sua influência, enquanto Berlim tenta promover seu próprio roteiro, que tem os mesmos objetivos de Washington.

Surpreendentemente, o lançamento da estratégia coincidiu com a viagem de Anthony Blinken à África do Sul, República Democrática do Congo e Ruanda. Suas declarações eram claramente anti-russas. Em particular, ele falou negativamente sobre as atividades das empresas militares privadas russas no Mali e na República Centro-Africana, que estão ajudando muito os governos a estabelecer a paz e a estabilidade.

Além disso, o secretário de Estado dos EUA esteve no Egito, Etiópia, Uganda e República do Congo em julho. Isso atesta o trabalho sistemático de Washington para a região. Mas enquanto Moscou é referida no contexto da crise na Ucrânia e da interação das forças de segurança, Pequim é uma questão mais ampla para a Casa Branca.

O fato é que a China é há muitos anos o maior parceiro comercial da África, onde o faturamento do comércio chega a US$ 200 bilhões por ano. Mais de 10.000 empresas chinesas estão operando em países africanos. Em 2020, foi estabelecido o Fundo de Desenvolvimento de Infraestrutura da Iniciativa do Cinturão e Rota de um bilhão de dólares, e dois anos antes foi aprovado um pacote de ajuda de US$ 60 bilhões para a África.3

Desde 2011 a China tem sido um grande doador e investidor em projetos de infraestrutura na África e é improvável que os EUA alcancem e ultrapassem Pequim rapidamente nesse sentido.

Além disso, a China já pagou as dívidas de vários países africanos sob compromissos internacionais, o que foi percebido positivamente tanto pelas elites políticas quanto pelas sociedades africanas, apesar da propaganda ocidental anti-China acusar Pequim de buscar políticas neocoloniais e servidão por dívida. Não há memória histórica negativa de uma presença chinesa na África e o próprio passado da China oferece esperança para o desenvolvimento nos países africanos também.

A China também tem interesse direto na estabilidade de longo prazo da África, já que cerca de um terço do petróleo que entra no Reino do Meio é extraído e exportado de países africanos (Sudão, Angola e Nigéria). E mais ou menos 20% do algodão que entra na China também é de origem africana. Sem mencionar outros produtos — de frutas e vegetais a minerais. Pequim fará, portanto, um esforço ativo para manter sua influência.

O interesse em localizar bases militares tem essas mesmas razões. A estratégia do “colar de pérolas” da China repousa no Chifre da África e depois continua no Heartland da África por terra.

Em termos de infraestrutura cibernética, a China está implementando o projeto Rota da Seda Digital na África. Isso está sendo realizado em grande parte por meio da ZTE, que já recebeu US$ 2,7 bilhões em contratos por meio de empréstimos.4 Isso não é novidade para Washington. Vários think tanks dos EUA próximos ao governo há muito falam sobre a crescente influência chinesa na África.5

Dito isso, as avaliações sobre os interesses dos EUA têm variado. Por exemplo, a RAND Corporation observou em um estudo sobre o tema que “a China não é necessariamente uma ameaça estratégica aos interesses dos EUA”.6 Mas sob a administração de Donald Trump, a retórica anti-chinesa nos EUA aumentou. E embora os democratas tenham sido bastante críticos a Trump em muitas questões de política externa, a linha de confronto com Pequim continuou.

Os think tanks dos EUA continuam a desenvolver soluções diferentes para muitos casos, de Taiwan às relações bilaterais. A África também não é esquecida. Ao mesmo tempo, as críticas a Pequim são ecoadas pelos satélites europeus dos EUA. Alguns meios de comunicação globalistas continuam a vender mitos anti-China e a elogiar os EUA.

Por exemplo, The Economist escreveu em maio de 2022 que “a China está mostrando mais arrogância em suas relações com a África. Xi Jinping e seus enviados se envolvem regularmente com a África; nas cúpulas trienais China-África, os líderes chineses gostam de prometer novos recursos e programas em voz alta.

