Kharkov: O que está impulsionando a recente dinâmica militar e o que vem a seguir?

A contraofensiva ucraniana em Kharkov, efetivada em superioridade numérica de 10 para 1 e com amplo uso de armamentos ocidentais e mercenários estrangeiros, forçou as forças russas a recuarem e a se adaptarem. Para Kiev, era vital realizar essa operação para mostrar força para os aliados ocidentais e tentar melhorar futuras condições de negociação com Moscou.

A Mídia de Massa Ocidental, liderada pelos EUA, está em êxtase com as últimas dinâmicas militares em torno de Kharkov depois que as forças de Kiev teriam recapturado cerca de 1.000 quilômetros quadrados (385 milhas quadradas) de território da Rússia e seus aliados do Donbass. Isso, por sua vez, levou muitos dos oponentes de Moscou a glorificar o avanço do exército nas mídias sociais e compartilhar previsões sobre sua suposta vitória iminente na última fase do conflito ucraniano provocado pelos EUA, que eclodiu no final de fevereiro. A realidade é mais matizada, porém, como a presente análise explicará concisamente. O que se segue é uma lista de pontos que chama a atenção para os fatores menos discutidos por trás das últimas dinâmicas militares:

  • As forças de Kiev dependem inteiramente do apoio militar estrangeiro

O conselheiro presidencial ucraniano Alexey Arestovich admitiu no final de março que a Rússia “praticamente destruiu nossa indústria de defesa”, o que significa que as forças de Kiev só conseguiram manter o conflito em andamento desde então devido ao apoio militar estrangeiro (EUA-NATO).

  • Os EUA já deram aos seus procuradores 15,2 bilhões de dólares em ajuda militar desde 2021

O Secretário de Estado norte-americano Antony Blinken disse na semana passada que os últimos US$ 2,8 bilhões de ajuda militar de seu país a Kiev elevam o total geral para US$ 15,2 bilhões desde que a Administração Biden chegou ao poder, provando assim que as forças receptoras são realmente procuradores dos EUA-otan, especialmente quando se considera o ponto anterior.

  • A contraofensiva de Kherson encobriu a de Kharkov

A contraofensiva de Kharkov seguiu rapidamente a fracassada de Kherson e foi assim capaz de alcançar algum sucesso no terreno (embora potencialmente transitório) depois que os defensores corretamente priorizaram suas forças limitadas para proteger a frente sul muito mais estrategicamente significativa.

  • A Rússia prefere recuar do que ensaiar uma Mariupol (por enquanto)

Ao contrário das forças de Kiev que militarizam ilegalmente áreas residenciais a fim de explorar de fato os civis lá como escudos humanos exatamente como a Anistia Internacional provou no mês passado, a Rússia preferiria se retirar do que arriscar danos civis e de infraestrutura colaterais, pelo menos de acordo com seus cálculos atuais (que podem mudar).

  • Kharkov pode ser dispensável para a Rússia de um ponto de vista estratégico

Nem todo ganho no campo em qualquer conflito tem que ser mantido, não importa o custo, o que foi provado anteriormente no contexto ucraniano com respeito a Kiev e à Ilha da Serpente, de modo que se segue que a retirada tática da Rússia de Kharkov também pode servir a propósitos estratégicos similares com respeito à frente sul, por exemplo.

  • A Rússia pode completar completamente sua retirada tática da região de Kharkov

Recordando o precedente estabelecido por sua retirada tática anterior das regiões do norte da Ucrânia ao redor de Kiev, a Rússia também poderia completar completamente a mesma manobra em Kharkov por razões estratégicas que só podem ser especuladas neste cenário até que tudo se torne mais claro depois.

  • Ou a Rússia e seus aliados de Donbass poderiam empurrar de volta contra o exército proxy da OTAN

Há também a possibilidade de que as forças defensoras empurrem ativamente contra os agressores, seja para deter o avanço alimentado pela OTAN e assim congelar a linha de contato nesta parte da Ucrânia ou para reliberar o território recentemente capturado, o que poderia de qualquer forma levar a uma grande batalha.

