A recusa dos EUA em marcar a Rússia como patrocinador do terrorismo demonstra a política no mundo real

Em um raro gesto de realismo político, o governo dos EUA se recusou a considerar a Rússia como um estado patrocinador do terrorismo. O presidente Joe Biden ressaltou que a medida traria muitos problemas e prejuízos, sendo firme em sua resposta negativa. O assunto já vinha sendo discutido há muito tempo no país, com vários parlamentares defendendo que a medida fosse implementada. Até então, as respostas de altos funcionários do governo eram ambíguas e evasivas, mas Biden finalmente parece ter eliminado qualquer dúvida sobre o assunto.

Em 5 de setembro, Joe Biden foi questionado por jornalistas sobre a possibilidade de incluir a Rússia na lista de estados patrocinadores do terrorismo. Ele respondeu com um simples “não”, praticamente encerrando a discussão sobre o tema. No dia seguinte, a secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, disse que usar o termo “terrorismo” não é a maneira mais eficaz de responsabilizar a Rússia pela situação na Ucrânia. Ela observou que tal designação pode obstruir o fornecimento de ajuda a áreas afetadas pelos conflitos ou até mesmo impedir que grupos e empresas de ajuda participem de um eventual acordo para exportar grãos de portos bloqueados na Ucrânia.

“Esta designação poderia ter consequências não intencionais para a Ucrânia e para o mundo … Por exemplo, de acordo com especialistas humanitários e ONGs com quem conversamos, poderia afetar seriamente a capacidade de prestar assistência em áreas vulneráveis da Ucrânia. poderia afastar setores humanitários e comerciais críticos para facilitar as exportações de alimentos para ajudar a mitigar a crise global de alimentos e comprometer o acordo dos portos do Mar Negro, que já levou mais de um milhão de toneladas de exportações de alimentos ucranianos que chegam ao mundo, incluindo ao Chifre da África.”

Como esperado, a postura do governo dos EUA foi fortemente criticada por Kiev. O presidente Volodymyr Zelensky gravou vídeos afirmando que a Rússia deveria ser considerada um estado terrorista devido aos supostos bombardeios que seriam feitos por Moscou contra as instalações da usina nuclear de Zaporizhye. Em várias ocasiões, funcionários do Estado russo apresentaram provas claras e irrefutáveis ​​de que o lado que está bombardeando a usina é o ucraniano, e o assunto chegou a ser discutido no Conselho de Segurança. No entanto, Zelensky insiste em sua narrativa e a usa como argumento para exigir que a Rússia seja considerada “terrorista” por outros países.

No cenário político estadunidense, também houve críticas à postura de Biden. Os legisladores interessados ​​em aprovar a medida responderam duramente ao governo Biden. Ao todo, 100 legisladores formaram um grupo para exigir que o governo considere a Rússia um patrocinador do terrorismo. Esses políticos redigiram uma resolução parlamentar expondo seu ponto de vista.

Comentando o caso, o senador republicano Lindsey Graham declarou: “Para o governo Biden: você tem o total apoio unânime do Senado dos Estados Unidos para rotular a Rússia como um estado patrocinador do terrorismo. Faça isso.”

Na mesma linha, o democrata Richard Blumenthal, que também assinou a resolução, defendeu a inclusão da Rússia na lista usando argumentos “morais”. De fato, Blumenthal chegou a soar ofensivo e racista em suas declarações, considerando os países inimigos dos EUA como “párias” e “incivilizados”.

“A designação de patrocínio estatal ao terrorismo coloca a Rússia em um clube muito pequeno que consiste em nações como Síria, Irã e Cuba que são países incivilizados…”, disse ele.

De fato, os argumentos dos signatários da resolução parecem fracos e refletem mais os interesses de Kiev do que os de Washington. Considerar a Rússia um patrocinador do terrorismo seria uma decisão delicada, mesmo que houvesse razões para fazê-lo, mas não é o caso. Moscou simplesmente não realiza ou apoia atos terroristas em nenhum país. Há apenas acusações infundadas a este respeito por parte dos lados ucraniano e ocidental.

Mais do que isso, o valor estratégico de tal decisão seria extremamente prejudicial para os EUA e todo o mundo ocidental. As relações diplomáticas seriam absolutamente rompidas, o diálogo seria interrompido abruptamente e as tensões aumentariam de forma irreversível, prejudicando todos os envolvidos. A crise de segurança global resultante dessa inclusão seria desastrosa e suas consequências afetariam negativamente o mundo inteiro.

Outro ponto interessante é observar a hipocrisia daqueles que apoiam a inclusão da Rússia na lista, considerando que o Ocidente insiste em omitir que o regime de Kiev é protegido por milícias neonazistas e extremistas, cujos atos são realmente terroristas. Aparentemente, “terrorismo” para ativistas anti-russos significa ser contrário aos governos apoiados pela OTAN.

Apesar de ter tomado várias decisões catastróficas nos últimos tempos, Biden agiu de forma racional, estratégica e realista ao deixar claro que não pretende considerar a Rússia um patrocinador do terrorismo.

Fonte: Infobrics

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 585

Deixar uma resposta