A América faz uma contribuição valiosa para a África, mas de forma menos visível. Suas forças armadas estão ajudando os governos africanos a combater grupos extremistas. Investiu pesadamente na melhoria da saúde pública, fornecendo vacinas contra a COVID fabricadas no Ocidente que funcionam melhor do que as vacinas chinesas (e são gratuitas).

Em abril, o governo destinou mais de US$ 200 milhões em ajuda ao Chifre da África em resposta à crise alimentar exacerbada pela guerra da Rússia na Ucrânia. Geralmente não há nada de errado em divulgar os esforços ocidentais para apoiar a democracia, que continua sendo a forma de governo mais popular entre os africanos. E Biden também deve visitar a África.

Uma abordagem ocidental menos condescendente seria oportuna. Os governos africanos não esperam mais grandes empréstimos e megaprojetos da China. A condescendência da China em relação a Vladimir Putin e sua abordagem punitiva em relação a países como a Lituânia são um lembrete de que ela também pode ser um valentão.

Por 20 anos, a China tem sido o principal parceiro dos governos africanos que buscam transformar suas economias. A maioria dos políticos africanos e seus cidadãos apreciaram os benefícios decorrentes dessa relação. Mas recorrer à China tem sido muitas vezes a única opção. O Ocidente deve oferecer uma alternativa.”7

Em teoria, se o Ocidente quisesse estabelecer sua influência na África, deveria fazê-lo. Mas o problema é que o Ocidente não pode oferecer nenhuma alternativa. A única coisa que pode tentar fazer é investir mais em vários projetos importantes. O fato é que, embora haja muito investimento da China, não é muito para a África como um todo, e é necessário mais dinheiro para o desenvolvimento de infraestrutura.8

Mas há uma questão de condições aqui. O Ocidente não está acostumado a dar dinheiro ou empréstimos sem exigências políticas. Por isso, os empréstimos chineses são mais atraentes. Além disso, há oportunidades adicionais, como o banco do BRICS (sendo a África do Sul um dos membros) ou a atuação de outros atores na região, como Irã e Turquia.

Entendendo isso, os EUA provavelmente não competirão diretamente com a China, mas tentarão ocupar nichos vazios e expandir sua presença onde tem uma posição crível. É provável que paralelamente a isso, os EUA e seus agentes façam uma guerra de informação contra a China, vilipendiando qualquer iniciativa de Pequim de todas as formas possíveis.

A probabilidade de usar a diáspora africana que vive nos EUA é alta. No mínimo, esta opção é indicada na estratégia. No entanto, mesmo uma ação tão limitada de Washington poderia ter consequências desagradáveis ​​para os países africanos, pois limitaria sua soberania de uma forma ou de outra. E o entrincheiramento dos serviços militares e de inteligência dos EUA sob o pretexto da segurança ameaçará a estabilidade da região.

Notas

1 https://www.whitehouse.gov/briefing-room/press-briefings/2022/08/07/background-press-call-by-senior-administration-officials-previewing-the-u-s-strategy-toward-sub-saharan-africa/

2 https://www.prosperafrica.gov/

https://www.forbes.com/sites/wadeshepard/2019/10/03/what-china-is-really-up-to-in-africa/?sh=5eb7ba1f5930

4https://static1.squarespace.com/static/5652847de4b033f56d2bdc29/t/610844c1b59c8123f42a0c3e/1627931842061/PB+60+-+Tugendhat+and+Voo+-+China+Digital+Silk+Road+Africa.pdf

5 https://www.csis.org/programs/africa-program/archives/china-africa

6 https://www.rand.org/pubs/research_briefs/RB9760.html

7 https://www.economist.com/special-report/2022-05-28

8 https://www.fpri.org/article/2022/01/chinese-economic-engagement-in-africa/


Fonte: Katehon

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 585

Deixar uma resposta