  • A batalha potencial de Kharkov pode vir a ser um ponto de inflexão no conflito

Se a Rússia e seus Aliados do Donbass decidirem reverter a última dinâmica militar, então a Batalha de Kharkov resultante poderia ser, em última instância, um ponto de inflexão no conflito, após o qual as conversações de paz poderiam ser potencialmente retomadas antes do próximo inverno e previsivelmente ditadas pelo vencedor.

  • A Rússia pode finalmente declarar a mobilização oficial de suas forças

No cenário anterior, o significado da potencial batalha de Kharkov na determinação da dinâmica estratégico-militar subsequente do Conflito Ucraniano poderia obrigar a Rússia a finalmente declarar uma mobilização oficial a fim de igualar os números do crescente exército de representantes da OTAN.

  • Sucesso rápido = mudança de jogo enquanto empate = mais do mesmo

Caso os representantes da OTAN travem uma grande batalha com as forças potencialmente mobilizadas da Rússia sobre Kharkov, o rápido sucesso de qualquer um deles seria uma mudança de jogo para o seu lado, enquanto um impasse levaria a mais do mesmo e possivelmente resultaria no congelamento da linha de contato até o inverno.

  • Um movimento assimétrico da Rússia não pode ser descartado

Independentemente de a Rússia completar sua atual retirada tática de Kharkov por razões estratégicas que ainda não foram vistas ou decidir lutar em uma grande batalha por aquela região, não se pode descartar que o Presidente Putin ordene um de seus movimentos assimétricos clássicos para sacudir tudo.

Algumas observações gerais concluirão agora a análise:

  • A contraofensiva de Kharkov é o último hurrah de Kiev esse ano (& talvez de sempre)

Espera-se que o inverno que se aproxima complique as operações militares para ambos os lados, o que significa que a contraofensiva de Kiev em Kharkov é seu último hurrah do ano, embora também possa ser seu último hurrah se a Rússia conseguir sucesso rápido na batalha potencial sobre esta região e então ditar seus termos de paz.

  • A guerra da informação de ambos os lados se intensificará inevitavelmente

Considerando que a última dinâmica militar representa o último hurrah de Kiev do ano (e talvez de sempre), e considerando que a possível batalha sobre a Região de Kharkov poderia ser uma mudança no conflito, é inevitável que as operações de guerra de informação de ambos os lados se intensifiquem.

  • O pensamento ilusório poderia arrancar a derrota das mandíbulas da vitória

A opinião pública russa e ucraniana sobre o conflito é irrelevante para moldar sua dinâmica militar, mas se as operações de informação de seus próprios lados inadvertidamente enganam seus tomadores de decisão com um pensamento ilusório, então qualquer um deles pode de repente perder grandes ganhos e assim ser derrotado apesar deles.

  • Ambas as partes provavelmente esperam que as conversações de paz sejam retomadas até o início do próximo ano

Todos os eventos militares que se desenrolarão antes do próximo inverno serão quase certamente alavancados pelo lado com maior impulso (seja absoluto no cenário de seu rápido sucesso ou relativo em um impasse contínuo) para retomar as negociações de paz até o início do próximo ano com condições favoráveis à sua causa.

  • Nenhum dos lados jamais alcançará seus resultados maximalistas desejados

Não há nenhuma chance de que a Rússia deixe os neonazistas invadirem a Crimeia depois de se reunificarem democraticamente com ela para evitar esse cenário, nem permitirá que Kiev recapture todo o Donbass depois de reconhecer sua independência, embora a OTAN também não permita que Moscou desmilitarize totalmente a Ucrânia, uma vez que ela continuará a enchê-la de armas.

  • O grande contexto estratégico prova que o tempo está do lado da Rússia

A transição sistêmica global para a multipolaridade que foi acelerada pelas sanções antirrussas contraproducentes do Ocidente significa que o tempo está do lado de Moscou, já que a UE está enfrentando grandes crises econômico-políticas que levarão a mudanças estratégicas irreversíveis que, em última instância, funcionarão em benefício do Kremlin.

Imagem padrão
Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro "Guerras Híbridas".

Artigos: 6

Deixar uma resposta